Dexter – 8×12 Remember the Monsters? (Series Finale)

25 de setembro de 2013 Por:

É isto. Dexter acabou. Foi difícil, e ainda é, colocar no papel tudo o que sentimos no último domingo, talvez por isto a demora para esta review.

Para uma série cercada por várias polêmicas que embalaram suas últimas temporadas (que questionavam, principalmente, a qualidade do roteiro), Dexter não poderia fugir de mais um episódio de gosto duvidoso. Foi controverso, com falhas abruptas e… triste. Triste porque, além de julgarmos que merecíamos um final melhor, e por acompanhar os dramáticos desfechos da família Morgan, é o final de uma série que a maioria dos telespectadores aprendeu a amar e odiar, na mesma intensidade, e que, mesmo nos momentos ruins, era difícil resistir a assistir ao próximo episódio. Queremos colocar no papel as nossas angústias e frustrações pelo fim da história do nosso serial killer, mas também coletar os cacos que podem ser reaproveitados, e elogiados, deste episódio que teve um final tão destrutivo e expor, dessa maneira, os dois lados: O positivo e o negativo.

Harrison-Dexter-Series Finale

Todo o problema que envolve o final da premiada série da Showtime é a falta de uma conclusão coerente para esta história que é contada há oito anos. Sempre esperamos pelo momento em que Dexter finalmente seria exposto para a sociedade, mesmo que fosse depois de morto, e isto nunca aconteceu. Talvez este sentimento dê o tom da decepção que sentimos quando vimos um silencioso MCH barbudo na cena final. A humanização do personagem, que sempre foi defendida por boa parte dos fãs e pelos roteiristas, talvez tenha sido a grande vilã das falhas imperdoáveis que Dexter veio cometendo desde a 4ª temporada. Quando, em Monkey in a Box, ele decide deixar Saxon vivo e partir para uma nova vida com Hannah e Harrison, uma contradição foi criada. Ao mesmo tempo em que é coerente com esse novo Dexter que ele não mate Saxon e o deixe ser pego pela polícia, é complicado aceitar que ele tenha deixado vivo um cara que ameaçou diretamente sua irmã, sua mulher e seu filho.

O problema de Remember the Monsters? não está reduzido aos desfechos encontrados para as histórias, mas encontra-se ligado, muito mais, ao modo como estes foram conduzidos. É um episódio anticlímax, com flashbacks inseridos forçosamente tentando criar nostalgia (coisa que não é conseguida pelos outros detalhes também nada sutis, como um caminhão de gelo que lembra o ITK) e que apresenta algumas falhas de condução que não podem ser esquecidas. Também é um episódio que não é justo nem com a série da qual ele faz parte nem com o público que tanto esperou por este desfecho.

O que assistimos em pouco mais de 50 minutos é a velha repetição de um ciclo. Dexter descobre que algo que fez deu errado, decide que precisa finalmente se livrar do big bad da temporada e o faz. O adendo aqui era o estado terminal de Deb. E na execução do ato final, erros amadores saltam aos olhos – erros ligados diretamente a construção de personagens como Dexter, Quinn, Batista e outros.

A morte do Saxon é, talvez, um dos pontos mais falhos aqui.

Dexter-Saxon-series finale

Tudo nessa trama grita pro erro desde que ela apareceu, é fato, mas é complicado aceitar que o Saxon decida invadir um hospital onde está internada uma tenente da polícia de Miami para matá-la. Ele é um psicopata, seus gestos são frios e calculados, não impulsivos, como este. Mesma impulsividade que leva Dexter a procurá-lo na prisão e matá-lo. Impulsividade que não é boa. Que soa estranha demais. Matar Saxon diante das câmeras, após uma fraca simulação de provocação, não é aceitável devido ao alto risco que isso podia trazer e não existem argumentos de que Dexter estava perdido ou surtado que justifiquem um ato tão estúpido desses. É complicado entender também que Quinn e Batista – especialmente este último -, agentes da lei e que tentam ao máximo fazer o que é certo, de certa forma, acobertem Dexter pela morte. O episódio não deixa exatamente claro se os dois realmente perceberam que Dexter não o matou em legítima defesa e, honestamente, fica complicado também imaginar o que seria mais aceitável: Eles não terem percebido ou terem deixado o amigo livre por isso.

O tiro dado em Debra no final do episódio passado mudou o Dex. Ver a irmã em cima de uma cama de hospital acionou um old-new-Dexter. Um que é dominado novamente pelo passageiro sombrio, mas que sofre isso por sentir – o que é uma grande ironia. A questão principal aqui é a regressão que isso traz. Assistimos, já há algumas temporadas, a humanização de Dex como personagem, a sua “evolução” (coroada com os atos estúpidos do episódio passado) e quando, aqui, ele decide simplesmente deixar Hannah e Harrison embarcarem porque sente que precisa se acertar com Saxon, todo o percurso dos últimos episódios vai pro lixo. Foi uma jornada perdida. Desperdício de tempo e falta de planejamento de roteiro.

Roteiro que também falha por suas soluções planas e por ignorar outros personagens.

É claro que o foco aqui deveria ser Deb e Dex, mas depois de uma temporada envolvendo a reconstrução da história da tenente e de Quinn, não dá pra entender a ausência de uma cena de despedida. Mais uma vez, tudo que foi construído na temporada parece inútil aqui. Talvez seja esse o grande problema de Remember the Monsters?. É um episódio que parece ter sido escrito quase que isoladamente, sem uma consulta prévia ao que tinha sido feito anteriormente. É audacioso dos roteiristas agirem assim e isso chega a ser até mesmo insultante ao seu espectador.

Pra não citar também a confusão criada pela tempestade usada como desculpa idiota pra que o Dexter entre no quarto da Deb, desligue os aparelhos e saia com seu corpo na maca sem que ninguém note nada (e, mesmo com Saxon preso/morto, não é verossímil que nenhum policial estivesse de guarda ali no momento). Da mesma forma que não dá pra conceber Elway ser informado que Hannah está em um ônibus com Harrison e, além de aparecer lá sozinho por causa de uma recompensa, decidir singelamente esperar até a próxima parada para que eles desçam, sabendo o quão traiçoeira Hannah é.

Deb e Dexter Series Finale

Ok, em um final onde tantas falhas não passaram desapercebidas, e onde pudemos perceber que os roteiristas precisavam de mais tempo para não correr com as histórias, Dexter teve sim algumas conclusões coerentes.

Talvez a decisão mais acertada deste fraco episódio final tenha sido a esperada morte de Debra. A irmã de Dex sempre foi a que sofreu as consequências da vida dupla do analista forense, e desde o final da 6ª temporada, nunca mais foi a mesma. Vimos Deb passando por cima de ideais e condutas que ela nunca abriria mão em nome do egoismo e egocentrismo de seu irmão. Como ela mesma disse: “I fucked up a lot, maybe I deserved to die.” Não é que ela merecia morrer, mas Dexter precisava sentir, pela última vez, a consequência de seus atos impensados. Dex não aprendeu a lição com Trinity ao perder Rita, e por isto perdeu Deb para Saxon.

O plot da morte de Debra trouxe também outro desfecho positivo, e fiel, às temporadas anteriores: ao desconectar Deb dos aparelhos no hospital (apesar da maneira inverossímil que isto tenha acontecido) Dexter acatou o pedido da irmã, lá na terceira temporada, quando ele oferece a Camille um bolo letal. Deb pediu ao irmão que a matasse caso ela ficasse presa a um leito de hospital em algum momento de sua vida. Se ele fez isto por Camille, porque não fazer por Debra? Acho sensato que, já que humanizaram o serial killer, a morte de sua irmã seja tão dura e irremediável para Dex, afinal, Deb sempre foi o lado sensível e humano de Dexter, muito mais do que Rita, Vogel, Hannah, Harry, Harrison e Camille jamais foram. Por isto torna-se fácil entender que o serial killer queira buscar o isolamento total na cena final do episódio: sem Debra ele jamais chegaria onde chegou.

Contudo, mais uma vez, o episódio peca na execução de tal ideia. Não seria ideal, mas se queriam mostrar que, sem Deb, Dexter não seria nada, a morte seria a melhor saída. Claro que deveriam ter pensado em outra maneira que não fosse o suicídio – porque por mais sozinho que ele queira ficar, ele tem um filho e não daria pra aceitar MESMO que ele se matasse -, mas poucas coisas poderiam ser piores que do que ver Dexter reduzido a um cortador de lenhas com barba estilo Wolverine, sozinho e isolado em algum lugar distante, sem que ao menos fique claro que rumos ele tomou. Deixou de ser serial killer? Ou continua matando?

Os produtores falaram que o final da série seria aberto. Mas não tanto.

Cena final Dexter

No olhar vazio de Dexter e nas mãos dadas de Hannah e Harrison na Argentina nas últimas cenas, o que fica é a decepção de ver uma história que em certos momentos chegou a ser épica terminar mergulhada em um mar de erros agora irreparáveis, incoerências roteirísticas pesadas e desfechos tão secos e amargos quanto a expressão facial de seu protagonista, quando as cortinas se fecham e os últimos créditos sobem.

Adeus, Dexter. É uma pena que sua despedida tenha sido mais agridoce do que se esperava.

Mineira radicada em SP. Pão de queijo + séries + música. É fã de listas, maratonas e, claro, trilhas sonoras.

São Paulo/SP

Série Favorita: Friends

Não assiste de jeito nenhum: Lost

  • Osvaldo

    Ótima review!
    Praticamente colocou todos os nós que eu tinha na garganta pra fora.
    Depois da morte de Deb eu realmente esperava a morte do Dexter, mas depois eu fiquei pensando, será que não é melhor ele sofrer carregando tudo isso vivo, e a morte seria algo muito fácil pra ele se “redimir”?
    Enfim, realmente esperava que ele pagasse pelos deslizes que ele cometeu ao deixar o Saxon vivo.
    Decepção e tristeza foi o misto de sentimentos que o episódio trouxe, mas é isso, acabou, fazer o quê, né?
    P.S.: Ainda não me entra na cabeça porque não disfarçaram a Hannah pra que ela conseguisse fugir sem tanto alarde. 😛

    • Esse ponto da Hannah fugir sem disfarce é realmente uma falha grave!

  • Lara

    Foi impressão minha ou na última cena qnd a câmera fecha no dexter, ele está chorando? Como se aquela situação fosse seu inferno pessoal, sei lá. Muito difícil esse series finale, esperava tanta coisa e nada do que eu pensava aconteceu. ;/

    • Eu acabei de rever a cena…eu acho que ele não chora, é só um reflexo da Luz mesmo. Mas a situação é essa mesmo, meio de auto-punição sabe?

  • Discordo totalmente.
    Apesar de pequenas e irrelevantes falhas, foi perfeito.

    E a minha review tá aqui, nessa entrevista com a produtora executiva: http://tvline.com/2013/09/22/dexter-series-finale-spoilers-deb-dies-dexter-fakes-death/.

    Concordo plenamente com tudo que ela disse.

    • Todas as dúvidas da galera, como o disfarce da Hannah, desfecho de outros personagens, etc; estão nessa entrevista.

      Achei totalmente cabível e ficou mto claro que Dexter DEIXOU de ser um serial killer, o que na real ele nunca foi – e o papel da Vogel na temporada foi mostrar isso pro público.

      Não entendo a necessidade dos fãs em ver Dexter sendo descoberto por todos. Seria bacana, mas pra mim, melhor ainda é ver ele vivendo pra sempre com a culpa em matar tanta gente que o amou e ele tb ama.

      Enfim, é isso. Valeu pelas reviews todos esses anos, foi o único site coerente com as minhas ideias – só leio absurdos em outros. Tirando esta final a qual discordo, vcs mandam mto bem e é uma pena que acabou 🙁

      • Yago Martins

        Eu achei que a ideia que tentaram passar não foi ruim, mas considerando tudo o que aconteceu anteriormente (principalmente nessa temporada, onde eu concordo com a review sobre ela ter se tornado insignificante para esse último episódio), o modo como trouxeram não funcionou pra mim. Mas não vejo situação em que que concorde sobre as falhas. Pequenas ou não (como o celular ter sinal em alto-mar, durante uma tempestade), soa realmente desrespeitoso não se importarem com coisas assim quando gravam. Não vou aprofundar uma discussão, mas… Só tem um erro no seu comentário: ele nunca foi um psicopata; Serial Killer é algo completamente diferente.

        • Sim, psicopata. Qdo usei a palavra serial killer pensei na psicopatia, não separei.

          • Diego

            Caraca mas quem que compra a ideia de um psicopata deixar de ser psicopata?
            E se o dexter nunca foi um de fato, eles jogaram todas as primeiras tempo radas no lixo !

          • Eu também sou do lado da teoria que psicopatas não deixam de ser psicopatas. Eles deixavam isto muito claro nas primeiras temporadas. Mas respeito quem acha que ele não é! =)

  • Yago Martins

    Apesar de ser a segunda maior crítica mesmo dos que gostaram do final (coincidência ou não, são os que gostaram de todos os episódios, parecendo não ver as incoerências jogadas aos espectadores), o único ponto positivo desse último episódio para mim foi a morte de Debra. Só em ideia, já que a execução foi falha como o resto. Já era algo evidente para mim desde a primeira temporada, já a própria humanização de Dexter ficava mais evidente em sua relação com ela (principalmente quando ele mata Brian. A quarta temporada dividiu ainda o modo como lidavam com isso, levando junto grande parte da qualidade da série. De sutil e coerente para descaracterizante, e isso levando em conta que Dexter possa ter sido a personagem mais bem desenvolvida, já que nunca conseguiram tratar corretamente as demais, mesmo Deb. Acho que olhando para a quinta e a sexta temporadas (que já começaram desperdiçando um ótimo cliffhanger, em um dos poucos momentos realmente ousados da história), a sétima se redimiu, mas é realmente frustrante saber que o que já foi a minha preferida nos primeiros ano foi reduzida a algo que variava entre o medíocre e o abaixo da média. Só não vou criticar tanto os roteiristas dessa vez por terem conseguido algo realmente difícil. Nunca imaginei que conseguiriam decepcionar alguém que já esperava por um final ruim. Posso dizer ao menos que ri vendo a sequência final. Entendi o que queriam fazer, mas não.

    • Também acho, a morte de Deb foi um dos únicos bons acertos dos roteiristas.

  • Maria Leonor

    Uma palavra pra esse final= decepcionante.

    Conseguiram acabar com uma das séries que eu consegui acompanhar fervorosamente graças ao site ç.ç Não consegui chorar em nenhuma cena do episódio,somente lá no final,com a morte da Deb,minha eterna diva da boca suja e quando mostra Harrison e Hannah em Argentina.Foi aí que me toquei que finalmente acabou. Obrigada Apaixonados por série por ter me ajudado a descobrir minha Dark Passager,kkkk

    • Nem uma lagrimazinha com a morte de Deb? hehehe

      • Maria Leonor

        Ah sim,nessa cena também comecei a chorar,especialmente quando o Dex diz que ama a Deb e começa a desligar os aparelhos dela.Eu fiquei pensando : ”Não…ele não vai fazer isso.”

  • Fabiana

    Excelente review! Clara e objetiva! Praticamente tudo que eu senti enquanto via o episódio. A piscadinha do Dexter ao final foi uó! Ele merecia muito mais do que isso…

  • Patrícia

    Ainda estou confusa em relação ao que sinto com relação ao final da série.
    O destino de Dexter (escolher a solidão como autopunição) é coerente com sua história mas foi muiiiiiiiiiiito triste! Pior do que morrer ou ser pego. A cena final foi muito impactante. Mostra toda a amargura e remorso que ele carrega. Não sei como algumas pessoas entenderam que aquilo representava a vitória de seu “dark passenger”.
    A compulsão por matar é imperdoável, mas tenho uma certa pena dele que também é uma vítima de uma vida trágica: viu a mãe morrer, foi mal diagnosticado como psicopata clássico (a própria Vogel mostra dúvidas com relação a isso em uma de suas últimas conversas com Dexter, ao dizer que acredita que ele poderia recomeçar uma vida com Hanna), foi treinado para matar e viver uma vida falsa… Que resultado isso poderia ter?
    Nunca quis que ele fosse descoberto principalmente pelo que isso significaria para a família dele – imagine o trauma de ser reconhecido como filho ou irmã de um serial killer… Dessa forma, penso que a punição que ele recebeu foi muito pior que a prisão ou a morte e, talvez menos dolorosa para o Harrison, Cody e Astor que terão de conviver com uma suposta morte em um acidente e não com um pai/padrasto condenado à pena de morte.
    O destino de Deb, literalmente f**ked!! Mesmo se vivesse, carregaria a culpa pela vida toda.
    Enfim, final trágico para uma vida de tragédias!

    • Eu sempre quis saber como todos iam lidar com a revelação de que ele era um serial killer…hehehe….ia doer muito nos filhos mesmo!

      • Patrícia

        Acho que a reação seria semelhante à de Harry, Doakes, e de LaGuerta: um misto de surpresa e nojo.

  • Lucas

    Concordo com muito do analisado,mas alguns pontos negativos eu acho que não foram tão negativos assim.
    No momento que Dexter está sozinho no hospital, apos o flashback, ali ele decide o que fazer, sabia que a raiva de Batista e Quinn iriam acobertar sim de certa forma, Dexter estava desolado, a cena que mostra eles vendo o vídeo e mostra Dexter no canto da parede sem se importar com as consequencias demonstra isso, além de Quinn dizer que se pudesse também mataria o Saxon. E pela história de Dexter na polícia e de Deb também, eu vejo como o acobertamento ter sentido sim. A morte era a melhor saída como vc bem disse, mas o que a história até agora mostrou é que uma fuga da vida como essa, um fim tão rápido seria muito pouco para o que Dexter merece, sozinho com um mar de sangue e corpos na sua mente é bem pior. E talvez o maior ato de humanidade de Dexter foi ter deixado Hannah e o filho sem ele.

    • Realmente é mais cruel continuar vivo depois de tudo isto…

  • Lara Prazeres

    Acho que entrei em choque e ainda não me recuperei. Chorei parecendo que estava perdendo um parente meu.
    A impressão que me deu dessa temporada foi que os roteiristas criaram tanta coisa que tiveram que correr nos episódios finais. Eu assistia a eles com uma angústia de tanta correria. A única coisa que me agradou foi o primeiro capítulo. Foi um péssimo desfecho para uma série tão épica e sem a coerência que eu esperava.

    Não gostei do fato de ele jogar o corpo da Deb no mar, ela não merecia um fim igual às vítimas repugnantes de Dexter. Mas Dex a considerou como sua última vítima, por isso a analogia.
    Quanto à Hannah: não consegui (em nenhum momento da participação dela) acreditar em nenhum sentimento dela. Dexter foi mais um caso amoroso dela que “morreu”, com a diferença que deu à ela um “filho”. Que por sinal, acho que Harrison devia crescer com os irmãos. A propósito, nessa temporada Dex não mostrou tanto amor assim pelo filho. Senti falta disso.
    É difícil digerir que um vilão tosco como Oliver Saxon tenha matado Deb.
    Coitado do resto do elenco. Além de todos serem irrelevantes no fim ainda terão que conviver com uma péssima MMPD sem a melhor Detetive e o melhor analista Forense.
    Fiquei muito mais triste em saber que Debra “Fucking” Morgan morreu sem saber que Dex matou o irmão biológico Brian para proteger a vida dela. Ela se foi sem saber o quanto ele a amava e mais uma vez escolheu por ela (ele escolheu ficar em Miami, ao invés de ir com Hannah para Argentina).
    Os flashbacks arrasaram meu coração e foi ali que eu já esperei a dolorosa perda da Debra (Aquela peruca dela me lembrou quando ela fala pro irmão “Jesus, você já ouviu falar em pente? Parece que tem um gato na sua cabeça”)
    A cena final só mostrou o Dexter suportando a dor da perda que Deb não aguentaria pela ausência dele. Justo. Ele agora é um ser humano completo. Na postura do corpo e sem o voic over, podemos notar isso. E foi como a Sara Colleton falou, ele foi a um lugar em que vai ouvir o tempo todo as motosserras, fazendo com que sofra mais ainda.
    Bom, agora vou assistir pela 5ª vez todas as temporadas pra ver se consigo digerir bem esse final.

    Observação: FINALMENTE ELE FALOU “EU TE AMO” DE FORMA ESPONTÂNEA PARA DEB – pena que foi no último suspiro. Queria que ela escutasse ainda em vida :'(

    • Eu não digeri Hannah nem na 7ª temporada, o que dirá agora. Também concordo que Harrison merecia ficar com os irmãos e com os avós…a família dele não era só o Dexter e a Deb.

      • Patrícia

        Os avós que cuidam da Astor e do Cody não são avós biológicos do Harrison pois são pais do Paul (a mãe da Rita sumiu da história). Além disso são idosos e já cuidam de dois adolescentes. Acho que a Hannah talvez tenha sido a opção menos pior…

  • Patrícia

    Final alternativo de Dexter. Muito bom!
    http://www.youtube.com/watch?v=Hl407-PZa3k

    • Estou triste até agora com o final de Dexter…
      Masss depois da 4 temporada a série foi decaindo..piorando e por fim a última temporada…totalmente cheia de erros e falhas imperdoáveis.Os personagens secudarios da série estavam fazendo só figuração nada mais .
      É uma pena pois Dexter merecia um final muuuuuuuuuuuuuuito melhor.

1 Contra Todos

1 semana atráscomentarios

Com a lei de incentivo à produção nacional, várias produções poderiam sair do papel. Muitas delas não têm a menor pretensão de introduzirem uma ideia nova ou em mesmo de fazer sucesso. É por isso que uma série estoura na medida em que 1 Contra Todos fez, a gente tem que prestar atenção e dar os louros. Cadu (Júlio Andrade) é um advogado de Taubaté que será pai pela segunda vez, mas perde o emprego devido seus princípios éticos. Para piorar sua situação, é injustamente preso ao ser confundido com o Doutor do Crime, maior traficante do país. Para tentar sobreviver, e com o apoio de sua esposa Malu (Julia Ianina), ele decide se passar pelo criminoso como única forma […]

Leia o post completo

Queens que merecem redenção em RuPaul’s Drag Race: All Stars – Parte 2

1 semana atráscomentarios

Comemorando que RuPaul’s Drag Race acaba de conquistar o Emmy de Melhor Apresentador de Reality, Melhor Edição de Fotografia e Melhor Figurino (pelo episódio: Oh! My! Gaga!), além da VH1 não perder tempo em agendar a próxima edição All Stars para Janeiro de 2018 (está quase chegando!), em breve teremos a lista oficial das queens que estarão retornando para brigar por um lugar no Hall Of Fame do programa e ter a oportunidade de reescrever parte da sua história na competição. Assim como na primeira parte desse especial, eis aqui uma outra lista de participantes que não conseguiram atingir seu potencial e chegar longe na competição. Então, shall we begin? Trixie Mattel – Temporada 7 (Top 6) Oh honey! Quem não […]

Leia o post completo

Stephen King na televisão

1 semana atráscomentarios

Stephen Edwin King sem dúvida alguma é um (se não for “o”) maior escritor de terror e suspense de todos os tempos. Nascido em Portland, no estado de Maine, cenário da maioria das suas histórias, em 21 de setembro de 1947, teve uma infância complicada, tendo seu pai abandonado a família quando ainda tinha dois anos, e testemunhou um acidente com a morte de um amigo. Já escrevia desde criança, e vendia suas histórias aos amigos. Estudou inglês na Universidade do Maine, casou-se com Tabitha Spruce, em 1971, e lecionou sua formação em Hampden, enquanto isso escrevia para revistas masculinas. Teve problemas com álcool, e em 1999 sofreu um acidente sério, em que foi atropelado enquanto caminhava aos arredores de […]

Leia o post completo

Siga as nossas redes sociais e fique sempre conectado:

Assine nossa newsletter