Primeiras Impressões: Chance

27 de outubro de 2016 Por:

Hugh Laurie está de volta à telinha… Bom, na verdade, não posso afirmar que o ator abandonou essa mídia já que Laurie tem um papel recorrente em Veep e marcou ponto como o vilão em The Night Manager, trabalho que lhe rendeu uma indicação ao Emmy este ano. Então, vou recomeçar: Hugh Laurie está de volta à telinha como um médico em Chancenova série do Hulu que estreou no dia 19 de outubro.

chance-hulu-hugh-laurie-eldon

Se você espera alguma semelhança entre House e o novo drama, spoiler alert: as coincidências terminam aqui. As duas séries carregam o sobrenome de seus protagonistas no título, mas Dr. Eldon Chance é muito diferente de Gregory House, personagem que Laurie interprertou por oito anos no drama médico da NBC. Chance é um neuropisiquiatra que trabalha como um consultor, ele não trata seus pacientes, mas avalia alguns casos e escreve relatórios sobre essas pessoas. Uma característica muito forte do piloto é a voz do personagem em voice over lendo seus laudos enquanto os espectadores acompanham os traumas que o médido descreve. Fique avisado, Chance não economiza em detalhes das lesões cerebrais, doenças neurológicas e suas possíveis consequências.

Outro aspecto importante para a série criada por Kem Nunn, autor do livro homônimo na qual a série é inspirada, e Alexandra Cunningham (Desperate Housewives e Prime Suspect) é que sua identidade é moldada com a de seu protagonista. Apesar de ser a estrela do show, Eldon não é o protagonista típico de uma drama como esse. O psicoterapeuta não parece confortável em sua própria pele e vaga em sua própria história como se estivesse a assistindo de fora.

Um exemplo de como isso acontece na trama é que temos poucas informações sobre a vida pessoal do médico. Ele é recém divorciado e tem uma filha desse casamento com a qual ele tem uma relação aparentemente normal, porém o fato que toma mais tempo de tela é a venda de uma mesa Art Deco que ele quer adicionar alguns detalhes em metal para aumentar o preço. Assim como nos casos que o médico avalia, Chance não parece ter o controle ou consciência da sua própria existência e a venda da mesa é a um dos poucos momentos em que ele decide agir.

chance-hulu-jaclyn-eldon

Mas esse não é a única situação que muda a perspectiva de Eldon. Entre os casos que conhecemos, o de Jaclyn Blackstone (Gretchen Mol) se destaca e involve Chance mais do que o habitual. Jaclyn chega ao consultório do psicoterapeuta procurando ajuda para lidar com perda de memória e problemas para se concentrar resultado de dupla personalidade. O que chama a atenção é que Jaclyn tem um histórico de violência doméstica e ao notar a gravidade do problema que a paciente se encontra, Eldon percebe que sessões de terapia não serão suficiente para salvar a vida dela e portanto, ele pode e deve fazer mais para ajudá-la.

Os problemas de Chance são menos urgentes que os de seus pacientes, mas ainda assim um pouco preocupantes. Uma das coisas que me incomodou bastante é que os diálogos parecem literários demais para o estilo sombrio e realista que a série propõe, mas essa marca proposta também nunca se afirma da forma que deveria. The Summer of Love, nome do primeiro episódio que é dirido por Lenny Abrahamson (Room e Frank), tenta deixar o espectador em constante tensão esperando por um momento chocante e explosivo, mas esse clímax nunca é alcançado.

Chance é uma série com potencial, um cast excelente e com material para se diferenciar de outros dramas médicos que aparecem todos os anos na Fall Season, mas ela nunca atinge o nível que pode e assim como seu protagonista, parece que não tem total consciência de sua identidade.

Já conferiu a série? Vai investir em mais um drama com Hugh Laurie? Me conte suas impressões e acompanhe as reviews da série aqui.

Jornalista, nerd e feminista. Melhor amiga da Mindy Kaling, mesmo que ela não saiba disso.

Salto / São Paulo

Série Favorita: Sherlock

Não assiste de jeito nenhum: Two and Half Men

  • Tom Carvalho

    Vocês tem problemas com canais? House era da Fox, por 8 temporadas.

    • Nathani Mota de Souza

      Oi Tom, eu não lembrava o canal de exibição e quando pesquisei acabei colocando o canal de distribuição. De qualquer forma, obrigada pela correção. Abraços!

      • Tom Carvalho

        Abraço 😉

  • Vitch

    Não me empolgou. Parei no Pilot.

Desafio: você se lembra de quem foi essa declaração de amor?

2 semanas atráscomentarios

Ah, o dia dos namorados. Aquele momento do ano para espalhar aos quatro cantos nosso sentimento por aquela pessoa especial, que faz o coração acelerar e as palmas da mão suarem. Aquela pessoa por quem você faria qualquer coisa, até mesmo deixar a vergonha – ou o medo – de lado para professar seu amor. Nas séries, existem muitos personagens  que não esperam data especial nenhuma para declarar seu amor, seja num momento de desespero, num pedido de casamento ou só para reforçar aquilo que o parceiro já sabe e Tom Jobim cantava aos quatro ventos: é impossível ser feliz sozinho. Você também acredita nisso e se derrete toda vez que sabe que chegou a hora de surtar, porque vai ter […]

Leia o post completo

Guia da Trilha Sonora: Scream – Season 1

2 semanas atráscomentarios

Entre os poucos pontos positivos que posso destacar em Scream, a trilha sonora fica em primeiríssimo lugar (talvez porque seja da MTV). Misturando canções atuais, dançantes e tristes, que fazem parte da vida dos jovens de Lakewood, a série soube utilizá-las para compor a história e os personagens. Assim, nada melhor do que ouvir as músicas da primeira temporada, agora disponível em uma playlist na nossa conta do Spotify!

Leia o post completo

House of Cards e a Política Brasileira

3 semanas atráscomentarios

Primeiramente, #foratemer. E se você ainda não conferiu a última temporada de House of Cards, não se preocupe, esse texto não contém spoilers, – apenas reflexões. Pra gostar de House of Cards você precisa torcer pelos Underwood. Claro, a gente sabe o quanto eles são escrotos, mas é ficção, certo? Não tem problema torcer pelos vilões. Ou pelo menos era o que pensávamos em 2013, quando a série estreou. Mas de lá pra cá a política mundial virou de ponta à cabeça. Os Estados Unidos elegeram Trump e nós tivemos Temer enfiado goela abaixo. Isso sem contar os acontecimentos dignos da ficção, como a morte de Teori Zavascki, a delação do Joesley e os testes nucleares da Coréia do Norte. […]

Leia o post completo

Siga as nossas redes sociais e fique sempre conectado:

Assine nossa newsletter