Riverdale – 1×10 Chapter Ten: The Lost Weekend

19 de abril de 2017 Por:

Agora que a gente já sabe que o Berlanti anda lendo minhas reviews, as coisas podem ficar um pouco mais fáceis.

“The Lost Weekend” é aquele tipo de episódio que dificilmente dá errado. Quando paramos para analisar ele de perto, quase todos os elementos de uma boa trama estão ali misturados: intriga, mistério e uma boa dose dramática. E, mais do que isso, adolescentes. É nisso que Riverdale precisa prestar atenção e investir, já que seu núcleo adulto, como já é de costume em muitas séries, geralmente nos leva mais ao tédio do que para qualquer outro lugar.

Jughead é o meu personagem preferido de muito longe. E juro para vocês que eu não estou seguindo uma modinha que se espalhou em meio aos fãs da série – ele realmente me chama atenção. Toda a sua construção baseada no esteriótipo de “cara esquisito” é perfeita: Jug não quer ascender, não quer um monte de amigos. Ele é feliz e grato com o que tem. A chega de Betty na sua vida é como um tsunami de novidades, que acaba fazendo com que ele coloque a prova sua própria convicção de felicidade, do que é real e do que ele pode estar inventando para se satisfazer – e talvez seja exatamente nesse ponto que ele complete tão bem a mais nova dos Cooper.

O comportamento de Betty merece nossa atenção. Apesar de ser demais ver ela tomando a frente e defendendo Ethel, o que, por si só, seria completamente justificável, não podemos negar que há algo de errado ali. Seu descontrole já tinha chamado atenção na cena da jacuzzi lá do começo da temporada e, agora, volta aos holofotes mais uma vez. Apesar de passar a imagem de “garota perfeita”, exatamente o oposto de Jug, ela tem camadas muito mais profundas e complicadas do que uma simples análise pode qualificar. E conhecê-la, seja ao lado de Jug ou sozinha, será uma das boas tramas que Riverdale tem para contar no seu caminho.

Uma coisa que me chama bastante atenção é que, sutilmente, alguns assuntos bem complicados são expostos. Um bom exemplo disso é o relacionamento parental nada saudável de Veronica e Hiram. Se eu já desconfiava das boas intenções do patriarca Lodge, depois deste episódio, só aumentei as minhas certezas. Ameaçar a liberdade de Hermione para conseguir a atenção da filha foi baixo demais, um golpe que é difícil de suportar. Quando nos vemos sendo colocados a prova pelos nossos próprios pais, é uma sensação muito diferente da normal, as vezes complicada demais até para explicar – acreditem, tenho conhecimento de causa. Por isso não julgo as escolhas de Veronica, nem o caminho que ela trilhará daqui para frente. Hiram não presta e disso temos certeza, mas seu envolvimento com o assassinato de Jason me parece um pouco óbvio demais. Se foi isso mesmo, a três episódios do final, já sabemos que ele contratou o pai de Jug para acabar com o garoto em represália ao não pagamento das contas dos Blossom com sua empresa. Mas será que a série pecaria em tamanha obviedade? Acho que não.

Talvez a gente nem se surpreenda de fato com a revelação de quem esteve por trás de tudo – e não duvidem que os próprios Blossom possam estar envolvidos, viu? -, mas entregar de mão beijada não me parece uma coisa que Berlanti faria. Seguindo nos desenvolvimentos do episódio, tivemos a oportunidade de tocar em uma trama que há muito se mantinha bem quietinha entre os panos de fundo da série: a separação dos pais de Archie. Achei tudo um pouco clichê demais nesse ponto? Uhum. Filho querendo que os pais retomem um relacionamento que não funciona, filho ligando bêbado para o pai, pai tentando fazer as vontades do filho. Já sabem o que vem depois, né? Nada de saudável sai de uma trama onde o elo de amor é mais fraco que o da obrigação: precisamos entender isso.

A parte boa é que esses problemas paternais acabaram aproximando Veronica e Archie em um dos pegas mais esperados da temporada. Shipo este casal e já estou na torcida para que ele tenha continuidade, porque está difícil do ruivo emplacar um relacionamento neste primeiro ano. Sobre a festa em si: Cheryl, querida, vem fazer uma visita aqui em casa no dia do meu aniversário, tô precisando de uma animação assim!

Alguns outros comentários:

  • Parabéns aos envolvidos naquele jogo que deixou a sala recheada de torta de climão. Foi tudo na melhor pegada de EU VOU IXPO ELA, nos dando aquela sensação de satisfação e vergonha alheia que só Casos de Família nos proporciona.
  • Esse bromance entre Archie e Jughead, ó: <3
  • Digo o mesmo para Veronica e Betty s2
  • Por sinal, Veronica, mulher, o que foi aquele break? Mostrou que tem sangue tupiniquim correndo nessas veias. Já tava vendo a hora que ela ia virar e falou: “Vocês acharam mesmo que eu não ia rebolar minha bunda hoje?”

 


Agora ficamos sem inédito por uma semana e retomamos a programação normal a partir do dia 27 de abril, com os últimos três episódios da temporada. Dá aquele confere no vídeo promocional do décimo primeiro episódio e depois deixa seu comentário aqui na review!

Caiçara, viciado em cultura pop e uns papo bobo. No mundo das séries, vai do fútil ao complicado, passando por comédias com risada de fundo e dramas heroicos...

Ler perfil completo

Santos - SP

Série Favorita: Arrow

Não assiste de jeito nenhum: The Walking Dead

  • Lívia Guimarães Sandes

    Adorei esse episódio!! Teve de tudo um pouco!! Babado e confusão!! Super achei que a Verónica pegou uns passinhos da Anita emprestado hein?? Hauhauha

  • Stephanie Guedes

    Esse episódio foi ótimooo! Os shipps estão indo por um ótimo caminho amém hsushsushsu E O QUE FOI A CONVERSA DO PAI DO JUGHEAD COM A MÃE DA BETTY??? “Cobras não mudam de pele tão fácil” e “Mesmo você não vivendo no lado sul da cidade”, teria sido a Mama Cooper uma Serpente na juventude? A-M-O

  • Autran Kevinlyn

    Não tenho jeito Leandro, te acompanho com Arrow, TVD <3, Riverdale e eu tou amando isso demais. Vc escreve bem demais. Tbm sou fã do Jug, e aquela cena dele falando "Im Weirdo" parece q foi copiada do meu diário secreto.

    Berlanti é bom demais, mas o Sacasa está conduzindo tão bem a série.

    PS: Foi uma afronta vc ter deixado Nova Orleans, cuidado, The Mikaelsons are Back with Payback!

  • porlapazyporlavida lc

    Super shippo Veronica e Archie. Os dois fluem bem em cena. Gosto muito de Jughead e BEtty, eles se completam.

Misfits e o uso de poderes em benefício estritamente próprio

2 semanas atráscomentarios

O tema dos super-heróis tem sido bastante explorado nos moldes atuais, existem por ai séries de bastante qualidade e que fazem a cabeça de um grande público onde o enfoque são os indivíduos/as que ganham poderes e os usam para salvar o mundo, só que muito antes disso tudo uma série britânica teve a audácia de retratar um cenário onde jovens deturbados e a margem da lei ganham poderes bizarros e os usam para os mais egoístas e cômicos interesses,  criando situações inimagináveis. Esta é Misfits, uma série britânia que foi ao ar entre os anos de 2009 e 2013, totalizando 5 temporadas de grande sucesso ao mesclar com eficiência, humor, comédia e ficção científica. A série narra as peripécias […]

Leia o post completo

Girlboss: guia do que NÃO fazer na vida adulta

2 semanas atráscomentarios

Teve gente que gostou de Girlboss, teve gente que achou a série fraca. Mas em uma coisa todo mundo certamente concorda: Sophia é um dos piores seres humanos que já vimos como protagonista de uma série. E com ela a gente pode aprender muito sobre o que não fazer para ser uma pessoa melhor. 5. Não roubar Em GirlBoss, uma das primeiras coisas que descobrimos sobre Sophia é que ela acha normal roubar. Não, ela não rouba porque precisa, porque quer ajudar alguém, ou se quer por uma questão de princípios contra uma sociedade capitalista. Sophia rouba porque se sente superior e simplesmente não respeita os outros, – muito menos suas propriedades. 4. Não ser egoísta com a melhor amiga […]

Leia o post completo

Desafio: você se lembra de quem foi essa declaração de amor?

2 semanas atráscomentarios

Ah, o dia dos namorados. Aquele momento do ano para espalhar aos quatro cantos nosso sentimento por aquela pessoa especial, que faz o coração acelerar e as palmas da mão suarem. Aquela pessoa por quem você faria qualquer coisa, até mesmo deixar a vergonha – ou o medo – de lado para professar seu amor. Nas séries, existem muitos personagens  que não esperam data especial nenhuma para declarar seu amor, seja num momento de desespero, num pedido de casamento ou só para reforçar aquilo que o parceiro já sabe e Tom Jobim cantava aos quatro ventos: é impossível ser feliz sozinho. Você também acredita nisso e se derrete toda vez que sabe que chegou a hora de surtar, porque vai ter […]

Leia o post completo

Siga as nossas redes sociais e fique sempre conectado:

Assine nossa newsletter