Chicago Med – 2×23 Love Hurts (season finale)

17 de maio de 2017 Por:

No episódio final dessa segunda temporada de Chicago Med, descobrimos que tudo pode ficar bem, para logo depois ficar bem ruim. O amor machuca, como diz o título do season finale, mas é ele que dá sentido à vida. Então é melhor se arriscar, porque a alternativa, que é solidão, pode matar (não fui eu quem disse, foi o Dr. Rhodes).

Descobrimos logo no início que Connor conseguiu tirar a Robin da sacada e levá-la para a emergência do hospital. Claro que o encontro dele com o Dr. Charles não foi nada bom, com o pai acusando o namorado de ter causado o surto da médica. Daniel, como esperado de alguém nessa situação, não estava em sua melhor forma e nem ser objetivo sobre o problema ele estava conseguindo. Graças a um conselho da Goodwin e um empurrão da Dra. Reese, ele acordou e fez o que sabe fazer melhor: tratar os pacientes.

Divulgação/NBC

No fim, Robin não estava ‘louca’, mas sim com um tumor que afetava seu cérebro e fazia o corpo reagir como em um surto psicótico. Dr. Latham entrou em ação e a médica se recuperou prontamente, para a felicidade de todos, inclusive do público. A reconciliação dela com o pai foi emocionante e duvido que quem se assistiu não se envolveu. Pelo menos uma lágrima derrubada, certeza. No meu caso foram várias.

Só que como estamos em uma drama, essa felicidade não teria como durar muito tempo. Na saída do hospital, Dr. Charles foi baleado por aquele paciente que fingiu o suicídio, lembram? Dessa vez ele não só atirou no psiquiatra, como acertou um tiro na própria cabeça. Um final impactante para a temporada, sem dúvida, e que vai deixar todos aflitos até o próximo semestre para saber o destino de um dos personagens mais queridos de Chicago Med.

Enquanto todo esse drama se desenrolava no hospital, a maioria dos outros personagens estava na festa de formatura do Noah. Todos felizes, dançando, e indicando que a terceira temporada será recheada de romance? É o que parece.

Divulgação/NBC

O casal mais esperado, Manstead, não aconteceu de fato, mas ficou no ar que vai rolar. Aliás, que maneira horrível de terminar um relacionamento hein? Total falta de tato do Will ao conversar com a Nina. Quer dizer, ele nem conversou, apenas comunicou a ela que não era o cara certo e ainda disse que gostava da Natalie. Não sei se a patologista continuará na próxima temporada, mas se continuar o clima vai ser tenso.

O novo residente, Noah, também continuou a investir na Dra. Reese. Os dois têm temperamentos bem diferentes, mas acho que funcionam bem para a trama exatamente por isso. Sarah precisa de alguém que não leve tudo tão a sério, porque ela já se cobra demais.

Divulgação/NBC

Na cota dos romances improváveis, Ethan e April. No episódio passado os dois quase se beijaram e o clima entre eles ficou estranho. Dr. Choi, no entanto, insistiu e rolou um beijo cinematográfico. Não sei o que esperar desses dois.

E teve ainda a introdução de uma nova personagem, mais uma cardiologista para trabalhar com o Dr. Rhodes e o Dr. Latham. A moça parece ser bem arrogante, mas já ficou claro, com o nada sutil roteiro, que ela vai causar na relação do Connor com a Robin.


Fazendo um balanço da segunda temporada, posso dizer que a série acerta quando coloca seus personagens em evidência, com boas tramas, e erra quando foca somente em casos do dia e personagens aleatórios, de quem nunca mais ouvimos falar.

Entre os acertos, os destaques foram a história da doença da Robin e a descoberta do Dr. Latham sobre o autismo. A trama do irmão transgênero da Maggie também foi boa, mas infelizmente não teve prosseguimento. Já os erros, para mim, foram o suicídio do residente com quem ninguém se importava e toda a enrolação sobre a vida amorosa do Will e da Natalie. A saída do Clarke, sem mais nem menos, foi péssima.

E para vocês, o que teve de melhor e de pior nesta segunda temporada? Lembrando que a terceira já está confirmada. Deixem seus comentários! E já inicio a campanha: Por favor, não matem o Dr. Charles!

Jornalista, mãe, apaixonada por séries desde a época da Sessão Comédia, Gosto de dramas que emocionam e de comédias inteligentes. Também sou fã dos seriados de super-heróis.

São Bernardo do Campo, SP

Série Favorita: Outlander

Não assiste de jeito nenhum: The Blacklist

Guia da Trilha Sonora: Parenthood – 4ª temporada

2 semanas atráscomentarios

Parenthood é o tipo de série que sempre nos emociona de alguma forma: seja com o clima familiar, com os dramas dos personagens ou com a alegria de suas conquistas. E na 4ª temporada a gente sofreu bastante com alguns personagens, e claro que a trilha sonora contribuiu bastante pra que tivéssemos o maior impacto possível de tudo que a temporada queria nos passar. Abertura: Forever Young – Bob Dylan Abertura Internacional: When We Were Young – Lucy Scwartz 4×01 – Family Portrait Just As Loud – PAUL MCDONALD Corner – ALLIE MOSS Call Me the Breeze – BETH ORTON Amen – ROCCO DELUCA A Little One – PEASANT Counting Stars – PAUL MCDONALD T-Bone Shuffle – T-BONE WALKER 4×02 […]

Leia o post completo

Maratona Parenthood – 6ª temporada

2 semanas atráscomentarios

Pegar a última temporada de Parenthood para fazer o post de maratona foi um imenso desafio. A expectativa era grande, junto com o medo de não conseguir terminar o texto. Mas é isso que uma série faz conosco, não é? Nos encher de emoções e deixar aquele gelinho na barriga no final. Família é uma coisa difícil. Você não vive sem ela e não consegue, muitas vezes, ficar perto dela. Talvez porque família não tenha o dever de ser um amigo e dizer que certas atitudes estão corretas. Ela tem o dever de apoiar, apesar dessas atitudes e estar ao lado nas horas mais importantes, sejam elas felizes ou tristes. E isso define bem o que os Braverman são. O sexto ano da […]

Leia o post completo

The Good Fight

2 semanas atráscomentarios

The Good Wife é uma das séries jurídicas mais queridas dos fãs do gênero. Mesclando casos jurídicas repletos de reviravoltas com escândalos políticos num roteiro afiado com protagonistas cativantes e coadjuvantes de luxo, os contornos da vida pessoal e profissional de Alicia Florrick e cia conquistaram nossa atenção. Mas como tudo que é bom tem um fim, a série acabou caindo na qualidade e foi cancelada após sete temporadas. Era o fim da criatividade? Graças a Deus (e aos King), não. Menos de um ano após o final de The Good Wife foi lançada The Good Fight, um spin off dos mesmos produtores e que não deixou a desejar comparando com a série mãe. TGF deu sinais de que seria interessante logo […]

Leia o post completo

Siga as nossas redes sociais e fique sempre conectado:

Assine nossa newsletter