Arrow – 5×20 Underneath

9 de maio de 2017 Por:

Queria dizer que essa reta final vai acabar comigo.

Reprodução/The CW

Depois da tensão criada no último episódio, claro que colocamos nossas expectativas lá em cima para “Underneath” que, pelo menos para mim, correu conforme o esperado e me proporcionou bons momentos de entretenimento. Agora que a série não se preocupa tanto em contar o seu passado, sobra muito mais tempo para explorar a interação entre personagens, o que é sempre uma boa aposta. Nesta última semana, vimos Olicity voltar as atenções do público, o que é sempre um grande divisor de opiniões.

O grande lance é: foi um flashback necessário. Depois de vermos o término de Oliver e Felicity, tudo pareceu forçado demais naquela amizade que eles estabeleceram. Sem conversas, sem debates. Nenhum momento vimos eles fraquejarem na decisão, pelo menos não até agora. Entender que eles caíram em tentação e que Felicity bateu o pé é, para mim, muito importante para a construção da personagem, que deixa de ser tão submissa as vontade de Oliver e passa a impor um rumo a sua própria história. Por mais que o Arqueiro acredite piamente na sua vontade de matar, sabemos que Oliver é, em primeiro lugar, altruísta. Toda sua trajetória, desde o piloto até agora, mostra que ele SEMPRE coloca os outros antes de si e, muitas vezes, vive coisas somente para “evitar” o sofrimento alheio. Isso é lindo, mas pouco prático.

Todo o seu relacionamento com Felicity foi minado por uma barreira que ele mesmo impôs. Uma barreira que faz muito sentido na sua cabeça, mas pouquíssimo na dos outros, que vivem uma vida supostamente normal. Somente agora, quando teve a chance de ver como difíceis decisões são colocadas nas mãos de pessoas que carregam o mundo nas costas que a nossa nerd conseguiu perceber o tamanho do fardo a ser suportado por Oliver e porquê dele ter feito o que fez – o que, vale lembrar, não justifica, porém coloca as coisas sob outra perspectiva para a personagem. Acho que é muito cedo para dizer que os dois estão juntos novamente. Acredito que eles sejam sim um OTP e que isso vai acontecer em algum momento, mas também acredito que a produção já entendeu que enfiar um casal por goela abaixo não vai funcionar. Talvez Felicity seja retrabalhada como Iris foi em The Flash, o que funcionou muito bem para o casal protagonista por lá.

Reprodução/The CW

Diante disso, temos que comentar que toda a tensão criada dentro da Arrowcave pareceu um pouco sem propósito. Foi tudo um grande passatempo culminado no sequestro dos últimos segundos do episódio – um golpe baixíssimo ao menino Oliver, diga-se de passagem. O que eu achei interessante é que o roteiro vem trabalhando muito bem com a criação da tensão da trama, mesmo sem que Adrian apareça – ele ficou praticamente dois episódios inteiros sem aparecer. Outro ponto que me chama muita atenção é como a equipe do Arqueiro ganhou consistência depois da entrada de Dinah. Sua interação com todos os personagens é sempre muito rica e ela tem um tom muito peculiar, que faz com que a gente goste de graça da sua interpretação.

Confesso inclusive que nem mesmo Curtis conseguiu me irritar nesse episódio. Ainda acho sua construção mal feita e pouco proveitosa para o contexto da série, mas já que ele está ali, vamos abraçar a bizarrice. O episódio também dedicou uma parte do seu tempo em aprofundar o relacionamento de Diggle e Lyla, que deu umas cambaleadas recentemente – tudo baseado em uma coisa que o casal pouco tem explorado entre si: a confiança. Acho MUITO problemático Diggle querer apontar o dedo para as decisões de Lyla como certas ou erradas quando ele é um vigilante que, apesar de ajudar a cidade a ser melhor, ainda é fora da lei. Esse papel de juiz, de saber o que é bom ou ruim, não cabe a ele. Do mesmo jeito que Lyla o apoia e, muitas vezes, se coloca em uma posição complicada dentro da ARGUS, ele poderia praticar um pouco mais da compreensão com a esposa, né?

Reprodução/The CW

Agora que temos apenas três episódios, as coisas devem esquentar. As notícias me animam bastante porque teremos uma luta de “titãs” rolando no season finale. Oliver vai buscar aliados pouco convencionais, mas que vão agregar e MUITO para a trama. Acho que o lance é confiar que, do mesmo jeito que foi toda a quinta temporada, teremos um desfecho incrível para esse ano. Dá um confere no vídeo promocional do próximo episódio e a gente se vê em breve!

Caiçara, viciado em cultura pop e uns papo bobo. No mundo das séries, vai do fútil ao complicado, passando por comédias com risada de fundo e dramas heroicos...

Ler perfil completo

Santos - SP

Série Favorita: Arrow

Não assiste de jeito nenhum: The Walking Dead

  • Renata

    Mais um ótimo episódio. Ouso dizer que essa temporada está impecável!
    Que os três últimos sejam tão bons quanto nossas expectativas predizem!

    • Leandro Lemella

      Amém!

  • “Queria dizer que essa reta final vai acabar comigo.” Não é só com você Leandro, vai e está acabando comigo.

    Eu gostei muito do episódio, não nego que sou Olicity, mas acima de tudo, eu prezo para que os dois tenham uma parceria que eles tiveram nesse episódio, é algo que vai além de romance, é essa coisa da confiança e ver o Oliver enfim confiando verdadeiramente nela, como poderia ter acontecido com o Dig, foi uma grande evolução para o personagem. Eu sinto que a Felicity e o Dig são as únicas pessoas que despertam esse lado do Oliver, até mais que a própria Thea. E convenhamos que para derrotar o Chase, seja preciso ele se “reinventar”, e ele precisa começar com a lavagem que o Chase fez nele na semana que ele foi sequestrado, ele precisa colocar a cabeça no lugar, no lugar certo, eu diria.
    Gosto muito do Time, Dinah é excelente, gosto demais, não gostava da Laurel, não vou negar mesmo, desde o começo não gostava, e a Dinah veio para me fazer gostar da Canário, obrigada. Eu gostava do retalho, pensei que ele voltaria em algum momento, fui iludida. E o Curtis divide minha opinião, amo e odeio a cada semana.
    Estou MEGA ansiosa para os próximos, e o Chase é muito imprevisível, não dá nem pra gente imaginar o que vem pela frente, só penso na Batalha Final, e penso “Só Vem!”

    • Leandro Lemella

      Oi Amanda, tudo bom?!

      Demorei para responder porque as coisas estão corridas com esses finais de temporada + vida real, mas estamos arrumando um tempo para tudo.

      Sobre o episódio, acho que é um pouco do que você falou mesmo. A série vem desenvolvendo muito bem o porquê de Oliver ser como é, o que faz sentido em um momento como este, onde Chase o questiona sobre seu eu e seus propósitos. Já viu os últimos dois? Tô aguardando seus comentários!

  • Andreia Hora

    Tava super ansiosa pela sua Review pq simplesmente amei esse episódio, Leandro!!!! Sou muito Olicity e não nego, e concordo com o comentário da Amanda: mais do que o romance, a questão é a confiança que o Oliver nunca tem em ninguém. Vê-lo tão vulnerável e depositando tudo nas mãos de seus companheiros mais chegados é uma quebra de barreiras muito grande.
    Realmente a questão da tensão não deixou a desejar, e tenho q confessar q o Chase foi uma adição maravilhosa a essa história, afinal só lembro de ver o Oliver tão transtornado com o “furacão Slade”.
    Que venha logo esse fim e que seja épico!!! *–*

    • Leandro Lemella

      Sim, essa temporada marca, acima de tudo, a evolução de Oliver Queen e isso é mega importante para o que a série será daqui para frente. Ansioso pelos próximos passos, de verdade.

      Já viu os outros dois? Vai nas reviews me contar o que achou!

  • Aomame Kawana

    Gostei do episódio. Foi um daqueles episódios que o tempo passa sem perceber.

    Não sou um defensor ou crítico de Olicity, mas acho que a química nesse episódio funcionou bem. Mas foram algumas temporadas de atraso até alguém resolver criar um clima e uma história legal para eles. Construir tudo direitinho e tal. Se for continuar assim, nessa construção, vai ficar mais legal o casal e a série.

    O mini arco Diggle e Lyla foi interessante, apesar de meio desnecessário pra história, foi bom ver um pouco mais do casal. Ver como a Argus trabalha. Diggle é meio que a consciência da equipe.

    A Dinah realmente foi uma grande adição a equipe. Ela e o René, ambos enriquecem o time, são ótimos personagens e tem personalidades próprias para terem seus mimi arcos de qualidade. Eles realmente compensa o Curtis. Hahaha…

    Mas com esse final de temporada, estou preocupado com algumas pessoas. O que aconteceu com a Artemis? E com o Retalho? E quem era aquele vigilante que deu trabalho algumas vezes?

    Obs: Porque esses heróis da DC tem bases secretas?! Todo mundo entra na base do Oliver e do Flash! Todo mundo mesmo! E chega na hora do problema… os próprios heróis ficam presos! Hahahaha….

    Ótimo review. Parabéns!

    • Leandro Lemella

      Cara, Olicity só deu errado porque seguiu o apelo dos fãs, sem respeitar o tempo que a série precisava para desenvolver um relacionamento que fizesse sentido. Acho que é um movimento muito parecido com o que aconteceu em Flash. Quando a série começou, eram poucas as pessoas que gostavam de Iris e, agora, a gente vê o apelo da personagem e como ela encaixou bem com Barry. Eu espero que eles invistam com mais calma agora, fará muito mais sentido e acho que o público já está mais “maduro” para isso.

      Sobre Artemis, vamos reencontrá-la em breve.
      Sobre Retalho, acho que aquele foi um final para o personagem, pelo menos por hora.
      Agora o Vigilante… não tenho nem ideia.

      Sobre as bases secretas, você tem toda razão. Todo mundo invade aquilo – de secreta não tem nada.

  • Nickolas Girotto

    Foi bom eles resolverem essa parte de confiança entre os casais da série nesse episodio, gostei que não estenderam mais isso, nessa temporada eles vem trabalhando muito bem com os dramas do pessoal, sem contar o resto, temporada quase perfeita.

    • Leandro Lemella

      Tenho vontade de ir lá, pessoalmente, para abraçar a Wendy Miracle por escrever tão bem o desenvolvimento desta temporada 🙂

  • Regina

    Concordo com o que vc disse, é venho dizendo que não concordo qdo dizem que a 4 temporada foi ruim pelo casal, não foi a 4 foi ruim pq o episódio foi mal escrito, mal desenvolvido. O vilão foi péssimo, principalmente no final. Adorei este episódio pq conseguiram conversar sem pieguices. Torço pelo casal e tb que os últimos 3 ep sejam excelentes.

    • Leandro Lemella

      Olha, considerando os dois que já passaram, essa tem tudo para ser a segunda melhor temporada de Arrow. Esperamos pelo final!

  • Filipe Chaves

    Concordo que era um flashback necessário, mas um episódio todo sobre isso a essa altura do campeonato?! não curti não… fora que achei os diálogos bem fracos e diggle com aquela DR forçadona dele com lyla… pra mim, esse episódio foi um tropeço nessa ótima temporada.

    • Leandro Lemella

      Ah cara, acho que um episódio como esse, aconteceu no limite do aceitável.
      Depois do 20, eu consideraria algo bem ruim para o desenvolvimento da série, mas aqui eu consigo tolerar. Acho que acaba sendo importante para a construção que vem sendo feita de Oliver e porque ele é como é. Não sei, não me incomodou.

      Você já viu os outros dois? Quero saber o que achou nas reviews!

  • Não acredito que não tinha lido essa review antes e comentado!
    Mas já corrigi meu erro com episódio dessa semana…

    • Leandro Lemella

      Hahahahaha tá perdoada!

Girlboss: guia do que NÃO fazer na vida adulta

2 semanas atráscomentarios

Teve gente que gostou de Girlboss, teve gente que achou a série fraca. Mas em uma coisa todo mundo certamente concorda: Sophia é um dos piores seres humanos que já vimos como protagonista de uma série. E com ela a gente pode aprender muito sobre o que não fazer para ser uma pessoa melhor. 5. Não roubar Em GirlBoss, uma das primeiras coisas que descobrimos sobre Sophia é que ela acha normal roubar. Não, ela não rouba porque precisa, porque quer ajudar alguém, ou se quer por uma questão de princípios contra uma sociedade capitalista. Sophia rouba porque se sente superior e simplesmente não respeita os outros, – muito menos suas propriedades. 4. Não ser egoísta com a melhor amiga […]

Leia o post completo

Desafio: você se lembra de quem foi essa declaração de amor?

2 semanas atráscomentarios

Ah, o dia dos namorados. Aquele momento do ano para espalhar aos quatro cantos nosso sentimento por aquela pessoa especial, que faz o coração acelerar e as palmas da mão suarem. Aquela pessoa por quem você faria qualquer coisa, até mesmo deixar a vergonha – ou o medo – de lado para professar seu amor. Nas séries, existem muitos personagens  que não esperam data especial nenhuma para declarar seu amor, seja num momento de desespero, num pedido de casamento ou só para reforçar aquilo que o parceiro já sabe e Tom Jobim cantava aos quatro ventos: é impossível ser feliz sozinho. Você também acredita nisso e se derrete toda vez que sabe que chegou a hora de surtar, porque vai ter […]

Leia o post completo

Guia da Trilha Sonora: Scream – Season 1

3 semanas atráscomentarios

Entre os poucos pontos positivos que posso destacar em Scream, a trilha sonora fica em primeiríssimo lugar (talvez porque seja da MTV). Misturando canções atuais, dançantes e tristes, que fazem parte da vida dos jovens de Lakewood, a série soube utilizá-las para compor a história e os personagens. Assim, nada melhor do que ouvir as músicas da primeira temporada, agora disponível em uma playlist na nossa conta do Spotify!

Leia o post completo

Siga as nossas redes sociais e fique sempre conectado:

Assine nossa newsletter