A hegemonia producional e as Chicagos de Dick Wolf

8 de setembro de 2016 Por:

Não é de hoje que vem sendo apresentado ao público de séries mais daquilo que a gente já vê cotidianamente, já se tornaram escassas as produções que ousam navegar em mares desconhecidos e inovar em suas propostas, mais raras ainda são as que conseguem aliar o inexplorado a qualidade de fato. Somos saturados por reebots, remakes, adaptações, franquias, spin-offs, enfim, sem nenhum esforço notamos um padrão e a evidente falta de criatividade e originalidade. Levando isto em consideração, a discussão proposta se refere a perceptível hegemonia de alguns escritores/autores em determinados canais, estes exercem certa predominância na programação com as suas produções que geralmente seguem a mesma linha padrão de sucesso na premissa.

Na CW nós temos o trio de sucesso Marc GuggenheimGreg Berlanti e Andrew Kreisberg, parceiros nas produções de ArrowThe FlashLegends of Tomorrow e Supergirl, além de mais alguns filmes no mesmo universo. Na ABC as quintas feiras pertencem a ela mesma: Shonda Rhimes e a sua produtora ShondaLand, responsável por Grey’s Anatomy, seu finalizado spin-off Private PracticeScandal How To Get Away With Murder e a mais recente The Catch. O número de produções, com ao menos um dedo, de Dick Wolf impressionam, são mais de 40 em toda a sua carreira! Na NBC ele é especialista em procedurais, sendo o mesmo atualmente responsável por todas as franquias de Law and OrderChicago FireChicago PDChicago Med e Chicago Justice.

Para quem é fã dos limitados gêneros explorados pelo produtor as tramas passadas na cidade de Chicago são um prato cheio, Dick conseguiu o feito engatar uma franquia de quatro séries que se passam num limitado universo e ambiente, com histórias e/ou personagens que vez ou outra circulam entre as produções. Wolf obteve êxito em sua premissa, reciclando com sucesso mais do mesmo, transformando Chicago em uma mina de ouro.

Chicago Fire

A série mãe, originadora de todas as outras, Chicago Fire acompanha a vida e os atendimentos realizados pelos bombeiros e paramédicos do 51° Batalhão do Corpo de Bombeiros de Chicago. O drama narra as situações e dificuldades numa profissão tão desafiadora e complicada, em que os personagens estão passíveis a arriscar as próprias vidas para salvar a dos outros. Chicago Fire é um suma uma série inteligente e bem fechada, com personagens mais ou menos interessantes e histórias que prendem o telespectador, Dick apela para o lado emocional da coisa e transita em zonas seguras, sem arriscar muito, e alcança tanto sucesso que deriva mais três séries no mesmo universo.

chicago-fire-cast

Chicago PD

Primeiro spin-off da franquia, Chicago PD narra as ocorrências, investigações e o cotidiano do 21° Distrito do Departamento de Polícia de Chicago com enfoque maior na Unidade de Inteligência. Drama em que Wolf se atreveu a abordar temas mais pesados, como, o tráfico de drogas, assassinatos, crime organizado, entre outros, além do ambiente mais perigoso a vida pessoal dos policiais também é bem densa e cheia de tensões. Com personagens fortes, situações que questionam a moralidade e ética do homem, um alívio cômico aqui e acolá, e uns casais que torcemos para que fiquem juntos, Chicago PD cumpre muito bem a sua premissa, mantendo uma estabilidade invejável e necessária às outras séries da franquia.

chicago-pd

Chicago Med

A mais recente produção ao longo dos seus 18 episódios ainda não mostrou a que veio, ambientada num hospital em Chicago acompanha os dia a dia da equipe de saúde, enfermeiros, médicos, enfim, que enquanto salvam vidas lidam com os seus próprios dramas pessoais. Apesar de ter tido uma temporada que oscilava entre o ruim e o mediano prevejo que a série possui capacidade para se tornar tão boa quanto as outras, considerando que possui alguns personagens e histórias interessantes a explorar e a audiência de um público que já foi fisgado pelas duas primeiras e se sente na obrigação de acompanhar mais uma derivação, só para não perder nenhum acontecimento. chicago-med-cast

Perceberam o padrão? Poucas alterações e adaptações são realizadas de uma série para a outra, todas seguem a mesma linha estrutural, a trama focada em determinado ambiente de trabalho que permite explorar as relações pessoais dos personagens, é receita pronta para pelo menos alcançar uma satisfação por parte do público, isso ainda sem contar as similaridades com uma outra franquia do mesmo produtor, e sem citar a próxima série ambientada em Chicago com a estreia prevista para os próximos meses, é a Chicago Justice, não é preciso nem explicar sobre o que se trata. Estaria a mina criativa de Dick Wolf finalmente se esgotando depois de tantas produções?

Eis que não, prezados leitores, o que ocorre é na verdade uma situação de conformismo e consumismo do próprio público alvo, aceitamos de bom grado mais do mesmo a cada summer season, somos receosos com o novo, com os cancelamentos e encerramentos repentinos e/ou claramente necessários, mesmo que a série já possua um número impressionante de temporadas e a história não tenha mais para onde ir. A hegemonia producional é outro ponto a ser levado em consideração, alguns canais possuem quase que metade da sua programação pertencente a dois ou três produtores, é o caso da CW, ABC e NBC, esta predominância acaba por causar uma diminuição na diversidade dos temas das séries, minando o aparecimento de novos talentos e sucessos de que tanto andamos necessitados nestes tempos.

Jovem bahiana simpática e gente boa que curte um bom número de séries e por este motivo tem a audácia de escrever suas opiniões positivas e negativas sobre...

Ler perfil completo

Itamaraju/BA

Série Favorita: How i Met Your Mother/Friends

Não assiste de jeito nenhum: The Vampire Diaries

  • João Paulo

    Ótimo texto!
    Esse conformismo que foi falado tem a ver também com o conservadorismo da TV, sobretudo, da TV Aberta. O medo de arriscar, perder a audiência e anunciantes, mantém as emissoras nessa estagnação, por que arriscar em algo novo sendo que eu posso me basear em algo que já faz sucesso?

    Talvez até por isso as melhores produções hoje, são de serviços de streaming e TV Fechada. Enquanto a TV Aberta segue com suas mesmas fórmulas de procedurais e sitcoms de décadas atrás, a TV a Cabo e as “novas TVs”, principalmente a Netflix, ganham mais espaço, e vem inovando e dando espaço para novos produtores/diretores.

    E é algo incrível como esse tipo de série faz sucesso no público americano, e eu ao mesmo tempo não consigo entender, não sei como essas Chicagos/CSIs da vida vão tão longe, enquanto uma Hannibal tem sérios problemas de audiência.
    Todo episódio é sempre a mesma coisa, a mesma formula, na minha opinião, séries que tanto faz você assistir um episódio da primeira temporada como um da quinta, por exemplo, não merecem ser assistidas.

    • Ana Rebeca Tamandaré

      O ponto da discussão é exatamente este João Paulo, e como você mesmo mencionou a qualidade das séries originadas de canais fechados e serviços de streaming não se comparam a tv aberta. É realmente uma pena que o público tenha se sujeitado a aceitar produtos reciclados, incentivando os próprios produtores a não sair da zona de conforto.

      Muito obrigada pelo comentário!

  • Isabelle Pedroso

    Triste mesmo é pensar em cada série que nos apaixonamos e foi cancelada por falta de audiência enquanto a Grey’s Anatomy do Paraguai (Chicago) continua aí ! </3

    • eduardo

      E eu achando que Grey’s Anatomy era o ER do Paraguai hahahaha

      • Isabelle Pedroso

        Hahahahahahahaha… Muuuito bem colocado !!!

  • Jami Ramos Ribeiro

    Eu amo essas séries , mas a preferida é o fire. As tramas são envolventes.

Gypsy

4 dias atráscomentarios

Confesso que a princípio eu achei que Gypsy fosse um filme, afinal Naomi Watts e Billy Crudup são atores que estamos mais acostumados a ver na telona. Estranho ter um casal desse porte em uma produção para telinha do Netflix. De fato, Gypsy não é como a maioria das séries que estamos acostumados. Tem uma cinematografia de tirar o fôlego e um enredo que se desenvolve sem qualquer pressa. Com episódios de 50 minutos em média, Gypsy é quase um estudo de personalidade da sua protagonista, Jean Holloway, vivida por Naomi Watts. Ela é uma psicóloga, casada com Michael, um advogado que parece ter uma vida normal no subúrbio dos EUA. Tudo é muito sútil no início, mas vamos notando […]

Leia o post completo

Primeiras Impressões: Atypical

5 dias atráscomentarios

Estreou ontem na Netflix a comédia Atypical, que conta a vida de Sam (Keir Gilchrist), um garoto autista que chega a idade adulta e passa a ter uma série de necessidades/curiosidades para descobrir quem realmente é. E nesse caminho de descobertas vamos entendendo mais sobre a sua personalidade, suas limitações e como tudo isso afeta a sua família e a todos que o cercam. Trazer o universo adolescente parece ter sido uma maneira do canal de streaming se aproximar do seu público, trabalhando pautas mais complicadas através de uma abordagem diferente. Foi assim com o suicídio em 13 Reasons Why e agora com o autismo em Atypical. Mas o que chama atenção mesmo é que, apesar de todas as limitações do […]

Leia o post completo

Primeiras Impressões: Mr. Mercedes

6 dias atráscomentarios

A Audience Network estreou, no último dia 9, Mr. Mercedes, um suspense baseado na obra de Stephen King. A série é estrelada por Brendan Gleeson e Harry Treadaway, dirigida por Jack Bender e tem como roteiristas David E. Kelley e o próprio Stephen King. A primeira temporada terá dez episódios. A história começa em uma madrugada de frio, com dezenas de desempregados fazendo fila em frente ao local que, no dia seguinte, vai sediar uma feira de empregos. Conhecemos uma mãe que levou sua bebê porque não tinha dinheiro para pagar uma babá, um rapaz gentil que empresta seu saco de dormir para que ela troque as fraldas e amamente a criança, e um homem meio ranzinza que faz algumas […]

Leia o post completo

Siga as nossas redes sociais e fique sempre conectado:

Assine nossa newsletter