Super Sunday – De 9 a 15 de outubro

16 de outubro de 2011 Por:

Super Sunday 17

Essa semana não tivemos inédito de Raising Hope, mas a review de Parks and Recreation a gente acrescenta ainda hoje.

2×04  Lazarus Man

Nessa semana, Body of Proof manteve o ótimo nível da temporada com um episódio divertido, mantendo o habitual mistério sobre quem é o assassino e com uma pequena, mas importante evolução na vida dos personagens. A chegada de Dani, a nova “transportadora”, trouxe mais alegria aos meus legistas preferidos, especialmente para o Dr. Ethan Gross. Fico aqui na torcida para que a personagem se torne regular. O “lance” entre Peter e Megan caminha a passos lentos, algo normal em séries policiais, onde os relacionamentos não costumam ser o foco principal, mas pelo menos temos esperanças de algum dia haverá algo entre eles, além do profissional. As cenas de Megan conversando com as irmãs dele foram hilárias. Uma pessoa viva encaminhada ao necrotério? É o atestado de incompetência indesejado por todo legista. Estava até demorando que algo assim acontecesse na série. Adorei a maneira como aconteceu, fugindo de uma situação “clichê” total. Logo que a vereadora apareceu, já era de se esperar que a morte de Paul tivesse algo ligado à política. Aquela assessora realmente demonstrava que, de alguma forma, tinha culpa no cartório. Embora não tenha tido tanto destaque o relacionamento entre Megan e a Dra. Murphy parece caminhar rumo a uma amizade sincera. Concordo com Curtis, às vezes é melhor deixar o grande amor do passado, lá mesmo, no passado, onde as lembranças são boas. Não adianta tentar ignorar: as pessoas mudam, talvez não na sua essência, mas os interesses são diferentes em cada fase da nossa vida e sentir o coração batendo mais forte depois de tantos anos só é possível nas novelas da Globo. Fiquei radiante em saber que nenhum ex-grande amor do Peter vai assombrar o futuro relacionamento entre ele e Megan. Mal posso esperar pelo próximo episódio. E você?

por Andrezza Pimenta

2×03 Yesandwitch

A série tem uma certa tradição de exibir ótimos episódios quando as histórias estão relacionadas com os pais dos personagens. Na primeira temporada conhecemos o pai de Brad e os pais de Max, em episódios sensacionais. Agora não foi diferente…e poderia? Penny Hartz é fantástica, então quem melhor do que a igualmente fantástica Megan Mullally para interpretar sua mãe? A série está realmente sabendo endireitar sua trama. Nada de romance Dave-Alex. Aliás, eles ficaram bem coadjuvantes em Yesandwitch, porém não menos engraçados. Piadas pequenas como o pescoço de Alex e a descendência 1/16 navajo de Dave foram muito divertidas. Porém, o trunfo ficou mesmo nas mãos dos outros personagens. Jane e Brad novamente levaram o episódio quase nas costas com toda a história de improvisação de casais. Eliza Coupe e Damon Wayans Jr. funcionam bem demais, ainda mais aliados ao Max. Gosto quando uma série volta com suas piadas, e a limusine do Max está aí para comprovar que HE também não esquece do que foi mostrado. Até o amigo esquisito Scott apareceu!! Mas Penny e Dana Hartz foram as cerejas do bolo. A escolha da música Torn da cantora Natalie Imbruglia foi muito bem feita, com uma clima nostálgico, que acabou refletindo bem a química mãe e filha, ainda mais com elas conversando-cantando para treinar a voz. O que é melhor que isso? A ABC encomendou mais 6 episódios além dos 13 dessa 2ª temporada, porque a audiência tem ficado acima de 6.70!

por Caio Mello

2×02 In or Out

Na review do episódio anterior, eu comentei que tinha medo da falta de ousadia de How to Make It. Pois bem, In or Out serviu para mostrar que a série está, sim, disposta a se expandir e a se transformar, mas a sua maneira. Storylines que eu nunca havia imaginado começaram aqui e a dramédia abriu mão de muito de sua previsibilidade ou desenvolvimento antecipável, tornando-se ainda mais prazerosa de se assistir, mas sem abrir mão de seu clima despretensioso. Para começar, quem diria que o representante de vendas, que no episódio anterior parecera a salvação da Crisp, seria dispensado logo no episódio seguinte? Não sei se gostei: o Andy parecia competente, e seria bacana ver Ben e Cam depositando confiança em alguém que também estivesse no início de sua carreira, afinal eles sempre vão atrás de nomes já consagrados tentando fazer a marca crescer. Por outro lado, a ambição (e a sorte) da dupla sempre foi o que impulsionou o desenrolar da história, e momentos decisivos não faltaram em In or Out – seja para os protagonistas ou para os coadjuvantes. Gostei bastante da guinada na vida profissional de Rachel – mas senti um plot O Diabo Veste Prada vindo por aí, o que seria um mero revival da história da moça no ano passado. Um possível envolvimento amoroso dela com Domingos me pareceu interessante, e o roteiro deu dicas de que talvez ela e Ben nunca reatem – além do mimimi da nova namorada e as chaves do apartamento, só eu senti um clima entre ele e LuLu quando ele voltou para pegar a mala? Renée e companhia estavam divertidos – a história do viral foi uma boa sacada e a lata de Rasta Monsta explodindo na cabeça do capanga foi genial. Um bom episódio para todo mundo, repleto de acontecimentos relevantes para o futuro da série. Destaque para a cena da lutinha, que quase superou a cena da fonte do episódio anterior. How to Make It voltou com tudo.

por João Miguel

3×05 Hit and Run

Modern Family segue impecável em sua terceira temporada, mais um episódio muito divertido, do jeito que só a série consegue fazer. O núcleo da família Dunphy estava inspirado: Luke e toda a sua imaginação de “congelar ativos”, Phil trocando o remédio de Alex e batendo em Luke, Claire concorrendo a vereadora foram plots sensacionais. Nesses momentos percebemos o merecimento de Julie Bowen ao vencer o Emmy de melhor atriz de série cômica. A personagem que ela interpreta é uma das mais completas da TV. Já na casa dos Pritched, Gloria e Jay confundindo “Bieber” com “beavers” (castores) foi simplesmente um dos melhores momentos da série, e a colombiana com toda a sua sapiência dizendo que os castores constroem barragens que evitam as enchentes, tem como não amar? Mitchell e Cam surtando no cinema foi outro momento que rendeu boas gargalhadas, e com Cam perseguindo o homem que havia batido em seu carro foi impossível não rir. Comprovando a qualidade da série, Modern Family vai se aproximando de Two and a Half Man, merecidamente, como a série mais vista dos EUA, audiência sempre em torno dos 13 milhões e 5.9 na demográfica 18-49. Por enquanto sou só elogios a esta temporada, que está infinitamente superior a segunda. Quando a Claire concorrendo à Câmara Municipal sabe no que isso vai dar? Diversão na certa!

por Tobias Romanzini

4×04 Pawnee Rangers

A 4ª temporada de Parks & Recreation continua espetacular! Pawnee Rangers foi um episódio dividido em três arcos diferentes. O principal deles, que deu nome ao episódio, foi o acampamento dos Rangers, com Ron e Andy, e das Godess, com Leslie, Ann e April. Enquanto os meninos sofriam comendo feijão enlatado em silêncio, as meninas se divertiam com guerras de travesseiro e trabalhos de arte. Como era de se esperar, os meninos perceberam que ser uma “deusa” é muito mais divertido do que ser um escoteiro e preferiram mudar de time. Ri muito com o jeito que Andy “recitou” o discurso de iniciação ao grupo. Chris Pratt tem uma habilidade incrível em fazer atos banais parecerem engraçadíssimos! O 2º arco ficou por conta do dia “Treat Yo Self” de Tom e Donna. Dia de ralaxar do spa e fazer compras. Como Ben esteva deprimido (mesmo sabendo que Game of Thrones não será cancelado!), acabou sendo convidado. O problema é que Ben não conseguiu relaxar, até que Donna percebeu que ele precisaria de mais que massagens e acupuntura. Ben precisava de uma fantasia do Batman para relaxar! Enquanto isso, Chris ficou amigo de Jerry. Ou melhor, de sua filha Millicent (Sarah Wright). Depois de descorbrimos que o excluído Jerry é muito bem dotado, agora sabemos tem uma filha muito bonita! Aliás, três! Fiquei curiosa para conhecer mais sobre sua família. Vamos torcer para que a temporada continue tão boa!

por Isabela Avalone

Soteropolitana, blogueira, social media, advogada, apaixonada por séries, cinéfila, geek, nerd e feminista com muito orgulho. Fundadora do blog.

Salvador / BA

Série Favorita: Anos Incríveis

Não assiste de jeito nenhum: Procedurais

  • Wicttor

    Modern está realmente impecável nessa temporada, o episódio foi ótimo mesmo.

  • Gladys Maris

    Adoro todos os episódios de BOP e de HE!!!!

Girlboss: guia do que NÃO fazer na vida adulta

2 semanas atráscomentarios

Teve gente que gostou de Girlboss, teve gente que achou a série fraca. Mas em uma coisa todo mundo certamente concorda: Sophia é um dos piores seres humanos que já vimos como protagonista de uma série. E com ela a gente pode aprender muito sobre o que não fazer para ser uma pessoa melhor. 5. Não roubar Em GirlBoss, uma das primeiras coisas que descobrimos sobre Sophia é que ela acha normal roubar. Não, ela não rouba porque precisa, porque quer ajudar alguém, ou se quer por uma questão de princípios contra uma sociedade capitalista. Sophia rouba porque se sente superior e simplesmente não respeita os outros, – muito menos suas propriedades. 4. Não ser egoísta com a melhor amiga […]

Leia o post completo

Desafio: você se lembra de quem foi essa declaração de amor?

2 semanas atráscomentarios

Ah, o dia dos namorados. Aquele momento do ano para espalhar aos quatro cantos nosso sentimento por aquela pessoa especial, que faz o coração acelerar e as palmas da mão suarem. Aquela pessoa por quem você faria qualquer coisa, até mesmo deixar a vergonha – ou o medo – de lado para professar seu amor. Nas séries, existem muitos personagens  que não esperam data especial nenhuma para declarar seu amor, seja num momento de desespero, num pedido de casamento ou só para reforçar aquilo que o parceiro já sabe e Tom Jobim cantava aos quatro ventos: é impossível ser feliz sozinho. Você também acredita nisso e se derrete toda vez que sabe que chegou a hora de surtar, porque vai ter […]

Leia o post completo

Guia da Trilha Sonora: Scream – Season 1

3 semanas atráscomentarios

Entre os poucos pontos positivos que posso destacar em Scream, a trilha sonora fica em primeiríssimo lugar (talvez porque seja da MTV). Misturando canções atuais, dançantes e tristes, que fazem parte da vida dos jovens de Lakewood, a série soube utilizá-las para compor a história e os personagens. Assim, nada melhor do que ouvir as músicas da primeira temporada, agora disponível em uma playlist na nossa conta do Spotify!

Leia o post completo

Siga as nossas redes sociais e fique sempre conectado:

Assine nossa newsletter