Chicago Fire – 5×14 Purgatory

23 de fevereiro de 2017 Por:

Tudo está fora de lugar nesse episódio de Chicago Fire. O Batalhão 51 foi descaracterizado e só o chefe Boden pode mudar essa situação, mas será que ele consegue? Mais uma vez, o bom trabalho e o comprometimento dos bombeiros é que acaba fazendo tudo voltar a ser como sempre foi.

Como era de se esperar, ninguém está muito feliz com as transferências e cada um tenta se virar como pode nas novas atribuições. Foi interessante acompanhar como cada um deles fez para se enquadrar e como sentiram falta do trabalho onde formavam uma família.

Mouch e Hermann foram parar em um batalhão onde ninguém está nem aí para nada. Os veteranos foram os que mais sofreram com a mudança, porque estão mais do que acostumados com o 51. Os dois ficaram transtornados em ver outras pessoas no seu local de trabalho e Hermann perdeu mesmo a cabeça ao confrontar o Boden. Claro que o chefe estava tentando mudar a situação, mas é mesmo muito frustrante não poder fazer nada.

Stella voltou para o seu antigo batalhão, ao lado de Brett. As duas tiveram que lidar com um capitão agressivo e machista e um parceiro paramédico mal humorado. Elas não desistiram e mostraram porque são tão boas no que fazem. Nesse meio tempo, ainda ajudaram uma cadete a não desistir do trabalho. Girl power!

Cruz e Capp foram transferidos para a central de atendimento, o que foi a maior sacanagem de todas. Os dois são excelentes bombeiros e fundamentais nos salvamentos do Esquadrão. Já Otis foi para um batalhão mais tranquilo, com pouca ação, e ficou se gabando dos acidentes que atendeu (ou não) quando estava no 51. Otis, sempre como o alívio cômico.

Enquanto isso, no 51, Casey, Severide e Dawson tiveram que se virar para dar conta do trabalho ao lado de novos parceiros. Ficou claro, logo no primeiro chamado, que o chefe Anderson não apenas transferiu todos, mas escolheu os piores para compor o batalhão comandado pelo Boden.

Tudo parecia caminhar para uma situação permanente, mas um incêndio de grandes proporções, que envolveu vários batalhões, foi a chance que eles precisavam para mudar as coisas. Sem dúvida uma forçação de barra, mas não daria mesmo para seguir com o seriado com cada personagem trabalhando em um lugar né?

De qualquer forma, foi lindo ver como eles todos trabalham bem juntos e o quanto o comando do Boden é importante para que tudo funcione. Ele não apenas coordena toda a situação, como também coloca a mão na massa quando é preciso. Cruz, Capp e Otis também mostraram que não foram feitos para ficar longe da ação.

Todos de volta ao trabalho, é assim que queremos. E de quebra o Severide também percebeu o óbvio: seu lugar é em Chicago. Agora é aguardar pelos próximos acontecimentos, porque o chefe Anderson deixou bem claro que não vai parar por aqui e prometeu vingança.


E vocês, o que acharam do episódio? Aliviados por todos continuarem no Batalhão 51? Deixem seus comentários!

Jornalista, mãe, apaixonada por séries desde a época da Sessão Comédia, Gosto de dramas que emocionam e de comédias inteligentes. Também sou fã dos seriados de super-heróis.

São Bernardo do Campo, SP

Série Favorita: Outlander

Não assiste de jeito nenhum: The Blacklist

Desafio: você se lembra de quem foi essa declaração de amor?

2 semanas atráscomentarios

Ah, o dia dos namorados. Aquele momento do ano para espalhar aos quatro cantos nosso sentimento por aquela pessoa especial, que faz o coração acelerar e as palmas da mão suarem. Aquela pessoa por quem você faria qualquer coisa, até mesmo deixar a vergonha – ou o medo – de lado para professar seu amor. Nas séries, existem muitos personagens  que não esperam data especial nenhuma para declarar seu amor, seja num momento de desespero, num pedido de casamento ou só para reforçar aquilo que o parceiro já sabe e Tom Jobim cantava aos quatro ventos: é impossível ser feliz sozinho. Você também acredita nisso e se derrete toda vez que sabe que chegou a hora de surtar, porque vai ter […]

Leia o post completo

Guia da Trilha Sonora: Scream – Season 1

2 semanas atráscomentarios

Entre os poucos pontos positivos que posso destacar em Scream, a trilha sonora fica em primeiríssimo lugar (talvez porque seja da MTV). Misturando canções atuais, dançantes e tristes, que fazem parte da vida dos jovens de Lakewood, a série soube utilizá-las para compor a história e os personagens. Assim, nada melhor do que ouvir as músicas da primeira temporada, agora disponível em uma playlist na nossa conta do Spotify!

Leia o post completo

House of Cards e a Política Brasileira

3 semanas atráscomentarios

Primeiramente, #foratemer. E se você ainda não conferiu a última temporada de House of Cards, não se preocupe, esse texto não contém spoilers, – apenas reflexões. Pra gostar de House of Cards você precisa torcer pelos Underwood. Claro, a gente sabe o quanto eles são escrotos, mas é ficção, certo? Não tem problema torcer pelos vilões. Ou pelo menos era o que pensávamos em 2013, quando a série estreou. Mas de lá pra cá a política mundial virou de ponta à cabeça. Os Estados Unidos elegeram Trump e nós tivemos Temer enfiado goela abaixo. Isso sem contar os acontecimentos dignos da ficção, como a morte de Teori Zavascki, a delação do Joesley e os testes nucleares da Coréia do Norte. […]

Leia o post completo

Siga as nossas redes sociais e fique sempre conectado:

Assine nossa newsletter