Aquele em que dizemos adeus

Pra quem não sabe, o Apaixonados por Séries existe há quase dez anos. Eu e Camila…

O que esperar de 2018

Antes de mais nada, um feliz ano novo para você. Que 2018 tenha um roteiro muito…

Fringe 3×14 – 6B

Por: em 21 de fevereiro de 2011

Fringe 3×14 – 6B

Por: em

Normalmente eu não gosto muito de episódios especiais de Dia dos Namorados porque os capítulos costumam fugir um pouco da história das séries, com um ritmo mais lento, mas eis que Fringe me surpreende positivamente mais uma vez e traz um episódio não tão bom quanto o da semana passada, mas muito agradável.

Apesar de se manter no ritmo da história, “6B”teve toda uma aura romântica. Não com aquele ar “meloso” de tantos outros shows, e sim algo bem ao estilo de Fringe – repleto de ação a cada segundo, um pouquinho de drama e alguns momentos mais leves protagonizados, em sua maioria, por Walter.

Por falar nisso, ver nosso cientista bancando o cupido para Peter e Olivia foi impagável. Suas intenções ao montar aquela mesa de café da manhã de forma tão cuidadosa (as velas acesas, a louça posta, as duas xícaras e as cadeiras estrategicamente posicionadas) eram óbvias. E sua desculpa para simplesmente “sumir” de casa e assim deixar o casal sozinho? Perfeita! Ele saiu, mas não sem antes preparar a trilha sonora adequada para o momento. Coisas que só Walter poderia fazer (ou pensar).

Mesmo falhando em sua primeira tentativa, como bom cientista ele não desistiu de tentar juntar Peter e Olivia. O que, cá entre nós, já estava passando da hora de acontecer, pois não sei se vocês leitores pensam o mesmo que eu, mas as atitudes de Olivia, que não sabia como conviver com o “fantasma” de Bolivia entre ela e Peter já estavam despertando meus temores de que seria a outra, e não a nossa Olivia, a escolha natural dele.

Depois de hoje, começo a pensar que essa escolha não será tão fácil assim, já que Olivia finalmente resolveu vencer seus medos e se entregar ao amor que sente por Peter e tentar viver com ele o que seu duplo viveu enquanto ela esteve presa ao outro universo. Porém, a grande questão que fica é: qual será a reação de Peter ao descobrir que será pai?

Se para Peter não será fácil escolher com qual das duas ele ficará (e, com isso, qual será o destino dos dois mundos), para Walter decidir entre começar ou não o uso do âmbar em nossa dimensão também não foi das mais fáceis. Aliás, esse momento foi, para mim, um dos mais tensos do capítulo.

O dedo de Broyles vacilando em puxar ou não o pino do controle me deu uma agonia incrível, junto com a permanência de Peter e Olivia naquele apartamento, tentando convencer aquela senhora de que a imagem que ela via regularmente e que, naquele momento falava com ela, não era a de seu marido falecido.

Como, para nossa sorte, o incidente foi solucionado (com muito diálogo) por Peter e Olivia, o uso do âmbar ficou para uma próxima vez, mas essa sequência, e os questionamentos de Walter sobre seu duplo me fez pensar em algo que, em alguns episódio, já assombrou a minha mente: o verdadeiro caráter de Walternativo.

Assim como eu já havia me perguntado antes, hoje Walter fez os mesmos questionamentos, além de ter sentido na pele a angústia de ter de decidir entre a vida e a “morte” de milhares de pessoas em prol do bem de um número ainda maior de cidadãos. Lembrando que coloquei morte entre aspas porque aqueles que ficam presos no âmbar não estão mortos, como foi mostrado em um capítulo anterior, mas tem suas vidas congeladas, como uma experiência de quase morte.

Essa não foi a única semelhança que notei entre os dois mundos. A atitude de Walter em requisitar os serviços de Brandon, cientista da Massive Dynamics, para elaborar o âmbar me fez lembrar da parceria que os dois tem no outro universo. Aqui a união entre os dois foi inofensiva, mas algo que parece não ser tão inofensivo são as atitudes de Walter.

Não sei se essa mudança poderia ser explicada pela descoberta da máquina apocalíptica de Walternativo ou da iminência da ruptura dos limites entre os dois mundos, mas algo em Walter mudou. Assim como em Peter, que há algumas semanas tinha um ar mais sombrio, hoje vi no cientista uma rispidez que não lhe é comum.

Digamos que ela seja mais comum em seu duplo, o que me faz pensar: será que ele continuou o experimento para recuperar as partes de seu cérebro que foram removidas cirurgicamente? E, se ele as recuperou, quais as consequências disto em seu caráter? Será que ele se tornará ainda mais parecido com Walternativo?

Até a próxima semana.


Rosangela Santos

São Paulo - SP

Série Favorita: Smalville

Não assiste de jeito nenhum: Grey's Anatomy

×