Chance – 1×06 The Unflinching Spark

28 de novembro de 2016 Por:

The Unflinching Spark tem vários momentos importantes e talvez a trama sobre a filha de Eldon apresente o menos significativo deles, mas a história de Nicole nesse episódio tem o desfecho mais interessante para a série.

chance-2x06-nicole-eldon-chance

Na manhã seguinte da “invasão” de D a casa de massagem e da batida do carro, Eldon é acordado pela ex-esposa que conta que Nic tinha um namorado por cinco meses e que agora os pais do menino a descreveram como uma stalker porque apesar do término do relacionamento, ela continua mandando mensagens e ligando para o garoto, além de visitas indesejadas a casa da família. Quando é perguntada sobre isso pelo pai, Nicole simplesmente responde que eles estão reagindo excessivamente a suas atitudes e muda o foco da conversa ao fazer uma análise neuropsiquiatra do ex-namorado. Segundo a menina, John sempre foi tratado como “bebê milagre” e por isso, ele é super dramático e confuso e que os pais dele estão a culpando pelo comportamento do filho.

Bom, acontece que as atitudes de Nicole não são um problema de ponto de vista como ela descreveu e as mensagens, telefonemas e visitas eram realmente excessivas. Eldon só nota isso quando os pais do menino descrevem o que Nic vem fazendo e não consegue ver nenhuma desculpa para o comportamento da filha. O silêncio do pai diante da verdade e as lágrimas que seguem essa reação inicial são tocantes, mas a cena do restaurante quando Nicole consegue enganar o pai é tão importante quanto.

Nicole entende que só pode mudar a situação se disser algo que o pai entende. Ele é um neuropsiquiatra, então ela traça um diagnóstico de John assim como o médico escreve sobre seus pacientes – e que aliás, ele estava fazendo mentalmente sobre a própria filha enquanto eles conversavam. A garota envolve e conquista o pai em uma armadilha que ela sabia que funcionaria. Dessa forma, a perspectiva de John perde a importância e acredito que a de Nicole também se torna irrelevante naquele momento. Eldon se interessa pelo que a filha tem a dizer porque é algo que ele quer ouvir.

O protagonista de Chance só enxerga o que está diante de seus olhos quando lhe é conveniente, quando os objetos completam a narrativa que ele já construiu em sua mente. É triste ver Nicole repetir os erros do pai – mesmo que em uma escala menor do que aquela que o levou a internação 20 anos atrás – mas essa é a forma que a série encontrou para revelar a Eldon o que já era óbvio aos espectadores há muito tempo: a sua dama não é a mulher em perigo que precisa ser salva.

chance-1x06-jaclyn-blackstone-eldon-chance

A outra maneira que o drama encontra para nos mostrar que a visão de Eldon pode estar errada é a abordagem das cenas “românticas” entre o personagem e Jaclyn. É evidente que é estranho que os dois se deixem levar pelos instintos – se é que posso chamar isso de instintos – e saiam por São Francisco se amando e ignorando a simples existência de Blackstone. Então, enquanto eles leem romances, tomam vinho, andam de mãos entrelaçadas e trasam; a trilha que sempre gera um sentimento de tensão não nos deixa embarcar no clima que está afetando o casal.

Infelizmente, Eldon não pôde ouvir a mesma música que nós e só vai notar que a versão de Jaclyn também está errada quando invade o apartamento de Blackstone e vê o perfume dela e a peça de xadrez que ela disse que comprou pensando nele.

Aliás, é interessante como Chance mantém sua atenção em objetos e momentos pequenos e não se estressa com demonstrações significativas de violência de seu mentor. Apesar da descrição perturbadora dos danos colaterais da invasão da casa de massagem, Eldon consegue manter a compostura.

Outra infelicidade do episódio é que o drama não pode se sustentar apenas com insights de seu protagonista e como qualquer episódio “forte”, The Unflinching Spark também tem seus OMFG moments e cliffhangers. Eldon tem o apartamente invadido e D aparece desacordado ao final do episódio. Chance tem cenas chocantes, mas é nos detalhes da composição de seus personagens que a série consegue impressionar.

Jornalista, nerd e feminista. Melhor amiga da Mindy Kaling, mesmo que ela não saiba disso.

Salto / São Paulo

Série Favorita: Sherlock

Não assiste de jeito nenhum: Two and Half Men

Desafio: você se lembra de quem foi essa declaração de amor?

2 semanas atráscomentarios

Ah, o dia dos namorados. Aquele momento do ano para espalhar aos quatro cantos nosso sentimento por aquela pessoa especial, que faz o coração acelerar e as palmas da mão suarem. Aquela pessoa por quem você faria qualquer coisa, até mesmo deixar a vergonha – ou o medo – de lado para professar seu amor. Nas séries, existem muitos personagens  que não esperam data especial nenhuma para declarar seu amor, seja num momento de desespero, num pedido de casamento ou só para reforçar aquilo que o parceiro já sabe e Tom Jobim cantava aos quatro ventos: é impossível ser feliz sozinho. Você também acredita nisso e se derrete toda vez que sabe que chegou a hora de surtar, porque vai ter […]

Leia o post completo

Guia da Trilha Sonora: Scream – Season 1

2 semanas atráscomentarios

Entre os poucos pontos positivos que posso destacar em Scream, a trilha sonora fica em primeiríssimo lugar (talvez porque seja da MTV). Misturando canções atuais, dançantes e tristes, que fazem parte da vida dos jovens de Lakewood, a série soube utilizá-las para compor a história e os personagens. Assim, nada melhor do que ouvir as músicas da primeira temporada, agora disponível em uma playlist na nossa conta do Spotify!

Leia o post completo

House of Cards e a Política Brasileira

3 semanas atráscomentarios

Primeiramente, #foratemer. E se você ainda não conferiu a última temporada de House of Cards, não se preocupe, esse texto não contém spoilers, – apenas reflexões. Pra gostar de House of Cards você precisa torcer pelos Underwood. Claro, a gente sabe o quanto eles são escrotos, mas é ficção, certo? Não tem problema torcer pelos vilões. Ou pelo menos era o que pensávamos em 2013, quando a série estreou. Mas de lá pra cá a política mundial virou de ponta à cabeça. Os Estados Unidos elegeram Trump e nós tivemos Temer enfiado goela abaixo. Isso sem contar os acontecimentos dignos da ficção, como a morte de Teori Zavascki, a delação do Joesley e os testes nucleares da Coréia do Norte. […]

Leia o post completo

Siga as nossas redes sociais e fique sempre conectado:

Assine nossa newsletter