Victoria

12 de janeiro de 2017 Por:

Estávamos dividindo as séries para fazermos análises nessa mid-season e me deparei com Victoria, que estreia de 15 de janeiro pela PBS nos Estados Unidos, mas quando fui pesquisar mais sobre ela, descobri que se trata de uma série produzida originalmente pela ITV, emissora britânica, e que já tem a primeira temporada encerrada. Muitas vezes a gente acaba dando muita ênfase apenas para séries americanas e se esquece de que em outras partes do mundo, coisas incríveis estão sendo feitas, como disse a Virgínia em sua análise de Please Like Me. Mas eu digo que isso acaba agora, vem ver porque Victoria não é apenas uma das melhores séries que eu já assisti como é a primeira que eu daria nota 5/5.

Acompanha os primeiros 04 anos do reinado da Rainha Victoria (Jenna Coleman, de Doctor Who). Começamos no ano de 1837, com a morte do Rei William IV e seguimos com a coroação de Victoria, as primeiras dificuldades de sua liderança, a aceitação pelo povo e pelo Parlamento, os escândalos políticos envolvendo uma suposta relação com o mais velho Lord Melbourne (Rufus Sewell, de The Man in the High Castle), seu casamento com Príncipe Albert (Tom Hughes) e o nascimento de sua primeira filha, Princesa Victoria.

Victoria e o Parlamento

O primeiro ponto que preciso destacar é a caraterização de época. Todas as filmagens foram feitas em castelos ingleses parecidos com os castelos onde a família real realmente morou, o que traz um ar extremamente genuíno à produção. Os figurinos são maravilhosos, assim como todos os objetos de cena que foram feitos com extremo detalhe e precisão. É possível se perder ao prestar atenção a tantos detalhes e ficar deslumbrado. Além de tudo, efeitos especiais foram utilizados de modo inteligente para adaptar cenas aéreas ao período, assim como modificar cenários de modo a ficar o mais parecido possível com os originais, dando um aspecto de pintura. Tudo feito com extremo primor e capricho.

Victoria, assim como é um costume de séries britânicas, tem um número reduzido de episódios, apenas 08, o que ajuda a desenvolver melhor a trama. Cada capítulo tem um nome que é utilizado como tema central daquele momento específico da vida da Rainha. Por ser baseado em fatos reais, quem sabe um mínimo sobre a história da Inglaterra, já sabe o que irá acontecer, mas a criadora soube dosar pequenas surpresas e leves liberdades poéticas para tornar a nossa jornada mais interessante e esse é outro ponto de destaque. 07 dos 08 episódios são de autoria da escritora e poetiza Daisy Goodwin, que soube transmitir a linguagem poética para a série com maestria. Pequenos momentos de hesitação, trocas de olhares, paixões proibidas. Tudo é muito bonito de assistir.

Lord Melbourne e Victoria

A linguagem feminina foi outro ponto que me conquistou. Além da criadora e escritora, 02 dos episódios mais importantes, quando ela se apaixona e quando se casa com Príncipe Albert, foram dirigidos por uma mulher, que soube mostrar a alma de Victoria não como Rainha, mas como a mulher apaixonada que ela pelo seu marido. Mas a parte mais importe vem da própria Victoria, que precisa mostrar a todo o momento que, mesmo sendo uma jovem mulher, é capaz de tomar as próprias decisões, mesmo agindo contra os interesses mesquinhos de todos os políticos que a cercam no Parlamento. É claro que ainda há um pensamento retrógrado comparado com os dias atuais, como quando Victoria acha um absurdo algumas pessoas quererem que mulheres votem, mas essa era uma época em que nem voto popular existia na Inglaterra. Mesmo assim, são as mulheres que levam a trama adiante.

Essa força feminina fica mais evidente quando vamos para o elenco estendido. Alguns personagens fictícios foram inseridos para trazer vida aos  empregados do palácio, a quem Victoria tratava com respeito. Uma das cenas que mais me tocou foi quando Miss Skerrett, (Nell Hudson, de Outlander) está fazendo seu penteado e ela percebe que ela está sem um lenço no pescoço e lhe dá vários de seus próprios lenços. O que Miss Skerrett faz com os lenços eu não vou contar, mas Victoria, sem ter conhecimento, foi extremamente benevolente, levando Miss Skerrett a diz a frase que me marcou:

À sua própria maneira, tudo que ela (a Rainha) vê são apenas duas garotas, fazendo o seu melhor.

Os empregados do palácio

No final, nos estamos torcendo por essas pessoas, para que cada um tenha a sua vitória. Faz tempo que eu não sentia tanta verdade em uma série, e grande parte disso se deve aos incríveis atores. Jenna Coleman é uma Victoria de tirar o fôlego. Em nenhum momento eu senti que sua atuação estava exagerada ou abaixo do tom. Os maneirismos que coloca ao falar são uma delícia de acompanhar. Sua postura está sempre correta em momentos políticos, mas é descontraída e relaxada entre amigos, como se tivesse treinado sua vida inteira para ser Rainha. Eu não preciso nem falar sobre o resto do elenco, resta dizer que muitos já são acostumados a participarem de produções de época, além de ser fato conhecido o treinamento e capacitação de atores britânicos.

Quanto à parte histórica, como disse anteriormente, há leves liberdades literárias, portanto é importante checar os fatos antes de assumir que tudo que está na série é verdade. Para não entregar spoilers, destacarei apenas uma discrepância. A relação de Victoria com seu tio Rei Leopold da Bélgica, sempre foi de total confiança e confidência, sendo irreal o primeiro momento de animosidade entre eles por Leopold sugerir que Victoria se case com Albert. Mas essa mudança é necessária para mostrar que Victoria é dona de seu próprio destino, sendo ela quem decide com quem deve se casar, proferindo a minha segunda frase favorita e que enche meu coração de calor e mel só de lembrar a cena:

Para mim esse não é um casamento de conveniência. Não. Eu acho que será um casamento de inconveniência!

Victoria e Principe Albert

Depois que terminei a série, fui me informar mais e descobri que a audiência da primeira temporada foi tão espetacular que não apenas garantiu a renovação para uma segunda temporada antes do término da primeira, como da produção de um especial de natal inicialmente rejeitado pela emissora. A ITV tem planos de fazer 06 temporadas cobrindo todo o reinado de Victoria, mas ainda não sabe se Jenna Coleman continuará interpretando a personagem em seus anos mais velhos, pois sua aparência física muda muito e esse era um dos pontos pelo qual ela era conhecida. Eu espero que decidam utilizar próteses ou algo do gênero, pois ela está perfeita e não sei se conseguiria aguentar uma troca dessas.

Voltando a falar da audiência, para compararmos, Downton Abbey, também da ITV, teve uma média de 9,7 milhões de expetadores em sua primeira temporada. Victoria manteve uma média consistente de 7,7 milhões. Esse número me deixou chocado, pois, enquanto nem sabíamos da existência de Victoria, How To Get Away With Murder está com uma média de 4,1 milhões e parece que o mundo inteiro assiste. Tem alguma coisa errada nessa equação. The Crown está ai para mostrar que séries históricas funcionam, mas mesmo assim, só começou a aparecer na minha timeline do Facebook após ganhar o Emmy. Quero deixar bem claro que não estou comparando as séries, mas sim popularidade x audiência.

Eu ainda não assisti The Crown (mas pretendo retificar esse deslize em um futuro próximo, eu sou fissurado pela família real), portanto não posso comparar, mas Victoria traz uma noção diferente, pois suas personagens não estão mais entre nós. Suas histórias já se encerraram e acompanhar seu desenvolvimento e uma jornada doce e ao mesmo tempo amarga. Mas eu prevejo que será uma jornada recompensadora, pois toda a beleza e poesia e amor que a série nos reserva vai valer a pena investir.

Victoria durante sua coroação

Caso vocês queiram embarcar nessa carruagem, podem esperar os episódios serem lançados pela PBS, que irão ao ar semanalmente a partir do dia 15 de Janeiro, ou buscar a série completa quando foi exibida pela ITV. Um aviso para quem for assistir a versão da PBS, caso o primeiro episódio tenha menos de 60 minutos, houve edição e cortes, portanto, baixe o original. Os outros têm os costumeiros 45 minutos de duração.


E ai, vai assistir Victoria? Já assistiu? Gosta de séries britânicas e históricas? Tem alguma para me indicar? Diz para mim nos comentários!

Professor de idiomas com mais referências de Gilmore Girls na cabeça do que responsabilidade financeira. Fissurado em comics (Marvel e Image), Pokémon, Spice Girls e qualquer mangá das...

Ler perfil completo

São Paulo / SP

Série Favorita: Gilmore Girls

Não assiste de jeito nenhum: Game of Thrones

  • Keila

    Que delicia de texto. Eu assisti Victoria junto com a transmissão original ficando completamente apaixonada já com o 1 episodio com a historia daquela menina que e tornaria uma grande mulher, e a cada episodio vc se apaixona mais ainda por toda a maturação da Rainha e pela vida e acontecimentos na vida daquelas pessoas, e eu destaco que uma parte importante de se acompanhar e que no começo nem parece nada é a vida dos ”serviçais” do palacio que vão se desdobrando em ótimas historias ( eu gostei de miss skerrit e o cozinheiro e fiquei triste ao final.). E que personagem ótimo Albert se mostra, além de um homão.

    Vale muito assistir a serie já espero ansiosa pela 2 temporada.

    • Paulo Halliwell

      Olá Keila. Que bom que gostou do texto. Sim, é maravilhoso acompanhar o crescimento de Victoria, é gritante o amadurecimento que podemos ver nesse curto período (apenas 3 anos de reinado), mas tudo foi muito bem dosado, pois ainda podemos ver pequenos momentos em que ela ainda é uma jovem mulher.
      Concordo sobre o desenrolar do núcleo dos serviçais. Eles são importantes para entendermos como a plebe vivia aquele período, não apenas a monarquia. E o arco do cozinheiro realmente mexeu comigo, ainda não estou curado!
      Eu pensei que o ator faria um Albert bobão, mas foi bom que ele se mostrou imponente rapidamente, sendo pário para ser marido de Victoria. Além de lindo, claro, rs
      Sim, estou esperando desesperadamente pela segunda temporada e espalhando o evangelho de Victoria para que todos possam se deliciar com essa série!

      • Keila

        Lord Melbourne é um personagem querido e charmoso que necessariamente vai ´perdendo espaço com a chegada do Albert. Falando em Albert eu gosto como ele se apresenta como um cara integro e vai sendo um misto de austeridade e companheirismo e vai achando seu lugar em não se sobrepor a Vitoria mas ser útil e ama-la e apoia-la, amo ela querer filhos e não gostar da gravidez( fato que descobrir que a vitoria real realmente tinha) e gosto do irmão do Albert tb.
        Espero pela 2 temporada e por reviews.

        e eu faço a loka e indico pra todo mundo.

        • Paulo Halliwell

          Menina, eu já estou desesperado para fazer as reviews da segunda temporada e já até tenho algumas idéias de coisinhas interessantes para comentar junto dos episódios.
          Sim, a forma como o Albert se porta é digna de um gentleman inglês, mesmo ele sendo alemão.
          Essa parte sobre a gravides eu achei incrível e tenho amigas que tem pensamentos bem parecidos, então sei bem que é verdade.
          Vamos convencer todo mundo! Victoria > The Crown

  • João Vitor Maia

    Eu gostei da série, apesar de ter sentido falta de alguns conflitos, gosto muito de monaquia inglesa (the tudors the white queen, reign (escócia mais vai no meio). Tbm ainda não vi The Crown, mas pretendo.

    • Paulo Halliwell

      Olá João. Então, que tipo de conflitos? Eu acho que os maiores problemas que Victoria enfrentará são as crises políticas internas. Acompanharemos mais disso na segunda temporada, quando começarem as trocas de Primeiros Ministros, que irá mexer com a dinâmica interna do palácio, além de ter que lidar com a vida de casada e mãe. A monarquia inglesa é interessantíssima, inclusive acho que todos deveriam estudar sobre ela para entenderem um pouco mais sobre poder e corrupção.

      • João Vitor Maia

        Monarquia inglesa <3
        Conflitos no sentindo guerra, armações, traições kkkkk

        • Paulo Halliwell

          Então, acho que não rolou muito disso no reinado da nossa querida Vicky, rsrs
          Posso estar enganado, não sei, rs

  • Sérgio Eleutério dos Reis

    Assisti essa série… Simplesmente espetacular. The Crown se passa bem a frente e também é uma excelente série. Caracterização, a trama etc… O melhor é o sotaque… Que delicia de sotaque….!!!

    • Paulo Halliwell

      Olá Sérgio. Victoria conseguiu superar qualquer expectativa positiva que eu tinha. The Crown lida com a temas mais modernos, por isso que eu acho que Victoria é mais interessante, para entendermos como era a vida das pessoas daquela época. E sim, o sotaque é uma coisa de louco! Toda vez que a Jenna Coleman dá aquela voltinha com a voz me dá um calorzinho no coração, maneirismo que ela não tem na sua fala comum. Não basta ser sotaque britânico, é sotaque britânico de época! É demais!

  • AlexCavalcante

    Eu amei The Crown e ando numa vibe de ver todas as séries históricas lançadas (me apaixonei pelo gênero recentemente), então dps do seu texto, com certeza vou assistir.

    • Paulo Halliwell

      Muito feliz em espalhar o evangelho de Victoria, rsrsrs!

  • geostorino .

    Oi pessoal, em que canal passa a série?

    • Paulo Halliwell

      Olá. Na Inglaterra, pela ITV, nos Estados Unidos, pela PBS. Ainda não há emissora interessada no Brasil, mas assim que tivermos alguma novidade vamos postar no site.

      • geostorino .

        Obrigada pela resposta. Que pena. Gostaria de assistir por aqui. Moro no Brasil.

        • Paulo Halliwell

          Nós também, mas nós damos aquele jeitinho para assistir essas séries maravilhosas antes de chegarem em nossas terras, rsrs

    • Carolina Laviano

      Ola geostorino! Hoje a série está disponível no nteflix ou pelo GNT Play que foi onde eu assisti!!

  • geostorino .

    Alguém sabe como posso assistir a série ” A Rainha Branca”? Em que canal? Ou site?

    • Paulo Halliwell

      Baixa o popcorn time. Dá pra ver com boa qualidade e tem legenda em vários idiomas. E pelo que eu vi, a nova versão faz até sincronia com a smart tv

  • Gulliter Henrique

    Acompanhei “Victoria” quando estava passando no ITV. A série é simplesmente sensacional, vale mesmo cada minuto. Acho até melhor que a ótima The Crown.

    • Paulo Halliwell

      Pois é Gulliter, Victoria é incrível mesmo. A partir dessa nova temporada vamos fazer as reviews junto com a ITV também.

  • Mariane Lima

    Ai, tenho que terminar de assistir. Comecei a ver quando saiu… mas acho que só fui até o quarto episódio. Jenna tá maravilhosa como Vitória e eu adoro a história dela. Uma das minhas rainhas preferidas. Que bom que vai ter mais temporadas. Produções Inglesas são só <3

    • Paulo Halliwell

      Termine, Mari, você não vai se arrepender. Uma delicinha de assistir. Só amor aqui!!!!

  • Gabryel Marinho

    The Crown e Victoria são séries com propostas diferentes, enquanto a 1° foca mais no conflitos e problemas relacionados a monarquia e de governança a 2° tende a romantizar mais as coisas, em bom português é o que chamamos de novelão. As duas são ótimas, mas acho que The Crown ainda é mais eficiente na sua proposta, que é o drama. Victoria é aquela série pra quando você quer fujir do mundo real e mergulhar nesse passado romanceado. Outra coisa, The Crown me parece bastante propagandista com relação a Monarquia em certos capítulos, o que eu não vi muito em Victoria. Super ansioso para a próxima temporada das duas. .

    • Paulo Halliwell

      Olá Gabryel. Sim, Victoria não foca tanto no aspecto da governança, mas eu acho que é mais pelo fato do parlamento já estar instituído nessa época e o papel de Victoria já começar a ser mais decorativo. Mesmo assim, creio que teremos mais dessa parte com a segunda temporada, quando começam as trocas de Primeiro Ministros e as situações ocasionadas por tal, mas sempre focando em que isso afetava a vida de Victoria. Como disse, ainda não vi The Crown, mas eu acho que o problema de se fazer uma serie sobre pessoas que ainda estão vivas é cair exatamente nessa armadilha e deixar tudo com um ar de propaganda. Também aguardo ansioso pela continuação.

  • Julyana Donda

    Esse texto tá maravilhosamente escrito. Victoria sempre foi minha preferida.
    Foi até um trabalho da minha faculdade e não achei que fosse me apaixonar por Jenna Coleman como fiquei com Emily Blunt no filme, mas ela tá sensacional. The Crown é maravilhoso tbm.
    Obrigada por isso

    • Paulo Halliwell

      Olá, Julyana! Que bom que gostou do texto, eu escrevi com muito carinho!
      Eu também não conhecia o trabalho da Jenna Coleman. Eu já era fã da Rainha Victoria, mas depois dessa série, com essa atriz, está difícil saber quem está no primeiro lugar no meu coração monárquico!!!!!

  • Ana Carolina Mano

    Olá, eu descobri a série terça-feira e no mesmo dia acabei a primeira temporada. Eu assisti pelo Now, e lá dizia que passava no canal GNT. Eu não tenho certeza se passa, mas aí vai a dica.
    Estou muito ansiosa pela segunda temporada.

    • Paulo Halliwell

      Olá Ana!
      Eu também assisti a primeira temporada em 1 dia, de tão empolgado que fiquei. Comecei sem expectativa nenhuma e tive uma agradável surpresa! Sim, a série não apenas passou na GNT como está disponível inteira para stream pelo app da GlobosatPlay.
      Também estou super ansioso pela segunda temporada. Semana passada a página oficial do facebook soltou um pequeno teaser do batizado da primeira filha da Victoria, dizendo que logo teremos o trailer completo e a data de estreia!!

  • Carolina Laviano

    Alguém sabe quando a segunda temporada vai lançar no Brasil?!

    • Paulo Halliwell

      Oi Carol, ainda estão gravando a segunda temporada. Assim que estrear na Inglaterra a gente vai avisar aqui no site. Pode deixar que essa série eu estou acompanhando todas as informações para não sermos pegos de surpresa e perdermos nada, rsrsrsrs

Painel de Gotham na Comic-Con 2017

14 horas atráscomentarios

O Batman do cinema pode até tá pronto pra montar a Liga da Justiça, mas no universo televiso da DC, ele ainda está dando os primeiros passos. E que primeiros passos. De promessa a decepção a novamente uma promessa (agora cumprida), Gotham segue para seu 4º ano, mostrando – depois de alguns problemas de tom já ajustados – que pode sim ser uma boa série de origem do Homem-Morcego e sua famosa cidade. Estiveram presentes no painel da série na San Diego Comic Con, os atores Ben Mckenzie (Gordon), Sean Pertwee (Alfred), Camren Bicondova (Selina), Jessica Lucas (Tabhita), Cory Michael Smith (Charada/Nygma), Erin Richards (Barbara), Robin Lord Taylor (Pinguim), Alexander Siddig (Ra’s al Ghul) e Drew Powell (Butch). Um dos primeiros assuntos foi a transformação que Nygma passou recentemente. […]

Leia o post completo

Painel de Happy! na Comic-Con 2017

14 horas atráscomentarios

Seguindo com a estratégia de expandir sua programação de torna-la mais amigável para um público nerd, a SyFy va produzir Happy!, adaptação de uma Graphic Novel criada por Grant Morrison e Darick Robertson. Com um protagonista altamente reconhecível e um plot igualmente violento e delirante, estamos diante de um sucesso em potencial. Presentes ao painel estavam o ator Christopher Meloni, o criador da GN Grant Morrison, o produtor executivo Brian Taylor e o showrunner Patrick MacManus. Nick Sax (Chris Meloni) é um ex-policial que se torna assassino e, durante um trabalho, sofre um ataque cardíaco. Ao acordar, descobre que agora tem a habilidade de ver Happy, o amigo imaginário de uma garotinha sequestrada, que pede sua ajuda para resgatá-la. “Ele […]

Leia o post completo

Painel de Dirk Gently’s Holistic Detective Agency na Comic-Con 2017

14 horas atráscomentarios

Uma das series que mais me surpreendeu em 2016 (e que fiz questão de rever após o finale) foi Dirk Gently’s Holistic Detective Agency. Livremente baseada na obra original de Douglas Adams, a série é uma mistura maravilhosa de detetive, romance, amizade, assassinato, mistério, oculto, comédia, animais e autodescoberta. Com uma estreia modesta, a série cresceu em público e reconhecimento e está colhendo os frutos na convenção de 2017. Pela primeira vez no Hall H (um dos maiores da convenção), a plateia estava lotada aguardando o inicio do painel e vibrou com a chegada dos integrantes. Estavam lá os atores Elijah Wood (Tood), Samuel Barnett (Dirk), Hannah Marks (Amanda), Jade Eschete (Farah), Fiona Dourif (Bart), Mpho Koaho (Ken) e as […]

Leia o post completo

Siga as nossas redes sociais e fique sempre conectado:

Assine nossa newsletter