The Astronaut Wives Club

13 de maio de 2017 Por:

Baseada em um livro de mesmo nome que narra eventos reais e históricos, The Astronaut Wives Club consiste em um instigante drama de época, ambientada entre os anos de 1950 e 1960, que segue a vida das sete esposas dos primeiros astronautas da América, os Mercury Seven, mulheres que da noite para o dia tiveram suas vidas aparentemente suburbanas, de mães e de donas de casa, acompanhadas e expostas pela imprensa para todo o país, as mesmas sendo consideradas exemplos de moralidade e bons costumes, as esposas perfeitas para os homens que elevaram os EUA  para o próximo nível na corrida espacial contra a URSS em pela Guerra Fria. A minissérie de 11 episódios foi exibida pelo canal ABC no ano de 2015.

Divulgação/ABC

Neste sentido, nos é apresentado em tela sete mulheres desconhecidas juntadas por um evento de proporções mundiais, cada uma com personalidades diferentes, algumas bem características à época, outras bem a frente do seu tempo, explorando como o recrutamento de seus maridos pela NASA afetou a elas e as suas respectivas famílias, sendo umas nas outras que elas encontraram apoio e empatia em um momento conturbado na vida de todas.

São elas, Louise (Dominique McElligott) casada com o duro Alan Shepard (Desmond Harrington), de personalidade fria, ela é uma esposa e mãe exemplar que já não era tão próxima assim do marido e vê a distância aumentar com o início da missão, cenário que a torna suscetível às investidas de um repórter; Truddy (Odette Annabele), em processo não concretizado de divórcio com o maroto e ainda apaixonado Gordon Cooper (Bret Harrison), entra em acordo com o ex quando o mesmo é selecionado para a missão, afim de manter a boa imagem dos dois, feminista em uma época difícil, a mesma não teve filhos e é licenciada para pilotar aviões; Annie (Azure Parsons) vive um casamento de conto de fadas com o seu príncipe John Glenn (Sam Reid), quando o marido é convocado a mesma se revela um exemplo de meiguice e alteridade para todo o país, com uma ressalva quase que irrelevante, ela é gaga.

Rene (Yvonne Stahovski) é casada com o bom moço Scott Carpenter (Wilson Bethel), os dois formam um casal bonito, se relacionam bem, mas a mesma oscila entre ideários conservadores e progressistas, a personagem possui uma ótima evolução; Betty (JoAnna Garcia Swisher) é casada com o gente boa Gus Grissom (Joel Johnstone), esposa e mãe apaixonada pelo marido e pela família que formaram; Jo (Zoe Boyle) é casada com paspalhão Wally Schirra (Aaron McCusker), a mesma toma para si o espírito de esposa extremamente competitiva, tentando a todo momento passar o sentimento para o marido; por fim, Marge (Erin Cummings) é casada com o centrado Deke Slayton (Kenneth Mitchell), os dois são mais velhos que os outros casais e atuam meio que como pais deles, acalmando os ânimos nos desentendimentos e distribuindo conselhos.

Divulgação/ABC

Apresentados os personagens, é necessário ressaltar que a minissérie é bastante competente em sua premissa, com atuações de tirar o fôlego em momentos que exalam tensão, ainda, uma ambientação e fotografia que fazem jus aos anos 1960, assim como a trilha sonora, além, de retratar com fidelidade a história do primeiro e único grupo de astronautas  a voar em todas as classes de veículos espaciais tripulados da NASA no século 20, com enfoque majoritário em suas esposas.

Assim, The Astronaut Wive Club possui seus méritos por mesclar com competência eventos históricos com o entretenimento, emocionando e divertindo em um número reduzido de episódios. Definitivamente Vale Cada Minuto!

Segue a promo:


E vocês, já acompanharam a minissérie? Pretendem começar? Compartilhem nos comentários!

Jovem bahiana simpática e gente boa que curte um bom número de séries e por este motivo tem a audácia de escrever suas opiniões positivas e negativas sobre...

Ler perfil completo

Itamaraju/BA

Série Favorita: How i Met Your Mother/Friends

Não assiste de jeito nenhum: The Vampire Diaries

  • Tiago Pereira

    Já tinha vontade de ver,agora que vou conferir mesmo
    Valeu pelo texto.

  • Giovanna Hespanhol

    Amo tanto essa série <3

  • Não sei como cheguei até ela, mas já tenho na minha lista de espera faz algum tempo… O fato dela ser pequena é um grande atrativo!

    Agora com certeza vou vê-la

    • Ana Rebeca Tamandaré

      Menina, sabe que eu também não sei como descobri essa série!? hahahahahaha

      mas o fato é que ela é pequena e maravilhosa, super recomendo…

Girlboss: guia do que NÃO fazer na vida adulta

1 semana atráscomentarios

Teve gente que gostou de Girlboss, teve gente que achou a série fraca. Mas em uma coisa todo mundo certamente concorda: Sophia é um dos piores seres humanos que já vimos como protagonista de uma série. E com ela a gente pode aprender muito sobre o que não fazer para ser uma pessoa melhor. 5. Não roubar Em GirlBoss, uma das primeiras coisas que descobrimos sobre Sophia é que ela acha normal roubar. Não, ela não rouba porque precisa, porque quer ajudar alguém, ou se quer por uma questão de princípios contra uma sociedade capitalista. Sophia rouba porque se sente superior e simplesmente não respeita os outros, – muito menos suas propriedades. 4. Não ser egoísta com a melhor amiga […]

Leia o post completo

Desafio: você se lembra de quem foi essa declaração de amor?

2 semanas atráscomentarios

Ah, o dia dos namorados. Aquele momento do ano para espalhar aos quatro cantos nosso sentimento por aquela pessoa especial, que faz o coração acelerar e as palmas da mão suarem. Aquela pessoa por quem você faria qualquer coisa, até mesmo deixar a vergonha – ou o medo – de lado para professar seu amor. Nas séries, existem muitos personagens  que não esperam data especial nenhuma para declarar seu amor, seja num momento de desespero, num pedido de casamento ou só para reforçar aquilo que o parceiro já sabe e Tom Jobim cantava aos quatro ventos: é impossível ser feliz sozinho. Você também acredita nisso e se derrete toda vez que sabe que chegou a hora de surtar, porque vai ter […]

Leia o post completo

Guia da Trilha Sonora: Scream – Season 1

3 semanas atráscomentarios

Entre os poucos pontos positivos que posso destacar em Scream, a trilha sonora fica em primeiríssimo lugar (talvez porque seja da MTV). Misturando canções atuais, dançantes e tristes, que fazem parte da vida dos jovens de Lakewood, a série soube utilizá-las para compor a história e os personagens. Assim, nada melhor do que ouvir as músicas da primeira temporada, agora disponível em uma playlist na nossa conta do Spotify!

Leia o post completo

Siga as nossas redes sociais e fique sempre conectado:

Assine nossa newsletter