Os piores plots das melhores séries

9 de setembro de 2017 Por:

Nós podemos até ser Apaixonados por Séries, mas vamos encarar a realidade: se tem uma coisa que não falta neste mundo são séries ruins. Tem aquelas que a gente sabe que são ruins, mas ama mesmo assim, tem aquelas que ficaram ruins por esquecerem da hora de acabar, e tem aquelas que são ruins porque são ruins mesmo. Mas já reparou como mesmo as séries muito boas – recheadas de prêmios e consagradas pelo público e pela crítica – têm aqueles momentos horrorosos, que a gente precisa aturar só porque o resto da trama vale a pena?

Neste post, você vai reviver momentos de dor e sofrimento que já passou assistindo àquelas séries que só costumam trazer alegria. Aqueles plots que parece que foram colocados de propósito só para você não poder dizer que aquela série é perfeita. Mas fica o nosso alerta: cuidado para os globos oculares não saírem do lugar enquanto você rola os olhos lembrando dessas histórias.

1- O Marido da Kalinda (The Good Wife)

Reprodução CBS

The Good Wife era uma excelente combinação de personagens centrais interessantes, coadjuvantes que (in my opinion) todo mundo amava e tramas bem construídas, durando apenas um episódio ou várias temporadas. Mas é claro que nada é perfeito. E mesmo antes das coisas ficarem confusas após a morte de Will, a série já tinha esbarrado em um plot arrastado, desconfortável e sem sentido. Nick, o marido super mala de Kalinda, era uma pedra no sapato da investigadora e do público, que teve que presenciar um show de bizarrices, como aquela cena do sorvete.

2- Dana e Finn (Homeland)

Reprodução Showtime

A gente queria saber se o Brody seria desmascarado, se o Abu Nazir conseguiria matar o vice-presidente, se a Carrie iria impedir o próximo atentado. Mas Homeland achou que seria legal gastar um tempo considerável mostrando o relacionamento adolescente de Dana e Finn. Se isso já não fosse chato o bastante, eles mataram uma pessoa, fugiram e entraram em um looping moral sobre confessar ou não o crime que cometeram. O negócio era tão ruim que a solução foi explodir o casal, (meio) literalmente.

3- O Alto Pardal (Game of Thrones)

Reprodução HBO

E por falar em explodir as chatices, nem o maior fenômeno da TV mundial escapa dos seus pontos baixos. Cersei hoje pode ser considerada uma grande articuladora, mas ela também já deu seus vacilos que custaram caro –  tanto para ela, quanto para o público. Ou vai dizer que existia alguém que ficava muito animado quando o Alto Pardal aparecia na tela, com seus pés descalços, sua camisolinha branca e aqueles discursos extremistas religiosos? Mais fácil acreditar em dragões e Vagantes Brancos que em pessoas que gostavam das cenas do Alto Pardal.

4- Santa Norma (Orange is the New Black)

Reprodução Netflix

Vamos combinar que Orange is the New Black sabe, sim, ser uma série maravilhosa, mas de vez em quando dá umas escorregadas também. O plot da galinha era besta, mas engraçadinho. O tráfico de calcinhas não é dos mais interessantes, mas teve desdobramentos importantes. Mas lembram quando as detentas começaram a achar que a Norma era santa e iniciaram uma religião Normista em Litchfield? Eu sei, pode ser difícil recordar, afinal, nosso cérebro tente a bloquear algumas memórias dolorosas. É melhor colocar esta trama de volta na caixinha de plots-que-não-devem-ser-mencionados para evitar maiores sofrimentos.

5- Marie cleptomaníaca (Breaking Bad)

Reprodução AMC

Em qualquer rodinha de amigos, sempre vai existir aquela pessoa para dizer que Breaking Bad é a única série perfeita do mundo. Nem adianta falar do episódio da mosca, eles são bastante insistentes. Mas você pode lembrar da fase cleptomaníaca da Marie e apreciar as caras de paisagem, porque mesmo que não se assuma isso em público, lá no fundo todo mundo sente que aquilo não foi nada agradável de se assistir, e que até a imaculada jornada de Walter White teve alguns pontos fracos.

6- Projeto Castor (Orphan Black)

Divulgação Netflix

Orphan Black vai deixar saudades pelo belo e premiado trabalho de Tatiana Maslany, por ser uma das poucas séries de ficção científica com temática feminista, e por ter tantos personagens que caíram nas graças do público. Mas alguns momentos foram difíceis de engolir, e a maioria deles envolvia o Projeto Castor, com os clones masculinos. A trama dos rapazes não era boa, os personagens não tinham nem o carisma e nem as características marcantes do Projeto Leda, então era até difícil diferenciar cada um. Um raio não cai duas vezes no mesmo lugar, e Tatiana Maslany pode até virar mil, mas só existe uma.

7- Doomsday Killer (Dexter)

Reprodução Showtime

O final de Dexter foi polêmico. Eu faço parte do grupo que não gostou nada do encerramento da série, mas vamos ser honestos? Ninguém previu que aquilo aconteceria. Ao contrário do plot central da sexta temporada, a trama do Doomsday Killer, que tentou produzir um efeito O Sexto Sentido, foi descoberto muito antes do tempo pelo público e continuou se arrastando por vários episódios até a “grande revelação” de que o Professor Gellar estava morto desde o início. Foi maior “cejura?” da história da TV.

8- Francesca (Master of None)

Reprodução Netflix

Master of None é tão boa que eu assisti inteira em um dia. Mas o final da segunda temporada teve um pequeno grande inconveniente chamado Francesca. A nova paixão platônica de Dev ficou andando em círculos em volta do dilema da garota italiana que é noiva, porém incapaz de ser honesta com as pessoas ao redor ou com ela mesma. Sem falar que é difícil entender como Dev, com referências femininas tão maravilhosas na sua vida (Denise e sua família, Rachel, a garota que passou o aniversário com ele), foi se apaixonar logo pela personagem mais rasa que passou pela série.

9- Waldo (Black Mirror)

Reprodução Netflix

Black Mirror foi alavancada de série cult a fenômeno pop no momento em que entrou para o catálogo da Netflix. Mas antes que digam que o serviço de streaming “estragou” a série, eu gostaria de lembra-los de um momento. O Momento Waldo. O episódio até ganhou alguns pontos depois da eleição de Trump, o Waldo da vida real, mas é impossível comparar a experiência de assisti-lo com a experiência de assistir aos demais episódios da série, principalmente das duas primeiras temporadas. Ele pode até fazer sentido e ser “muito Black Mirror”, mas que é chato, é.

10- Kyle (American Horror Story)

Reprodução FX

A antologia mais emblemática de Ryan Murphy nem sempre traz temporadas que caem no gosto do público, mas em geral é uma série com um bom histórico, principalmente considerando o gênero de horror, que tem um público mais restrito e ainda encontra certa resistência nas premiações. Mas entre altos e baixos, nunca eles chegaram tão baixo quanto no plot de Kyle, o namorado Frankenstein da bruxinha Zoe, em Coven. O personagem de Evan Peters não falava direito, não pensava direito, e só era competente em fazer o público querer sair correndo, mas não de medo… de tédio mesmo.

Conseguiu sobreviver até aqui sem dormir? Então aproveite e deixe seu comentário relembrando outras séries badaladas e bem escritas, mas que também deram suas derrapadas!

 

Jornalistatriz, viajante, feminista e apaixonada por séries, pole dance e musicais.

Rio de Janeiro / RJ

Série Favorita: Homeland

Não assiste de jeito nenhum: Two and a Half Men

  • a ideia do alto pardal é boa, mas a execução é terrível.
    a marie cleptomaniaca é tão ruim que até a série ignorou
    e dexter, qualquer coisa a partir da 5ª temporada é ridiculo

    • Laís Rangel

      Eu só não fiquei TÃO triste quando a Cersei explodiu a Margaery pq o Alto Pardal foi junto. Nossa, que mala!
      BB tentou jogar a poeria pra baixo do tapete, mas O Norte se Lembra desse plot ruim aí, estamos de olho.
      Eu não odeio taaaanto a era Dexter pós-Trinity como boa parte do público odeia, mas a sexta temporada foi de doer.
      Obrigada pelo comentário!

  • Phillip F.

    Tinha certeza que GoT ia tá na lista, mas achei que ia ser o plot em Dorne, apesar desse mencionado não ser também essas coisas.
    Eu gosto do Doomsday killer, mas sei que é ruim. kkk
    Gosto também da Francesca de MoN, e esse não acho ruim não.

    • Laís Rangel

      Nossa, Dorne também foi muuuito ruim. Acho que tão ruim que minha cabeça até finge que não existiu pra superar o trauma ahahaha
      O Doomsday Killer foi legal no primeiro episódio, mas depois disso as pessoas foram sacando que o coroa já tava morto e a coisa foi ficando cada vez mais ridícula até o fim da temporada =(
      Francesca realmente divide opiniões… quando terminei de assistir, digitei “Master of None Francesca” no Google e só achei críticas falando mal, mas trocando ideia com outras pessoas, vi que tem gente que curtiu ela mesmo.
      Obrigada pelo comentário!

  • Charles Stanescon

    Na verdade o Alto Pardal é um personagem muito importante na série, o problema foi que eles não conseguiram adaptar a história do livro pra tela. Passagens importantes foram deixadas de lado e outras não existem nos livros. Na verdade muita coisa que aconteceu nos livros não está na série, Cat Stark ela é ressuscitada e captura Breinne de Tarth, junto com Podrick Paine e esta prestes a enforca-los quando o livro acaba e eles simplesmente ignoram isso. A história de Bram também teve várias alterações, principalmente no momento em que ele é separado do irmão caçula Rickon, que também acaba se transformando num ponto importante da trama, mas ainda não foi explicado nos livros. Acho

    que a culpa maior é de George R.R. Martin por não ter lançado os dois últimos livros até agora, se bem que ele vem escrevendo a saga desde 1996, então… Mas enfim, é uma excelente série e vale a pena, mesmo com os momentos ruins. Dexter foi uma série excepcional até a quarta temporada, quando achei que ele ia explodir a partir da quinta, ele foi só piorando até chegar no fim que todos sabemos.

    • Laís Rangel

      Tem plots que são muito importantes, até são a base de temporadas inteiras… mas simplesmente não funcionam, por um motivo ou outro =/
      No caso de Game of Thrones, de fato ele foi um personagem importante, mas as cenas eram difíceis de aguentar sem morrer de sono ahahah
      Dexter realmente teve uma queda de qualidade a partir da quarta temporada, mas eu até que não acho a quinta e a sétima ruins, já a sexta e a oitava… aff!
      Obrigada pelo comentário =)

      • Acho que o problema é que o plot do Trinity Killer foi tão bom que deixou as expectativas muito altas para a season 5, que apesar de não ser execelente como sua antecessora tem suas qualidades. Acho o plot da Lumen mais dinâmico e interessante do que o do Miguel Prado por exemplo, embora nada seja pior que a season 6 e 8.

  • Julia Sebber

    A 6a de dex e 3a de OB foi difícil de sobreviver *emoji babando de sono*

    e aquela amiga da mer na 5a temporada de grey’s, death ou sei lá o que? e o romance de george com izzie? grey’s anatomy tem várias lista, dá pra fazer um post só dela.

    • Laís Rangel

      Quando a série já começa ruim a gente já larga logo de cara, o problema é quando a séria é muito boa e aí colocam essas bombas lá no meio ahahaha xD
      Menina, vou te falar que ouço mais o povo reclamando dos plots ruins de Greyza que elogiando alguma coisa, principalmente depois da saída da Yang.

  • João Paulo

    Como assim Laís? A Francesca foi a melhor coisa dessa segunda temporada de Master Of None.
    Engraçado que ela é um personagem bem 8 ou 80, ou a galera ama ou odeia.

    Sobre Dexter, depois da quarta, ou melhor depois da quinta temporada, pode colocar todos os plots nessa lista hahah
    Pouca coisa se salvou ali, e culminou com aquele final ridiculo.

    PS.: Esse plot da Marie cleptomaníaca foi tão desprezível que eu nem lembrava mais. Bem lembrado!

    • Laís Rangel

      Ai, João, pra mim a dita cuja não colou. Aquela moça do primeiro episódio, de quem ele perde o telefone, foi mil vezes mais interessante que a italiana viciada em farmácias ahahaha
      Dexter foi ladeira abaixo mesmo da metade pro final, mas pra mim esse plot da sexta temporada foi o cúmulo da chatice!
      Marie cleptomaniaca é a pedra no sapato de BB!
      Obrigada pelo comentário 🙂

  • Julio Cesar Santos

    Qualquer ‘séria série’ que parta para historinhas de adolescentes que acreditam em qualquer coisa só para desafiar os pais é um porre. Essa temporada específica de Homeland foi terrível de assistir.

    • Laís Rangel

      Acho que os dramas adolescentes têm seu valor, mas dentro de séries sobre dramas adolescentes. Inserir esse tipo de tema dentro de uma série sobre terrorismo e política internacional não faz sentido, fica parecendo completamente irrelevante. Que bom que Homeland se livrou disso!

  • Antes de ver o encerramento de Orphan Black, eu até gostava do plot do Projeto Castor porque ele proporcionou um ótimo final para o Paul, e introduziu a Coady que foi uma boa antagonista.
    Entretanto, depois da 5° temporada vi que isso foi muito pouco para um plot tão longo. Analisando o todo, percebe-se que o Projeto Castor veio do nada e foi para lugar algum, em vista que o plot teve sua conclusão definitiva em um breve diálogo entre Coady e Susan sem causar nenhuma consequência para a trama central da série.

    O marido do Kalinda foi mesmo o pior plot antes do Will empacotar, inclusive se não me engano nem teve conclusão, fizeram o maior suspense e nunca revelaram o que ela fez para se livrar dele.

    Dorne é o pior plot que eu vi em GoT. O do Alto Pardal tem o mesmo problema que o Waldo de Black Mirror, a ideia é boa mas a execução é ruim.

    O plot adolescente de Homeland foi um dos principais motivos que me fez desistir da série.

    • Laís Rangel

      Oi, Nicolas!
      Acho que o projeto Castor teve muitos problemas para poucas vantagens, e tirou boa parte da graça da série pra mim =(
      TGW ficou muito estranha depois da quinta temporada, mas acho que nem aquele troca-troca de escritório conseguiu superar a desgraça que foi aquele marido mala xD
      Olha, eu recomendo que vc volte para Homeland, pq a quarta temporada (sem adolescentes, rs) é a melhor da série. Tipo Dexter mesmo ahahah
      Obrigada pelo comentário!

  • Nossa, plot ma-ra-vi-lho-so o do marido da Kalinda em TGW….sqñ kkkkkkkkkk
    Me lembro de ter lido em algum lugar que era pra esse plot ter durado mais episódios mas decidiram encerrar antes porque ninguém tava curtindo. Graças a Deus.
    Lembrei também do plot de emancipação da Maddie em Nashville. A personagem já tava chata demais por conta da aborrescência e como cereja no bolo colocam mais essa. ¬¬
    Menção (des)honrosa para o plot do acidente na 2ª temporada de Friday Night Lights e o plot dos ETs em AHS: Asylum.

    • Laís Rangel

      Nossa, Anderson, que bom que eles encurtaram! Isso explica o cara ter meio que sumido do mapa sem grandes explicações, né?
      E quaaaase coloquei o plot dos ETs nesse post, mas achei fiquei com dor no coração de colocar como plot ruim algo que aconteceu justamente na melhor temporada da série, então optei pelo zumbi adolescente mesmo… mas realmente foi uma chatice de outro mundo aquilo ahahaha
      Obrigada pelo seu comentário!

1 Contra Todos

1 semana atráscomentarios

Com a lei de incentivo à produção nacional, várias produções poderiam sair do papel. Muitas delas não têm a menor pretensão de introduzirem uma ideia nova ou em mesmo de fazer sucesso. É por isso que uma série estoura na medida em que 1 Contra Todos fez, a gente tem que prestar atenção e dar os louros. Cadu (Júlio Andrade) é um advogado de Taubaté que será pai pela segunda vez, mas perde o emprego devido seus princípios éticos. Para piorar sua situação, é injustamente preso ao ser confundido com o Doutor do Crime, maior traficante do país. Para tentar sobreviver, e com o apoio de sua esposa Malu (Julia Ianina), ele decide se passar pelo criminoso como única forma […]

Leia o post completo

Queens que merecem redenção em RuPaul’s Drag Race: All Stars – Parte 2

1 semana atráscomentarios

Comemorando que RuPaul’s Drag Race acaba de conquistar o Emmy de Melhor Apresentador de Reality, Melhor Edição de Fotografia e Melhor Figurino (pelo episódio: Oh! My! Gaga!), além da VH1 não perder tempo em agendar a próxima edição All Stars para Janeiro de 2018 (está quase chegando!), em breve teremos a lista oficial das queens que estarão retornando para brigar por um lugar no Hall Of Fame do programa e ter a oportunidade de reescrever parte da sua história na competição. Assim como na primeira parte desse especial, eis aqui uma outra lista de participantes que não conseguiram atingir seu potencial e chegar longe na competição. Então, shall we begin? Trixie Mattel – Temporada 7 (Top 6) Oh honey! Quem não […]

Leia o post completo

Stephen King na televisão

1 semana atráscomentarios

Stephen Edwin King sem dúvida alguma é um (se não for “o”) maior escritor de terror e suspense de todos os tempos. Nascido em Portland, no estado de Maine, cenário da maioria das suas histórias, em 21 de setembro de 1947, teve uma infância complicada, tendo seu pai abandonado a família quando ainda tinha dois anos, e testemunhou um acidente com a morte de um amigo. Já escrevia desde criança, e vendia suas histórias aos amigos. Estudou inglês na Universidade do Maine, casou-se com Tabitha Spruce, em 1971, e lecionou sua formação em Hampden, enquanto isso escrevia para revistas masculinas. Teve problemas com álcool, e em 1999 sofreu um acidente sério, em que foi atropelado enquanto caminhava aos arredores de […]

Leia o post completo

Siga as nossas redes sociais e fique sempre conectado:

Assine nossa newsletter