Aquele em que dizemos adeus

Pra quem não sabe, o Apaixonados por Séries existe há quase dez anos. Eu e Camila…

O que esperar de 2018

Antes de mais nada, um feliz ano novo para você. Que 2018 tenha um roteiro muito…

Se você gosta de House of Cards, vai gostar de Borgen

Por: em 27 de setembro de 2015

Se você gosta de House of Cards, vai gostar de Borgen

Por: em

Borgen é uma série dinamarquesa das mesmas produtoras de The Killing (a versão original) e se assemelha com a nossa querida House of Cards por tratar do mesmo tema, um drama político que envolve o alto escalão do governo nos seus países. Embora a primeira temporada de House of Cards seja toda focada na luta que Frank trava para chegar a presidência, aqui a gente acompanha uma monarquia parlamentar e Borgen (3 temporadas, 30 episódios e já finalizada) já começa nos dias anteriores a eleição e nos apresenta a vida política de Copenhague dividida em dois núcleos: o gabinete do primeiro ministro e sua vida e o cotidiano dentro de um jornal de TV que tem abordagem política.

O lado político

Muito diferente de Frank – e o ponto alto de Borgen, diga-se de passagem –  a protagonista aqui é Birgitte Nyborg (Sidse Babett Knudsen), a líder do partido que está na corrida pelo maior número de cadeiras no parlamento, que no caso deste regime de governo dá uma série de vantagens ao partido, inclusive o de indicar o primeiro ministro, a pessoa que governa o país, já que a rainha, assim como a rainha da Inglaterra, está lá para representar, não para governar. Birgitte tem que administrar a política, sua família, lidar com ministros e com a imprensa. Um detalhe marcante da mudança é mostrarem no primeiro episódio ela indo trabalhar de bicicleta e depois tendo que se adaptar a ir de carro com forte segurança.

borgen-2

Birgitte tem uma grande equipe trabalhando com ela na eleição e é uma mulher de princípios, Frank Underwood não se daria bem com ela, que sempre tenta fazer a coisa certa e falar a verdade. Como exemplo, logo no primeiro episódio ela recebe uma informação sobre má conduta do atual primeiro ministro que pode mudar a sua sorte e resolve não usar, pois o primeiro ministro está de luto. Kasper (Pilou Asbæk) seu ajudante (assessor de marketing, na série chamado de spindoctor, achei apropriado e adorei o nome!) não tem a mesma ética que sua chefe e resolve divulgar a informação para um dos outros candidatos que usa a informação durante um debate na maior rede de televisão do país.

Este fato e a polêmica de todo o debate faz com que o partido de Birgitte vença as eleições e consiga o maior número de cadeiras, e ela passa então a ter que lutar para conseguir o cargo de primeira ministra, lutar muito mais do que um homem, porque todos eles afirmam que ela não tem o que é necessário para fazer a política que eles fazem, mesmo que ela seja a pessoa mais adequada para o cargo.

A série então acompanha a vida pessoal de Birgitte, que tem um marido e dois filhos, e como a política a faz mudar, como ela lida com o cargo e com as decisões difíceis que tem que fazer, como lidar com os ministros e os jogos de interesse que passa por todos os lados. Assim como Frank Underwood, Birgitte também tem assessores, o líder do partido e amigo a aconselha, assim como o Spindoctor e em cada episódio vemos um ou outro político, em sua maioria os ministros.

Um dos momentos memoráveis da primeira temporada é quando ela e sua ministra da economia querem implantar uma lei de igualdade de gêneros no país, para que todas as conselhos públicos e privado s sejam formadas por ao menos 45% de mulheres. É uma luta que precisa ser feita e obviamente ela encontra muita resistência, mesmo num pais como a Dinamarca a ministra sofre preconceito por ter sido modelo e por ter namorado muito, as duas mulheres tem que lutar muito para conseguirem aprovar a lei. Reproduzo um diálogo da Primeira ministra com o maior empresário do país sobre a agenda:

Joachim Chrone: Compreendemos perfeitamente que, como mulher o Primeiro-Ministro se sente compelido a lutar pelas mulheres. No entanto, é um direito dos executivos escolher os membros do seu conselho.

Primeira Ministra: E ainda é. Só que agora metade deles serão mulheres.

O lado jornalístico:

Isso nos trás a um outro núcleo da série, assim como em House of Cards, a imprensa é importante para trazer o tema da política para a população, para questionar as decisões e fazer com que se expliquem em público. A principal personagem desse núcleo é a Katrine (Birgitte Hjort Sørensen) repórter da TV1, uma jovem que chega ao principal cargo da emissora sendo muito teimosa e com um particular interesse em investigações. Diferentemente de House of Cards, Birgitte e seu assessor não tentam envenenar a imprensa, e abafar tudo de forma desonesta, mas tentam lidar com a verdade.

borgen-3

Katrine tem também uma conexão pessoal conturbada com o spindoctor Kasper, que lhe dá acesso a algumas informações e facilidades em lidar com a primeira ministra, mas ela não é usada pelo governo como os jornalistas são em House of Cards.  Sua história pessoal também é bem desenvolvida com o tempo, assim como o seu lado impetuoso na vida profissional. Ela se dá bem com alguns de seus colegas, mas outros não a acham adequada para o cargo, ou que ela tenha feito algo para subir tão rápido. Mas a verdade é que Katrine é inteligente, teimosa e sempre afiada nas perguntas e nas muitas entrevista que conduz durante os episódios.

A jovem jornalista a principio perde o apoio de uma jornalista antiga do jornal, mas o seu editor gosta do seu trabalho, e ela é capaz de sustentar o papel questionador das atitudes do governo que todo jornalista por principio deveria ter, levando isso ao seu jornal e ao público, afirmando diversas vezes que os cidadãos devem ter conhecimento do que acontece nos bastidores do governo, pois tudo afeta a sociedade.

Em todos os núcleos temos diálogos interessantes, desenvolvimento dos personagens principais e em cada episódio Borgen trás a tona um tema importante para a política e sua repercussão dentro do governo e fora dele, assim como o impacto na vida pessoa de cada um dos envolvidos. Apesar de ter a vida de cada um como plano de fundo de toda a temporada, diferentemente de House of Cards Borgen discute estes temas em cada episódio, e o assunto é encerrado nele, mas suas implicações continuam no dia a dia.

Borgen vale cada minuto por sua história bem contada, personagens cativantes, sem grandes vilões ou planos maquiavélicos e assassinatos, também pelo cenário diferente do que estamos acostumados e pela língua bem diferente do inglês, com sotaque interessante e novos rostos. É bom refrescar os ouvidos e olhos, embora ela traga um cenário político tão interessante, mostra os tramites entre parlamento e governo de uma forma que nos parece quase utópicas, dado o nosso cenário atual. Vale a pena também como um ponto de reflexão sobre posicionamento político, ético e moral.


Camila

Mineira, designer, professora que gosta tanto de séries que as utiliza como material didático.

Belo Horizonte/MG

Série Favorita: Fringe

Não assiste de jeito nenhum: Supernatural

×