Punho de Ferro – 1×09 The Mistress of All Agonies

18 de março de 2017 Por:

Precisamos seriamente conversar sobre os rumos de Punho de Ferro.

Reprodução/Netflix

O episódio começou no exato momento em que Harold voltou à vida mais uma vez, comprovando que de fato ele adquiriu poderes após sua associação com o Tentáculo. Entretanto, qual o propósito disso? Em nenhum momento da história o personagem teve algum propósito bem definido, sendo na maior parte do tempo um vilão pouco eficiente que fazia uma ou outra maldade com alguma pessoa aleatória. O final do sétimo episódio, com Ward matando o próprio pai, trazia a esperança de que essa situação fosse um divisor de águas: Ward finalmente poderia agir sem a sobra do seu progenitor e conquistar seu posto como o vilão estabelecido da reta final.

Ao invés disso, trouxeram Harold novamente. Quase metade do episódio se resumiu nele andando pra lá e pra cá como um completo bobo falando idiotices (“Você tem um filho? Eu também tenho!”). O propósito foi mostrar a confusão e deterioração da sanidade após ressuscitar, mas acabou sendo tão ridículo que eu fiquei rindo durante diversas cenas – e esse definitivamente não era o objetivo.

Reprodução/Netflix

Essa trama deixou alguma ideia do que esperar do futuro: Joy finalmente descobriu o pai vivo, ao mesmo tempo em que Ward ficou consciente de que o pai está cada vez mais doido, provavelmente colocando os irmãos em perigo. Isso até define um propósito para os próximos episódios, porém o problema reside no fato de já estarmos acabando a temporada. Faltam somente quatro episódios para terminar e a série deveria estar focando completamente na misticidade em torno do Punho de Ferro, a imponência d’o Tentáculo e o Danny procurando formas de derrotá-lo. Contrariamente, estamos perdendo muito tempo com subtramas que parecem não possuir importância nenhuma para a história principal. Sinceramente, estou torcendo para morder a língua e o retorno do Harold provar-se realmente útil.

Enquanto isso, Claire é outra pessoa que não deveria estar aparecendo por tanto tempo. Não me entendam mal, eu amo a personagem, ela talvez seja minha favorita no universo Marvel/Netflix, mas está sendo difícil deixar de lado a impressão de que colocaram ela nos episódios somente porque os fãs gostam. Ela está jogada na história, indo de um lugar para o outro, entretanto se não estivesse ali nem faria diferença. Tudo bem que ela precisa criar uma conexão forte com o Danny, visto que depois disso ela provavelmente será a responsável pela união dos Defensores, mas deveriam ter desenvolvido essa ideia de forma melhor sem colocá-la em tela simplesmente porque precisa e sim com uma intenção importante.

Reprodução/Netflix

Por fim, a dupla Danny-Colleen continua mostrando-se bastante inocente quanto ao Tentáculo. O plano de “sequestrar” a madame Gao parecia muito falho desde o começo e era óbvio que as coisas não seriam tão fáceis, tanto é que logo as consequências começaram a surgir. Tudo ficou mais interessante nos minutos finais, quando Danny mostrou seu poder de cura, até então inédito na série. Espero que nos últimos episódios comecem a desenvolver e explicar melhor os seus poderes, é algo intrigante que foi pouco explorado até o momento. Ah, e será que já confiaram tão facilmente no Bakuto? Parece que existe algo estranho nisso aí…

Possui mais séries na grade do que tempo disponível. Viciado em cultura pop, bandas indies e, principalmente, ketchup.

Curitiba / PR

Série Favorita: Seinfeld

Não assiste de jeito nenhum: Anger Management

  • Concordo contigo sobre a Claire, eu até gostei dela aparecendo no começo treinando com a Colleen e tratando o químico mas depois disso tá muito forçado as suas aparições. Pra mim o cúmulo foi ela viajar com eles pra China, foi bem jogado aquilo. Também gosto da personagem mas não precisa ser algo forçado, em JJ e Daredevil foi tão orgânico a participação dela e no começo dessa até foi mas agora não tá legal.

10 grandes reviravoltas em Gossip Girl

6 dias atráscomentarios

Há exatos 10 anos, o mundo era apresentado a Gossip Girl: uma série badalada, cheia de jovens ricos com seus amores e problemas. O piloto foi ao ar pela CW e deu vida a personagens que marcaram uma geração de Apaixonados por Séries. Durante 6 temporadas, já sentimos amor pelos protagonistas, odiamos alguns deles, vimos os altos e baixos de todos eles e, mesmo que a série não tenha mantido o mesmo nível em todas as temporadas, deixou aquela saudade. Para comemorar os 10 anos da série, selecionar os melhores momentos seria bem clichê. E como tivemos tantos babados, revolvemos escolher 10 momentos de reviravolta na série. Vem conferir com a gente: Vida e morte de Bart Bass Vamos combinar, Bart […]

Leia o post completo

Emmy 2017 | Em noite histórica, The Handmaid’s Tale derruba favoritas e quebra recorde de 36 anos

7 dias atráscomentarios

Fazia exatos 36 anos que uma série havia vencido ao menos 4 das 5 categorias principais do Emmy (Série, Roteiro, Direção, Ator e Atriz de Drama). O recorde pertencia à primeira temporada de Hill Street Blues, em 1981. Ontem, uma nova marca foi estabelecida. Deixando as favoritas Stranger Things e Westworld comendo poeira, The Handmaid’s Tale venceu os prêmios de série, direção, roteiro e atriz principal de série dramática e fez o que nem grandes séries como Breaking Bad, The Sopranos e The West Wing fizeram no seu auge. À esses 5 prêmios, a série acumula mais 3 vencidos no Creative Emmy semana passada: Atriz Convidada (Alexis Bledel), Fotografia e Direção de Arte, totalizando 8 vitórias na edição. Às outrora favoritas, restaram apenas 5 prêmios cada, todos entregues no Creative. Na noite de ontem, não teve […]

Leia o post completo

Primeiras Impressões: The Orville

1 semana atráscomentarios

O que dizer de The Orville? Assisti ao primeiro episódio dessa nova série da Fox, criada, produzida e estrelada por Seth MacFarlane (Family Guy), e até agora não consegui entender por que o seriado está classificado como uma comédia ou, mais distante ainda, uma sátira de Star Trek. The Orville não é uma série ruim, vejam vocês, mas não é uma comédia como tentaram vender os trailers e todo o material promocional. Há piadas sim, algumas até engraçadas, mas elas fazem parte do contexto e não são o objetivo final do roteiro. A ideia de um mundo futuro, com naves espaciais e seres de diversos planetas convivendo também não é uma sátira de Star Trek, como fizeram parecer. Ao contrário, […]

Leia o post completo

Siga as nossas redes sociais e fique sempre conectado:

Assine nossa newsletter