Rizzoli and Isles – 2×03 Sailor Man

31 de julho de 2011 Por:

Quando a série estreou não botava muita fé porque pra mim as protagonistas não funcionavam juntas. A idéia é de que as características tão diferentes entre as duas funcionassem como fator de atração, mas surtiam o efeito contrário na verdade. Rizzoli se esforçava muito pra ser o policial que transpira ética e moral, enquanto Isles desfilava com seu estilo madame nas cenas de crimes. Nessa segunda temporada as duas atrizes, Angie Harmon e Sasha Alexander acharam o tom perfeito para seus personagens.

E como conseqüência, conseguem mais veracidade para a história. Neste episódio, por exemplo, não estava entendendo porque Rizzoli não queria que Isles se encontrasse com Giovanno, afinal, ele era bonito mesmo. Mas quando as duas se abraçaram no final percebi que para uma pessoa tão inteligente como Isles, ela às vezes é bem ingênua. É aquela pessoa que compra um presente de milhões de reais e diz que é apenas uma lembrancinha, sabem? E pra ela realmente é, pois na hora em que o Giovanno a convida pra sair, não reparou nas roupas, no tipo de trabalho, no linguajar dele e muito menos se ele era “estudado” ou não, viu um homem bonito que, no mínimo, devia ser bom de cama.

Como foi um desastre (porque era bonito, mas uma porta pra seduzir uma mulher) só mesmo Rizzoli pra entrar na situação e ajudar a amiga. Já passou pela minha cabeça, e a de outros fãs também, que Maura e Jane fossem lésbicas, mas essa impressão era justamente pela falta de sintonia e entrosamento, agora se vê claramente uma amizade forte entre elas, tanto que Jane foi logo dizendo que era namorada de Isles para livrá-la do mecânico.

Estou adorando a separação dos pais de Rizzoli, quer dizer, fiquei triste e achei que eles fossem voltar, mas se foi preciso isso para a mãe dela aparecer mais, que seja, porque ela é ótima. Quando começaram a reclamar da cantina, logo pensei nela, quem seria mais ideal para trabalhar ali do que ela? Adoro a relação de Jane e a mãe, sempre rende boas risadas.

Outra ponta da família que merece destaque é o irmão de Jane. Não entendo porque a série insiste em apresentá-lo como uma criança perto da irmã, desnecessária aquela cena da perseguição em que ela pede para que ele fique no carro. Gente, ele é um policial e sabe o que está fazendo! Quero muito que ele passe na prova pra detetive e trabalhe ali lado a lado de Jane mostrando que não é só ela o “homem” da família.

Korsak às vezes fica apagado com esse perfil de Jane de tomar a frente das situações, mas vez ou outra ele demonstra que sua experiência como policial o torna mais tolerante, embora ainda se surpreenda com a capacidade do homem em cometer crimes. Ele é um pai para todos ali e Frost precisou ouvir que era um bom detetive – uma profissão que para o pai não é suficiente – e nessa hora Korsak foi mais que amigo para ele.

Mais um episódio acima da média. Essa temporada tem surpreendido expectativas porque o roteiro está mais criativo e os personagens sendo bem desenvolvidos de forma que o telespectador se sinta mais próximo.

Colatina - ES

Série Favorita: Friday Night Lights

Não assiste de jeito nenhum: Friends

  • Lu

    Gostei muito da review e fiquei até com vontade de dar mais uma chance pro seriado. Eu já vi uns dois episódios e detestei, por serem muito distante dos livros em que se baseiam. Esperava uma série de suspense médico bem sombria e não uma série policial puxada pra comédia. =p

    • Lara Lima

      Lu, eu também não gostei da primeira temporada. Achei muito forçada, mas eles foram encontrando o tom e essa segunda temporada está ótima. Vale a pena dar uma segunda chance xD

  • janaina

    Os episodios tão bem legais, bem mais leves que os da primeira temporada e de certa forma bem mais óbvios (hehehe) já que o objetivo da serie é mais a comédia e menos a investigação.

  • Larissa

    Lara, gostei muito do teu olhar critico construtivo sobre a segunda temporada.Eu vi a primeira todinha, e gostei. Mas, tem umas excessões de ‘certos’ episodios. Achei que eles focavam mais na Jane, no que nas duas por igual. Já que a Maura também é protagonista. Acho que elas se transformaram em uma dupla perfeita. Não tem como não rir das “caras” que fazem.

    • Lara Lima

      Realmente, demoraram pra dar um destaque à Maura e quando deram não foi na mesma proporção que Jane. Mas a série tá melhorando rs =]

  • Tati

    Eu gostei da review do episódio, mas, com todo respeito, discordo da crítica sobre a 1a temporada e a “falta de sintonia e entrosamento” entre as atrizes. Sempre senti justamente o oposto e foi exatamente isso que me atraiu na série, até porque não tem nada de novo nela, certo?

    E, pra mim, foi justamente essa sintonia entre as duas que me levou (e leva) a crer que tem “algo mais” entre elas. Não digo que as duas são lésbicas, mas sempre senti uma certa tensão sexual entre as duas e acho que isso continua nessa segunda temporada.

    Enfim, gostei bastante do episódio, o final foi excelente e a temporada tá mantendo o nível da primeira.

    • Lara Lima

      Sua opinião é sempre benvinda =]

      Eu realmente achei que as duas não tinham a mesma sintonia na 1º temp. Mas acho que melhorou muito nessa temporada e tenho gostado dos episódios, muito mais que na primeira temp. também.

      Abraço!

  • allana

    eu amo rizzoli e isles,é realmente mais focada na comédia,mas raramente deixa a desejar complicaçõesnos casos que se desenrolão na série

Ash vs Evil Dead

6 dias atráscomentarios

Que atire a primeira pedra quem nunca assistiu ao clássico de terror trash, The Evil Dead, ou se vocês preferem o enorme título traduzido, Uma Noite Alucinante – A Morte do Demônio! O filme lançado em 1981 e dirigido por Sam Raimi (o mesmo cara que dirigiu Spider-Man), foi o primeiro de uma grande franquia e é até hoje considerado o melhor filme trash já feito. Alavancada pela avalanche de remakes e spin-offs televisivos de filmes que fizeram ou não sucesso – citando só alguns, Scream, Shadowhunters e Limitless -, Ash vs Evil Dead nada mais é do que uma continuação dos filmes da franquia Evil Dead, lançados há 30 anos. A série, transmitida pelo canal Starz, estreou em 2015 e ainda conta com Raimi na produção. Ashley […]

Leia o post completo

Maratona The O.C. – 3ª temporada

7 dias atráscomentarios

A terceira temporada é oficialmente minha favorita. Talvez eu esteja me precipitando, sem ter assistido à quarta, mas eu realmente não esperava gostar tanto da terceira. Já assisti à série inteira, mas nunca havia reprisado esta temporada, digamos que por limitações emocionais. Meu coração ficou muito traumatizado da primeira vez. É engraçado como eu não me lembrava de muita coisa (nem sei como pude apagar o casal Julie e Neil da memória), mas, ao longo das cenas, tudo fazia sentido para mim. O elenco principal estava afinadíssimo com seus personagens e entre si. Ryan (Ben McKenzie) deixou o riso frouxo em vários episódios, o que nos ajuda a crer na evolução do personagem, cada vez mais à vontade com a vida em Newport. Também conhecemos novos personagens para chacoalhar a dinâmica da […]

Leia o post completo

As séries com viagens no tempo

1 semana atráscomentarios

Como meu amigo Wander comentou quando compartilhou com a gente suas primeiras impressões de Timeless, viagens no tempo is the new black. Doctor Who é a série de ficção científica mais longa do mundo. 12 Monkeys já vai para a terceira temporada, Legends of Tomorrow já exibiu na metade da segunda. A canadense Travelers já exibiu uma temporada. Continuum durou quatro temporadas, assim como a querida Being Erica. As novatas Timeless e Frequency exibem a temporada de estreia e, com a baixa audiência, lutam pela renovação. Time After Time e Making History são outras produções do gênero com estreia marcada e garantida. Ao perceber a maioria dessas séries na minha watchlist e muitas fazendo sucesso com os telespectadores, comecei a me perguntar: Por que amamos séries com viagens no tempo? Não sei […]

Leia o post completo

Siga as nossas redes sociais e fique sempre conectado:

Assine nossa newsletter