Os indicados ao Globo de Ouro 2018

As nomeações à 75ª edição do Globo de Ouro foram anunciadas nesta segunda-feira pela manhã por…

Primeiras Impressões: Dark

Dark é uma produção alemã de suspense e terror, criada por Baran do Odar e Jantje…

12 Monkeys – 1ª Temporada

Por: em 13 de abril de 2015

12 Monkeys – 1ª Temporada

Por: em

Baseada no filme homônimo de 1995, 12 Monkeys foi a nova aposta do canal SyFy em sua empreitada de resgaste ao gênero que um dia o fez famoso. Usando-se do mesmo ponto de partida do longa, a série conta a história de James Cole (Aaron Stanford), que no ano de 2043, é enviado até o passado (nosso presente, 2015) com uma missão específica: Colocar fim a um vírus mortal que, em 2017, se espalhou pela Terra e dizimou a maioria absoluta da população. Os poucos sobreviventes dividem-se em dois grupos: Alguns vivem no subterrâneo ou escondidos, tentando encontrar uma cura e buscando formas de sobreviver. Os imunes ao vírus (os chamados proscritos) se tornaram saqueadores e, por meio de forças e saques, também buscam sobreviver naquele cenário apocalíptico.

Cole era um desses proscritos, pertencente a um grupo chamado Oeste 7, que tem a chance de redenção ao aceitar fazer parte do experimento da Dra. Katrina Jones (Barbara Sukowa) de ser enviado até o passado para evitar a praga. Nos dias atuais, Cole procura a ajuda da Dra Cassandra Raily (Amanda Schull), uma famosa virologista que segundo apontamentos do futuro, pode ajudá-lo em sua missão.

A série teve 13 episódios em sua primeira temporada e já está renovada para uma segunda, que irá ao ar em 2016. Sim, sua premissa não é novidade alguma, especialmente para os fãs de ficção científica. Contudo, a série conseguiu construir bem sua história ao longo dos capítulos, evoluindo gradualmente e usando todo o potencial que mostra ter desde o primeiro episódio. Pouco a pouco, o show se distanciou do filme que o originou e encontrou sua identidade.

A partir de agora, o texto contém spoilers diretos da primeira temporada.

Cole e Cassie 12 Monkeys

Desde o episódio piloto, o que já fica claro é que nada é tão fácil. Quando Cole mata logo de cara o cientista que ele acreditava ser o principal responsável pela praga e nada se altera no futuro, já dá pra ter uma amostra que a série vai usar e abusar de viagens temporais e paradoxos. No meio disso tudo, a relação que ele constrói com Cassie surge como um oásis, algo bonito de se observar em meio a tanto caos. A construção da personagem da Dra é excelente. Ao invés de cair em um ceticismo a lá Scully, Cassie já acredita em Cole a partir do momento em que o vê desaparecer diante de seus olhos e reaparecer do mesmo jeito dois anos depois, provando o que disse sobre ser um viajante do tempo.

A série toma cuidado com a construção entre os diferentes tempos. Durante a primeira temporada, estivemos em 1987, 2013, 2015, 2017, 2013, 2043, mas o roteiro nunca perdeu de foco o seu objetivo: A praga e o Exército dos 12 Macacos, que segundo as conclusões de Cole e Cassie, seria o grupo terrorista que liberaria o vírus no planeta. No season finale, descobrimos que existem 12 bebês (que no futuro, se tornarão os caras azuis que invadiram a base de Jones com a Oeste 7). A minha teoria é de que esses bebês nasceram para carregar o vírus que irá dizimar a população – o que explicaria a aparência deformada deles no futuro.

Um acerto de meio-termo na série é com Jennifer (Emily Hampshire), personagem que foi crescendo e estará em todos os episódios da 2ª temporada). A garota é apresentada nos primeiros episódios como a filha mentalmente instável do homem que Cole acredita ter iniciado a praga. Descobrimos que ela foi internada numa clínica depois de uma armação do Exército dos 12 Macacos que exterminou toda uma equipe em busca do vírus e fez a culpa cair sobre ela. De louca a simpática a perfeitamente normal a chefe da empresa do pai a aliada de Cole e Cassie, Jennifer mudou muito e ficou sem uma base de sustentação para o gancho final da temporada, que é ela partindo para visitar algumas cidades mundiais e dando a entender que começara a soltar o vírus.

Cassie e Aaron 12 Monkeys

Diferente de Jennifer, as ações de Aaron (Noah Benn) já são mais fáceis de entender. O cara começou a série como noivo de Cassie, a viu acreditar numa história louca sobre um vírus mortal e viagens no tempo, viu com seus próprios olhos que aquilo era verdade, se aliou à amada e Cole numa tentativa de salvar a humanidade e no fim, acabou traindo os dois para tentar salvar a si mesmo e a Cassie da praga iminente. Do começo ao fim, Aaron se deixou mover pelo sentimento que tem por Cassie. O que ele esqueceu de colocar na balança foi os sentimentos dela por Cole (o que já deveria, porque era óbvio desde o 7º episódio, quando ela ficou desolada de ter que deixar Cole supostamente morrer para impedir a origem do vírus), que já mostraram sinais de que começaram a se desenvolver.

Ficou complicado saber o que esperar do personagem para a 2ª temporada. Cassie e Cole já sabem de sua traição, ele entregou o que sabia sobre a mulher que o contatou e fugiu. O que acho que pode acontecer é uma provável re-aliança dele com Cole para salvar a vida de Cassie, que foi mandada pro futuro.

Essa inversão de papéis, inclusive, foi uma ótima jogada da série. Começamos com Cole em 2043 e Cassie em 2015, e terminamos com a situação inversa. Desde quando Cole perdeu sua capacidade de viajar no tempo no excelente 12º episódio, eu imaginei que algo assim poderia acontecer, mas ainda estava cético quanto a série tomar essa decisão. Mandar Cassie pra 2043 foi uma medida desesperada, mas a cientista já estava quase morta depois do tiro que recebeu no confronto final entre eles e Ramse.

Vai ser interessante ver a 2ª temporada lidar (pelo menos no começo) com Cole preso em 2015 tentando impedir o vírus enquanto Cassie está em 2043. Como o rapaz não pode mais viajar no tempo, talvez caiba agora a Cassie o papel que lhe coube nesta primeira temporada: Ligar as duas linhas temporais no objetivo comum de parar a praga antes que ela aconteça.

Ramse 12 Monkeys

Outro plot twist bem realizado na reta final da temporada foi toda a história envolvendo Ramse (Kirk Acevedo). Durante os primeiros episódios, 12 Monkeys tratou de solidificar sua relação com Cole de uma forma que ficasse claro o quanto eles se importavam um com o outro. Tudo apontou pra isso, desde os momentos dos dois em 2043 até as cenas da década de 2030 quando eles chegaram no Oeste 7. Por isso mesmo, quando fica insinuado que Ramse pode ser o chefe dos 12 Macacos, a tão temida Testemunha, (que recebe esse nome por ser aquele que tudo viu e que tudo vê), o choque é grande.

Todo esse plot que pega os 3 últimos episódios foi muito bem feito, mostrando como Ramse estava presente em 1987 quando Cole encontrou Leland pela primeira vez e como a partir daí, ele esteve, indiretamente, ligado a tudo que aconteceu. Nessa hora, lembrei de Battlestar Galactica, minha série favorita e também do SyFy e seu mantra de “Tudo isso já aconteceu uma vez e irá acontecer de novo.” Fiquei aliviado de no fim saber que ele não é a Testemunha, que estava apenas fazendo tudo que achava ser possível para salvar o filho. Claro que parando pra pensar, ele deveria ter pensado que de nada adiantava deixar a praga acontecer para que o futuro não fosse alterado se, no futuro apocalíptico, o garoto poderia estar submetido a perigos enormes.

Pelo menos, no fim, ele entendeu.

E assim a série encerrou sua primeira temporada: Cole e Ramse em 2015, o segundo baleado, Cassie chegando a 2043 entre a vida e a morte, quando a Oeste 7 estava em posse de Jones e de sua instalação, os 12 bebês sendo preparados e Jennifer aparentemente pronta para liberar o vírus.

O que achou da primeira temporada? Se ainda não deu uma chance, está em tempo. A segunda temporada só estreia em 2016. 

_

PS. Meu episódio favorito da temporada terminou sendo o 12, onde Cole e Cassie encontram a versão criança de cole a jovem Jones e o usam para curar Cole. Inclusive, acho que Cole irá atrás da jovem Jones para tentar trazer Cassie de volta ao presente.


Alexandre Cavalcante

Jornalista, nerd, viciado em um bom drama teen, de fantasia, ficção científica ou de super-herói. Assiste séries desde que começou a falar e morria de medo da música de Arquivo X nos tempos da Record. Não dispensa também um bom livro, um bom filme ou uma boa HQ.

Petrolina / PE

Série Favorita: One Tree Hill

Não assiste de jeito nenhum: The Big Bang Theory

  • Nickolas

    O Aaron não morreu?
    E o final foi muito bom mostrando que o Cole pode fazer as coisas não acontecerem do jeito que eles estavam esperando, deve ser pq como a mulher disse eles não tem registro do Cole depois que o Remse morresse ( que nao aconteceu).

×