Punho de Ferro – 1×09 The Mistress of All Agonies

18 de março de 2017 Por:

Precisamos seriamente conversar sobre os rumos de Punho de Ferro.

Reprodução/Netflix

O episódio começou no exato momento em que Harold voltou à vida mais uma vez, comprovando que de fato ele adquiriu poderes após sua associação com o Tentáculo. Entretanto, qual o propósito disso? Em nenhum momento da história o personagem teve algum propósito bem definido, sendo na maior parte do tempo um vilão pouco eficiente que fazia uma ou outra maldade com alguma pessoa aleatória. O final do sétimo episódio, com Ward matando o próprio pai, trazia a esperança de que essa situação fosse um divisor de águas: Ward finalmente poderia agir sem a sobra do seu progenitor e conquistar seu posto como o vilão estabelecido da reta final.

Ao invés disso, trouxeram Harold novamente. Quase metade do episódio se resumiu nele andando pra lá e pra cá como um completo bobo falando idiotices (“Você tem um filho? Eu também tenho!”). O propósito foi mostrar a confusão e deterioração da sanidade após ressuscitar, mas acabou sendo tão ridículo que eu fiquei rindo durante diversas cenas – e esse definitivamente não era o objetivo.

Reprodução/Netflix

Essa trama deixou alguma ideia do que esperar do futuro: Joy finalmente descobriu o pai vivo, ao mesmo tempo em que Ward ficou consciente de que o pai está cada vez mais doido, provavelmente colocando os irmãos em perigo. Isso até define um propósito para os próximos episódios, porém o problema reside no fato de já estarmos acabando a temporada. Faltam somente quatro episódios para terminar e a série deveria estar focando completamente na misticidade em torno do Punho de Ferro, a imponência d’o Tentáculo e o Danny procurando formas de derrotá-lo. Contrariamente, estamos perdendo muito tempo com subtramas que parecem não possuir importância nenhuma para a história principal. Sinceramente, estou torcendo para morder a língua e o retorno do Harold provar-se realmente útil.

Enquanto isso, Claire é outra pessoa que não deveria estar aparecendo por tanto tempo. Não me entendam mal, eu amo a personagem, ela talvez seja minha favorita no universo Marvel/Netflix, mas está sendo difícil deixar de lado a impressão de que colocaram ela nos episódios somente porque os fãs gostam. Ela está jogada na história, indo de um lugar para o outro, entretanto se não estivesse ali nem faria diferença. Tudo bem que ela precisa criar uma conexão forte com o Danny, visto que depois disso ela provavelmente será a responsável pela união dos Defensores, mas deveriam ter desenvolvido essa ideia de forma melhor sem colocá-la em tela simplesmente porque precisa e sim com uma intenção importante.

Reprodução/Netflix

Por fim, a dupla Danny-Colleen continua mostrando-se bastante inocente quanto ao Tentáculo. O plano de “sequestrar” a madame Gao parecia muito falho desde o começo e era óbvio que as coisas não seriam tão fáceis, tanto é que logo as consequências começaram a surgir. Tudo ficou mais interessante nos minutos finais, quando Danny mostrou seu poder de cura, até então inédito na série. Espero que nos últimos episódios comecem a desenvolver e explicar melhor os seus poderes, é algo intrigante que foi pouco explorado até o momento. Ah, e será que já confiaram tão facilmente no Bakuto? Parece que existe algo estranho nisso aí…

Possui mais séries na grade do que tempo disponível. Viciado em cultura pop, bandas indies e, principalmente, ketchup.

Curitiba / PR

Série Favorita: Seinfeld

Não assiste de jeito nenhum: Anger Management

  • Concordo contigo sobre a Claire, eu até gostei dela aparecendo no começo treinando com a Colleen e tratando o químico mas depois disso tá muito forçado as suas aparições. Pra mim o cúmulo foi ela viajar com eles pra China, foi bem jogado aquilo. Também gosto da personagem mas não precisa ser algo forçado, em JJ e Daredevil foi tão orgânico a participação dela e no começo dessa até foi mas agora não tá legal.

Painel de Gotham na Comic-Con 2017

14 horas atráscomentarios

O Batman do cinema pode até tá pronto pra montar a Liga da Justiça, mas no universo televiso da DC, ele ainda está dando os primeiros passos. E que primeiros passos. De promessa a decepção a novamente uma promessa (agora cumprida), Gotham segue para seu 4º ano, mostrando – depois de alguns problemas de tom já ajustados – que pode sim ser uma boa série de origem do Homem-Morcego e sua famosa cidade. Estiveram presentes no painel da série na San Diego Comic Con, os atores Ben Mckenzie (Gordon), Sean Pertwee (Alfred), Camren Bicondova (Selina), Jessica Lucas (Tabhita), Cory Michael Smith (Charada/Nygma), Erin Richards (Barbara), Robin Lord Taylor (Pinguim), Alexander Siddig (Ra’s al Ghul) e Drew Powell (Butch). Um dos primeiros assuntos foi a transformação que Nygma passou recentemente. […]

Leia o post completo

Painel de Happy! na Comic-Con 2017

14 horas atráscomentarios

Seguindo com a estratégia de expandir sua programação de torna-la mais amigável para um público nerd, a SyFy va produzir Happy!, adaptação de uma Graphic Novel criada por Grant Morrison e Darick Robertson. Com um protagonista altamente reconhecível e um plot igualmente violento e delirante, estamos diante de um sucesso em potencial. Presentes ao painel estavam o ator Christopher Meloni, o criador da GN Grant Morrison, o produtor executivo Brian Taylor e o showrunner Patrick MacManus. Nick Sax (Chris Meloni) é um ex-policial que se torna assassino e, durante um trabalho, sofre um ataque cardíaco. Ao acordar, descobre que agora tem a habilidade de ver Happy, o amigo imaginário de uma garotinha sequestrada, que pede sua ajuda para resgatá-la. “Ele […]

Leia o post completo

Painel de Dirk Gently’s Holistic Detective Agency na Comic-Con 2017

14 horas atráscomentarios

Uma das series que mais me surpreendeu em 2016 (e que fiz questão de rever após o finale) foi Dirk Gently’s Holistic Detective Agency. Livremente baseada na obra original de Douglas Adams, a série é uma mistura maravilhosa de detetive, romance, amizade, assassinato, mistério, oculto, comédia, animais e autodescoberta. Com uma estreia modesta, a série cresceu em público e reconhecimento e está colhendo os frutos na convenção de 2017. Pela primeira vez no Hall H (um dos maiores da convenção), a plateia estava lotada aguardando o inicio do painel e vibrou com a chegada dos integrantes. Estavam lá os atores Elijah Wood (Tood), Samuel Barnett (Dirk), Hannah Marks (Amanda), Jade Eschete (Farah), Fiona Dourif (Bart), Mpho Koaho (Ken) e as […]

Leia o post completo

Siga as nossas redes sociais e fique sempre conectado:

Assine nossa newsletter