Primeiras Impressões: The Last Tycoon

31 de julho de 2017 Por:

The Last Tycoon é a mais nova aposta da Amazon em conteúdo original. Com uma bela reconstituição dos anos 1930, figurinos impecáveis e um elenco estrelar, a série parece ter todos os ingredientes para um grande drama de época. O resultado, no entanto, parece mais uma colagem de situações e frases de efeito que tentam emular algo do tipo, e falha ao entregar um produto bonito, mas vazio.

Baseado no último livro (não finalizado) de F. Scott Fitzgerald, O Último Magnata, o seriado conta a história de Monroe Stahr, executivo de um estúdio de Hollywood interpretado por Matt Bomer (White Collar). Stahr, sempre em busca do filme perfeito, vive em conflito com o dono do estúdio Pat Brady (Kelsey Grammer), mais preocupado em fazer dinheiro. Como pano de fundo, temos a ascensão do nazismo e a influência da Alemanha na produção de filmes, além da pobreza vivida nos Estados Unidos por conta da Grande Depressão.

Divulgação/Amazon Prime

O piloto de The Last Tycoon peca pelo excesso de informação e a tentativa insistente, quase incômoda, de querer produzir comoção no telespectador. Ficamos sabendo que a mulher de Stahr morreu em um trágico incêndio na mansão do casal logo no começo do episódio, mas a falta de sutileza com que o sofrimento dele é mostrado não produz a empatia necessária para se importar com isso. Depois, descobrimos que ele tem um problema cardíaco e pode morrer a qualquer momento. Em seguida, um dos roteiristas do estúdio se mata porque seu filme não será mais produzido. Tudo parece meio jogado pelo roteiro, um verdadeiro desperdício de tramas.

Temos também a filha do patrão, Celia (Lily Collins), que deseja ser roteirista e produtora, mas acima de tudo, deseja se casar com Stahr. Ele, aparentemente, não dá muita bola para ela, nem para nenhuma outra das várias mulheres que praticamente se jogam em cima dele. Mas é claro que isso muda quando ele conhece a garçonete Kathleen Moore (Dominique McElligott), por quem fica encantado. Mais clichê, impossível.

Os diálogos foram algo que me incomodaram bastante. Há uma infinidade de frases feitas sendo ditas a todo momento, com o intuito de causar algum impacto. Ao invés disso, parece que estamos assistindo alguma novela (ruim) da Globo, ou mesmo um dramalhão mexicano. As cenas entre Stahr e Pat, principalmente, são assim. Não há sutileza nenhuma em mostrar que Pat é uma figura paterna para Monroe, que tenta a todo momento mostrar seu valor para o ‘pai’.

Divulgação/Amazon Prime

Há ainda a trama dos jovens sem-teto, que estão acampados atrás do terreno do estúdio. A troca de olhares nada sutil entre Pat e um dos garotos mostra que eles terão alguma história na série, mas, como em quase todo o episódio, não há muito o que se tirar dali por enquanto.

Para não pensarem que estou de mau humor e achei tudo ruim, os atores são bons e se esforçam. Destaque para Matt Bomer e Dominique McElligott, que mesmo com todos os clichês conseguem fazer de Monroe e Kathleen um futuro casal crível e com química. Há potencial sim para a série, falta apenas que o roteiro tenha um foco. O final do piloto, inclusive, fez eu ter vontade de assistir o próximo episódio. A trama inesperada adiciona camadas às personalidades dos personagens envolvidos e dá esperança de mais conteúdo para uma série tão bem produzida.

Todos os nove episódios de The Last Tycoon já estão disponíveis para os assinantes da Amazon Prime, inclusive no Brasil. Se você já assistiu, deixe nos comentários o que achou!

Jornalista, mãe, apaixonada por séries desde a época da Sessão Comédia, Gosto de dramas que emocionam e de comédias inteligentes. Também sou fã dos seriados de super-heróis.

São Bernardo do Campo, SP

Série Favorita: Outlander

Não assiste de jeito nenhum: The Blacklist

  • Mariane Lima

    awn! Apesar da atriz, da qual eu realmente não gosto, tava bem curiosa para ver essa série…

    • Thais Gonzaga De Oliveira

      Também estava, mas fiquei decepcionada 🙁

O que você precisa saber de Jessica Jones antes de Defensores

6 dias atráscomentarios

A primeira série da Marvel protagonizada por uma mulher começa quando os pais de Hope Shottman (Erin Moriarty) pedem a ajuda de Jessica Jones (Krysten Ritter) para investigar o paradeiro da filha, e ela então descobre que o sequestrador da moça é ninguém mais ninguém menos que Killgrave (David Tennant): aquele que a traumatizou através de um relacionamento abusivo. A moça não é então a típica heroína a qual estamos acostumados, e algumas vezes até chegamos a duvidar se podemos chama-la assim. Por ter um passado marcado pelo abuso sua personalidade se torna um tanto ácida e sombria, além de deixar para a personagem um descontrole no consumo de álcool e a ideia de que desistir é a melhor saída, e […]

Leia o post completo

O que você precisa saber de Demolidor antes de Defensores

1 semana atráscomentarios

Com o sucesso do universo cinematográfico desenvolvido pela Marvel nos cinemas, um dos personagens mais interessantes e queridos dos fãs de quadrinhos foi ansiosamente aguardado para voltar a fazer parte do mesmo mundo. Homem-Aranha? Não, na verdade Demolidor. Após a Fox deixar os direitos de uso do personagem retornar para a casa das ideias, Marvel e Netflix fecharam uma parceria para desenvolver diversas séries de heróis. Demolidor abre essa parceria com maestria, trazendo uma série obscura, e violenta, diferente do que o personagem já viveu nas telas até então (abraço Ben Affleck!) Charlie Cox (Broadwalk Empire), dá vida a Matt Murdock, sofrido e realista. A série apresenta ele como advogado com o escritório associado em Hell’s Kitchen, e em seguida suas […]

Leia o post completo

Com pais como estes, hoje é um dia para esquecer

1 semana atráscomentarios

Existe um ditado que diz que a vida imita a arte (ou vice-versa) e isso sempre se mostra realidade quando comparamos as séries que assistimos à vida real. Claro que ainda não descobrimos um universo paralelo, uma cabine telefônica que nos transporte por aí ou que alienígenas têm planos de conquistar a Terra, mas muitas vezes a realidade é espelhada nos roteiros das histórias que mais amamos. House of Cards está aí para comprovar essa teoria, se compararmos os acontecimentos aos fatos que vemos nos noticiários todos os dias. Com os pais não poderia ser diferente. Existem pais que assumem o papel integral da criação da criança, pais que são os melhores amigos dos filhos, filhos que têm dois pais, pais de […]

Leia o post completo

Siga as nossas redes sociais e fique sempre conectado:

Assine nossa newsletter