Primeiras Impressões – Good Behavior

30 de novembro de 2016 Por:

Estreou no canal TNT, no último dia 15, a série Good Behavior. Desenvolvida por Chad Hodge (criador de Wayward Pines), a nova aposta do canal traz Michelle Dockery (Downtown Abbey) como a protagonista Letty Raines, uma ladra trapaceira, que sempre viveu um pouco fora dos eixos. A história gira em torno dela e de como ela vai conduzir sua vida fora da prisão, já que quer conciliar dois objetivos dissonantes: ser uma mãe de família e uma ladra exemplares. 

Recentemente libertada da prisão e portanto, vivendo sob condicional, Letty ao que parece, não consegue ficar longe de confusão. Além de ter que manter encontro regulares com seu conselheiro Cristian, que alimenta uma paixãozinha platônica por ela, a moça precisa administrar sua vida totalmente fora da lei e seu vício em álcool e drogas. Como se sua vida pessoal não fosse confusa o suficiente, a ex-detenta ainda enfrenta um drama familiar, que é realmente o que tem poder de afetá-la e colocá-la pra baixo. Afastada do convívio com o seu filho de 10 anos, ela ainda tem que lidar com o desprezo da mãe, Estelle, que a proíbe de visitá-lo e faz questão de demonstrar todo o descrédito e repugnância que sente pela filha.

Letty - episódio piloto de Good Behavior
A incoerência das duas questões que movem Letty (a maternidade e sua vida de trapaças) confere o charme e até mesmo a ‘ingenuidade” que a protagonista precisa para nos conquistar de cara. Ela não é apenas uma fora da lei-drogada-inconsequente-viciada em adrenalina. Ela também é uma mãe que quer ter a oportunidade de criar o filho, mesmo que isso não combine nada com o estilo de vida a que ela se propõe. E sua falta de percepção disso é absolutamente verdadeira e cativante. O antagonismo fica claro nas cenas em que a vemos ouvindo mensagens positivas de autoajuda, para logo em sequência, atuar num roubo muito bem executado, onde podemos perceber que o talento de Letty para atividades “extra-curriculares” é realmente digno de aplausos. Outro momento que comprova a ambiguidade do seu caráter é quando ela traça um plano e se envolve com um bandido, empenhando-se verdadeiramente para salvar a vida de uma mulher que nunca viu.

Como se essa protagonista cheia de nuances e ambiguidade não bastasse, Good Behavior aposta também em Javier, interpretado pelo muso argentino Juan Diego Botto  (Roma), que ao que tudo indica será o parceiro e affair de Letty no seriado. O casal mostrou muita química no episódio de estreia e apesar de não ter sido na planejado, o final do piloto deu a entender que a história dos dois vai render bem mais que uma noite de sexo. Percebendo o talento de Letty, Javier a procura em busca de vingança, mas deixa claro que no fundo, o que ele quer mesmo é que essa parceria se estenda também aos “negócios”.

Letty e Javier - episódio piloto de Good Behavior

Com uma direção firme e uma protagonista absolutamente maravilhosa e segura de si, Good Behavior tem todos os elementos que um bom drama com pitadas de ação, precisa para prender nossa atenção. O elenco de apoio, que conta com nomes como Terry Kinney, interpretando Christian (Show Me a Hero) e Lusia Strus  (Wayward Pines), como Estelle, mostrou também bastante entrosamento. Se mantiver o ritmo acelerado, com as tiradas nada óbvias, o seriado é garantia de excelente divertimento para as noites de domingo. Vale muito a pena conferir!

Imagens: Divulgação TNT

Jornalista, cinéfila e literalmente, apaixonada por séries. Não recusa: viagem, saidinha com amigos, um curso novo de atualização/aprendizado em qualquer coisa legal. Ama: família, amigos, a vida e seus desdobramentos...

Ler perfil completo

Belo Horizonte/MG

Série Favorita: Breaking Bad

Não assiste de jeito nenhum: Two and a half Men

  • Janaina Helena

    Somente ontem eu assisti ao piloto e irei continuar. A atriz realmente provou que é muito boa, pq nem lembrei da Lady Mary, ela é versátil. Ela trabalhando no restaurante me fez pensar que ela realmente estava tentando levar uma vida honesta, mas não foi bem assim. Gostei mesmo do piloto e acho que a série tem muito potencial.

    • Renata Carneiro

      ei Janaína,
      O piloto foi muito legal e nada óbvio. A atriz está perfeita no papel.
      Achei que eles acertaram em tudo! Espero que esteja curtindo a série! Obrigada pelo comentário.

Desafio: você se lembra de quem foi essa declaração de amor?

2 semanas atráscomentarios

Ah, o dia dos namorados. Aquele momento do ano para espalhar aos quatro cantos nosso sentimento por aquela pessoa especial, que faz o coração acelerar e as palmas da mão suarem. Aquela pessoa por quem você faria qualquer coisa, até mesmo deixar a vergonha – ou o medo – de lado para professar seu amor. Nas séries, existem muitos personagens  que não esperam data especial nenhuma para declarar seu amor, seja num momento de desespero, num pedido de casamento ou só para reforçar aquilo que o parceiro já sabe e Tom Jobim cantava aos quatro ventos: é impossível ser feliz sozinho. Você também acredita nisso e se derrete toda vez que sabe que chegou a hora de surtar, porque vai ter […]

Leia o post completo

Guia da Trilha Sonora: Scream – Season 1

2 semanas atráscomentarios

Entre os poucos pontos positivos que posso destacar em Scream, a trilha sonora fica em primeiríssimo lugar (talvez porque seja da MTV). Misturando canções atuais, dançantes e tristes, que fazem parte da vida dos jovens de Lakewood, a série soube utilizá-las para compor a história e os personagens. Assim, nada melhor do que ouvir as músicas da primeira temporada, agora disponível em uma playlist na nossa conta do Spotify!

Leia o post completo

House of Cards e a Política Brasileira

3 semanas atráscomentarios

Primeiramente, #foratemer. E se você ainda não conferiu a última temporada de House of Cards, não se preocupe, esse texto não contém spoilers, – apenas reflexões. Pra gostar de House of Cards você precisa torcer pelos Underwood. Claro, a gente sabe o quanto eles são escrotos, mas é ficção, certo? Não tem problema torcer pelos vilões. Ou pelo menos era o que pensávamos em 2013, quando a série estreou. Mas de lá pra cá a política mundial virou de ponta à cabeça. Os Estados Unidos elegeram Trump e nós tivemos Temer enfiado goela abaixo. Isso sem contar os acontecimentos dignos da ficção, como a morte de Teori Zavascki, a delação do Joesley e os testes nucleares da Coréia do Norte. […]

Leia o post completo

Siga as nossas redes sociais e fique sempre conectado:

Assine nossa newsletter