Sotaque bonito: cinco séries inglesas para maratona

6 de janeiro de 2015 Por:

As séries inglesas são conhecidas pela qualidade na produção, roteiro, direção e atuações. Todavia, mesmo assim ainda há uma certa restrição a elas por parte do grande público. Isso pode ser creditado ao fato delas serem bem diferentes das séries americanas, principalmente quanto ao ritmo. Diferentes, porém excelentes! O inglês é conhecido por ser meticuloso e perfeccionista e as produções inglesas percorrem caminho parecido.

Já falamos no blog sobre diversas séries da terra da Rainha, algumas bem populares. Downton Abbey que já está em sua quinta temporada narra a vida de uma aristocrática família britânica e seus criados (que tem importante papel na narrativa). Já Luther é uma excelente série policial que tem como personagem principal um policial nada convencional. Também já falamos muito sobre a excelente Sherlock, uma série com micro temporadas e com isso deixa o telespectador curioso e ansioso por grande período de tempo.

Abaixo listamos outras cinco excelentes séries que valem também uma maratona. Se jogue no sofá, pegue a pipoca e aproveite o sotaque inglês, as locações incríveis e as produções impecáveis que as séries inglesas tem a oferecer!

The Village

village1
A série se propõem a narrar as transformações pela qual passou a Inglaterra ao longo de muitos anos, com foco em uma determinada aldeia do país. Para isso utiliza como instrumento a vida de Bert Middleton – desde sua infância até a sua idade mais avançada. A narrativa tem início no ano de 1914  quando o protagonista Bert, ainda criança, vive em uma fazenda com seu irmão mais velho e seus pais. As dificuldades financeiras e a chegada da primeira guerra mundial rondam a família e tomam boa parte dos episódios da primeira temporada, desencadeando na convocação de Joe, irmão mais velho de Bert, para a guerra. Já a segunda temporada traz Bert em sua juventude e além de colaborar com o sustento da casa, vive os problemas, dramas e anseios normais de qualquer jovem. The Village é uma ótima pedida para quem aprecia séries históricas e não se importa com uma narrativa mais lenta e cadenciada. A série criada por Peter Moffat é exibida pelo canal BBC.

Happy Valley

624

Happy Valley foi uma criação do canal BBC1 que chegou ao Brasil exibida pela Netflix. A série narra a história de um pedido de aumento salarial negado que desencadeia em acontecimentos nada bons. Em meio a isso temos a policial Catherine Crowther (Sarah Lancashrie) que conduz a investigação ao mesmo tempo que lida com seus próprios dramas familiares: a criação de um neto que seria fruto do estupro sofrido por sua falecida filha. O sofrimento de ter uma filha morta é agravado pelo fato de ter sido suicídio e também pelo suposto estuprador estar novamente de volta a cidade após ter cumprido pena por envolvimento com drogas. O ponto alto da produção é a mistura dos dramas de vários personagens com a investigação. A questão do estupro e a convivência com a criança é algo que leva o público a pensar o que faria e quais sentimentos teria em relação ao fato. Além disso, é mostrado o quão devastador é a perda de um filho para os pais e a ferida que muitas vezes insiste em não cicatrizar.  Os personagens são muito bem trabalhados,  ponto alto da produção inglesa.  Sucesso de crítica e de público, a série foi renovada para a segunda temporada e é ansiosamente aguardada por seus telespectadores.

 The White Queen

twq

Phillippa Gregory é uma renomada escritora inglesa, autora de diversos livros que são sucesso na Inglaterra. The White Queen é a adaptação de seu romance The Women of the Cousins War e foi exibida em uma temporada de dez episódios pelo canal BBC one. A história se passa no período da Guerra das Rosas e narra a luta das famílias Yorks e Lancasters pelo controle e trono da Inglaterra. O foco é em torno do Rei inglês Edward IV ( Max Irons) que se casa secretamente com Elizabeth Woodville (Rebecca Ferguson), uma jovem viúva inglesa. O casamento secreto do rei provoca a ira do manipulador Lord Warwick (James Frain), detentor de grande influência e importância na corte, que passa a articular nos bastidores a manutenção do poder. A história é contada principalmente sob o ponto de vista de três mulheres: a rainha Elizabeth Woodville, a religiosa Margaret Beaufort da casa dos Lancasters e Anne Neville, a filha do Lord Warwick, que articula o casamento da filha com o irmão mais novo do rei e visa futuramente coloca-lo no trono. Traições, paixões e guerra – esses são os elementos que garantem boa diversão. Curiosamente a série obteve mais sucesso em terras americanas do que na própria Inglaterra, o que levou o canal Starz a cogitar sua continuidade.

Southcliffe

southcliffe

Produzida em forma de minissérie e exibida em quatro episódios, Southcliffe conta a história de um jornalista que retorna à sua cidade natal com a notícia do acontecimento de uma série de tiroteios cometidos por um de seus moradores. O diferencial da série não são os motivos que levaram ao tiroteio ou a investigação em si, e sim o trauma nos moradores e familiares das vítimas ocasionado pela tragédia. Sucesso de crítica, a série escrita por Tony Grisoni e exibida pelo Channel 4 conta uma narrativa densa e complexa, ideal para quem aprecia um drama bem construído.

 Call the midwife

call-the-midwife

A produção inglesa é uma adaptação de Heidi Thomas da autobiografia de Jennifer Worth e é focada na vida de Jenny Lee (Jessica Raine), uma jovem enfermeira que exerce a atividade de parteira junto com freiras.A série retrata de forma detalhada e competente as dificuldades pelas quais passam as pessoas de baixa renda no tocante ao acesso à saúde. Em conjunto a isso assistimos a rotina pessoal das enfermeiras. A série além de entreter com pitadas de humor inglês, transmite uma mensagem de esperança em relação à bondade das pessoas, visto que as jovens enfermeiras trabalham quase que de forma altruística. Mais uma série que tem um elevado cuidado em retratar a história da época, desde os cenários até os figurinos.


O sotaque é bonito, as locações deslumbrantes e o cuidado com a produção também! está esperando o que para mergulhar no mundo das séries inglesas?

Mineira vivendo em Maceió. Viajante por vocação. Advogada por profissão. Séries, cinema, livros, corrida e torresmo!

Maceió-AL

Série Favorita: The Good Wife e Gilmore Girls

Não assiste de jeito nenhum: Arrow

  • Adorei esse post! estava precisando mesmo de séries novas (melhor ainda por nao ter tantos episódios).
    Por mero acaso descobri Call the midwife no netflix e me apaixonei 😀

  • Thiago

    Incluiria The Fall nessa lista, a primeira temporada está disponível no Netflix.

    • Janaina Helena

      Me recomendaram The Fall, mas ainda não tive a oportunidade de assistir. Obrigada pela dica!

  • Amo séries inglesas, elas possuem a capacidade de unir um excelente roteiro, atuação, fotografia. Assistie the White Queen, é perfeita! Recomendadíssima!

    • Janaina Helena

      A qualidade das produções inglesas é algo que impressiona mesmo!

  • Yara Rodrigues

    Adorei esse post, sou apaixonada por séries inglesas. Outras que estão na minha lista, além de The Village e Call the Midwife são My Mad Fat Diary, Vicious, Miranda e Doctor Who. Recomendo todas <3

    • Janaina Helena

      Vou assistir suas indicações e quem sabe rola um outro post mais pra frente… obrigada

  • Keila

    The Job Lot, Vicius, Strike Back (a 1 minissérie é completamente inglesa e as demais são co-produções) By any Means( apenas 1 temporada) são outras ótimas indicações de séries britânicas pra se assistir. The Life To Short que já foi cancela mais é ótima tb.

    • Janaina Helena

      Irei anotar todas sugestões que vc deu. Quem sabe depois rola outro post deste. Obrigada pelo comentário.

      • Keila

        Assista mesmo vai valer a pena. De nada e sempre gosto de comentar no blog e principalmente em textos interessantes como esse.

        • Janaina Helena

          Sempre leio seus comentários aqui no blog! abraços

O que você precisa saber de Demolidor antes de Defensores

5 dias atráscomentarios

Com o sucesso do universo cinematográfico desenvolvido pela Marvel nos cinemas, um dos personagens mais interessantes e queridos dos fãs de quadrinhos foi ansiosamente aguardado para voltar a fazer parte do mesmo mundo. Homem-Aranha? Não, na verdade Demolidor. Após a Fox deixar os direitos de uso do personagem retornar para a casa das ideias, Marvel e Netflix fecharam uma parceria para desenvolver diversas séries de heróis. Demolidor abre essa parceria com maestria, trazendo uma série obscura, e violenta, diferente do que o personagem já viveu nas telas até então (abraço Ben Affleck!) Charlie Cox (Broadwalk Empire), dá vida a Matt Murdock, sofrido e realista. A série apresenta ele como advogado com o escritório associado em Hell’s Kitchen, e em seguida suas […]

Leia o post completo

Com pais como estes, hoje é um dia para esquecer

6 dias atráscomentarios

Existe um ditado que diz que a vida imita a arte (ou vice-versa) e isso sempre se mostra realidade quando comparamos as séries que assistimos à vida real. Claro que ainda não descobrimos um universo paralelo, uma cabine telefônica que nos transporte por aí ou que alienígenas têm planos de conquistar a Terra, mas muitas vezes a realidade é espelhada nos roteiros das histórias que mais amamos. House of Cards está aí para comprovar essa teoria, se compararmos os acontecimentos aos fatos que vemos nos noticiários todos os dias. Com os pais não poderia ser diferente. Existem pais que assumem o papel integral da criação da criança, pais que são os melhores amigos dos filhos, filhos que têm dois pais, pais de […]

Leia o post completo

5 momentos incríveis da 2ª temporada de Master of None

7 dias atráscomentarios

Somos apaixonados por Master of None por aqui. Depois de uma primeira temporada sucinta, porém arrebatadora, esperamos quase dois anos (ou foi mais que isso?) para reencontrarmos Dev em um novo momento da sua vida. E, ao longo de dez episódios, tivemos a oportunidade de passear por muitos momentos incríveis na companhia do personagem, com um roteiro extremamente crítico e que faz com que a gente pare, reflita e mude algumas atitudes tão intrínsecas do nosso ser. Por isso, separamos (só) cinco dos grandes momentos dessa nova temporada, para revisitarmos e te convencermos de que, se você ainda não viu, essa é a hora para parar tudo que está fazendo e devorar o segundo ano de Master of None.   […]

Leia o post completo

Siga as nossas redes sociais e fique sempre conectado:

Assine nossa newsletter