Aquele em que dizemos adeus

Pra quem não sabe, o Apaixonados por Séries existe há quase dez anos. Eu e Camila…

O que esperar de 2018

Antes de mais nada, um feliz ano novo para você. Que 2018 tenha um roteiro muito…

Grimm – 1×08 Game Ogre e 1×09 Of Mouse And Man

Por: em 26 de janeiro de 2012

Grimm – 1×08 Game Ogre e 1×09 Of Mouse And Man

Por: em

“Fee-fi-fo-fum, I smell the blood of an Englishman…”

Grimm continua na sua trajetória de escolher um detalhe minúsculo do conto da semana e transformá-lo em outra história completamente diferente. Pra mim, isso é uma pena. Episódios como o piloto, Bears Will Be Bears, Beeware e The Three Bad Wolves cumpriram com excelência a missão de pegar a história original dos irmãos Grimm e transferi-la para a atualidade, para a realidade do seriado. Já episódios como Game Ogre, inspirado em Jack, The Giant Killer, além de usar a frase de apresentação de outro conto (João e o Pé de Feijão), não exploraram de maneira nenhuma todas as possibilidades da história original. Of Mouse And Man chegou ao cúmulo de nem ter sido inspirado em nenhum conto dos irmãos Grimm, fugindo completamente ao que nos foi prometido antes do seriado estrear. Detalhe? Não sei se a propaganda toda de um seriado deveria se basear num simples detalhe.

Deixando relutantemente de lado o fato dos contos estarem simplesmente se perdendo a cada semana, Game Ogre foi um episódio bom pelo fato de ter seguido uma narratória bastante diferente de todos os outros. Desta vez Nick apenas se encontrou uma vez com a criatura da semana, e foi pra levar uma bela surra. Mas antes mesmo de se encontrar com o Siegbarste, Nick já sabia com o que estava lidando, por conta da doença rara que o procurado tinha. Uma explicação muito boa, aliás, pra questão de ogros serem tão fortes e não sentirem tanta dor.

Um dos pontos fracos (e que têm potencial pra melhorar muito) de Grimm são as idas de Nick ao trailer de sua tia. Ele olha rapidinho uns livros – e nós, espectadores, apenas vemos os desenhos – olha as poções, olha o armário e descobre tudo rapidamente. Esses momentos poderiam (e deveriam) ser mais explorados. Afinal, nós queremos muito saber do passado de Nick, do passado de sua tia, da história da linhagem Grimm e várias outras coisas que formariam um belo arco principal na história, mas que estão sendo deixadas completamente de lado, semana trás semana.

Juliette e Hank tiveram suas participações mais importantes neste episódio. A primeira, salvando o noivo da criatura maluca que o estava atacando. Já Hank foi uma das ligações do caso. O ogro estava atrás dele, pois ele o tinha levado à cadeia anos atrás. E a decisão de não atrair a criatura até a emboscada do Capitão Renard permitiu uma importantíssima participação do nosso personagem preferido, Monroe. A partir da cama do hospital, Nick orientou seu amigo sobre o que fazer e introduziu o Blutbad ao mundo Grimm e ao trailer de sua tia.

Curioso é ver que o próprio Nick nunca foi contra nenhuma criatura que ele já não seria contra se não fosse Grimm. Nick nunca fez nada que não fizesse apenas como policial. Quem agiu verdadeiramente como um Grimm, usando as armas específicas para caçar uma criatura por saber que deveria fazer isso, foi Monroe, também uma criatura normalmente caçada pelos Grimm. Irônico? Claro que esperamos que, a partir daí, seja iniciada uma investigação a respeito das balas encontradas no corpo do Siegbarste. Mas já tivemos outras cenas interessantes de Grimm que esperávamos que fossem desenvolvidas e até agora nada aconteceu, como a janta privada de Hank com a Hexenbiest Adelind. Bom, resta torcer.

“I am impelled not to squeak like a grateful and frightened mouse, but to roar…”

Of Mouse And Man começou, novamente, com um assassinato que acabou tendo, como investigadores, Nick e Hank. Estes se mantiveram ocupados caçando um roedor maluco que resolveu se vingar de seu falecido pai, que era agressivo e opressor. Completamente insano por conta da morte de seu pai, o Mauzhertz continuou vendo seu rosto em pessoas que tinham a mesma personalidade, sendo impelido a matá-las. Não consegui identificar muito bem que tipo de roedor são os Mauzhertz, mas é certo que não são ratos, já que estes nos foram apresentados como Reinigen em Danse Macabre. Outra figura nova neste episódio foi o Lausenschlange, o homem-cobra que também acabou sendo vítima do medroso roedor.

Paralelamente, Juliette continua intrigada com pessoas curiosas com sua casa. Tudo começou com o Reinigen que veio consertar a geladeira e que saiu contando que há sim um Grimm na região. Desta vez, mais criaturas vieram olhar com seus próprios olhos – e câmeras – a casa de Nick, e chamaram a atenção da ruiva. Essa é outra das histórias que precisa se desenrolar logo, senão continuaremos vendo Juliette fazendo papel de boba até o final da temporada.

Monroe acabou tendo que tomar uma decisão drástica e sair de cima do “muro moral” em que se se encontrava, querendo ajudar Nick mas achando que não deveria fazer isso por ser um Blutbad. A surra que os ceifadores (provavelmente a mando do Capitão Renard, já que ele é o manda-chuva dos ceifadores da região) deram em Monroe trouxe um recado bem claro: se ele não parar de ajudar um Grimm, vai pagar caro por isso.

Mas a consciência e a amizade de Monroe por Nick falaram mais forte que o medo e ele abraçou de vez a causa Grimm. Claro que era divertido vê-lo ser arrastado pros casos policiais meio a contra-gosto, mas isso certamente não duraria pra sempre. Depois de Let Your Hair Down eu senti que Eddie estava realmente gostando dessa aventura.


Luana Lied Zapata

Porto Alegre - RS

Série Favorita: Friends

Não assiste de jeito nenhum: The Vampire Diaries

×