Aquele em que dizemos adeus

Pra quem não sabe, o Apaixonados por Séries existe há quase dez anos. Eu e Camila…

O que esperar de 2018

Antes de mais nada, um feliz ano novo para você. Que 2018 tenha um roteiro muito…

Gossip Girl – 5×20 Salon of the Dead

Por: em 18 de abril de 2012

Gossip Girl – 5×20 Salon of the Dead

Por: em

Se Gossip Girl já tivesse sido renovada, tenho certeza que este episódio seria um bom season finale. A maioria das tramas abertas foram pelo menos parcialmente fechadas, abriram mais duas (que sinceramente, não despertaram muito a minha curiosidade) e os personagens que interessam já tiveram o momento de respirar fundo, fechar um ciclo e começar a encarar a vida de novo. Mas, com mais quatro episódios para encerrar a quinta temporada e sem nenhum pronunciamento oficial da CW sobre o futuro da série, muito drama ainda pode rolar e é aí que mora o perigo.

Como já tinha adivinhado na review anterior, a Diana é mesmo a mãe do Chuck. E, como todos os personagens que voltaram para o Upper East Side nesta temporada, ela voltou boazinha. A conversa dela com o Chuck, revelando tudo o que aconteceu entre ela e o Bart foi tão fofa que tive vontade que abraçar os dois e nunca mais largar. A coisa que me deixou realmente triste nesta história toda é que a única personagem que ainda tinha algum gás para ser vilã (ou nem isso, mas uma antagonista) está sendo chantageada pela verdadeira Gossip Girl, talvez em uma tentativa fraca dos roteiristas de colocarem a fofoqueira-agora-sem-poder como a “pessoa ruim” da história.

Mas, olha, depois de tantos anos acompanhando a série, tendo a GG narrando e criando confusões em Manhattan, sem a mínima esperança ou vontade de que um dia ela seja transformada em uma personagem de carne e osso, fica complicado acreditar que ela seja a vilã. Ainda mais quando até a Serena consegue dar uma enrolada na verdadeira GG e não devolveu ainda a senha do site da menina.

Falando na Serena, acho que nunca senti tanta raiva dela em um episódio. Sempre que ela mentia para a Lola enquanto esta falava sobre a Gossip Girl, toda vez que ela sabotava a prima que ela mesma queria que ficasse mais famosa do que ela, toda a hipocrisia ao culpar a Lola por ter espalhado para o mundo o segredo da Diana, me subia o sangue. E ae, cadê todo aquele discurso sobre como a família é importante e como eles sempre estarão por perto para ajudar? A sorte da loira é que a Lola é boazinha (ou ingênua) e não quis desmascarar a prima para o Nate (embora fosse só juntar 2 + 2 para o próprio descobrir que a ex-namorada estava certa o tempo todo).

Se a Serena achava que a GG era ruim, ela está sendo muito pior. Pior até que a Georgina, que todo mundo já odiava, ela odiava todo mundo e pelo menos tinha algum motivo para sair por aí falando mal da vida dos outros.

O Nate é que estava certo, alertando a Lola sobre o “amor” que o Tripp sentia por ele.

No final, a prima quer ir embora e a Serena deve voltar a reinar no mundo fantasioso criado pela série. Eu quase derramei a água que estava bebendo quando a Blair disse que não convidaria a Serena para a festa dela e do Dan porque a loira os ofuscaria e todo mundo só ia querer saber dela. Só na primeira temporada essa desculpa da Serena ser a “It girl” colava; dali em diante, a Blair sempre foi mais interessante – e primeiro namorado após o divórcio com um príncipe é de ofuscar até uma aparição da rainha Elizabeth na festa.

Esta deve ser a primeira vez que eu não rolei os olhos quando Dair aparecia na tela. Nas primeiras cenas, com os dois tomando um café da manhã cheio de frescurinhas, achei que os dois poderiam se separar. Depois, o Rufus falando sobre a importância de não se perder no relacionamento e o Dan percebendo que ele não pode cometer o mesmo erro do pai, renovou minhas esperanças de que esse casal estava para terminar. Mas quando os dois aceitaram compartilhar os respectivos universos, darem a festa com a sofisticação do Upper East Side no aconchego do Brooklyn e terem aquela “festa de pijamas” particular só com o casal me fez lembrar do quanto eu gosto desse lado intelectual do namoro deles.

Mas nisso tudo, duas coisas não ficaram bem claras: 1) a Blair não ia querer saber dos motivos que encerrar a festa mais cedo? Se eu fosse a anfitriã, estaria intrigada em descobrir o porquê de todo mundo, do nada, resolver ir embora e 2) supondo que ela soubesse o que aconteceu na festa, ela não iria correndo falar com o Chuck e ver como ele estava? Valia no mínimo um SMS.

Para o final da temporada, temos pelo menos três tramas engatilhadas: o outro segredo da Diana (e, por favor, parem com tramas com o Chuck procurando membros desaparecidos da família); Rufus, seu complexo de marido-troféu (mas foi fofo ele fazer a coisa certa e ajudar a Ivy) e Lily; e a Georgina, que se mandou para a Europa e ainda precisa cobrar algum favor da Blair. Como de praxe, estou contando com a Gossip Girl 2.0 para agitar os quatro últimos episódios da quinta temporada.

XOXO

P.S.: Foi extremamente forçada a maneira como a Serena descobriu o segredo da Diana, hein? Quem é que fica contando no celular, no meio do trabalho, em voz alta, o que escondeu a vida inteira? Ainda mais sabendo que tem vários espiões da Gossip Girl por aí?


Bianca

Feminista interseccional, rata de biblioteca, ativista, ama filmes, séries, cultura pop e BTS. Twitter sempre vai ser a melhor rede social.

São Paulo - SP

Série Favorita: Grey's Anatomy

Não assiste de jeito nenhum: Lost

×