O papel da representatividade na televisão

18 de setembro de 2016 Por:

Hoje chega ao fim as Paralímpiadas Rio 2016 e, felizmente, a representatividade e a importância dela na sociedade ficou em alta. Ainda há muito o que fazer, muito o que lutar e muito o que evoluir neste assunto. Na televisão não é nada diferente, ainda são poucos os papéis que mostram personagens com alguma deficiência e, quando existem, eles são destinados aos mesmos atores de sempre, sem nenhuma insuficiência física ou intelectual. Para fugirmos deste lugar comum, vamos mostrar 3 adolescentes da televisão que foram muito bem interpretados por seus atores, que conseguem entender profundamente o que sentem os personagens.
Walter White JRBreaking Bad, por exemplo, quebrou muitos paradigmas ao contratar R.J. Mitte, um ator com paralisia cerebral para interpretar Walter White Jr, personagem com a mesma deficiência. Essa parece uma opção óbvia para qualquer produção, mas não é. Basta ver o alto número de atores que não possuem o mínimo traço de deficiência física que vivem personagens paraplégicos ou tetraplégicos, por exemplo. Em uma rápida lista, temos Artie Abrams de Glee, Jason Street de Friday Night Lights, Kevin Girardi de Joan of Arcadia e John Locke em Lost.

Curiosamente, a mesma Glee que escalou um ator sem problemas motores para viver um personagem paraplégico, deu voz e destaque à Lauren Potter como Becky Jackson, uma garota com síndrome de Dawn. Ela não era a personagem principal e não tinha a importância que merecia, mas foi um grande passo tê-la na série e ver alguns dos problemas e angústias pelos quais ela passava, ainda que na produção tudo seja muito irreal.
DaphneFalar sobre uma série inclusiva e os problemas da adolescência e não falar sobre Switched at Birth é basicamente impossível, visto que não apenas a personagem principal é deficiente auditiva, mas também a atriz que a interpreta, além de diversos outros personagens. O ponto principal da personagem Daphne é que, não apenas ela é surda, mas sua representação é motivo de elogios na comunidade dos surdos.

Representação é uma coisa e, apesar de ter possibilidade de ser algo interessante, ela não se compara a representatividade, que é aquilo que se faz indispensável para levar nosso convívio em sociedade a um outro patamar: o do respeito e entendimento das dificuldades enfrentadas por estas pessoas todos os dias. O caminho parece obscuro, mas é possível ver uma luz ao fim do túnel. Que mais produções tenham em suas histórias pessoas reais, textos decentes e, principalmente, um elenco inclusivo.

Curiosa por natureza. Chata por vocação. Social media por paixão. Viciada em séries e novela por culpa da prima que a largava na frente da TV para poder...

Ler perfil completo

Palhoça/SC

Série Favorita: Gilmore Girls

Não assiste de jeito nenhum: The Walking Dead

  • Renata

    Concordo totalmente com você. Falta muita representatividade aos deficientes na série de TV. As emissoras tem que dar mais chance para atores com deficiênca poderem mostrar os seus trabalhos. Eu, particularmente, adoro Switched at Birth e aprendi bastante sobre essa comunidade através da série.

    A única coisa que discordo é que você citou o John Locke de Lost. Ele, ao contrário da maioria dos papéis com deficiências, não poderia ser interpretado por um ator paraplégico. Isso, porque toda a história dele girava em torno do fato que a ilha o tinha curado.

  • Su

    Muito interessante esse post. Das séries mencionadas só acompanho Switched at Birth que realmente é fantástica ao apresentar-nos uma realidade com a qual muitos de nós não tem grande contacto directo e dessa forma abrir-nos os horizontes. Aprendi muito com essa série. Por acaso não sabia que a actriz que faz de Daphne tem uma deficiência auditiva, sabia sim dos actores que fazem outros personagens como o Emmett, a Melody ou o Travis.

Gypsy

4 dias atráscomentarios

Confesso que a princípio eu achei que Gypsy fosse um filme, afinal Naomi Watts e Billy Crudup são atores que estamos mais acostumados a ver na telona. Estranho ter um casal desse porte em uma produção para telinha do Netflix. De fato, Gypsy não é como a maioria das séries que estamos acostumados. Tem uma cinematografia de tirar o fôlego e um enredo que se desenvolve sem qualquer pressa. Com episódios de 50 minutos em média, Gypsy é quase um estudo de personalidade da sua protagonista, Jean Holloway, vivida por Naomi Watts. Ela é uma psicóloga, casada com Michael, um advogado que parece ter uma vida normal no subúrbio dos EUA. Tudo é muito sútil no início, mas vamos notando […]

Leia o post completo

Primeiras Impressões: Atypical

5 dias atráscomentarios

Estreou ontem na Netflix a comédia Atypical, que conta a vida de Sam (Keir Gilchrist), um garoto autista que chega a idade adulta e passa a ter uma série de necessidades/curiosidades para descobrir quem realmente é. E nesse caminho de descobertas vamos entendendo mais sobre a sua personalidade, suas limitações e como tudo isso afeta a sua família e a todos que o cercam. Trazer o universo adolescente parece ter sido uma maneira do canal de streaming se aproximar do seu público, trabalhando pautas mais complicadas através de uma abordagem diferente. Foi assim com o suicídio em 13 Reasons Why e agora com o autismo em Atypical. Mas o que chama atenção mesmo é que, apesar de todas as limitações do […]

Leia o post completo

Primeiras Impressões: Mr. Mercedes

6 dias atráscomentarios

A Audience Network estreou, no último dia 9, Mr. Mercedes, um suspense baseado na obra de Stephen King. A série é estrelada por Brendan Gleeson e Harry Treadaway, dirigida por Jack Bender e tem como roteiristas David E. Kelley e o próprio Stephen King. A primeira temporada terá dez episódios. A história começa em uma madrugada de frio, com dezenas de desempregados fazendo fila em frente ao local que, no dia seguinte, vai sediar uma feira de empregos. Conhecemos uma mãe que levou sua bebê porque não tinha dinheiro para pagar uma babá, um rapaz gentil que empresta seu saco de dormir para que ela troque as fraldas e amamente a criança, e um homem meio ranzinza que faz algumas […]

Leia o post completo

Siga as nossas redes sociais e fique sempre conectado:

Assine nossa newsletter