Rizzoli and Isles – 2×03 Sailor Man

31 de julho de 2011 Por:

Quando a série estreou não botava muita fé porque pra mim as protagonistas não funcionavam juntas. A idéia é de que as características tão diferentes entre as duas funcionassem como fator de atração, mas surtiam o efeito contrário na verdade. Rizzoli se esforçava muito pra ser o policial que transpira ética e moral, enquanto Isles desfilava com seu estilo madame nas cenas de crimes. Nessa segunda temporada as duas atrizes, Angie Harmon e Sasha Alexander acharam o tom perfeito para seus personagens.

E como conseqüência, conseguem mais veracidade para a história. Neste episódio, por exemplo, não estava entendendo porque Rizzoli não queria que Isles se encontrasse com Giovanno, afinal, ele era bonito mesmo. Mas quando as duas se abraçaram no final percebi que para uma pessoa tão inteligente como Isles, ela às vezes é bem ingênua. É aquela pessoa que compra um presente de milhões de reais e diz que é apenas uma lembrancinha, sabem? E pra ela realmente é, pois na hora em que o Giovanno a convida pra sair, não reparou nas roupas, no tipo de trabalho, no linguajar dele e muito menos se ele era “estudado” ou não, viu um homem bonito que, no mínimo, devia ser bom de cama.

Como foi um desastre (porque era bonito, mas uma porta pra seduzir uma mulher) só mesmo Rizzoli pra entrar na situação e ajudar a amiga. Já passou pela minha cabeça, e a de outros fãs também, que Maura e Jane fossem lésbicas, mas essa impressão era justamente pela falta de sintonia e entrosamento, agora se vê claramente uma amizade forte entre elas, tanto que Jane foi logo dizendo que era namorada de Isles para livrá-la do mecânico.

Estou adorando a separação dos pais de Rizzoli, quer dizer, fiquei triste e achei que eles fossem voltar, mas se foi preciso isso para a mãe dela aparecer mais, que seja, porque ela é ótima. Quando começaram a reclamar da cantina, logo pensei nela, quem seria mais ideal para trabalhar ali do que ela? Adoro a relação de Jane e a mãe, sempre rende boas risadas.

Outra ponta da família que merece destaque é o irmão de Jane. Não entendo porque a série insiste em apresentá-lo como uma criança perto da irmã, desnecessária aquela cena da perseguição em que ela pede para que ele fique no carro. Gente, ele é um policial e sabe o que está fazendo! Quero muito que ele passe na prova pra detetive e trabalhe ali lado a lado de Jane mostrando que não é só ela o “homem” da família.

Korsak às vezes fica apagado com esse perfil de Jane de tomar a frente das situações, mas vez ou outra ele demonstra que sua experiência como policial o torna mais tolerante, embora ainda se surpreenda com a capacidade do homem em cometer crimes. Ele é um pai para todos ali e Frost precisou ouvir que era um bom detetive – uma profissão que para o pai não é suficiente – e nessa hora Korsak foi mais que amigo para ele.

Mais um episódio acima da média. Essa temporada tem surpreendido expectativas porque o roteiro está mais criativo e os personagens sendo bem desenvolvidos de forma que o telespectador se sinta mais próximo.

Colatina - ES

Série Favorita: Friday Night Lights

Não assiste de jeito nenhum: Friends

  • Lu

    Gostei muito da review e fiquei até com vontade de dar mais uma chance pro seriado. Eu já vi uns dois episódios e detestei, por serem muito distante dos livros em que se baseiam. Esperava uma série de suspense médico bem sombria e não uma série policial puxada pra comédia. =p

    • Lara Lima

      Lu, eu também não gostei da primeira temporada. Achei muito forçada, mas eles foram encontrando o tom e essa segunda temporada está ótima. Vale a pena dar uma segunda chance xD

  • janaina

    Os episodios tão bem legais, bem mais leves que os da primeira temporada e de certa forma bem mais óbvios (hehehe) já que o objetivo da serie é mais a comédia e menos a investigação.

  • Larissa

    Lara, gostei muito do teu olhar critico construtivo sobre a segunda temporada.Eu vi a primeira todinha, e gostei. Mas, tem umas excessões de ‘certos’ episodios. Achei que eles focavam mais na Jane, no que nas duas por igual. Já que a Maura também é protagonista. Acho que elas se transformaram em uma dupla perfeita. Não tem como não rir das “caras” que fazem.

    • Lara Lima

      Realmente, demoraram pra dar um destaque à Maura e quando deram não foi na mesma proporção que Jane. Mas a série tá melhorando rs =]

  • Tati

    Eu gostei da review do episódio, mas, com todo respeito, discordo da crítica sobre a 1a temporada e a “falta de sintonia e entrosamento” entre as atrizes. Sempre senti justamente o oposto e foi exatamente isso que me atraiu na série, até porque não tem nada de novo nela, certo?

    E, pra mim, foi justamente essa sintonia entre as duas que me levou (e leva) a crer que tem “algo mais” entre elas. Não digo que as duas são lésbicas, mas sempre senti uma certa tensão sexual entre as duas e acho que isso continua nessa segunda temporada.

    Enfim, gostei bastante do episódio, o final foi excelente e a temporada tá mantendo o nível da primeira.

    • Lara Lima

      Sua opinião é sempre benvinda =]

      Eu realmente achei que as duas não tinham a mesma sintonia na 1º temp. Mas acho que melhorou muito nessa temporada e tenho gostado dos episódios, muito mais que na primeira temp. também.

      Abraço!

  • allana

    eu amo rizzoli e isles,é realmente mais focada na comédia,mas raramente deixa a desejar complicaçõesnos casos que se desenrolão na série

Desventuras em Série – Série de TV versus Filme

1 semana atráscomentarios

Depois de uma longa espera e muita expectativa, Desventuras em Série estreou este ano no Netflix. A série, derivada da série de livros escrita por Daniel Handler, sob a alcunha de “Lemony Snicket”, foi muito bem recebida pelos críticos, apesar de algumas críticas negativas. Entretanto, esta não foi a primeira adaptação da obra, em 2004 “Desventuras em Série” ganhou vida no cinema, protagonizado por Jim Carrey. Neste texto, vamos explorar as principais diferenças entre as duas obras. O que torna cada uma delas especial? Abrangência e ritmo Uma das principais diferenças entre as duas obras, obviamente, é o ritmo. O filme conta a história dos três primeiros livros da saga em quase duas horas de duração, enquanto a série possui oito […]

Leia o post completo

A vida como ela é no final de How I Met Your Mother

1 semana atráscomentarios

Após dedicados anos acompanhando as hilárias histórias de vida em todos os seus aspectos, profissional, familiar e amorosa, dos cinco melhores amigos de How I Met Your Mother eis que o anuncio da temporada final da sitcom de grande sucesso não foi encarada com surpresa, pelo contrário, com muita expectativa, finalmente teríamos a conclusão da história como um todo e, principalmente, de uma saga particular e assustadoramente verdadeira em seu cerne em busca do amor verdadeiro que levou anos demais para ser contada, visto que, já estávamos bastante cientes do ”final” desde o início do show. Aparentemente, tudo se encontrava mais ou menos encaminhado para uma finalização previsível e fechadinha para todos os personagens, bom, pelo menos para Lily (Alyson Hannigan)/Marshall […]

Leia o post completo

Melhores momentos da 4ª temporada de Bates Motel

2 semanas atráscomentarios

A quarta temporada de Bates Motel foi um deleite para os fãs da série e de um bom suspense. Foi nesta season que a história focou no elemento principal: a relação entre mãe e filho, deixando de fora plots desinteressantes (oi, plantação de maconha!) e que não contribuíam nada no enredo. Quem conhece o filme Psicose, de Hitchcock, e o livro que originou a história sabe que os eventos que aconteceram ao decorrer da temporada eram inevitáveis. Por mais tristes que sejam, certas coisas precisavam acontecer. Assim, é necessário relembrar os melhores momentos do quarto ano antes do início da quinta e última temporada: Norma(n) Já na primeira temporada percebemos que Norman Bates não era igual as outras pessoas. A super dependência […]

Leia o post completo

Siga as nossas redes sociais e fique sempre conectado:

Assine nossa newsletter