Aquele em que dizemos adeus

Pra quem não sabe, o Apaixonados por Séries existe há quase dez anos. Eu e Camila…

O que esperar de 2018

Antes de mais nada, um feliz ano novo para você. Que 2018 tenha um roteiro muito…

Shadowhunters – 1×07 Major Arcana

Por: em 25 de fevereiro de 2016

Shadowhunters – 1×07 Major Arcana

Por: em

Major Arcana foi meu episódio favorito de Shadowhunters até aqui. Digo isso de coração aberto e feliz. Mas, ao mesmo tempo, foi o primeiro em que a série começou a fazer mudanças mais radicais com relação a história dos livros e não vou dizer que isso não me incomodou, porque incomodou. Mas esses comentários ficam pros PS’s, porque a gente tá aqui pra falar do programa de TV e, no que concerne a isso, a evolução está visível. 

Praticamente quase toda a ação se voltou ao resgate do Cálice Mortal. A missão acabou servindo para uma maior aproximação entre Clary e Jace (já chegaremos a isso!) e também para mostrar um bom desenvolvimento da garota enquanto shadowhunter e, porque não dizer, mesmo um avanço na atuação limitada de Katherine McNamara, que continua ruim, mas não incomoda mais. A garota tem segurado bem as cenas de ação e mesmo os choros/momentos de surto não parecem mais artificiais e seu relacionamento de cumplicidade intensa com Jace não soa mais forçado ou rápido demais.

clace-kiss

Aqui, por exemplo, foi até bacana de ver o modo como eles apoiaram um ao outro, entre flertes e piadinhas, enquanto lutavam para recuperar o Cálice. O sentimento (já dá pra colocar assim, né?) que surgiu entre Clary e Jace me soa muito como uma coisa de reconhecimento. Mesmo tendo Alec e Izzie do seu lado, Jace ainda não tinha achado alguém “perdido” como ele. Quando Clarissa surgiu em sua vida, toda bagunçada, confusa e desesperada para encontrar sua mãe, é como se Jace tivesse se enxergado ali. E vice-versa. Por isso mesmo, o beijo ao final do episódio não é nenhum pouco surpreendente, acho até que demorou para acontecer, depois de tantas indiretas e troca de olhares fulminantes. (Só que, claro, a cara do Alec quando se virou e foi embora foi de cortar o coração)

O mais interessante disso tudo não é nem o beijo, o Cálice enfim nas mãos deles ou o ótimo desempenho de Clary na batalha contra os demônios (mesmo estando óbvio que ela iria atacar aquele demônio se passando por Jace, eu esperei até o último momento para ter certeza que ela não iria fazer besteira), mas sim ver como eles irão lidar com essa nova situação de agora em diante. Alec com certeza estará mais arisco do que nunca e mesmo, Maryse e Robert não parecem as pessoas mais receptivas do mundo à Clary e ainda tem toda a confusão armada com Valentine, que vai fazer de tudo para conseguir o Cálice.

simon-camille

Além disso tudo, há outro fator importante a ser considerado na equação: Simon. E, justiça seja feita, mesmo que o foco aqui tenha sido a fuga da delegacia com o cálice, Alberto Rosende foi o grande nome do episódio. Ver todo o breakdown do nerd foi muito interessante e o ator conseguiu passar todo o medo e confusão que estão passeando na cabeça dele com maestria. Eu sempre digo que a coisa que mais me impressiona em um ator é quando ele consegue usar os olhos e a expressividade facial para passar algo e foi exatamente isso que Alberto fez. O horror de se transformar em um vampiro estava ali, nos olhos de Simon. E foi, ao mesmo tempo, assustador e excitante.

A transformação, aparentemente finalizada por Camille na última cena, vai mexer não só com o garoto, mas com todos ao seu redor. Maureen, que apesar das mancadas, se preocupa com ele a ponto de procurar a mãe a irmã; elas, que acham que ele está se drogando e, por fim, Clary. Não dá pra imaginar como a garota vai se sentir culpada por não ter dado atenção ao seu melhor amigo justamente no momento em que ele mais precisava de alguém que estivesse ali para ele. Talvez, se o cenário fosse outro, Simon teria sabido por Jace e os outros que ainda não estava se transformando, apenas sentindo os efeitos do sangue de Camille em seu organismo. Mas agora, é tarde demais. Vida que segue e nova fase que se inicia. 

Outros que também precisam de atenção são os irmãos Lightwood. Mas ao menos, diferente de Simon, eles tem um ao outro. É horrível ver Isabelle se transformando em algo que ela claramente não é, apenas para agradar a mãe e tentar salvar o nome da família. Da mesma forma que é angustiante ver Alec tentar esconder (dos outros e de si mesmo) que seu envolvimento com Magnus está cada vez mais íntimo. Se Jace não estivesse tão entretido nos problemas de Clary, talvez percebesse que seus irmãos estão precisando dele – especialmente seu parabatai.

Outras observações:

– Uma pena que a Vargas morreu tão cedo, parecia uma ótima personagem. Onde será que vai dar toda essa trama?

– Se eu transo com alguém e no outro dia, sou chamado pelo nome de outra pessoa, eu jamais teria a calma da Maureen.

– Se tem shirtless e cena de cueca de Simon, já tô esperando também de Alec e Jace. Direitos iguais.

– Mais uma citação sutil a Peças Infernais: A varíola demoníaca. Já espero que alguém encontre os poemas do Will sobre isso. <3

– Agora, vou mimimizar um pouco sim com a questão da adaptação, então se você não quer spoilers dos livros, não leia os pontos a seguir:

* Não vou dizer que não gostei do modo que o resgate do Cálice foi feito, porque eu gostei, mas senti muita falta do Alec se ferindo mortalmente no processo, porque é isso que faz o Jace perceber que tá sendo idiota e deixando o parabatai de lado. Quero ver como vão fazer isso na série agora.

* E eu realmente não gostei de ser o sangue da Camille, e não do Raphael, a transformar o Simon. Eu adoro a relação instável de criador e criatura que Simon e Raphael tem nos livros e ele é um personagem infinitamente mais interessante que Camille. Mas é, fazer o quê? Vida que segue de novo.

– Semana passada, eu estava viajando e não consegui responder os comentários de vocês logo. Me desculpem! Agora vou ser mais pró-ativo! 🙂

Fique com a promo de Bad Blood, episódio da próxima terça:


Alexandre Cavalcante

Jornalista, nerd, viciado em um bom drama teen, de fantasia, ficção científica ou de super-herói. Assiste séries desde que começou a falar e morria de medo da música de Arquivo X nos tempos da Record. Não dispensa também um bom livro, um bom filme ou uma boa HQ.

Petrolina / PE

Série Favorita: One Tree Hill

Não assiste de jeito nenhum: The Big Bang Theory

×