Aquele em que dizemos adeus

Pra quem não sabe, o Apaixonados por Séries existe há quase dez anos. Eu e Camila…

O que esperar de 2018

Antes de mais nada, um feliz ano novo para você. Que 2018 tenha um roteiro muito…

Brothers & Sisters – 4×5 Last Tango in Pasadena

Por: em 27 de outubro de 2009

Brothers & Sisters – 4×5 Last Tango in Pasadena

Por: em

Brothers and Sisters me traz uma certa paz. Mesmo quando a série apresenta episódios sem grandes acontecimentos e mornos como esse Last Tango in Pasadena, ainda assim ela me consegue fazer sorrir.


Não gostei da história de Sarah com Luke, como deixei claro na review anterior, achei tudo clichê demais; então é com surpresa que tenho que admitir que gostei da interação do francês com os Walker. Comecei desconfiada, com os dois pés atrás, tal qual Norah, mas acabei me rendendo não ao seu charme… mas a sua leveza. Leveza necessária no atual estado em que se encontram os Walker frente à doença de Kitty. Afinal, o que poderia ser melhor pra nos distrair do que um estranho vindo de terras estrangeiras? Claro, o fato dele ser um excelente pé de valsa também ajuda.

Depois do retorno de Sarah no último episódio, aguardava ansiosamente o retorno dos seus pimpolhos. Confesso que cheguei a temer pela possibilidade de mudarem os intérpretes de Cooper e Paige, como é tão comum em relação a crianças em séries. Mas o IMDb me tranquilizou e deu tudo certo, os dois retornaram com apenas um corte de cabelo de diferença!


Fico feliz que a confusão em cima da possibilidade de Kevin e Scotty terem um filho tenha chegado ao fim. Bom, pelo menos é o que parece. Não gostei nem um pouco da amiga de Scotty e não gostaria de vê-la se tornar barriga de aluguel do meu casal favorito, mas pelo visto vou ter que me acostumar a idéia.

De qualquer forma estou convencida de que isso não pode dar certo, “hospedar’ um feto em desenvolvimento é o tipo de relação que se torna ideal ao ser criada com um estranho e não com alguém que já faz parte das nossas vidas. O que por sinal soou um pouco forçado, já que nunca vimos aquela fulana na vida. Acabei me pegando a idéia de que aquele ser avoado vai acabar gostando da idéia de ser mãe e se apossando do filho de Kevin e Scotty. Se bem que Kevin é advogado, seria duvidar da sua capacidade não acreditar que ele tomará todas as medidas legais cabíveis. Mas como nos Estados Unidos tudo funciona na base da procedência legal, se alguma barriga de aluguel tiver conseguido ficar com o filho, porque a de Brothers and Sisters não conseguiria?


E foi só eu dizer que Holly era poderosa e que sabia comandar os negócios como ninguém pra tudo desmoronar. Foi mal Holly, se eu soubesse que tinha esse poder de azarar sua vida teria ficado calada. Odeio quando os roteiristas resolvem simplesmente “emburrecer” um personagem só para encaixá-lo e moldá-lo a uma história que eles articularam. Me parece ser exatamente esse o caso de Holly, cujo comportamento não combina nem um pouco com tamanho vacilo de investir todo o seu dinheiro em um único fundo. Norah faria isso, Tommy, Justin… Mas Holly? Nunca.

Já o resto das suas atitudes é completamente típica. Era de se esperar que, como toda boa mulher, ela descontasse seus ressentimentos e frustrações em cima de David. E que bom que ela resolveu se abrir com o marido (ou namorado?), fomos poupados de infinitas cenas com Holly se martirizando por não conseguir contar a ninguém. Se bem que contar a David é bem mais fácil que contar a Receba… É, pelo visto teremos sim diversas cenas dela se martirizando sem conseguir contar a filha que não pode ajudar a arcar com as despesas do seu casamento perfeito. Tudo bem Holly, Norah pode!


São cenas como essa, de Kitty e Robert, que me fazem ter certeza de que eu não sou a única a não suportar o Senador McCallister. De uma hora pra outra, movido pelo câncer, ele se transformou no marido ideal! Bom, aos meus olhos nem tão ideal assim, já que depois de ficar trancada em casa por semanas Kitty queria mesmo era sair e ver gente, e não ficar enclausurada num telhado, mesmo sendo mimada com fogos de artifício só pra ela!

Os “grandes gestos” me lembram bastante Christopher, de Gilmore Girls. Gestos que não o levaram a lugar nenhum, ao contrário da simplicidade e do carinho no dia-a-dia de um outro certo personagem, que acabou levando o coração da mocinha. Tudo bem, Kitty merece mesmo o apoio do marido nesse momento e a última coisa que ela precisa é de uma separação… Mas se Brothers and Sisters continuar bem das pernas, espero não ter que ver esse casal pra sempre. Quem sabe na quinta temporada eles não se divorciam?

E no próximo episódio (spoiler!), advinha quem está de volta?


Cristal Bittencourt

Soteropolitana, blogueira, social media, advogada, apaixonada por séries, cinéfila, geek, nerd e feminista com muito orgulho. Fundadora do Apaixonados por Séries.

Salvador / BA

Série Favorita: Anos Incríveis

Não assiste de jeito nenhum: Procedurais

×