Síndrome da família perfeita

6 de setembro de 2016 Por:

Quando entrei para a escola comecei a reparar nas famílias dos meus amigos, sabe aquela coisa de criança? Então, os pais das minhas amigas sempre eram os melhores, as avós sempre faziam a melhor comida e o irmão mais novo era sempre o pior, não importava a justificativa. Assim, os defeitos da minha própria família foram ficando cada vez mais evidentes e fui esquecendo que nada poderia mudar aquilo.

O meu pai não me levava nos lugares que eu queria como o pai da Maria. Minha mãe não me dava tanta atenção como a mãe da Joana. E até minha cachorra não era tão brincalhona como a cachorra da Ana. Cansada de todos esses “problemas” que ficavam na cabeça, liguei a televisão em um canal qualquer e comecei a assistir, justamente, The O.C., uma série em que, basicamente, a premissa é sobre a relação familiar.

Gossip Girl/The O.C.

Assim como algumas das minhas colegas, a série transmitia o quanto o dinheiro tem poder nas relações. A família Cooper é o maior símbolo de que “tudo está bem, não importa o que”. O pai de Marissa, já no começo da primeira temporada, entra na falência e com isso, Julie, sua mulher, acaba tendo que mostrar para a sociedade que mesmo não tendo onde cair morta, sua família ainda estava por cima, ou melhor, ela ainda estava  por cima. Com isso, a que mais sofre, com certeza, foi a Marissa. Com o possível divórcio dos pais somado ao fato de que sua vida poderia mudar dali em diante, a loira tenta um cometer suicídio, um desesperado grito de socorro.

Mas não é só The O.C. que consegue mostrar isso. Gossip Girl é uma das séries adolescentes que evidencia que ter tudo na vida pode acabar influenciando na relação com a família. Alguém já viu o pai do Chuck sendo um verdadeiro pai com ele? Ou a mãe da Serena deixando o dinheiro para trás para poder ficar com os filhos? E como sempre, são os filhos que sofrem com isso tudo. Eles acabam encontrando afeto nas drogas, bebidas e sexo.

Six Feet Under e Bloodline

Mas e aquela família que na frente dos outros é de um jeito e sozinhos são tão diferentes? Não se encaixam e ficam forçando um relacionamento que deveria existir porém não acaba acontecendo. Bloodline é um grande exemplo disso. Não adianta, a família Rayburn nunca mais voltou a ser a mesma depois da morte da pequena Sarah, que afetou a todos, principalmente Danny, o filho mais velho. Por viverem à mercê dos pais, os filhos Rayburn escondem todos os sentimentos que possuem e um grande buraco é formado na estrutura familiar.

Viver com as decisões tomadas pelos pais é um dos maiores equívocos que um filho pode realizar. Além de não poder ser quem realmente é, a “prisão” que é imposta pela mãe ou pai, acaba afetando os mesmos. Six Feet Under é um dos meus xodózinhos na questão de retratar a realidade, não só através da morte, mas da vida corriqueira que todo mundo tem. Ruth Fisher, a matriarca da família, viveu sua vida inteira para alegrar seu marido e os seus filhos, esse era seu papel e ela era boa nisso, pelo menos era o que pensava. Mas quando o marido morreu, o mínimo que ela esperava era ter os filhos perto dela, principalmente Nate, que havia saído de casa na adolescência. O que Ruth não imaginava era que isso acabou transformando a vida de todos. Ela percebeu que David, o filho que sempre esteve com ela, era gay e não tinha coragem para contar a verdade; Claire começava se distanciar cada vez mais e Nate, bem, este tinha uma vida própria, que não dividia com ninguém.

Norman e Norma em Bates Motel.

Por último, sempre fui mais próxima da minha mãe, não por opção, mas foi ela que sempre me compreendeu. Ela fez/faz tudo o que pode para me ajudar em qualquer situação. É realmente interessante como, não só minha mãe mas todas as outras, conseguem saber quando estamos com raiva, tristes ou felizes. Não tem como disfarçar e negar. Se ela perguntar o que aconteceu, você vai ter que contar!

Bates Motel consegue exemplificar a relação entre mãe e filho de uma forma fenomenal. Não estou falando daquela relação bonitinha da Lorelai/Rory em Gilmore Girls. Estou falando de uma relação muito mais complexa, na qual um depende do outro para tudo. Norma criou seu filho exclusivamente para ela, não deixou-o explorar o mundo e viver como um adolescente normal. Já Norman, tendo sido negado a “normalidade”, passa a ver Norma como não só uma mãe, como também uma deusa, a que sempre deve obedecer e proteger. O nome parecido dos dois já revela a influência que a mãe tem e não preciso nem contar que Norman acaba virando sua mãe.


Enfim, com o passar do tempo fui aprendendo que, assim como as séries, minha família não poderia ser perfeita. Meus pais não poderiam me levar a todos os lugares e adivinhem só? Eu comecei a pegar o ônibus para sair ou viajar. Eu também não poderia ter a família mais rica para comprar tudo o que eu queria, então foi aí que eu comecei a trabalhar e ganhar meu próprio dinheiro.

A grama do vizinho sempre vai parecer mais verde que a minha, mas parar de observa-la é o primeiro passo para perceber que eu não tenho a síndrome da família perfeita e não tento esconde-la por qualquer motivo!

E você, já sentiu que seus pais não eram os melhores do mundo? Conte pra mim!!!

Futura jornalista. Mora em uma cidade desconhecida. Apaixonada por séries. Cinéfila e bookaholic. Sonha em um dia morar em Nova Iorque. O que ama mais do que tudo...

Ler perfil completo

Votorantim / SP

Série Favorita: Friends

Não assiste de jeito nenhum: The Big Bang Theory

O que você precisa saber de Demolidor antes de Defensores

5 dias atráscomentarios

Com o sucesso do universo cinematográfico desenvolvido pela Marvel nos cinemas, um dos personagens mais interessantes e queridos dos fãs de quadrinhos foi ansiosamente aguardado para voltar a fazer parte do mesmo mundo. Homem-Aranha? Não, na verdade Demolidor. Após a Fox deixar os direitos de uso do personagem retornar para a casa das ideias, Marvel e Netflix fecharam uma parceria para desenvolver diversas séries de heróis. Demolidor abre essa parceria com maestria, trazendo uma série obscura, e violenta, diferente do que o personagem já viveu nas telas até então (abraço Ben Affleck!) Charlie Cox (Broadwalk Empire), dá vida a Matt Murdock, sofrido e realista. A série apresenta ele como advogado com o escritório associado em Hell’s Kitchen, e em seguida suas […]

Leia o post completo

Com pais como estes, hoje é um dia para esquecer

6 dias atráscomentarios

Existe um ditado que diz que a vida imita a arte (ou vice-versa) e isso sempre se mostra realidade quando comparamos as séries que assistimos à vida real. Claro que ainda não descobrimos um universo paralelo, uma cabine telefônica que nos transporte por aí ou que alienígenas têm planos de conquistar a Terra, mas muitas vezes a realidade é espelhada nos roteiros das histórias que mais amamos. House of Cards está aí para comprovar essa teoria, se compararmos os acontecimentos aos fatos que vemos nos noticiários todos os dias. Com os pais não poderia ser diferente. Existem pais que assumem o papel integral da criação da criança, pais que são os melhores amigos dos filhos, filhos que têm dois pais, pais de […]

Leia o post completo

5 momentos incríveis da 2ª temporada de Master of None

7 dias atráscomentarios

Somos apaixonados por Master of None por aqui. Depois de uma primeira temporada sucinta, porém arrebatadora, esperamos quase dois anos (ou foi mais que isso?) para reencontrarmos Dev em um novo momento da sua vida. E, ao longo de dez episódios, tivemos a oportunidade de passear por muitos momentos incríveis na companhia do personagem, com um roteiro extremamente crítico e que faz com que a gente pare, reflita e mude algumas atitudes tão intrínsecas do nosso ser. Por isso, separamos (só) cinco dos grandes momentos dessa nova temporada, para revisitarmos e te convencermos de que, se você ainda não viu, essa é a hora para parar tudo que está fazendo e devorar o segundo ano de Master of None.   […]

Leia o post completo

Siga as nossas redes sociais e fique sempre conectado:

Assine nossa newsletter