Animal Kingdom – 1×04 Dead to Me

29 de junho de 2016 Por:

Desde que escrevi as primeiras impressões de Animal Kingdom esperava por um episódio com uma participação um pouco maior de Janine “Smurf” Cody. E ainda que a série continue alternando sua narrativa de uma forma que não me agrada muito, já que fica um pouco difícil se manter dentro de um mesmo sentimento. Dead to Me de certa forma foi um bom episódio, ao mostrar um pouco do modus operandi de Smurf.

A celebração do aniversário de Pope, pano de fundo do episódio da semana, reascende um ponto importante na trama. Afinal de contas porque motivo Julia foi banida da vida dos Cody? Ainda que o nome do título dê a impressão de se tratar da relação entre a mãe de J e sua avó. Dead to Me fala sobre o controle e a onipresença de Smurf, que diferente dos seres azuis que habitam os jardins alheios – sorry, não consegui resistir ao trocadilho – Janine prova sem muito esforço porque razão é ela quem determina os rumos e os passos de seus filhos e protegidos. Não por acaso a forma encontrada por ela para punir aqueles que andam agindo por suas costas é impedir que ficassem sob o mesmo teto dela. A dependência não só econômica como sentimental torna a disputa de poder entre os filhos e Smurf algo fácil demais pra real cabeça dos Cody.

animal-kingdom-1x04-janine-smurf

A ausência dos suntuosos cafés da manhã, ou até mesmo o beijo entregue na bochecha e não nos lábios, tudo, já demonstrava que a postura de Smurf não era a mesma com aqueles que agora mentiam para ela. E se antes a ideia era que teríamos J ou Deran como um dos mais frágeis e suscetíveis ao jogo mental proposto por Janine, a ponto de entregar os outros irmãos. Foi de Baz este papel. Demonstrando que existe entre ele e Smurf uma relação um pouco mais complexa, já que de todos, ele é o único que não é necessariamente filho de Janine. Não que este final tenha sido uma surpresa, uma vez que o desespero de Baz para que a mulher se desculpasse com Smurf deixava claro que postura dele é evitar ao máximo confrontar a matriarca dos Cody. Talvez pela natureza da relação deles ter a ver com uma consideração já que ela o acolheu como membro da família no passado.

Mesmo com a função de novo líder do grupo, a postura “moleque” de Baz impede que eu o enxergue como um líder de fato. E mesmo que parte do estresse tenha a ver com o desaparecimento repentino de seu pai biológico. A impressão que se tem é de que Baz não passa na verdade de um mero pião no jogo de Smurf. Ainda que não seja uma exclusividade dele a infantilização dos atos, a julgar pela atitude impensada de Craig que em meio à overdose de sua namorada, decide deixá-la lá, mas não sem antes levar tudo o que pudesse incriminá-lo, roubando a namorada que ele pensou já estar morta. Plot que irá render coisas no futuro.

animal-kingdom-1x04-joshua

Todas as ações demonstram que ainda é muito cedo para os filhos de Smurf agirem sozinhos, por mais que eles pensem que não. E se a ausência de trilha sonora em alguns momentos me incomoda, em outros é assertiva. O que me faz perceber que muitas das informações na verdade estarão presentes muito mais na falta de diálogos que propriamente dentro deles.

E se no início a história girava em torno do aniversário de Pope e o conflito interno entre Janine e seus filhos. A cena em que J conversa com Pope e este revela o hábito quando criança entre ele e sua gêmea de fazer pedidos no momento do parabéns, aparentemente mais para contextualizar Julia e ou apresentar a relação do passado dela com Baz, na realidade serviu para representar a primeira crise entre Smurf e J. E se o pedantismo de Janine já trazia problemas velados vividos por J, desde o piloto, quando ele reconhece na avó a blusa que fora da mãe. O apagar da vela na cozinha dos Cody pode simbolizar o desejo de J em entender mais sobre o seu passado, mas nem um pouco disposto a deixar de lado o início de uma vingança pessoal contra Smurf.


E você o que achou do episódio? Não deixa de comentar aqui o que está achando no novo drama da TNT.

Paulista que puxa o erre pra falar, PHD em Análise do Drama pelas novelas mexicanas reprisadas no SBT e designer de homens palito. Com sérios problemas em se...

Ler perfil completo

Rio Preto/SP

Série Favorita: Sex and the City

Não assiste de jeito nenhum: Teen Wolf

  • Wander

    Eu não gostei desse episódio. Acho que eles não conseguiram segurar a peteca e o ritmo da narrativa derrapou. A sobreposição de cenas e acontecimentos sem algum tipo de aprofundamento tende a me irritar, e se a temporada não fosse com um número de episódios limitados, certamente eu estaria pensando seriamente em abandonar após esse episodio.

    O ponto alto da série continua sendo o Pope, e o ator está magistral em cena. O que foi ele com a garota de programa? Ele está elevando seus delirios a um outro nível. E é isso que o faz mais perigoso.

    ps1: O destaque dado a Smurf nesse episodio me faz cada vez mais sentir da Smurf do filme;
    ps2: Baz bundão;
    ps3: Gente, volte com as cenas do loirinho (que eu nunca lembro o nome) e seu conflito de ficar no armario. Dramas gays, eu adoro! tragam mais haha
    ps4: aquelas cenas do avião foram tão nonsense e desapropositais. Insira aqui o emoji dos olhos virados para cima.
    ps5: professora maconheira! quero <3. to sentindo uma vibe ae que ela dar uns pegas no J.
    ps6: confesso que o episodio so melhorou um pouco por causa do seu texto Marcel, visto que passei 70% dele mexendo no celular, haha

Com pais como estes, hoje é um dia para esquecer

5 dias atráscomentarios

Existe um ditado que diz que a vida imita a arte (ou vice-versa) e isso sempre se mostra realidade quando comparamos as séries que assistimos à vida real. Claro que ainda não descobrimos um universo paralelo, uma cabine telefônica que nos transporte por aí ou que alienígenas têm planos de conquistar a Terra, mas muitas vezes a realidade é espelhada nos roteiros das histórias que mais amamos. House of Cards está aí para comprovar essa teoria, se compararmos os acontecimentos aos fatos que vemos nos noticiários todos os dias. Com os pais não poderia ser diferente. Existem pais que assumem o papel integral da criação da criança, pais que são os melhores amigos dos filhos, filhos que têm dois pais, pais de […]

Leia o post completo

5 momentos incríveis da 2ª temporada de Master of None

5 dias atráscomentarios

Somos apaixonados por Master of None por aqui. Depois de uma primeira temporada sucinta, porém arrebatadora, esperamos quase dois anos (ou foi mais que isso?) para reencontrarmos Dev em um novo momento da sua vida. E, ao longo de dez episódios, tivemos a oportunidade de passear por muitos momentos incríveis na companhia do personagem, com um roteiro extremamente crítico e que faz com que a gente pare, reflita e mude algumas atitudes tão intrínsecas do nosso ser. Por isso, separamos (só) cinco dos grandes momentos dessa nova temporada, para revisitarmos e te convencermos de que, se você ainda não viu, essa é a hora para parar tudo que está fazendo e devorar o segundo ano de Master of None.   […]

Leia o post completo

Gypsy

6 dias atráscomentarios

Confesso que a princípio eu achei que Gypsy fosse um filme, afinal Naomi Watts e Billy Crudup são atores que estamos mais acostumados a ver na telona. Estranho ter um casal desse porte em uma produção para telinha do Netflix. De fato, Gypsy não é como a maioria das séries que estamos acostumados. Tem uma cinematografia de tirar o fôlego e um enredo que se desenvolve sem qualquer pressa. Com episódios de 50 minutos em média, Gypsy é quase um estudo de personalidade da sua protagonista, Jean Holloway, vivida por Naomi Watts. Ela é uma psicóloga, casada com Michael, um advogado que parece ter uma vida normal no subúrbio dos EUA. Tudo é muito sútil no início, mas vamos notando […]

Leia o post completo

Siga as nossas redes sociais e fique sempre conectado:

Assine nossa newsletter