Shadowhunters – 2×02 A Door Into the Dark

12 de janeiro de 2017 Por:

“Sou apenas uma garota do Brooklyn que saiu para comemorar o aniversário e voltou com um presente que nunca quis. E não pode devolver.”

É engraçado como a vida é de um jeito, seguindo uma rotina quase ininterrupta, e então simplesmente muda, como se um furacão houvesse passado e destruído todo o mundo que você julga conhecer. É provável que esse seja um bom modo de sintetizar a essência de A Door Into the Dark. Embora a mudança em questão tenha começado logo no primeiro episódio da série, aqui vemos os personagens finalmente entendendo que nada voltará a ser como antes e tentando assimilar esse fato.

Clary foi provavelmente a mais afetada por essa descoberta. Desde que a mãe foi colocada em coma, a vida da garota virou de cabeça pra baixo e ela tem sido bombardeada de várias direções. Em pouco tempo todas as suas certezas desmoronaram e, como se isso fosse pouco, bastou que começasse a criar novas convicções para que elas também ruíssem. Além disso, não é possível ignorar o conflito de identidade que se forma em seu interior. A garota não é uma mundana, e agora que a verdade foi revelada jamais conseguiria voltar a ter uma vida normal, porém, também não é realmente uma caçadora de sombras, afinal todo aquele mundo ainda lhe é estranho e lhe falta conhecimento e treinamento.

A hostilidade de Alec, que tem sido incapaz de lidar com as mudanças em sua própria realidade, e o retorno da mãe (sério, gente, como faz pra essa criatura voltar a dormir?) também não estão ajudando. Jocelyn alega que tem boas intenções e que tentou matar Jace por sabe que os experimentos feitos por Valentine o transformaram em alguém cruel e demoníaco. Ainda assim, a “mãe do ano” não parece muito disposta a abrir realmente jogo com a filha e colocar todas as cartas na mesa. Essa história está cheia de pedaços faltando e não estou vendo Jocelyn fazendo o mínimo esforço para preenchê-los. Além disso, não era pra galera da Clave está bem irritada com ela? Porque é no mínimo estranho ninguém estar suspeitando da mulher, fazendo perguntas e a deixando livre, leve e solta.

De qualquer forma, nesse ponto abro parênteses para comentar a prova inquestionável da monstruosidade de Jonathan Christopher, que quando bebê destruía flores inocentes do jardim de sua mãe. Bom, certamente não é só isso, mas não posso negar que dei severas gargalhadas com essa cena. Era pra aquilo ser capaz de convencer que o menino é a encarnação do próprio Satanás? Porque se era, falhou miseravelmente.

Falando no demônio, Jace seguiu boa parte do episódio ouvindo os intermináveis discursos de Valentine sobre como os submundanos são perigosos, perversos e precisam ser eliminadas, mas não parecia necessariamente convicto. Algo que mostra potencial para um grande conflito interno e uma trama que poderia ser extremamente interessante, se bem trabalhada. No entanto, toda carga dramática e de desenvolvimento de personagem acaba perdida pela forma como o roteiro vem conduzindo a história e pelas atuações pouco convincentes. Que Dominic Sherwood está longe de ser o mais versátil dos atores, todos sabemos, ainda assim, é a presença de Alan Van Sprang  que tem me incomodado mais. Valentine é um personagem que deveria estar envolto em uma aura de elegância e imponência, porém, tudo o que o ator me passa é canastrice. É claro que o roteiro também tem sua responsabilidade nisso.

Por fim, é impossível falar sobre em mudanças irrevogáveis e não pensar em Simon. O rapaz, que até pouco tempo era apenas um adolescente apaixonado pela melhor amiga, foi transformado em um vampiro e, se já não tivesse problemas suficientes tentando se adaptar a essa condição, precisa agora encontrar Camille (não foi a gente que pediu) para fazê-la lidar com sua própria bagunça. Contudo, o que realmente se destaca em todo esse plot é o fato dele abrir espaço para uma interação maior entre Simon e Magnus. Por mais incrível que pareça, a dupla que soaria improvável até algumas semanas funcionou muito bem e já espero mais cenas com os dois juntos.

Dito tudo isso, A Door Into the Dark me pareceu significativamente melhor que The Guilty Blood. Ainda há vários defeitos no roteiro e na execução das cenas, mas ao menos aqui eles me incomodaram menos e não me impediram de sentir envolvida com os personagens, o que é sempre fundamental para qualquer trama. Além disso, o gancho nos últimos minutos funcionou e já me pego curiosa para saber o que acontecerá agora que Jace e Clary escaparam do pai psicopata.

Observações:

— Quem é mais burro: Jace ou Clary?

— Magnus sendo a melhor pessoa e pegando de volta as coisas que a ex roubou;

— Por que Simon estava com tanto medo da cobra, antes dela começar a soltar fogo, se ele já está morto? *Google pesquisar*

— Morro de amor com a relação do Alec e da Izzy;

— Sempre bom rever o Raphael;

— Alec, te amo, mas tá na hora de parar de show;

— Isabelle literalmente quebrando a cara do machistinha de plantão. Rainha absoluta que deveria receber mais destaque!

Uma estudante de jornalismo melodramática e indecisa. Apaixonada por séries, livros e fanfics. Se pudesse viveria de açaí e pão de queijo.

Mariana/ MG

Série Favorita: My Mad Fat Diary

Não assiste de jeito nenhum: Revenge

  • João Fernando

    Amei a review. Esse episódio com certeza foi melhor que o anterior e espero ansiosamente que o próximo seja melhor ainda.
    E a minha principal pergunta sobre o episódio é porque a Dot não pulou junto com o Jace e a Clary pra fora do barco kkkk

  • Nickolas Girotto

    É foi um pouco melhor, não deu vontade de dormir, já é um avanço. Aquela maldade com as flores foi meio vergonha alheia haha se fossem pássaros que começassem a morrer em volta deles, seria melhor.
    Nem vou comentar das atuações dos personagens principais, para não parecer que eu reclamo de tudo, inclusive digo que curti a interação de Simon e Magnus, a melhor coisa até então.

  • Carolina Alvarenga

    essa protagonista é uma das piores atrizes que tenho o desprazer de acompanhar dito isso o alec e seu mimimi achei que tinha ficado na 1 temporada pelo visto não

  • Eu li os livros e resolvi aceitar o fato de que a série é apenas inspirada neles, porque olha tem muita coisa diferente nessa história. Mas apesar de tudo estou gostando, e achando bem melhor que a primeira temporada.

    Concordo com você sobre tudo: Jocelyn, Alec e principalmente Valentine… E espero que pra frente mostrem a verdadeira maldade do Jonathan, porque que criança nunca matou uma flor?! (No caso dos meros mortais matou arrancando e esmigalhando)

Desafio: você se lembra de quem foi essa declaração de amor?

2 semanas atráscomentarios

Ah, o dia dos namorados. Aquele momento do ano para espalhar aos quatro cantos nosso sentimento por aquela pessoa especial, que faz o coração acelerar e as palmas da mão suarem. Aquela pessoa por quem você faria qualquer coisa, até mesmo deixar a vergonha – ou o medo – de lado para professar seu amor. Nas séries, existem muitos personagens  que não esperam data especial nenhuma para declarar seu amor, seja num momento de desespero, num pedido de casamento ou só para reforçar aquilo que o parceiro já sabe e Tom Jobim cantava aos quatro ventos: é impossível ser feliz sozinho. Você também acredita nisso e se derrete toda vez que sabe que chegou a hora de surtar, porque vai ter […]

Leia o post completo

Guia da Trilha Sonora: Scream – Season 1

2 semanas atráscomentarios

Entre os poucos pontos positivos que posso destacar em Scream, a trilha sonora fica em primeiríssimo lugar (talvez porque seja da MTV). Misturando canções atuais, dançantes e tristes, que fazem parte da vida dos jovens de Lakewood, a série soube utilizá-las para compor a história e os personagens. Assim, nada melhor do que ouvir as músicas da primeira temporada, agora disponível em uma playlist na nossa conta do Spotify!

Leia o post completo

House of Cards e a Política Brasileira

3 semanas atráscomentarios

Primeiramente, #foratemer. E se você ainda não conferiu a última temporada de House of Cards, não se preocupe, esse texto não contém spoilers, – apenas reflexões. Pra gostar de House of Cards você precisa torcer pelos Underwood. Claro, a gente sabe o quanto eles são escrotos, mas é ficção, certo? Não tem problema torcer pelos vilões. Ou pelo menos era o que pensávamos em 2013, quando a série estreou. Mas de lá pra cá a política mundial virou de ponta à cabeça. Os Estados Unidos elegeram Trump e nós tivemos Temer enfiado goela abaixo. Isso sem contar os acontecimentos dignos da ficção, como a morte de Teori Zavascki, a delação do Joesley e os testes nucleares da Coréia do Norte. […]

Leia o post completo

Siga as nossas redes sociais e fique sempre conectado:

Assine nossa newsletter