Game of Thrones – 7×02 Stormborn

24 de julho de 2017 Por:

Se alguém, depois de sete anos, ainda tinha dúvidas de que a série da HBO é um produto bem diferente dos livros, Stormborn veio para deixar muito clara a sua completa independência da saga literária – para o bem e para o mal. Game of Thrones ganhou fôlego com o descolamento das Crônicas de Gelo e Fogo na sexta temporada, e o que vemos neste início de sétimo ano é um tom bem diferente da obra original, e com grande potencial para polarizar cada vez mais a audiência entre quem ama ou odeia determinadas decisões.

Reprodução HBO

Por maior que tenha sido o impacto do ataque de Euron no fim do episódio, contabilizando uma vitória para o lado de Cersei e do novo “bad guy” da temporada, a série continuou entregando tudo para deixar o público feliz. Reencontros, informações oportunas recebidas por acaso, soluções milagrosas para problemas aparentemente insolúveis, romances e insinuações de romances, personagens mais queridos sendo poupados, e aqueles com quem ninguém se importa muito sendo descartados. Deus ex-machina rolando bem forte. É uma combinação inusitada para quem já está com o coração calejado de perder personagens queridos e passar temporadas inteiras esperando por reencontros que nunca chegam, mas estamos falando de televisão. Agilidade é mais que conveniente, é fundamental.

Daenerys não falou muito na premiére, e, ao que tudo indica, está em uma fase de ouvir mais do que falar – ou agir. Cutucou Varys sobre a sua lealdade duvidosa e ouviu uma resposta à altura. Recebeu Melisandre, ouviu e acreditou em suas profecias e conselhos. Ouviu e internalizou completamente o discurso de Tyrion sobre não querer ser uma rainha das cinzas. Ela realmente deixou de lado a ideia de quebrar a roda e está tentando se encaixar no jogo político. Mas até quando? Nossa Vovó Piedade Tyrell já fez questão de plantar a sementinha da discórdia lembrando que Daenerys não é uma ovelha, e sim um dragão. E com a primeira derrota chegando tão rápido pelas mãos de Euron, será que toda aquela diplomacia vai continuar sendo a sua escolha?

O cerco planejado pode ter ido por água abaixo (desculpa o trocadilho), mas o ataque a Casterly Rock é uma ideia boa demais para ser abortada. O plano ter vindo de Tyrion é de uma ironia deliciosa, considerando que ele sempre se sentiu rejeitado pela família, mas mantinha seu orgulho Lannister, falava e agia como um deles e defendia os interesses de sua casa até ser traído e condenado à morte pelo assassinato de Joffrey. Tyrion rompeu quase todos os laços que tinha com sua ascendência, mas ainda carrega o sobrenome, e isso é suficiente para levantar dúvidas sobre suas intenções diante dos aliados de Daenerys e dos inimigos de Cersei. No fundo não é nada pessoal. Desconfiar da própria sombra é o primeiro item da lista de sobrevivência em Westeros, afinal.

Reprodução HBO

E por causa desse jogo de desconfianças Jon enfrentou a primeira crise no seu reinado. A galera do #ONorteÉMeuPaís tem certeza de que o convite de Tyrion e Daenerys é mais uma armadilha do povo do Sul, além de precisarem de Jon em Winterfell para organizar os exércitos para a grande guerra que ele vive repetindo que está chegando. Sansa era uma defensora ferrenha da segurança do irmão/primo até saber que ele a deixaria no comando durante sua ausência. Aí tudo mudou de figura, não tinha mais armadilha nenhuma e tudo bem ele deixar o Norte. A conversa dele com Petyr foi uma cena… estranha. Se Mindinho queria melhorar a imagem diante de Snow, a escolha de palavras foi bastante infeliz. Por outro lado, nada que justificasse uma reação tão violenta de um homem que só costuma aflorar a fúria em campos de batalha. Será que espancar Ramsay até perto da morte mudou Jon tão profundamente assim?

Se na premiére vimos Sandor voltando a uma casa conhecida do passado, desta vez foi Arya que teve seu momento flashback comendo torta com o Torta Quente, fechando algumas pontas soltas sobre o breve encontro com Brienne e descobrindo que Winterfell está com os Starks novamente. É estranho como em Braavos ela tinha informações atualizadas sobre quem estava vivo e quem tinha morrido da sua listinha, soube do reinado de Cersei e não ouviu nada sobre a queda dos Boltons. O seu segundo reencontro foi um que o público inteiro torcia para acontecer desde a primeira temporada: Nymeria. E é claro que foi triste vê-las se despedindo de novo, mas é difícil acreditar que eles tenham gastado orçamento com CG à toa só para passar a mensagem de que a loba gigante de Arya tem um espírito tão livre quanto o dela e não queria mais ser um animal de estimação. Acho que ainda veremos Nymeria e seu bonde fazendo algo importante no futuro.

Ainda na sequência de encontros felizes, porém dolorosos (desta vez num sentido mais físico), Jorah conseguiu cair nas mãos justamente da única pessoa que tinha uma carta na manga para o seu tratamento. Os métodos não são muito convencionais – assim como aqueles que trouxeram o Montanha de volta do limbo – e, se fosse em outros tempos, provavelmente daria tudo errado, afinal Sam é um baita leigo sobre o assunto, Jorah ia virar pedra e o nosso querido Tarly seria banido… mas estamos em uma vibe bem otimista, lembram? No fim do dia deve dar tudo certo, ele só vai precisar de uma pele nova antes de correr pro abraço para sua Khaleesi.

Reprodução HBO

Até Cersei recebeu boas notícias, com a construção de uma arma capaz de perfurar o crânio de um dragão (ou, pelo menos, de um fóssil de dragão que já devia estar meio quebradiço por causa de décadas de decomposição, e tal). Ela está longe de ser a rainha mais popular que já sentou naquele trono de ferro, e olha que os outros reis não eram exatamente queridos pelo povo, mas vai, aos poucos, conquistando alianças com as armas que tem: o medo da sua vingança, a rejeição a Daenerys com seu exército de estrangeiros, ou as articulações mais políticas de Jaime. E ter Euron como aliado se mostrou um excelente negócio.

Começar Dragonstone com o massacre Frey foi um tiro no pé. As expectativas ficaram lá em cima e o restante do episódio pareceu morno demais. Inverter a lógica foi justamente o maior ponto positivo de Stormborn. Ele funcionou bem como um episódio político, muita coisa aconteceu, mas no final ainda tinha espaço para uma batalha, para jogarem a adrenalina lá em cima, sacudir a confiança da Daenerys e colocar os holofotes sobre novo sádico sanguinário da série, que atende pelo nome de Euron Sparrow Greyjoy. Ele prometeu um presente para Cersei, e o que poderia ser melhor que entregar a ela a assassina da sua única filha?

Há quem diga que a atitude de Theon ao pular no mar foi um retorno ao seu alter-ego criado por Ramsay, Reek, por reviver o trauma que passou. Mas o que se viu ali foi a pura essência de tudo que Theon Greyjoy sempre foi. Um homem sem honra. Ou, como já foi definido em uma resenha lá da segunda temporada, “uma criança assustada que age no impulso, fazendo o que é mais conveniente naquela situação”. Ele se “camuflou” entre os Stark a vida inteira para não ter que viver como prisioneiro. Traiu Robb para ter a chance de tomar Winterfell. Queimou duas crianças para que não descobrissem que ele deixou Bran e Rickon escaparem. Permitiu que Sansa fosse estuprada sem esboçar reação. Theon é, da sua maneira, um sobrevivente. A covardia (ou bom senso?) é seu escudo, e entre lutar uma batalha perdida para morrer com honra pela irmã e sobreviver mais uma vez como um covarde, a escolha foi bastante óbvia, e a cena é uma das mais coerentes do episódio.

Reprodução HBO

Algumas observações:

– Morri de rir com a Arya dizendo que não dourou a manteiga para fazer as tortinhas de Frey.

– Era pra falar da ceninha feliz entre Missandei e Verme Cinzento? Pronto, falei.

– Que jogo de cintura para encaixar Jon e Daenerys dentro da profecia de príncipe/princesa prometidos, heim?

– Se a freira gigante já sofreu daquele jeito com a vingança da Cersei, eu não quero nem imaginar o que ela vai aprontar com as moças de Dorne. Mas acho que ninguém está muito preocupado, né?

– Fico imaginando a cara do Davos quando chegar em Dragonstone e der de cara com a Melisandre de novo. É bom ela dormir com um olho aberto.

– O que você diz para a dona que te abandonou na floresta e agora te pede pra voltar? “Hoje não”.

– A HBO Go caiu pela segunda semana consecutiva durante a exibição do episódio. É bem chato para quem assina e não consegue ter acesso justamente ao produto mais relevante da emissora. Ficou feio.

Stormborn foi um episódio recheado de referências ao passado da série. No texto, na construção narrativa, nos personagens, nas causas e consequências de tudo que foi mostrado ali. Mas com um ritmo bem mais ágil do que estamos acostumados. Desde os corvos que ganharam upgrade para Sedex10 até as caminhadas na floresta com duração reduzida de anos para horas. E você? Gosta da série abraçando sua veia televisiva e intensificando a narrativa? Deixe sua opinião nos comentários e até semana que vem!

Jornalistatriz, viajante, feminista e apaixonada por séries, pole dance e musicais.

Rio de Janeiro / RJ

Série Favorita: Homeland

Não assiste de jeito nenhum: Two and a Half Men

  • Jeane

    Laís;
    A ideia do cerco ao Rochedo foi uma baita facada no coração, pelo orgulho que os Lannisters sempre tiveram, se conseguirem fazê-lo, vai ser um golpe e tanto na Cersei e no Jaime. Acho que também é uma maneira do Tyrion tomar o Rochedo pra si depois de toda essa guerra, já que mesmo sendo o herdeiro legítimo, o Tywin sempre o negou, uma bela ironia como você escreveu.
    A conversa do Jon com o Mindinho foi só pra me fazer passar raiva e nojo do Petyr como sempre, que ainda não encontrou seu lugar no Norte e fica deixando as coisas de molho para poder agir.
    Vem cá, mas a loba era a Nymeria mesmo? Fiquei na dúvida.
    Euron foi lá e cumpriu o prometido: capturou a Ellaria (com a Yara) de presente para a Cersei, que já tinha recebido a boa notícia do Qyburn. Quanto ao Jaime, a primeira derrota pode estimular o Lorde Tarly a “se rebelar” contra os Tyrells e apoiar a causa Lannister.
    O Theon continua uma incógnita para mim, e acho que é bem o que você escreveu, se tivesse lutado não seria ele.
    A partir de agora, já que a série começa a amarrar tudo (ou tentar) para chegar ao fim, não vejo problema em ficar mais ágil, contanto que mantenha a qualidade, não me apego muito a essas coisas.
    Até semana que vem!

    • Laís Rangel

      Jeane, apesar do momento mais tenso do episódio ter sido a invasão aos navios, o meu queixo caiu mesmo quando o Tyrion falou de invadir o Rochedo. É o tipo de coisa que independe do resultado final, a ideia em si já é um golpe ousado e cheio de significados, como você mencionou.
      A loba era a Nymeria. O “It’s not you” foi no sentido de que não combinava com ela deixar tudo para trás e voltar com Arya a Winterfell. O que me faz questionar até se Arya vai desistir da ideia em algum momento também.
      Obrigada pelo seu comentário e até semana que vem!

      • Valéria

        Eu tive sensação parecida. Quando Arya disse isso eu imaginei que ela completaria a frase dizendo: não é você, sou eu.. sou eu que não sou mais a mesma pessoa, por isso Nymeria não reconheceu. Nem Arya nem Nymeria são as mesmas de antes. No entanto, não acredito que Arya retorne com seu pensamento inicial de matar Ceseri, pelo menos não agora. Quando ela escolheu ir pra casa eu me lembrei de quando ela escondeu sua espada “agulha”, pra poder entrar naquela irmandade.. Arya ainda está se formando e vai fazer escolhas erradas, é claro, mas o que a define são escolhas como essas.. ela não conseguiu deixar de ser uma Star pra ser no one. A mesma coisa ela fez agora.. escolheu voltar pra casa e rever os seus, mas isso não significa que ela vá ser domesticada. Ainda acho que ela vai em frente com seu plano de matar a rainha, mas não agora. Ou talvez eu esteja pensando errado.. rsrs
        P.S. Só eu fiquei com a sensação de que ela e Jon vão se encontrar no caminho??

        • Laís Rangel

          Oi, Valéria! Pois é, apesar de tudo, Arya ainda é uma adolescente, ainda está passando por todas as coisas difíceis dessa fase da vida e tentando encontrar seu lugar no mundo. Ela sempre foi auto-suficiente, mas também sempre teve por perto alguma figura de tutor para dar apoio. Ned, Jon, Syrio, Sandor (do jeito torto dele) Jaqen… é a primeira vez que ela se vê completamente sozinha e tendo que fazer as próprias escolhas, então é natural que ela mude de ideia, pondere, volte atrás, faça escolhas certas, erradas, imaturas ou imprudentes. Algumas pessoas consideram esses movimentos como fillers, mas eu acredito que são eles que dão nuances e profundidade aos personagens, então gostei.

          • Valéria

            ah, concordo com vc.. dão profundidade aos personagens, fazem eles parecerem mais reais, mais próximos de nós. Got é uma produção demorada, a gente vê as mudanças acontecendo, inclusive as mudanças físicas.. isso é muito legal de acompanhar..

  • Laerte Neto

    A narrativa está mais ágil, sim! Mas não está com passagem de tempo incoerente. Pra mim, está ficando bem clara a passagem de tempo entre os eventos e os corvos. No primeiro episódio foi só olhar o tamanho do mini Sam. Pelo garoto, já podemos ver que a Dany ficou uns 3 anos no mar pra chegar em Westeros. Eu não espero que cada vez que um corvo seja enviado apareça na tela “3 meses depois…”

    • Laís Rangel

      Oi, Laerte! Acho que ainda tem algumas passagens de tempo meio confusas aí no meio, principalmente no núcleo do Bran. A mensagem da Daenerys, que veio lá do Sul, chegou antes de qualquer notícia que ele está em Castle Black, que é bem mais perto de Winterfell. Será que decidiram não contar pro Jon que o irmão dele está vivo e a salvo? Pode ser que dêem uma explicação mais pra frente, mas até o momento vemos sinais de passagem de tempo em alguns núcleos (como o filho da Gilly, a viagem da Daenerys, etc) e em outros, não.
      Obrigada pelo comentário e até semana que vem!

      • Laerte Neto

        Bem, nisso vc tem razão. Pela passagem de tempo do Sam, o Bran já estaria na muralha há uns anos, mesmo!

  • Mariane Lima

    Achei tudo uma grande fanfic, mas é isso que temos as duas últimas temporadas, neh?! Sem livros ficamos a mercê dos roteiristas. Só espero que eles sejam mais coerentes nos próximos episódios. Querem apurar a narrativa tudo bem, mas por favor não gastem 10 minutos de série com lobos que não atacam e cenas de sexo a la novela das 7, pelamor.

    • Laís Rangel

      Oi, Mariane! A série sempre foi fanfic, acho… Sempre teve elementos mais parecidos com os livros e outros diferentes ou completamente novos. Algumas mudanças a gente gosta mais que outras (tipo as alterações no Red Wedding e na trama do Bran, que ficaram mais bacanas na série, mas o plot da Sansa e de Dorne ficaram um desastre). A diferença é que agora só GRRM e D&D sabem o que acontece com a história, o público não tem mais uma segunda referência pra comparação. Vamos torcer para o saldo da série ser sempre positivo e as boas escolhas superarem as ruins, né? =)
      Obrigada pelo comentário, até semana que vem!

  • Nickolas Girotto

    Eu estou gostando de como as coisas estão indo, até então as coisas pareciam estar dando certo de mais né, até aquele ataque do Euron, pra mostrar que alguma coisa ainda pode dar errado.
    Eu senti semana passada aqui na review, um tom meio pessimista sobre o John e a Sansa, agora ele deu uma boa prova de confiança pra ela, que mesmo ele estando vidrado na guerra que esta por vir, ele percebeu que ela é capaz de comandar tanto quanto ele, eu achei que isso fosse acontecer mais pro final da temporada e claro ainda é GoT e tudo pode dar errado haha, mas foi bom ver isso agora.
    Outra coisa que foi boa, foi ver a Arya largando a vingança pra ir pro norte, quero muito que ela pelo menos encontre a Sansa lá, se ela não mudar de ideia de novo e voltar ao foco anterior, uqero muito ver esse reencontro.
    Semana que vem já teremos o momento mais esperado por todos, John e Daenerys frente a frente, essa semana vai ser longa haha.

    • Laís Rangel

      Oi, Nikolas! Como vai?
      Sabe que eu nem considerei o ataque do Euron como dar errado? A gente se livrou das bastardas do Oberyn, é mais motivo pra comemorar que pra chorar ahahah
      Achei bem legal o Jon deixar o Norte comandado pela Sansa na ausência dele. Você usou o termo perfeito: uma prova de confiança. Eles podem divergir sobre alguns assuntos, mas é importante que se mantenham unidos, ou vão virar presas fáceis para os inimigos.
      Estou curiosa para saber o que eles vão arrumar com Jon e Daenerys. São dois teimosos que certamente vão se aliar, mas talvez role um estresse antes disso acontecer ahahah
      Obrigada pelo comentário e até semana que vem!

      • Nickolas Girotto

        É verdade, pelo menos o núcleo chato de Dorne já era heheh

  • Matheus

    Acho que eu vou ter que assistir mais cedo, mal terminei e já tem sua review, mas foi bom ter conferido aqui, porque descobri que o episódio que eu assisti faltava um pedaço, no caso, a luta dos Greyjoy. Sobre o episódio, caramba, foi muito bom, começando pelo norte, eles precisam do rei lá (ou rainha agora), mas achei legal ver a Lyanna discordando. Claro, eles acreditam no Jon, mas como o próprio disse, apenas ele viu o exército inimigo, logo vale tudo, até uma possível traição da mãe dos dragões, só não gostei do “Venha até o meu castelo e jure lealdade a mim”. Daenerys precisa ser um pouco mais humilde ou vai ser igual a Cersei, que mandou a mesma “cartinha”. Gostei do Tyrion estar do lado do rei, logo de cara, mas no lugar do Jon acho que eu perguntaria a opinião da Sansa também, já que ela viu de perto quem ele é. Jorah está pagando os pecados com o tratamento, mas precisam mesmo colocar comida de novo em cenas assim? Eu estava comendo, caramba. Ah é, como fã de Harry Potter me senti envergonhado por não ter reconhecido o professor Slughorn como arquimeistre, mas fazer o que, né? Sobre a luta final, como gostei de ver as serpentes tendo o que mereciam, se achavam muito, mas no fim , nem duraram 1 minuto contra o titio Sparrow, digo, Euron. A arma contra os dragões parece para mim uma referência ao Hobbit, mas no fim é adaptação, digo, se o inimigo term dragões, ou você chora ou constrói uma arma matadora de dragões. Simples não? Até a próxima review.

    • Laís Rangel

      OI, Matheus! Eu fiquei até 3 da manhã pensando e escrevendo sobre o episódio,por isso o texto já estava aqui. Mas não precisa ter pressa não, eu prometo que a review não vai embora ahahah
      Menino, eu ia comentar sobre esse negócio das cenas de comida, mas acabei esquecendo! Primeiro compararam o feijão com o cocô, agora sopa com casca de ferida. Que nojinho! Ainda bem que eu não estava comendo quando assisti ahahahh
      Obrigada pelo seu comentário e até semana que vem!

  • Luana

    Os lobos sempre foram um paralelo mega interessante com os starks. Dos sobreviventes acho que a Arya é a mais quebrada em sua essência de todos. Todos eles foram quebrados ao longo da jornada. Mas, o Bran teve o Verão até o final do encontro com seu destino (que hj eu entendo isso quase como um simbolismo. O verão morreu pra surgir o inverno e tal). A sansa sofre de dentro pra fora e precisa ir aprendendo a sobreviver. Ela sem duvidas é a personagem que mais sofreu ate hj na serie. Não só entre os starks. Em termos de experiências diretas contra ela. Mas a loba dela ter morrido logo de cara por uma injustiça reflete em quem a sansa se tornou. Ela não tem identidade, ela é alguem nulo que esta tentando se encontrar e se entender e se impor. É como se a falta da loba dela, a tivesse corrompido. O Jon de todos, é o que manteve mais sua essência. Justamente pq sempre teve o fantasma ao lado. Sempre, ate agora. Mas, o que faz a arya ser a stark mais “menos stark” hj em dia nesse sentido de não pertencimento, é que assim como a Nymeria, ela foi jogada, perdida. Ainda criança precisou se ver abandonada e esquecida por tudo. Sendo alimentada apenas por medo e raiva. Que hj virou frieza e ódio. Ela guarda na memória o sobrenome como propósito, mas cada morte que comete, é mais um passo pra ela se afastar de tudo que os starks são, eram e que ela mesmo poderia ser. A Nymeria é igual. Uma filhote no gelo do norte tendo que aprender a caçar, a sobreviver sozinha e ainda com o sentido de abandono. O que a nymeria é hj não é nem um resquício do que ela poderia ser. Como a Arya. Ambas podem guardar lembranças mas jamais poderão se encaixar novamente. Achei essa cena linda por isso. Pq mesmo distantes, ambas permanecem partilhando a mesma essência “animal” de transformação. A diferença é qye a nymeria se tornou uma líder de sua espécie. Ela viveu pra unir os abandonados. Enquanto a Arya viveu ate agora pra destruir. O caminho da Arya parece ser solitário em definitivo =(

    Ps: to ansiosa pelo encontro com a Sansa justamente por isso. A Sansa era a irmã que a Arya menos tinha afinidade. Pois eram totalmente opostas. Como sera o reencontro com isso que ambas se tornaram?

    • Laís Rangel

      Luana, muito interessante sua análise da relação dos sobreviventes com os lobos. Essa relação é bem mais explícita nos livros, mas mesmo na série dá para entender esses detalhes se olhar com atenção, como você fez.
      Será que veremos o encontro de Sansa e Arya mesmo? Fiquei em dúvida se ela vai continuar voltando pra Winterfell depois de ser “esnobada” pela Nymeria. Acho que existe a chance de ela, de fato, retomar o caminho do Sul para matar Cersei. Os dois são interessantes, vamos ver qual ela vai seguir!
      Obrigada pelo seu comentário e até semana que vem!

    • Elizabeth Caulfield

      Que comentário lindo!

  • Cassios Oliveira

    Eu achei a cena do Verme Cinza e a Missandei relevante, aliás, foi uma das poucas cenas de sexo relevantes da série inteira; mostrar o lado humano do Verme Cinza, falar um pouco sobre sua história, foi muito bom, muito bom mesmo. Gostei também do reencontro de Arya e Torta Quente, foi bom lembrar da amizade de estrada deles e aquele encontro com a Nymeria foi de encher os olhos. Eu queria ver a muralha neste episódio, mas entendo que eles não teriam dinheiro e nem tempo o suficiente para fazer a cena, mas creio que no próximo episódio teremos a aparição da muralha, talvez Bran e Meera até voltem para Winterfell, ao mesmo tempo que Arya. Quanto as cenas em Porto Real, eu queria ver mais cenas da Cersei, ela é uma ótima personagem, queria ver ela mencionando As Terras da Tempestade, pois acho que ela sendo a viúva de Robert Baratheon, ela teria o apoio deles. Bom, nem preciso falar do núcleo da Cidadela, achei coerente o Jorah Mormont ter ido parar lá e encontrar o Sam, pois a Cidadela é o local onde mais se armazena conhecimentos do mundo, o Arquimeistre Ebrose até cita isso; ele ter ido até lá para descobrir a cura foi mais do que necessário para o roteiro seguir coerentemente. A conversa da Daenerys e os seus aliados foi boa, eu queria ter ouvido mais desse diálogo, adoro quando Olenna Tyrell fala, essa personagem realmente é incrível e ela dando aquele conselho pra Daenerys, foi bom, mas tomara que Daenerys não leve o conselho adiante. A cena da batalha naval foi boa, os efeitos visuais foram excelentes, mas poderia ter tido mais, senti falta de mais pessoas morrendo, senti falta da aparição de mais barcos incendiando. Bom, esta é a minha opinião.

    • Laís Rangel

      Oi, Cassios! Eu confesso que tenho pouca paciência para romance em Game of Thrones ahahah acho que não combina muito com o estilo da série, mas foi bom mostrarem uma cena de sexo consensual em Westeros, só pra variar um pouquinho, né? A maior parte das cenas deste tipo na série até agora envolviam contexto ou de prostituição ou de estupro.
      Não sei se Cersei teria o apoio dos aliados de Robert. Quando ele morreu, até seus irmãos romperam com os Lannisters.
      Acho coerente o Jorah ter ido pra Cidadela em busca da cura, mas rolou um esforço ali no roteiro pra ser justamente o novato que mal tem acesso aos livros a proporcionar isso pra ele. Mas não reclamo… gosto do Jorah, gosto do Sam e a interação deles foi bacana.
      Acho que já é comum em Game of Thrones eles colocarem algumas cenas de batalha com orçamento menor para manter a tensão ao longo da temporada, mas guardarem o dinheiro “grosso” pra algo grandioso no penúltimo ou último episódio. A batalha naval foi só um aperitivo, pode ter certeza de que tem algo bem maior vindo aí!
      Obrigada pelo seu comentário! Até semana que vem!

  • Aline Michele Dos Santos

    Eu gostei muito do episódio e estou gostando bastante dos rumos que a série vem seguindo.
    Simplesmente amei ver Jon falando da Daenerys e Daenerys falando de Jon! O encontro que eu sempre esperei finalmente vai acontecer! (Sim eu quero os dois juntos mesmo ela sendo tia e ele sobrinho).
    Não acho que a os produtores vão fazer tudo que a audiência quer (li isso em algum comentário) se não todos os Starks já estariam juntos, ainda acho que mais algum vá morrer ainda.
    Não acho que a Danny seja a princesa da profecia, sou da teoria que a história das crônicas de gelo e fogo é a história do Jon. Talves a Melisandre tenha enfim acertado e ela seja uma peça importante apenas.

    • Laís Rangel

      Oi, Aline! Acho que eles estão numa fase bem simpática com o público ahahaha mas a gente sempre fica com o pé atrás e esperando uma tragédia, né?
      Também acho que a profecia não é sobre a Danny, mas como ela tem o ego mais inflado que um balão, vai acreditar que é, sim!
      Obrigada pelo seu comentário! Até semana que vem!

  • Achei um episódio muito meia boca. e tanto ações de personagens quanto roteiro fraco me decepcionaram.
    Daenerys aparentemente chegaria com os 2 pés no peito de Cersei, e tinha tudo pra fazer isso. Esse discurso de não ser rainha das cinzas, é muito ridiculo. principalmente pq a cersei EXPLODIU o septo! já ta tudo em cinza, era só atacar e dominar a porratoda. Talvez nessas ações quem garoteou foi o Tyrion, nos conselhos dele, que conhece a Cersei, e sabe que dar tempo a ela é tudo o que precisa pra puxar tapete.
    O mais incômodo, mas que vi várias pessoas elogiando, foi a quantidade de referencias a falas, que apesar de parecer ser para ligar com temporadas passadas, só são desnecessárias e claramente preenchem lacunas para economizar em locação e CGI.
    Meus caros, estamos na sétima temporada de uma série que tem 50 locações e 78 personagens principais com nomes esquisitos, além de 52 religiões. Se alguém ainda não sabe de cor o que aconteceu, não ta mais assistindo a série.
    Foi legal a parte do gordinho ajudando o friendzone a se curar, maaas… é sidequest. Ele foi pra lá com um objetivo e agora já tá com 5. É pior que eu jogando Fallout.
    E a batalha foi ridicula. Mataram aquelas chatas, ok, mas foi muito fraco. Além de quebrarem o arco de redenção do Theon. Isso não é mais hora de voltar atrás. Faltou colhões (eita) para matarem o personagem.

    enfim, é triste saber que vai ser mais uma temporada em que metade dos episódios não vão ter nada para acontecer e no último ou penultimo vai ser tudo apressado.

    • Laís Rangel

      Oi, Darth! Eu vi opiniões bastante divididas sobre o episódio, realmente não foi unanimidade. Em geral, eu gostei, me diverti assistindo apesar de ter uma crítica aqui ou ali.
      Daenerys já é vista com desconfiança em Westeros por causa do histórico da sua família. No Norte mesmo, as pessoas têm certeza de que ela é como o pai e chamou o Jon Snow pra queimar ele vivo como fizeram com os Starks no passado. Se ela simplesmente saísse atacando, pode até ser que chegasse no trono de ferro, mas não ia nem esquentar lugar antes de ser derrubada por alguém (que é justamente o que deve acontecer com a Cersei). Ia passar a vida toda lutando por 5 minutos de reinado.
      Eu particularmente acho importantes esses elos que eles fazem com a história da própria série. Mostra que a trama foi planejada, eles não jogaram um monte de coisas aleatoriamente e seguiram o baile.
      Se você reparar, Game of Thrones tem sempre essa estrutura nas temporadas: uma batalha menor no início, com uma função mais narrativa que estética, e outra (ou outras) bem marcantes no final, com produção pomposa, efeitos especiais e etc. Foi assim quando capturaram o Jaime, quando Oberyn lutou com o Montanha, quando os filhos da Harpia atacaram os aliados de Daenerys, etc. Mas neste ponto vejo diferente de você, acho que as coisas acontecem, sim, e que mesmo as batalhas menores são fundamentais para construir a história. Esse ataque do Euron foi o estopim para a guerra (até então, fria) de Cersei e Daenerys.
      Mas é sempre bom receber comentários com outros pontos de vista, coloca a gente pra pensar sobre coisas que não tinha visto antes. Muito obrigada por compartilhar sua opinião, até semana que vem!

      • Entendo o ponto de vista. Mas pela série não fica muito claro que ela tem essa resistência toda em Westeros. Parece mesmo que ninguém sabe dela, ninguém fala a respeito, como se os Targaryen simplesmente não existisse mais pro povo. E se ouvissem saberiam do quanto ela trabalhou libertando escravos em todas cidades que passou além do mar.
        Mas o principal ponto que me pega nisso foi a postura e o jeito como ela se comportou nas temporadas anteriores, lembra do “i’m gonna brake the wheel”? E na hora de chegar e realmente colocar em prática, ela entra pra dança política?
        Em um episódio cheio de referencias, pra mim fica claro que a série só quer que você se lembre do que interessa para o plot do momento, não importando muito a coerência do rumo do roteiro no futuro.
        Não acho um péssimo episódio, só decepcionante.

  • Leandro

    Oi, Laís!
    Tudo bem, guria? E vamos à melhor parte da semana, depois de ver mais um episódio de
    GOT, que é ler e comentar aqui. kkk

    Bom… em primeiro lugar, vou deixar claro que gostei muito do episódio, com uma que
    outra coisa que dão, como dizer, aquela coceira chata de uma picada de mosquito,
    mas nada que estragasse o episódio.

    Claro que amei o reencontro da Arya com a Nymeria, apesar de não ser exatamente o que
    esperávamos e da cara da Nymeria e sua matilha de que encontram um xis bacon! Bom…
    um xis bacon e um xis tudo com o cavalo da Arya! kkkk Mas não acho que esse
    reencontro se resumirá a isso. Creio que a Nymeria e sua trupe terão
    participação importante adiante, talvez salvando a Arya de alguma roubada ao ir
    para o Norte. Só espero que nessa ela não morra que nem o Verão ao salvar o
    Bran do ataque dos zumbis.

    Só vocês acharam isso, ou o Sam fez uma cara de sádico quando estava esfolando o
    Jorah? Vingança pelo susto que ele deu no episódio anterior? Kkk Pior que até eu
    levei um susto com aquela mão do Jorah saindo da cela! kkkk

    E o que vocês acham? A Sansa irá puxar o tapete do Jon ou não? Será que vai voltar
    a ser a Tansa Stark e cair na lábia do Mindinho? Esqueceu tão rápido que ele
    foi diretamente responsável por ela ser estuprada e torturada pelo Ramsay por
    vários meses?

    Agora comentário de cueca babão sobre a cena de sexo da Missandei com o Verme
    Cinzento. Que corpaço tem a atriz, hein? Bahhh… tem um monte de mulher
    maravilhosa em GOT, mas o corpo da Missandei é um dos mais bonitos, se não for
    o mais, tudo natural e perfeito. E concordo com o Cassios sobre o contexto da
    cena, humanizando o Verme, que, no começo, achei que ia ser outro apaixonado
    pela Daenerys, que, convenhamos, é difícil não se apaixonar, tirando quando ela
    fala os trocentos títulos dela… Filha da Tormenta, a Não Queimada, Mãe de
    Dragões, ZZZZZ…

    Discordo do Darth e concordo contigo, Laís, sobre a decisão da Daenerys seguir o
    conselho do Tyrion, que, novamente, se revelou um excelente estrategista,
    conhecedor do pensamento da “nobreza” e, claro, da sua irmã manipuladora. Não
    gosto de GOT apenas pela história e ação, mas também pelo jogo político, os
    conchavos, as punhaladas nas costas, tanto é assim que amei a estratégia
    brilhante da Cersei, que mandou todos os inimigos pelos ares – já foi tarde
    Alto Pardal! Lamento até hoje a Margaery! – mesmo que isso vai logo se voltar
    contra ela, atualmente com o título de Most Hated de Westeros. Mas a estratégia
    do Tyrion de tomar o Rochedo Casterly com os Imaculados é ótima, só falta
    combinar com os russos, como se viu com a derrota acachapante para o Euron!
    kkkk

    Ahhh… outra coisa! O pai do Samwell, de acordo com o Jaime, foi o único que derrotou
    o Robert (no site de onde baixei o episódio a legenda que colocaram traduziu “defeat”
    como defender! Ainda bem que falo inglês! kkkk). Então, ele é um ótimo
    guerreiro e entende-se a decepção com o Samwell ser um nerd de Westeros. Mas aí
    vai a coisa mais ilógica possível. O pai do Samwell iria aceitar na boa que o
    filho desprezado por ele levasse a espada da família Veneno do Coração, da qual
    ele tanto se orgulha?

    Tem mais…

    • Laís Rangel

      Oi, Leandro! Menino, não achei o Sam com cara de sádico, não, coitado ahahah acho que ele só tava meio puto pq o Jorah não parava de fazer barulho (e olha que ele tava até bem quieto, né?).
      Acho que a Sansa não é mais a mesma de antes, e pode ser que ela dê a entender que caiu na lábia do Petyr pra obter alguma vantagem política, mas não a imagino, neste momento, traindo o Jon para ficar de fato do lado dele.
      Eu não gostei dos plots envolvendo a família do Sam na temporada passada e não gostei dessa nova aparição também. Acho que existe um ponto pra isso, eles devem ter um papel relevante em algum momento, mas por enquanto nem paro muito pra prestar atenção neles pq só acho chatinhos mesmo =/

  • Leandro

    Parte 2

    Mas vamos à parte principal! Claro que gosto de cenas de batalha bem elaboradas
    como a do final do episódio! Agora falando sério! A parte da coceirinha chata
    da picada do mosquito! Uma pirata experiente como a Yara não saber por onde
    andava a super armada do titio (até hoje não explicaram de onde tiraram tantas
    árvores para construir os navios da frota) e ficar comendo mosca é difícil de
    engolir. Se fosse homem seria dito que pensou com a cabeça de baixo nos amassos
    com a Ellaria, but…

    Pô! E o Euron, além de ser escroque, escroto, estuprador é um baita de um empata f.
    Nem deixou a Yara curtir um pouco a Ellaria! kkk Por sinal, se a Cersei está
    até agora torturando a freira, imagina por quanto tempo torturará a Ellaria.
    Acho até que ela nem vai pedir para o Montanha. Vai ela mesma sujar as mãos!
    kkk E aquela arma para matar dragões? Copiaram de O Hobbit! kkk Lembrando que
    lá foi um parto para matar o Smaug. E também vamos pensar que uma coisa é
    acertar uma cabeça de dragão estática. Que tal acertar voando de um lado para o
    outro e ainda cuspindo fogo?!? Acho que os dragões não vão fazer o papel do
    Rickon Stark correndo em linha reta das flechas do Ramsay! kkk

    Agora me expliquem uma coisa? Aquelas facas das filhas do Oberyn não eram
    envenenadas? E o Euron é imune? Vai ver que é porque “o que está morto não pode
    morrer”! kkkk Agora uma coisa que achei legal sobre o Euron é ele não ser
    apenas um fanfarrão, mas um ótimo guerreiro. Porque, se analisarmos, o
    insuportável Joffrey adorava gargantear, mas era um covarde que não lutava um
    ovo. O Ramsay, o psicopata que amamos odiar, também não era lá essas coisas
    como guerreiro. Então, é legal saber que um dos que parece ser um dos grandes
    vilões dessa temporada, não será alguém que arregará, quando for chamado para
    uma luta a dois, tanto é assim que tomou a linha de frente da invasão ao navio
    da Yara!

    Que o Theon é um barrão covarde e, desculpem o termo meninas, um merda não há a
    menor dúvida. Fez aquilo que se esperava dele – também outro que, como Mão da
    Rainha, nunca pensou que o tio podia atacá-los na ida para Dorme – ops! –
    Dorne, mas alguém acredita que o Euron iria deixá-lo escapar? Bom… talvez
    considere tão desprezível que não vale a pena a caçada. Aliás o Theon poderia
    se chamar BaraTheon porque é mais desprezível que uma barata. No ano passado,
    eu até tinha feito um comentário que o Disqus, não sei porque, não deixou
    publicar sobre o banana do Tommen que eu não sabia se devia chamá-lo de Tommen
    Babaqheon ou Tommen Hammster (afinal estava mais pra Hamster do que para
    Lannister! Um rato, não um leão! kkk), mas o Theon deveria mesmo ser Baratheon!
    Bom… perfeito para o Tommen também! kkk

    Outra dúvida? Aquela que o Theon viu enforcada no barco era a Yara (buááá se for!) ou
    uma das filhas malas do Oberyn? Ueebaaa! Porque, sinceramente, o Euron não
    teria nenhuma razão para deixar a Yara viva, afinal, por mais machistas que
    sejam os homens da Ilha de Ferro, ela sim seria uma real ameaça ao reinado dele
    por ter de sobra a coragem e a determinação que faltam ao irmão. Nem para dar
    de presente para a Cersei.

    Bom… ficamos no aguardo, ansiosos, pelo próximo domingo!

    Abraços a todos!

    Leandro

    • Laís Rangel

      Acho que o ataque surpresa do Euron fez sentido porque essa é uma característica forte na forma como ele costuma atacar. E aí sim, sabendo disso, Yara teria que ter redobrado as atenções. Sim, a construção daquela frota do nada ainda é um furo na série, e duvido que eles expliquem em algum momento como aconteceu ahahha
      Cersei tá jurando que vai ser fácil matar os dragões da Daenerys com aquele negocinho, né? De fato, eles são mais espertos que o Rickon e não vão ficar voando em linha reta, então vão precisar de uma boa estratégia para atacar.
      Tudo que envolve as bastardas do Oberyn na série ficou muito ruim e mal explicado. É uma pena, porque Dorne realmente tinha potencial pra ser um núcleo interessantíssimo. Só que a preguiça ali falou mais alto.
      Talvez, por causa das temperaturas baixas e pela localização que eles estavam, distância da costa e tal, Euron tenha achado que Theon não sobreviveria no mar de qualquer forma, por isso nem se deu ao trabalho. Mas vamos ter certeza dessas coisas mais pra frente (não acho que ele vai simplesmente morrer ali, do nada).
      A cena estava muito escura, também não consegui identificar de quem eram os corpos… vamos ver se ela aparece viva no próximo ainda ahahah
      Muito obrigada pelo seu comentário, e até semana que vem!

  • Bruno D Rangel

    Olenna incentiva Daenerys a partir pra guerra e Tyrion mais racional, a freando. Foi legal ver o embate entre Ellaria e Tyrion lembrando Oberyn. Melisandre volta pra onde começou sua saga.
    Outra coisa que aguardo é o reencontro entre Tyrion e Jon. Muito legal ver que a cumplicidade dos dois ainda persiste.

    No começo não havia entendido a frase de Arya para Nymeria, mas após a explicação dos produtores as coisas fizeram mais sentido. Arya partindo para o Norte após saber as notícias sobre Jon pelo Torta Quente foi empolgante. Pena que quando ela chegar ele já vai ter saído.

    O discurso de Jon é coerente em priorizar a Grande Guerra. O receio de Sansa é compreensível, visto o que aconteceu a Rickard e Brandon quando foram a Porto Real a pedido de Aerys. Jon não deveria ter deixado Mindinho em Winterfell.

    A cara de louco de Euron suja de sangue foi muito legal. Ele substitui Ramsay, que havia substituído Joffrey. Ele entregará a assassina de Myrcela pra Cersei (Ellaria). Será que Cersei vai se vingar?

    E quanto ao Theon, acho totalmente compreensível o que aconteceu. Ele não tinha o que fazer, não conseguiria salvar a irmã sozinho. Acho que ele acabará encontrando Gendry (que já foi confirmado o retorno dele pra série essa temporada)

O que você precisa saber de Jessica Jones antes de Defensores

6 dias atráscomentarios

A primeira série da Marvel protagonizada por uma mulher começa quando os pais de Hope Shottman (Erin Moriarty) pedem a ajuda de Jessica Jones (Krysten Ritter) para investigar o paradeiro da filha, e ela então descobre que o sequestrador da moça é ninguém mais ninguém menos que Killgrave (David Tennant): aquele que a traumatizou através de um relacionamento abusivo. A moça não é então a típica heroína a qual estamos acostumados, e algumas vezes até chegamos a duvidar se podemos chama-la assim. Por ter um passado marcado pelo abuso sua personalidade se torna um tanto ácida e sombria, além de deixar para a personagem um descontrole no consumo de álcool e a ideia de que desistir é a melhor saída, e […]

Leia o post completo

O que você precisa saber de Demolidor antes de Defensores

1 semana atráscomentarios

Com o sucesso do universo cinematográfico desenvolvido pela Marvel nos cinemas, um dos personagens mais interessantes e queridos dos fãs de quadrinhos foi ansiosamente aguardado para voltar a fazer parte do mesmo mundo. Homem-Aranha? Não, na verdade Demolidor. Após a Fox deixar os direitos de uso do personagem retornar para a casa das ideias, Marvel e Netflix fecharam uma parceria para desenvolver diversas séries de heróis. Demolidor abre essa parceria com maestria, trazendo uma série obscura, e violenta, diferente do que o personagem já viveu nas telas até então (abraço Ben Affleck!) Charlie Cox (Broadwalk Empire), dá vida a Matt Murdock, sofrido e realista. A série apresenta ele como advogado com o escritório associado em Hell’s Kitchen, e em seguida suas […]

Leia o post completo

Com pais como estes, hoje é um dia para esquecer

1 semana atráscomentarios

Existe um ditado que diz que a vida imita a arte (ou vice-versa) e isso sempre se mostra realidade quando comparamos as séries que assistimos à vida real. Claro que ainda não descobrimos um universo paralelo, uma cabine telefônica que nos transporte por aí ou que alienígenas têm planos de conquistar a Terra, mas muitas vezes a realidade é espelhada nos roteiros das histórias que mais amamos. House of Cards está aí para comprovar essa teoria, se compararmos os acontecimentos aos fatos que vemos nos noticiários todos os dias. Com os pais não poderia ser diferente. Existem pais que assumem o papel integral da criação da criança, pais que são os melhores amigos dos filhos, filhos que têm dois pais, pais de […]

Leia o post completo

Siga as nossas redes sociais e fique sempre conectado:

Assine nossa newsletter