Rizzoli and Isles – 2×03 Sailor Man

31 de julho de 2011 Por:

Quando a série estreou não botava muita fé porque pra mim as protagonistas não funcionavam juntas. A idéia é de que as características tão diferentes entre as duas funcionassem como fator de atração, mas surtiam o efeito contrário na verdade. Rizzoli se esforçava muito pra ser o policial que transpira ética e moral, enquanto Isles desfilava com seu estilo madame nas cenas de crimes. Nessa segunda temporada as duas atrizes, Angie Harmon e Sasha Alexander acharam o tom perfeito para seus personagens.

E como conseqüência, conseguem mais veracidade para a história. Neste episódio, por exemplo, não estava entendendo porque Rizzoli não queria que Isles se encontrasse com Giovanno, afinal, ele era bonito mesmo. Mas quando as duas se abraçaram no final percebi que para uma pessoa tão inteligente como Isles, ela às vezes é bem ingênua. É aquela pessoa que compra um presente de milhões de reais e diz que é apenas uma lembrancinha, sabem? E pra ela realmente é, pois na hora em que o Giovanno a convida pra sair, não reparou nas roupas, no tipo de trabalho, no linguajar dele e muito menos se ele era “estudado” ou não, viu um homem bonito que, no mínimo, devia ser bom de cama.

Como foi um desastre (porque era bonito, mas uma porta pra seduzir uma mulher) só mesmo Rizzoli pra entrar na situação e ajudar a amiga. Já passou pela minha cabeça, e a de outros fãs também, que Maura e Jane fossem lésbicas, mas essa impressão era justamente pela falta de sintonia e entrosamento, agora se vê claramente uma amizade forte entre elas, tanto que Jane foi logo dizendo que era namorada de Isles para livrá-la do mecânico.

Estou adorando a separação dos pais de Rizzoli, quer dizer, fiquei triste e achei que eles fossem voltar, mas se foi preciso isso para a mãe dela aparecer mais, que seja, porque ela é ótima. Quando começaram a reclamar da cantina, logo pensei nela, quem seria mais ideal para trabalhar ali do que ela? Adoro a relação de Jane e a mãe, sempre rende boas risadas.

Outra ponta da família que merece destaque é o irmão de Jane. Não entendo porque a série insiste em apresentá-lo como uma criança perto da irmã, desnecessária aquela cena da perseguição em que ela pede para que ele fique no carro. Gente, ele é um policial e sabe o que está fazendo! Quero muito que ele passe na prova pra detetive e trabalhe ali lado a lado de Jane mostrando que não é só ela o “homem” da família.

Korsak às vezes fica apagado com esse perfil de Jane de tomar a frente das situações, mas vez ou outra ele demonstra que sua experiência como policial o torna mais tolerante, embora ainda se surpreenda com a capacidade do homem em cometer crimes. Ele é um pai para todos ali e Frost precisou ouvir que era um bom detetive – uma profissão que para o pai não é suficiente – e nessa hora Korsak foi mais que amigo para ele.

Mais um episódio acima da média. Essa temporada tem surpreendido expectativas porque o roteiro está mais criativo e os personagens sendo bem desenvolvidos de forma que o telespectador se sinta mais próximo.

Colatina - ES

Série Favorita: Friday Night Lights

Não assiste de jeito nenhum: Friends

  • Lu

    Gostei muito da review e fiquei até com vontade de dar mais uma chance pro seriado. Eu já vi uns dois episódios e detestei, por serem muito distante dos livros em que se baseiam. Esperava uma série de suspense médico bem sombria e não uma série policial puxada pra comédia. =p

    • Lara Lima

      Lu, eu também não gostei da primeira temporada. Achei muito forçada, mas eles foram encontrando o tom e essa segunda temporada está ótima. Vale a pena dar uma segunda chance xD

  • janaina

    Os episodios tão bem legais, bem mais leves que os da primeira temporada e de certa forma bem mais óbvios (hehehe) já que o objetivo da serie é mais a comédia e menos a investigação.

  • Larissa

    Lara, gostei muito do teu olhar critico construtivo sobre a segunda temporada.Eu vi a primeira todinha, e gostei. Mas, tem umas excessões de ‘certos’ episodios. Achei que eles focavam mais na Jane, no que nas duas por igual. Já que a Maura também é protagonista. Acho que elas se transformaram em uma dupla perfeita. Não tem como não rir das “caras” que fazem.

    • Lara Lima

      Realmente, demoraram pra dar um destaque à Maura e quando deram não foi na mesma proporção que Jane. Mas a série tá melhorando rs =]

  • Tati

    Eu gostei da review do episódio, mas, com todo respeito, discordo da crítica sobre a 1a temporada e a “falta de sintonia e entrosamento” entre as atrizes. Sempre senti justamente o oposto e foi exatamente isso que me atraiu na série, até porque não tem nada de novo nela, certo?

    E, pra mim, foi justamente essa sintonia entre as duas que me levou (e leva) a crer que tem “algo mais” entre elas. Não digo que as duas são lésbicas, mas sempre senti uma certa tensão sexual entre as duas e acho que isso continua nessa segunda temporada.

    Enfim, gostei bastante do episódio, o final foi excelente e a temporada tá mantendo o nível da primeira.

    • Lara Lima

      Sua opinião é sempre benvinda =]

      Eu realmente achei que as duas não tinham a mesma sintonia na 1º temp. Mas acho que melhorou muito nessa temporada e tenho gostado dos episódios, muito mais que na primeira temp. também.

      Abraço!

  • allana

    eu amo rizzoli e isles,é realmente mais focada na comédia,mas raramente deixa a desejar complicaçõesnos casos que se desenrolão na série

#CCXP2016 Estandes

3 dias atráscomentarios

Salve, salve, apaixonados por séries! Sobrevivemos a quatro dias de Comic-Con Experience e, depois de uma intensa cobertura em todas as nossas redes, vamos trazer um pouquinho do que vivemos lá no São Paulo Expo durante o último final de semana. Logo que entramos na feira, nos deparamos com um espaço que impressionava: para quem visitou a CCXP no ano passado, sabe que o evento já era gigantesco, mas esse ano ele tomou proporções ainda maiores. Os auto-falantes anunciavam a maior feira geek do mundo e era fácil acreditar nisso. Apesar da fama de San Diego, o evento brasileiro deve ter vencido facilmente em estrutura e porte. Para vocês terem uma ideia, o auditório Cinemark, principal dos auditórios do evento, […]

Leia o post completo

Primeiras Impressões: Incorporated

6 dias atráscomentarios

Incorporated se passa no ano de 2074, em que, após drásticas mudanças climáticas que devastaram o planeta, causando fome, e levando os governos a falência, quem domina o mundo são as grandes corporações. Elas lutam por market share e pelo controle dos escassos recursos naturais. Nesse mundo, quem trabalha para as corporações vive nas Zonas Verdes e quem não trabalha vive nas favelas das Zonas Vermelhas. A premissa não tem nada de novo, desde 1984 e Admirável Mundo Novo, muitos futuros distópicos fizeram parte do nosso imaginário. O que pode diferenciar Incorporated de outras narrativas especulativas é a fotografia e a maturidade com a qual trata os assuntos. Desde o início do episódio, com texto explicativo para situar o expectador […]

Leia o post completo

[Personagem/Ator] Richard Gilmore/Edward Herrmann

1 semana atráscomentarios

Todo o revival foi dedicado à ele que não esteve presente fisicamente, mas foi lembrado a todo momento. Então nada mais justo do que a gente falar desse incrível ator que interpretou um personagem que marcou, e deixou saudades, em todos aqueles que assistiram Gilmore Girls. Edward Kirk Herrmann, o nosso eterno Richard Gilmore, nasceu em 21 de junho de 1943 em Washington, DC e faleceu em 31 de dezembro de 2014, aos 71 anos de idade. Herrmann era ator, diretor, escritor e comediante, além de ter sido a voz por trás de diversos programas do canal The History Channel. Um homem de muitos talentos Edward já atuou no teatro, onde começou sua carreira, estreando na peça Moonchildren em 1971, […]

Leia o post completo

Siga as nossas redes sociais e fique sempre conectado:

Assine nossa newsletter