Vida de Escritor

25 de julho de 2012 Por:

Muitos podem não saber disso, mas dia 25 de julho é o dia do escritor. Nós do Apaixonados por Séries consideramos essa desatenção à data uma injustiça e decidimos homenagear esta figura tão importante em nossa cultura. Afinal, o que seria de nós sem a criatividade destes homens e mulheres que colocam em palavras as mais sensacionais histórias ou as mais interessantes notícias? A escrita foi fundamental para a propagação de conhecimento em nossa sociedade, e é uma das coisas que faz de nós, humanos, seres tão especiais.

Assim, fomos buscar em nossas séries favoritas aqueles personagens que já se aventuraram no mundo maravilhoso das letras. Uns obtiveram sucesso e se tornaram autores famosos, outros não chegaram a tanto. Mas todos tiveram uma jornada maravilhosa de assistir.

Richard Castle (Castle) por Andrezza

Richard Castle é um renomado escritor de romances policiais. Sucesso de vendas, o moço esbanja dinheiro e aprecia a vida boêmia. Na série, a história tem início quando ele começa a sofrer um bloqueio criativo depois de matar o personagem principal de seus livros. Aliado a isso, um assassino está transportando os delitos dos romances para a vida real. Inicialmente, Castle é suspeito dos crimes, investigados pela detetive Kate Beckett, uma policial linha dura. A química entre os dois é instantânea, apesar da relutância da moça. Depois de provar sua inocência, o moço consegue autorização do prefeito para acompanhar os casos de Kate – que acaba se tornando sua musa inspiradora – como forma de pesquisa para suas futuras publicações, sempre com seu original colete de “writer”. Durante as quatro temporadas exibidas, Castle continua lançando seus livros, ao mesmo tempo que aprende a gostar da vida como investigador. Vale lembrar que a imaginação fértil de escritor sempre rende ideias mirabolantes e divertidas sobre os motivos e/ou o autor do crime.

Carrie Bradshaw (Sex and the City) por Camila

Sex and the City é uma série que mostra o dia a dia de quatro amigas bem diferentes em New York sob o ponto de vista de Carrie Bradshaw, uma escritora que publica crônicas sobre o universo feminino num jornal local. A maioria delas versa sobre sexo, sobre as mudanças culturais em relação ao tema. Nas temporadas finais, Carrie, que é fashionista, começa a escrever também para a revista Vogue. Todo episódio mostra Carrie no seu apartamento desenvolvendo algum texto, e durante o episódio discutem o tema que ela está trabalhando. Em alguns momentos vemos também o temido “branco”. Em Sex and the City podemos ver como a escritora lida com esse problema e com outros que encontra na sua vida profissional e amorosa.

Dan Humphrey (Gossip Girl) por Bianca

Provavelmente o Dan é o personagem jovem mais bem sucedido de Gossip Girl. Mesmo tendo passado a vida sendo achincalhado pelos amigos riquinhos, hoje em dia o Dan já tem um livro publicado, sabe o que quer da vida e não passa as horas livres monitorando seus passos para evitar a Gossip Girl. Seu primeiro livro, Inside, é baseado em suas experiências no Upper East Side, mas de uma forma satírica. É claro que nenhum dos amigos gostaram de ser retratados dessa maneira crua, mas todos ficaram felizes de terem sido ao menos citados – coitado do Nate, que de tão apagado nas recentes temporadas, ficou de fora. O próximo livro do Lonely Boy promete ser ainda melhor e é uma pena que a produção da série não se importou em lançar o Inside fora das telas. Eu adoraria lê-lo.

Lucas Scott (One Tree Hill) por Priscilla

Durante muito tempo Lucas Scott se dividiu entre duas paixões: o basquete e a literatura. Mas foi só quando a quinta temporada de One Tree Hill começou que vimos uma decisão tomar forma. Após 4 anos da formatura do colégio, seu primeiro livro publicado “An Unkindness of Ravens” já era um best-seller e despertava interesse de Hollywood – que desejava transformá-lo em um filme. Mesmo passando por um período difícil devido ao bloqueio criativo, o retorno de Pewton Sawyer o inspirou para que The Comet fosse concluído, fazendo novamente uma homenagem ao amor da sua vida, e o tornando oficialmente um escritor de sucesso.

Erica Strange (Being Erica) por Maura

A vida de Erica Strange pode ser muitas coisas. Fácil não é uma delas. E foi em um destes momentos complicados de sua vida que vimos Erica sendo abordada por Dr. Tom e iniciando a terapia que mudaria a sua vida completamente. Por ser uma terapia não convencional, que consistia no retorno da protagonista a diversos momentos de sua história dos quais se arrependia, pudemos testemunhar a vontade de Erica de ser escritora desde os tempos de faculdade. Como não lembrar de quando Erica voltou no tempo para encarar de frente o seu assustador professor de poesia? O nervosismo foi tanto (combinado ao fato do professor ter rasgado o poema de Erica), que ela acabou recitando a letra de Baby, One More Time de Britney Spears. E o que tornou a situação ainda mais inusitada: o professor amou. Mas poesia nunca foi o forte de Érica, seu sonho sempre foi escrever contos e romances. Tanto que, ao receber a oferta de escrever um livro de não-ficção sobre sexo, recusou por saber que aquela não era a sua praia. Mas, mesmo não tendo se tornado uma escritora de sucesso, Erica fez um bom uso de seu mestrado em Literatura e se encontrou como editora, abrindo uma empresa com sua amiga (e ex-chefe) Julianne, a 50/50. O amor de Erica pela palavra escrita permeou as quatro temporadas desta série única.

Rory Gilmore (Gilmore Girls) por Bianca

Rory seguiu um caminho muito comum entre os amantes de literatura: devora livros (e aqui nesse link você encontra uma lista de todos os livros lidos por ela) e sente vontade de se expressar dessa forma. E como muitos amantes de leituras, optou por ser tornar uma jornalista na faculdade com o objetivo de ser correspondente internacional. Ela chegou a ser editora do Yale Daily News, o que não deixou Paris muito contente, pois Rory fica com um cargo que era dela, mas a redação já não aguentava mais a rigidez da menina. No final da série, Rory acabou indo trabalhar na campanha de Barack Obama, uma decisão bem coerente com a personagem, que pensava em escrever um artigo sobre Hillary Clinton em sua aplicação para Harvard.

Matt Albie (Studio 60 on the Sunset Strip) por Camila

A série acompanha a dupla Matt e Danny, produtores de um programa de variedades exibidos aos sábados a noite. Matt é o roteirista chefe do programa e vive uma pressão imensa toda semana. Assim que um programa acaba, um relógio em sua sala começa uma contagem regressiva para o próximo programa e todos acompanhamos como isso pesa em sua vida, junto à busca por jovens talentos para ajudá-lo na tarefa de escrever belas sketches. Matt diversas vezes entra em conflito com sua equipe e o vemos assumir o roteiro todo sozinho. Studio 60 teve só uma temporada, mas foi suficiente para ganhar milhões de fãs, devido ao ritmo acelerado que Aaron Sorkin imprime em suas séries e a abordagem de assuntos polêmicos.

Liz Lemon e sua equipe (30 Rock) por Bianca

Raramente lembramos, mas os roteiristas das séries que tanto amamos também são considerados escritores e alguns chegam a publicar livros. Mas se você assistir a 30 Rock, que é baseado nas experiências de Tina Fey como roteirista chefe do Saturday Night Live, vai reparar que a coisa que estes roteiristas menos fazem durante o horário de trabalho é sentar para escrever algo, mas de alguma forma o roteiro do TGS sempre está pronto a tempo de Tracy e Jenna “decorarem” suas falas. A equipe de Liz conta ainda com Frank Rossitano (que está sempre usando um boné ao estilo caminhoneiro), James “Toofer” Spurlock (o único negro do time) e JD Kutz (o alvo preferido de insultos e brincadeiras).

Julia Houston (Smash) por Micael

Julia é uma conceituada escritora de musicais. Junto com seu amigo Tom (compositor), ela consolidou seu nome como uma especialista nessa área. Já nessa primeira temporada de Smash pudemos notar diversas características e momentos que mostram que ela é realmente uma escritora. Ela enfrentou, durante alguns episódios, uma dificuldade encontrada por muitos que se aventuram na arte de escrever: a escolha do título. Depois de muita indecisão, Julia intitulou seu musical sobre Marilyn Monroe de Bombshell, título que  surgiu, como não poderia deixar de ser, de suas próprias experiências pessoais. Essa é afinal a máxima de muitos escritores, e Julia é um exemplo vivo disso, pois transmite em seus textos as emoções, prazeres e dúvidas que norteiam sua própria vida.

Dawson Leery (Dawson’s Creek) por Priscilla

Dawson carregava o nome da série e durante muito tempo foi realmente o protagonista da trama. Apesar de todas as mudanças que ocorreram ao longo dos anos, algo sempre esteve lá e era a paixão do personagem pelo cinema. Quando Dawson’s creek acabou em sua sexta-temporada a realização de se tornar um diretor de cinema não havia acontecido, mas Dawson conseguiu transformar suas lembranças da adolescência em uma série para TV chamada The Creek, se tornando além de diretor, um roteirista de renome.

Hannah Horvath (Girls) por Bianca

A Hannah tem um sonho até comum entre os jovens: quer ser uma escritora e viver vendendo seus livros. Logo no primeiro episódio, ela descobre que a vida de escritor não é nada fácil: os pais decidem cortar a mesada e, mesmo com a personagem se auto-intitulando “a voz de uma geração”, não é o suficiente para que os pais sintam alguma empatia ou que o livro finalmente fique pronto. O mais próximo de um livro que a Hannah aparenta ter quase finalizado – ou estruturado – é seu diário, que contém suas opiniões (nem sempre agradáveis) sobre as pessoas ao seu redor e suas atitudes, dúvidas e anseios. Mas isso não quer dizer que ela seja uma escritora ruim; a prova disso é que ela consegue escrever um texto até mediano no metrô no caminho para a casa de seu professor, onde está acontecendo um encontro de leitura de textos.

 

Estes são só alguns dos escritores que podemos encontrar na ficção. Se fôssemos listar todos, este post acabaria virando um livro, e esse não é nosso objetivo. O que queremos é homenagear o talento que escritores de todos os tipos trazem ao mundo.

Qual o autor fictício favorito de vocês? Tem algum livro que vocês queriam que fosse publicado na vida real? Deixem seus comentários! 

 

Rio de Janeiro / RJ

Série Favorita:

Não assiste de jeito nenhum:

  • Jorge R.

    Post bem bacana esse homenageando os escritores. Ser escritor ainda é um grande sonho meu, vamos ver no que vai dar.

  • vitor souza

    ótimo post! parabéns

  • Andrezza

    O post ficou lindo, Maura, parabéns!
    Também queria muito que lançassem o livro do Dan de GG. E fico na esperança de alguma editora traduzir os livros de Castle. Quem já leu diz que os casos são tão bons ou até melhores que a série.

  • Bianca Hayashi

    Ficou ótimo o post, Maura =DDD
    Agora que estou acompanhando The Newsroom, até me deu vontade de rever Studio 60… =P

  • Erick Bruno

    Bom post, mas não se pode falar de escritores no mundo dos seriados e esquecer Hank Moody.

  • Laís

    Faltou o August de OUAT =)

  • anaprii

    Ah eu gostaria de ler Inside kkkk

    Outro escritor é o Jess de Gilmore Girl, que depois da fase Bad boy tomou jeito e escreveu um livro *-*

  • David Guimarães

    Ótimo post. Camila, só uma observação: Studio 60 on the Sunset Strip era um programa de variedades que se passava às sextas. “It’s Friday Night in New York”

  • Amei o post, primeira vez por aqui e irei voltar mais vezes 😀
    Sou super fã de Castle e já comprei um livro do “Rick Castle” que a ABC disponibiliza. Comprei o Heat Wave, daí falta comprar: Naked Heat, Heat Rises e Frozen Heat. Apesar de serem todos em inglês, são ótimos. Queria que o Castle existisse de verdade :/ KKKK

  • Rodrigo Schmidt

    Ótimo post, bem original… gostei, mas nessa relação acho que ficou faltando a Dra. Temperance Brennan de Bones, a série é baseada na vida da escritora e médica legista Kathy Reichs. Na série Dra Brennan também escreve alguns livros que viram um grande sucesso. E uma curiosidade nos livros de Kathy Reichs a personagem principal se chama Temperance Brennan, já nos livros fictícios de Bones a personagem principal se chama Kathy Reichs. 😀

  • Adoro quando Being Erica entra em posts “Especiais” no blog.
    Morro de saudade da série…

O que você precisa saber de Punho de Ferro antes de Defensores

5 dias atráscomentarios

O último dos Defensores a mostrar sua cara foi também o mais controverso de todos. Se Demolidor estreou sob o peso da expectativa positiva, Punho de Ferro tinha a dura missão de provar a todos que a crítica prévia estava errada e que a saga de Danny Rand valia a pena. A série protagonizada por Finn Jones, conhecido por interpretar Sor Loras em Game of Thrones, sofreu duras críticas pelo ritmo diferenciado, a ausência de um aprofundamento no misticismo e as fracas artes marciais.  Se a série conseguiu ou não se sair bem, vai do ponto de vista de cada um. De uma maneira geral, dá pra dizer que Punho de Ferro é diferente de suas companheiras de universo porque seu […]

Leia o post completo

O que você precisa saber de Luke Cage antes de Defensores

6 dias atráscomentarios

Dando sequência no dossiê especial que preparamos para você ficar pronto para a chegada de Defensores na próxima sexta, hoje é dia de retomar os fatos da primeira temporada de Luke Cage, um dos personagens mais controversos dessa leva de séries da parceria Marvel e Netflix. Nosso primeiro contato com Luke acontece ainda em Jessica Jones, quando o cara é introduzido como buddy call da investigadora e tudo parece muito ao acaso. Porque, na verdade, é mesmo. Aquele foi o primeiro teste do ator no papel e até uma maneira do roteiro sentir como que o público reagiria a chegada do próximo defensor. As reações na época foram bem mistas porque, como podemos colocar de uma maneira legal, Mike Colter […]

Leia o post completo

O que você precisa saber de Jessica Jones antes de Defensores

1 semana atráscomentarios

A primeira série da Marvel protagonizada por uma mulher começa quando os pais de Hope Shottman (Erin Moriarty) pedem a ajuda de Jessica Jones (Krysten Ritter) para investigar o paradeiro da filha, e ela então descobre que o sequestrador da moça é ninguém mais ninguém menos que Killgrave (David Tennant): aquele que a traumatizou através de um relacionamento abusivo. A moça não é então a típica heroína a qual estamos acostumados, e algumas vezes até chegamos a duvidar se podemos chama-la assim. Por ter um passado marcado pelo abuso sua personalidade se torna um tanto ácida e sombria, além de deixar para a personagem um descontrole no consumo de álcool e a ideia de que desistir é a melhor saída, e […]

Leia o post completo

Siga as nossas redes sociais e fique sempre conectado:

Assine nossa newsletter