Aquele em que dizemos adeus

Pra quem não sabe, o Apaixonados por Séries existe há quase dez anos. Eu e Camila…

O que esperar de 2018

Antes de mais nada, um feliz ano novo para você. Que 2018 tenha um roteiro muito…

Jessica Jones – 1×02 AKA Crush Syndrome

Por: em 20 de novembro de 2015

Jessica Jones – 1×02 AKA Crush Syndrome

Por: em

Em seu segundo episódio, Jessica Jones mergulha mais ainda no tom intimista e nos apresenta novos detalhes da vida de sua desconfigurada protagonista e seu terrível algoz. São apenas 2 episódios e comparações não cabem, mas eu ouso dizer que ter um vilão como Kilgrave é um dos grandes diferenciais do seriado para seus companheiros de gênero. A habilidade de controlar mentes é mortífera e promove estragos físicos e psicológicos que é impossível de se calcular e agem a longo prazo.

Jessica Jones 2

Jessica é a prova viva disso. Não sabemos exatamente o que Kilgrave a fez, mas as feridas a perseguem a todo momento. É por isso que é totalmente compreensível que ela esteja decidida a provar a inocência de Hope. Jones enxerga na garota uma versão de si mesma; uma jovem menina que foi enganada por Kilgrave e levada a fazer coisas terríveis. De certa forma, Jessica se culpa pelo que aconteceu a menina, já que, como Hope faz questão de jogar em sua cara, no passado, ela deveria ter esperado e se certificado de que Kilgrave estava morto antes de ir embora. E se Jones já estava motivada a ajudar a garota, depois deste discurso, é certo que ela não vai descansar enquanto não provar que ela também é uma vítima.

Essa determinação acaba nos mostrando outro lado de Jessica: O vulnerável. Quando ela pede a Jeri que represente Hope e diz que vai lhe dever um favor, ela se despe do escudo que colocou ao seu redor e escolhe confiar na “amiga”. Jeri, aliás, é uma personagem intrigante. Não dá pra saber ainda se seu caso com a secretária vai ter alguma relevância maior, mas eu apostaria que sim, por não acreditar que a série colocaria uma subtrama apenas para preencher um espaço.

O problema é o que Jeri exige para representar a garota: uma prova de que Kilgrave está vivo e realmente pode controlar mentes e a procura certamente vai jogar mais sal nas feridas já abertas de Jessica. O grande desafio para ela, além de arriscar sua vida ao se colocar novamente em contato com o vilão, será não se perder no caminho. Vejam bem: Jessica não quer ajudar Hope apenas porque sabe que ela é inocente. Sim, é um dos motivos, mas no fundo, a principal motivação é a culpa que se sente. E se essa culpa for extensível a todas as vítimas de Kilgrave desde o momento em que sobreviveu, Jessica terá um grande problema de se manter firme. Pelo menos, ela tem Trish para ajudá-la nisso. O papel da apresentadora ainda não está bem claro, mas acho que ela será como o Foggy de Jessica e será a responsável por deixá-la com os dois pés no chão quando necessário.

David Tennant ainda não apareceu de frente, mas Kilgrave continua sendo construído de maneira perturbadora. Toda e qualquer menção ao personagem e ao seu poder mostram que ele não é alguém com quem se deve brincar e o fato de sua cena final ter sido filmada sem mostrar seu rosto é genial por emular tudo isso. Jessica Jones quer que o temamos e para isso não precisamos vê-lo; só saber do que ele é capaz de fazer. Aterrorizante o poder que ele consegue exercer. Por isso mesmo, é tão irônico que seu ponto fraco seja uma anestesia.

jessica jones and luke cage

Outro relacionamento que entrou em evidência foi o de Jessica e Luke. A nova aparição do personagem me foi uma surpresa, porque achei que ele faria apenas uma participação especial e seria “guardado” para sua série, mas aparentemente, ele terá uma presença regular. Assim como é com Hope, Jessica sente alguma espécie de culpa para com Luke por estar direta ou indiretamente (não ficou claro) no acidente que vitimou sua mulher, anos atrás. Como a série vai explorar isso, eu não faço ideia. Mas tenho confiança que não cairemos em dramas desnecessários.

A química entre os dois não é exatamente explosiva como eu esperava pelos trailers, mas a conexão emocional está sendo bem estabelecida e acho que pode sair coisa boa daí e eles podem formar uma boa dupla de “parceiros”. O momento em que ela o confronta sobre suas habilidades após a luta no bar é significativo e mostra que ali se estabeleceu uma semente de confiança. Promete ser uma dupla interessante de se assistir.

Outras observações:

  • Eu disse que a química entre Jessica e Luke não é explosiva como eu esperava, mas ainda enxergo potencial. A cena onde ela toca o abdômen dele para sentir que ele não se machucou exala sensualidade.
  • Jessica é fã de séries médicas, né? Em só sequência, conseguiu referenciar ER Grey’s Anatomy.
  • A fotografia continua um espetáculo.

___

E você, vai acompanhar a gente nessa maratona? Não deixe de comentar o que está achando da nova série da Netflix.

Para ler a review do episódio 1, clique aqui.


Alexandre Cavalcante

Jornalista, nerd, viciado em um bom drama teen, de fantasia, ficção científica ou de super-herói. Assiste séries desde que começou a falar e morria de medo da música de Arquivo X nos tempos da Record. Não dispensa também um bom livro, um bom filme ou uma boa HQ.

Petrolina / PE

Série Favorita: One Tree Hill

Não assiste de jeito nenhum: The Big Bang Theory

×