Aquele em que dizemos adeus

Pra quem não sabe, o Apaixonados por Séries existe há quase dez anos. Eu e Camila…

O que esperar de 2018

Antes de mais nada, um feliz ano novo para você. Que 2018 tenha um roteiro muito…

Private Practice – 5×18 It Was Inevitable

Por: em 19 de abril de 2012

Private Practice – 5×18 It Was Inevitable

Por: em

Private Practice está de volta do pequeno hiato de um mês e pronta para os episódios finais da temporada. E, para quem costuma acompanhar pela exibição americana, a série agora passa na TV de lá em outro dia da semana, às terças-feiras e não mais às quintas.

O episódio foi morninho, mas algumas situações mexeram com as minhas emoções. O primeiro (e merecedor de destaque do retorno) foi a morte da Erica. A primeira cena da personagem na cama, definhando, me partiu o coração e era claro que ela não teria muito tempo de vida. Tanto a A.J. Langer como a KaDee Strickland deram um show de interpretação nos momentos finais da Erica. Foi de chorar quando a Charlotte diz: “o nosso filho precisa ver você” e tudo o que aconteceu depois. Griffin Gluck, que interpreta o Mason, também esteve ótimo se despedindo da mãe, passando toda a tensão da cena para o telespectador.

Com isso, temos a primeira das novas famílias da série: Cooper, Charlotte e Mason. O Cooper é o típico pai babão, que tem dificuldades em impor limites e é chantageado por qualquer criança mais arteira (o que duvido que vá acontecer com o Mason, que é super educado). A Char, que nem sonhava em ter filhos, acabou se descobrindo uma verdadeira mãe quando foi necessário. É bem bonito e racional vê-la dizendo que o marido não precisa agradecer por tudo o que ela fez, porque é isso o que você faz por alguém que você ama.

A segunda situação que me abalou no 5×18 foi a do triângulo amoroso Addison, Sam e Jake. Achei até normal a Addie dizer que desistiu de ser mãe, depois de tantas tentativas frustradas. Parecia mais que ela queria se convencer que essa era uma coisa que ela estava destinada a não ter e ela teria que se conformar com o que tem, que é o bebê da Amelia. Não que ela queira o bebê da amiga; só iria transferir todo o amor e carinho que estava “reservado” ao filho dela para o sobrinho e seria algo natural e saudável, porque a Amelia vai precisar de muita ajuda daqui para frente para estruturar a sua família.

E então a Addie e o Jake se beijaram e, embora eu também ache que seja cedo para eles engatarem algo (para mim, pareceu mais um momento de fragilidade do Jake do que algo sério para a vida), comecei a torcer mesmo para que eles fiquem juntos algum dia. Eu já até tinha esquecido da existência do Sam, que ficou sem função alguma depois que mandou a Corinne para a rehab. A reação dele depois da Amelia contar que a Addie desistiu de ser mãe me preocupou, ele viu uma chance real de se reconciliar com a ex-namorada. Por nunca ter aceitado os dois como um casal, fiquei realmente brava com o beijo que eles deram nas cenas finais. A Addie não tem química com o Sam, os dois juntos só se atrasam.

Para a nossa alegria, parece que a ruiva vai sim ter a chance de começar uma família e o Sam vai se afastar de novo. Foi um pouco forçado a mãe do bebê dela ser justamente a paciente que a Amelia ficou por perto, viu o bebê nascer e a partir dali, decidiu fazer o ultrassom e tornar a gravidez mais real. Mas tudo bem, não atrapalhou o desenvolvimento da história. Eu estou muito feliz e ansiosa para ver como será essa nova fase da vida da Addie, com um filho, os problemas da clínica e todo o drama que tenho certeza que teremos até a season finale, daqui quatro episódios.

Antes de terminar a review, preciso falar de Pete e Violet. Não consigo entender porque manter um personagem tão descartável como o Pete, que não faz nada além de ficar nessa insegurança danada sobre a separação dele. Até achei bonitinha a conversa que ele teve com a Char sobre como ela não consegue separar a emoção da razão porque a Erica faz parte da família, mas foi um diálogo que ela poderia ter tido com o Sam, por exemplo.

A Violet, apesar de também passar a maior parte do tempo pensando sobre o casamento, pelo menos evolui dentro desse assunto, tem cenas divertidas com a Addie e poderia ter desenvolvido alguma coisa com o Scott. Foi lindo mesmo o que ela disse sobre eles voltarem a ficar juntos, que as coisas não devem ser dessa forma porque ela ainda não sabe o motivo de ele ter ido embora. Não gosto deles como casal também, mas a ideia de casados se separarem e voltarem depois de um tempo (principalmente depois de resolverem os problemas que levaram à separação) me parece mais plausível do que qualquer volta de Sam e Addie.


Bianca

Feminista interseccional, rata de biblioteca, ativista, ama filmes, séries, cultura pop e BTS. Twitter sempre vai ser a melhor rede social.

São Paulo - SP

Série Favorita: Grey's Anatomy

Não assiste de jeito nenhum: Lost

×