Chicago Justice – 1×08 Lily’s Law

15 de abril de 2017 Por:

Junto a ascensão de 13 Reasons Why e seus diversos temas super polêmicos e importantíssimos, Chicago Justice aproveita e continua o debate sobre: suicídio, relacionamento abusivo, perseguição, abuso e violência psicológica e a necessidade de buscar alternativas para coibir o agressor e proteger a vítima, de forma a impedir o caminho sem volta.

É com todos esses ingredientes que o episódio começa diferente de tudo que já foi apresentado aqui. Começamos com um caso, começamos com um júri. Lily misteriosamente decide se afastar do júri e do seu dever enquanto jurada, claro que com o pouco que nos é apresentado, o máximo que o juiz poderia fazer era consolá-la e pedir para que ela aguentasse mais um pouco. Já que não tiveram motivos suficientes para a saída do caso. É, mas vejam só, as vezes a gente toma determinada atitude, fala algo sem perceber a dimensão daquilo. Sem perceber que, dentre um mar de situações e atitudes, aquela pode ser fatal e contribuir para o pior.

Existem inúmeros motivos que levam alguém a se matar, a tirar sua própria vida e encerrar com toda dor e sofrimento. O pai do Sam foi um desses motivos, e sem dúvida nenhuma deveria pagar pelo que fez. Todos os anos de humilhação, opressão, abuso, violência física, psíquica, moral contribuíram e muito para que Lily se jogasse do cais. Aos poucos a gente vai percebendo o quão misógino, abusivo e nocivo o ex marido da Lily era e, pelo menos para mim, fica claro a sua parcela de culpa no suicídio dela.

E é a partir disso que vemos toda a caça do Stone em conseguir provar que a morte da Lily foi culpa do Jaxson, descaracterizando, assim, o crime de perseguição e abuso psicológico. É sabido a necessidade de falar sobre assunto e, mais ainda, de mostrar o quão inertes nós somos diante de detalhes tão simples e que muitas vezes passam despercebidos. Digo isso, em razão da atitude da juíza nos minutos finais. Ainda que o júri tenha votado com emoção, Jaxson não poderia sair impune, o que ele fez foi tão grave quanto apertar o gatilho ou empurrar de um penhasco. A intenção de matar, a intenção de querer o mal, de querer fazer sofrer é muito visível a cada mensagem, a cada depoimento, a cada gesto repugnante dele. Peter Stone pode não ter sido claro na sua intenção e, de fato, o júri ter votado com a emoção ao invés de ignorar os sentimentos no caso, mas de uma coisa é certa, a impunidade só serve para legitimar atitudes como a do agressor e a zombar, de uma certa forma, do sistema judiciário e suas leis, de forma a contribuir ainda mais com a perpetuação da violência, que não é só física.

A atitude do Peter em ir até o Senado e se colocar disposto a mudar as Leis de Illinois foi tão bonita, que é uma dose revigorante de forças para continuar com a luta contra toda e qualquer forma de violência. De modo que existam menos Jaxson, menos pessoas manipuladoras emocionalmente e abusivas da sua pior forma. Já que controlar, exercer poder e oprimir as pessoas pode ser a pior forma de morte, afinal, quando o suicídio for a única opção, você pode já estar morta.

Assiste séries com a mesma frequência que sente fome. Estudante de Direito, futura professora de Inglês e louca pelos animais, em especial, seus amigos. Uma aquariana que não...

Ler perfil completo

Salvador BA

Série Favorita: Impossível decidir

Não assiste de jeito nenhum: Glee

  • porlapazyporlavida lc

    Gostei muito da cena final. Peter é o cara. Que maravilhoso. Ótimo caso para gerar um debate super importante

    • Helaine Marina

      Sim!! Esse episódio foi muito bom e o caso foi excelente para ser debatido. Gostei e espero que mantenham a forma.

Girlboss: guia do que NÃO fazer na vida adulta

2 semanas atráscomentarios

Teve gente que gostou de Girlboss, teve gente que achou a série fraca. Mas em uma coisa todo mundo certamente concorda: Sophia é um dos piores seres humanos que já vimos como protagonista de uma série. E com ela a gente pode aprender muito sobre o que não fazer para ser uma pessoa melhor. 5. Não roubar Em GirlBoss, uma das primeiras coisas que descobrimos sobre Sophia é que ela acha normal roubar. Não, ela não rouba porque precisa, porque quer ajudar alguém, ou se quer por uma questão de princípios contra uma sociedade capitalista. Sophia rouba porque se sente superior e simplesmente não respeita os outros, – muito menos suas propriedades. 4. Não ser egoísta com a melhor amiga […]

Leia o post completo

Desafio: você se lembra de quem foi essa declaração de amor?

2 semanas atráscomentarios

Ah, o dia dos namorados. Aquele momento do ano para espalhar aos quatro cantos nosso sentimento por aquela pessoa especial, que faz o coração acelerar e as palmas da mão suarem. Aquela pessoa por quem você faria qualquer coisa, até mesmo deixar a vergonha – ou o medo – de lado para professar seu amor. Nas séries, existem muitos personagens  que não esperam data especial nenhuma para declarar seu amor, seja num momento de desespero, num pedido de casamento ou só para reforçar aquilo que o parceiro já sabe e Tom Jobim cantava aos quatro ventos: é impossível ser feliz sozinho. Você também acredita nisso e se derrete toda vez que sabe que chegou a hora de surtar, porque vai ter […]

Leia o post completo

Guia da Trilha Sonora: Scream – Season 1

3 semanas atráscomentarios

Entre os poucos pontos positivos que posso destacar em Scream, a trilha sonora fica em primeiríssimo lugar (talvez porque seja da MTV). Misturando canções atuais, dançantes e tristes, que fazem parte da vida dos jovens de Lakewood, a série soube utilizá-las para compor a história e os personagens. Assim, nada melhor do que ouvir as músicas da primeira temporada, agora disponível em uma playlist na nossa conta do Spotify!

Leia o post completo

Siga as nossas redes sociais e fique sempre conectado:

Assine nossa newsletter