Painel do “Efeito Buffy” na Comic-Con 2015

9 de julho de 2015 Por:

Intitulado “The Buffy Effect: Teen Heroines Then And Now” (em tradução livre: O Efeito Buffy: Heroínas adolescentes antes e agora), o painel que abriu os trabalhos das séries de TV na Comic-Con 2015 foi sobre uma atração já considerada clássica: Buffy the Vampire Slayer.

Mas, infelizmente, a reunião não contou com a presença de nenhum membro do elenco da pioneira série. Estiveram presentes autoras de fantasia, que discutiram a influência que Buffy trouxe para gênero. As palestrantes foram Kiersten White (autora da série Polícia Paranormal), Rachel Hawkins (autora da série Hex Hall), Rae Carson (da trilogia Fire and Thorns), Brittany Geragotelis (da série Life’s a Witch) e Valerie Tejeda (do livro Hollywood Witch Hunter). 

buffy painel 2

Mesmo ocupando um espaço relativamente pequeno, o painel esteve lotado. A primeira pergunta direcionada as autoras foi a clássica Qual o seu personagem favorito?” na série. Rae e Rachel escolheram Spike, enquanto as demais se dividiram entre Buffy, Faith, Willow e Tara. O moderador, na contramão, escolheu Anya. Logo em seguida, o tema do painel veio a tona, quando as escritoras foram questionadas sobre o motivo de Buffy ser tão marcante e ter influenciado toda uma geração.

Rachel foi a primeira a responder, afirmando que Buffy era determinada, mas ao mesmo tempo vulnerável, e que isso era seu diferencial. Para exemplificar, a autora citou o momento da série em que Angel se torna Angelus, na segunda temporada, e Buffy se vê devastada pela perda do amado e se permite chorar. Valerie acrescentou que o que tornou o show tão marcante foi a sua capacidade de contar histórias humanas com um pano de fundo sobrenatural, que ajudava a amplificar as emoções.

Brittany chamou atenção pro fato de que, à época, não existiam muitos papéis fortes para mulheres na TV e Buffy preencheu esse buraco. Rae afirmou que também amava a unidade do elenco: “Buffy nunca estava sozinha. Ela era o centro, mas nunca esteve sozinha”

A pergunta seguinte foi a respeito da influência direta de Buffy (personagem) em suas obras. Valerie brincou: “Bom, a minha história começa com uma heroína loira que mata vampiros”. Kiersten disse que “nada que você ama como adulto tem o mesmo impacto do que você ama enquanto adolescente.” Brittany afirmou que Buffy a fez querer encontrar significado no mundo. “O tempo da Buffy na Terra era importante, e isso me fez querer causar algum impacto.” Rachel contou que aprendeu que o amadurecimento é importante. “Buffy era uma adulta, mesmo que ainda estivesse no Ensino Médio.”

cordelia chase buffy

Em seguida, o moderador as questionou sobre a importância do elenco coajduvante na série na escrita de suas histórias. Kiersten afirmou que a força de cada um deles era diferente e que eles construíam isso se apoiando um no outro. Ela citou também a personagem de Charisma Carpenter, Cordelia. “Não existem garotas más, somente garotas que sabem ser más quando preciso, como Cordelia. Elas são incríveis quando exploram esse outro lado, é assim que sobrevivem.”

A autora falou sobre o episódio Earshots, da reta final da terceira temporada, onde Buffy ganha a habilidade de ouvir pensamentos. “Os pensamentos de Cordelia são exatamente do jeito que imaginávamos.” Neste momento, a sala explodiu em risos.

Valerie chamou atenção para a diversidade dos personagens (e aqui, fica claro que ela fala de Willow, a melhor amiga de Buffy que se descobre lésbica depois do meio da série e Tara, sua namorada): “Eu acho que já andamos muito desde Buffy. Mas ainda há muito trabalho a fazer.” Pegando o gancho, Rae disse que a única reclamação que teria a fazer sobre a série seria a falta de diversidade racial.

A pergunta final foi sobre como elas lidam com os pais em suas histórias. Kiersten e Brittany falaram sobre como elas mataram os pais e toda a sala riu.

_

PS. O momento em que a sala mais se divertiu foi quando Rachel afirmou que Xander não merecia nenhuma das garotas com quem ficou no decorrer da série.

Jornalista, nerd, viciado em um bom drama teen, de fantasia, ficção científica ou de super-herói. Assiste séries desde que começou a falar e morria de medo da música...

Ler perfil completo

Petrolina / PE

Série Favorita: One Tree Hill

Não assiste de jeito nenhum: The Big Bang Theory

5 momentos incríveis da 2ª temporada de Master of None

4 dias atráscomentarios

Somos apaixonados por Master of None por aqui. Depois de uma primeira temporada sucinta, porém arrebatadora, esperamos quase dois anos (ou foi mais que isso?) para reencontrarmos Dev em um novo momento da sua vida. E, ao longo de dez episódios, tivemos a oportunidade de passear por muitos momentos incríveis na companhia do personagem, com um roteiro extremamente crítico e que faz com que a gente pare, reflita e mude algumas atitudes tão intrínsecas do nosso ser. Por isso, separamos (só) cinco dos grandes momentos dessa nova temporada, para revisitarmos e te convencermos de que, se você ainda não viu, essa é a hora para parar tudo que está fazendo e devorar o segundo ano de Master of None.   […]

Leia o post completo

Gypsy

5 dias atráscomentarios

Confesso que a princípio eu achei que Gypsy fosse um filme, afinal Naomi Watts e Billy Crudup são atores que estamos mais acostumados a ver na telona. Estranho ter um casal desse porte em uma produção para telinha do Netflix. De fato, Gypsy não é como a maioria das séries que estamos acostumados. Tem uma cinematografia de tirar o fôlego e um enredo que se desenvolve sem qualquer pressa. Com episódios de 50 minutos em média, Gypsy é quase um estudo de personalidade da sua protagonista, Jean Holloway, vivida por Naomi Watts. Ela é uma psicóloga, casada com Michael, um advogado que parece ter uma vida normal no subúrbio dos EUA. Tudo é muito sútil no início, mas vamos notando […]

Leia o post completo

Primeiras Impressões: Atypical

5 dias atráscomentarios

Estreou ontem na Netflix a comédia Atypical, que conta a vida de Sam (Keir Gilchrist), um garoto autista que chega a idade adulta e passa a ter uma série de necessidades/curiosidades para descobrir quem realmente é. E nesse caminho de descobertas vamos entendendo mais sobre a sua personalidade, suas limitações e como tudo isso afeta a sua família e a todos que o cercam. Trazer o universo adolescente parece ter sido uma maneira do canal de streaming se aproximar do seu público, trabalhando pautas mais complicadas através de uma abordagem diferente. Foi assim com o suicídio em 13 Reasons Why e agora com o autismo em Atypical. Mas o que chama atenção mesmo é que, apesar de todas as limitações do […]

Leia o post completo

Siga as nossas redes sociais e fique sempre conectado:

Assine nossa newsletter