Aquele em que dizemos adeus

Pra quem não sabe, o Apaixonados por Séries existe há quase dez anos. Eu e Camila…

O que esperar de 2018

Antes de mais nada, um feliz ano novo para você. Que 2018 tenha um roteiro muito…

Once Upon a Time – 2×05 The Doctor

Por: em 2 de novembro de 2012

Once Upon a Time – 2×05 The Doctor

Por: em

Regina, Regina e Regina.  Sabe quando um personagem rouba a cena e toma a série para si? Pois é, é isso que nossa amada e malvada rainha está fazendo em Once Upon a Time. Esse início da segunda temporada vem sendo, na minha opinião, um pouco decepcionante. Todo aquele adorável clima de mistério, suspense e até apreensão do que estava por vir, principalmente quando a maldição fosse quebrada, se foi. Claro, é bastante compreensível, considerando que a maldição foi efetivamente quebrada.

Agora, as tramas não tem me agradado. Charming não é nada charmoso, e é um personagem completamente boring, entediante. Eu até vejo que ele tem um bom coração, é dedicado, mas sua figura não me agrada de jeito algum. Aí vamos para Emma e Snow que também foram jogadas em outro mundo e não vem agregando bons momentos para a série. Acho que o que sustentou a alucinante primeira temporada foi a semelhança com o tradicional “caso da semana“, comum em série policiais, nas quais toda semana um caso diferente é apresentado. Algo parecido acontecia em OUAT. A cada novo episódio éramos apresentados a novos personagens e conhecíamos sua história. Paralelamente, os personagens principais iam sendo desenvolvidos de forma bastante interessante. Isso funcionou muito bem na primeira temporada, sempre achei incrível como roteiro brincava com os contos e tinha respostas para tudo. É muito e muito difícil encontrar um erro, e isso é louvável, considerando-se o emaranhado de tramas. Porém, até agora, na segunda temporada, isso não vem acontecendo com tanta perfeição.

Sobre o episódio: capitão Gancho, apesar de eu não gostar muito dele, vem proporcionando bons momentos à série. Duvido que eu seja o único ansioso pelo dia que ele enfrentará Rumple. Afinal, ninguém tem coragem de fazê-lo, e será realmente interessante vê-lo tentando. Além disso, fomos apresentados à verdadeira identidade de Whale: Frankestein. Dr. Whale nunca me agradou, nem um pouquinho. Ele consegue ser tão chato quanto o personagem que o mesmo ator interpretou em The Vampire Diaries. A questão é que, mesmo agora conhecendo seu passado, ainda não consigo sentir nada por ele. Pelo contrário, achei toda essa coisa de “ciência é maior que magia” puro blá blá blá. Aliás, reviver mortos é, na minha opinião, algo totalmente sem noção e que a série não deveria explorar, ainda mais dessa forma. Não vejo a ciência como solução para isso.

Falando do ressuscitador de mortos, chegamos a Daniel. Confesse que, se essa trama de trazer mortos de volta não me agradou muito, ela só não foi ainda mais tensa por causa de Daniel. Gosto do personagem porque gosto de Regina. A dinâmica entre os dois, desde a conversa rápida e apaixonada até o assassinato, foram uma das melhores sequências da série. Regina é fantástica. E agora permitam-me falar dela. Afinal, o que essa personagem está fazendo é arrematar o coração de todos os fãs, não da forma como ela faz na série, mas de um jeito apaixonante. Ela me conquistou de vez, e não me importo mais o quão maldosa ela é ou pode ser, ela é somente a melhor personagem  da série e quero vê-la em cada segundo em cena.

Um pouco desse mérito se deve a Lana Parilla, atriz que não me agradou no início, mas que depois eu pude perceber a delicadeza de seu trabalho. Juntas, Lana e Regina, formam uma personagem repleta de camadas. Malvada, como seu própria nome já diz, mas amada. Ela já passou por tanto, assim como a maioria dos personagens de OUAT, mas, ainda assim, nos sensibilizamos por ela e a idolatramos. Nesse episódio, antes de mais nada, ela roubou a cena, como sempre, depois de ter ficado um pouco afastada nos últimos episódios. A questão é que tudo indica que teremos muito mais de Regina pela frente. Espero alucinadamente o combate entre ela e sua não menos adorável mãe, Cora. Também espero a luta pela reconciliação com Henry.

Espero, por fim,  episódios melhores, confesso, mas, antes de mais nada, ansiosamente pelo caminho que a série está percorrendo. Tudo indica, e eu tenho quase certeza disso, que os roteiristas não irão nos decepcionar. Assim como você não irá me decepcionar e deixará seu lindo comentário abaixo, certo?


Micael Auler

Gaúcho que ama chimarrão e churrasco (tchê!) quase tanto quanto ama séries, filmes e livros. Para acompanhar, seja lá o que for, bebe: se não o chimarrão, café; ou então algo com um pouquinho de álcool.

Lajeado / RS

Série Favorita: The Good Wife

Não assiste de jeito nenhum: Supernatural

×