Aquele em que dizemos adeus

Pra quem não sabe, o Apaixonados por Séries existe há quase dez anos. Eu e Camila…

O que esperar de 2018

Antes de mais nada, um feliz ano novo para você. Que 2018 tenha um roteiro muito…

The Voice Kids – 1×06 Audições às Cegas (Parte 6)

Por: em 7 de fevereiro de 2016

The Voice Kids – 1×06 Audições às Cegas (Parte 6)

Por: em

O domingo de carnaval serviu para colocar um ponto final na primeira fase da competição do The Voice Kids. Agora com os times completos, os técnicos deveram preparar seus candidatos para as temidas Batalhas, que acontecem a partir da próxima semana.

E, para nossa grata surpresa, esse foi um programa de muitas audições fortes. Talvez exatamente por ser preciso um pouco mais para garantir as últimas vagas de cada time, os candidatos se mostraram muito empenhados, fazendo momentos bastante inesquecíveis. Todos os times adicionaram concorrentes bem fortes nesse ponto da competição. Claro que também tivemos um programa com mais eliminações. É normal que nesse ponto os técnicos sejam mais criteriosos (só que não muito) para adicionar alguém aos times.

Sem mais delongas, vamos dar uma olhada nos últimos aprovados do reality.

Time Victor e Léo

the-voice-kids-victor-leo

Ana Pieri: primeiro que não acreditei que essa menina só tinha 12 anos – o que tão dando para essas crianças comer gente? Ana cantou “Malandragem” e imprimiu muita personalidade na sua apresentação – o que foi notado por todos os jurados. Como foi comentado, ela precisa trabalhar um pouco na questão da sua dicção, já que algumas palavras ficam difícil de entender, principalmente quando “ruge” com a voz. Mas fiquei bem feliz da dupla acreditar e dar a oportunidade para ela.

Juan Luca: taí mais um que eu achei que não se daria bem nesse domingo. Quando você fecha os olhos e ouve a voz de Juan, é difícil perceber se é um menino ou uma menina cantando, o que é um claro sinal de que sua voz ainda não passou pela transição da adolescência, quando todo o aparelho respiratório toma sua forma definitiva. Não desgosto dele. Acho que escolheu mal a música (Ana Carolina é para quem pode) e precisa de bastante trabalho, mas pode surpreender nas batalhas sim.

Mariana Rocha: se joga no Michael mulher! Esse foi um dos pontos altos do programa, pelo menos para mim. Gostei tanto da apresentação, que comecei a falar “VIRA ALGUÉM PLMDD!”. Claro que ela precisa de uma técnica um pouco maior, porque umas notas não foram alcançadas, mas que seja uma longa caminhada para a garota!

Jamille Silva: menina, você é tudo que eu esperava desse programa desde o primeiro dia. Uma criança, com cara de criança, roupa de criança e cantando música de criança! A interpretação de “Let It Go” que Jamille fez foi bastante incrível e a colocou como uma das mais fortes competidoras até aqui. Super simpática e emocionada, a garota encerrou a busca da dupla Victor & Léo por competidores.

 

Time Ivete

daniel-ivete

Nicole Luz: nossa tarde de domingo começou com as notas que Nicole alcançou em “That’s What Friends For”. Uma candidata que apresentou um suavidade ao cantar e escolheu muito bem o seu repertório na hora de tentar uma vaga. Sua afinidade musical com Ivete fez da escolha do time um tanto óbvia, porém acertada – lembrando que ela garantiu as três cadeiras virando. Se souber explorar o potencial, Ivete tem uma excelente candidata em mãos.

Luna Maria: dona Luna veio e mandou logo um clássico dos karaokê’s. Cantando “Coleção”, ela não me convenceu. Parecia que ela estava quase sempre com o canto descompassado na melodia, o que pode ser um sinal de nervosismo claro. Apesar disso, Ivete viu algo a explorar ali e acabou virando para ela – não que eu queria jogar lenha na fogueira, mas acho que rola umas escolha para ser “boi de piranha”.

Daniel Henrique: gosto tanto quando alguém vai lá e canta uma música que me lembra o passado – mesmo que não seja da história deles mesmo. Daniel cantou “Farway”, um dos clássicos do Nickelback, e não fez a melhor das apresentações – mais um caso de voz em estado de transição. Teve algumas notas mal alcançadas e ele precisa de uma boa orientação quanto ao estilo musical e o repertório a explorar, mas simpatizei com o garoto e fico na torcida por ele na próxima fase.

Robert Lucas: não é muito legal quando a gente vê uma pessoa que nunca teve oportunidade de mostrar o talento, conseguir mostrá-lo e de forma tão contundente como Robert? Gostei demais da versão que ele fez da música de Bruno Mars e achei bem acertado ele caminhar com Ivete na competição. Tomara que ele seja pareado com pessoas interessantes na próxima fase, para nos render uma boa batalha. O garoto fechou o time de Ivete.

 

Time Carlinhos Brown

gabb-lippert-brown

Lou Garcia: que apresentação incrível. Quando Lou começou a cantar “Stand By Me”, eu podia jurar que ela estragaria tudo, porque essa canção precisa demais que haja uma suavidade, mas também uma personalidade. Só que ela fez tudo certo e mostrou uma baita presença de palco para nos surpreender. Carlinhos tirou a sorte grande com ela, pode ter certeza. Só não entendi porque Ivetão não virou (produção tá querendo deixar todo mundo feliz, é isso?).

Clara Lima: essa menina foi se soltando aos poucos, até conseguir atingir seu ápice no refrão. Sua performance em uma canção tão tradicional foi linda, além de uma maturidade incrível. Pela idade que tem e seu potencial, Clara é uma forte candidata a passar pelas Batalhas sem muitos problemas – ainda mais no time de Brown, que não é dos mais fortes.

Catarina Estralioto: eu sempre fico muito surpreso quando essas criança cantam músicas como “Bêbado e o Equilibrista” e eu quando tinha 12 anos tava curtindo High School Musical, mas né, vida que segue. Catarina está pronta para a pegada do programa. Tem maturidade, gingado e uma presença de palco absurda. Eu tava bem incomodado de ninguém virar a cadeira, mas acabou tudo bem para a menina!

Lorena e Rafaela: abriram as porteira para o interiorzão desse Brasil! Acho muito legal quando duplas vão para o programa, principalmente pela surpresa dos técnicos no momento da descoberta. O potencial da primeira voz da dupla é incrível, de verdade. Ela deixou Paula Fernandes no chinelo. E vai ser bem interessante vê-las num time bem diferente do seu estilo musical.

Gabb Lipert: já estou torcendo por você também Gabb. Cantar Pitty merece todo o nosso respeito, além de defender o rock nacional em um programa para a família brasileira em plena tarde de domingo. Fora que a presença de palco e o potencial vocal desse garoto são de deixar qualquer um impressionado. Acho que Brown se deu é muito bem esperando até que Gabb aparecesse e encerrando assim seu time.

 


Agora já vai se preparando, porque vai ser uma choradeira só na semana que vem. Quero nem ver duas crianças saindo por batalha. Vai ser pesado.

O que achou dos times completos? Qual o mais forte? Comenta com a gente!

Fotos: GShow.com


Leandro Lemella

Caiçara, viciado em cultura pop e uns papo bobo. No mundo das séries, vai do fútil ao complicado, passando por comédias com risada de fundo e dramas heroicos mal compreendidos.

Santos/SP

Série Favorita: Arrow

Não assiste de jeito nenhum: The Walking Dead

×