State of Affairs

14 de dezembro de 2014 Por:

stateofaffairs-charlie

State of Affairs é a nova série da NBC. Criada por Alexi Hawley (Castle e The Following), o suspense de espionagem conta a história da analista da CIA Charleston Tucker, que é encarregada de apresentar um briefing diário com informações sobre segurança à Presidente dos Estados Unidos Constance Payton.

A analista da Cia, que é interpretada por Katherine Heigl (Grey’s Anatomy), e a Presidente dos Estados Unidos, que é interpretada por Alfree Woodard, têm um trauma em comum: a morte Aaron Payton (Mark Tallman), filho de Costance e noivo de Clarlie, aparentemente, em um ataque terrotista.

State of Affairs chega com dois elementos da “moda” no mundo das séries: protagonismo feminino e política. Porém, a NBC não consegue alcançar a qualidade da concorrência.

Apesar da NBC vender a série como o retorno de Katherine Heigl à telinha, ela ainda não consegue assumir o controle. Talvez seja porque apresentaram pouco da sua personalidade e o que apresentaram pareceu confuso. Charlestone está traumatizada com a morte do noivo e por isso, assume um comportamento imprudente, ao mesmo tempo que comanda um grupo importante da CIA e tem que ser uma chefe responsável com uma visão privilegiada sobre os assuntos e controle sobre os problemas.

Luto, imprudência na vida pessoal e chefe controladora são características difíceis de equilibrar, e Heigl não alcança esse equilíbrio.

Se a ideia era utilizar Heigl excessivamente como a própria NBC faz com James Spader em The Blacklist ou como a ABC faz com Viola Davis em How to Get Away with Murder, não funcionou. Mas outros personagens mostraram potencial e poderiam ganhar importância, como Lucas Newsome (Adam Kaufman).

stateofaffairs-charlestone-costance

Mas tecnicamente, ela não estaria sozinha nesse protagonismo, Woodard também deveria assumir um espaço de importância na série, já que é uma atriz experiente interpretando a presidente dos Estados Unidos. Porém, a figura dela é anulada perante a figura de Charlie. A justificativa seria uma confiança e carinho (excessivo?) pela noiva de seu filho. Mas, ela é sub-valorizada pela série e ficamos com querendo mais dela em quantidade e qualidade.

O trama político, que está em segundo plano, também não convence. A motivação seria a política externa dos Estados Unidos, que está sempre ameaçada por perigos externos. Dentro desses, um alvo maior: Abdul Fattah, possível responsável pela morte de Aaron.

Porém nem tudo está perdido, no fim do episódio um twist pode colocar um pouco de mistério para a trama e adicionar um “desvio” na personalidade de Charlestone que realmente importa. Se isso for bem trabalhado pelo roteiro, a série valerá a pena.


E vocês? Gostaram de State of Affairs? Conte nos comentários para os Apaixonados.

Jornalista, nerd e feminista. Melhor amiga da Mindy Kaling, mesmo que ela não saiba disso.

Salto / São Paulo

Série Favorita: Sherlock

Não assiste de jeito nenhum: Two and Half Men

  • Janaina Helena

    Eu concordo com vc, acho que falta um pouco mais de qualidade. Achei o piloto um pouco confuso e isso me incomodou um pouco. Não vi o 2o, quem sabe nas férias eu veja e resolva se irei continuar.

    • Nathani Mota

      Oi Jana 🙂 Então, eu também vou assistir o segundo episódio pra ver se vai! O problema é que com tanta série boa, será que teremos espaço pra State of Affairs?

  • Taciane

    State of Affairs é fantástica! Achei o Piloto perfeito! Deu para entender o ambiente em que a série vai se passar e o papel de cada personagem e é isso que um piloto precisa! Mas cada episódio que passa, a série vai ficando mais intrigante, já não se conhece mais os personagens, já se desconfia um pouco deles também e já ficamos imaginando o que virá no próximo episódio, é fantástica! Estou amando, e vale muito mas muito a pena assistir!!!

    • Nathani Mota

      Oi Taciane 🙂 Fico triste em não conseguir compartilhar seu entusiasmo com o piloto da série como vc. Mas realmente preciso assistir os outros episódios para ver o que acontece e assim, dar meu veredito a série. Abraços!

  • Janaina Helena

    Nathani – vc viu mais episódios? a série melhorou?

1 Contra Todos

1 semana atráscomentarios

Com a lei de incentivo à produção nacional, várias produções poderiam sair do papel. Muitas delas não têm a menor pretensão de introduzirem uma ideia nova ou em mesmo de fazer sucesso. É por isso que uma série estoura na medida em que 1 Contra Todos fez, a gente tem que prestar atenção e dar os louros. Cadu (Júlio Andrade) é um advogado de Taubaté que será pai pela segunda vez, mas perde o emprego devido seus princípios éticos. Para piorar sua situação, é injustamente preso ao ser confundido com o Doutor do Crime, maior traficante do país. Para tentar sobreviver, e com o apoio de sua esposa Malu (Julia Ianina), ele decide se passar pelo criminoso como única forma […]

Leia o post completo

Queens que merecem redenção em RuPaul’s Drag Race: All Stars – Parte 2

1 semana atráscomentarios

Comemorando que RuPaul’s Drag Race acaba de conquistar o Emmy de Melhor Apresentador de Reality, Melhor Edição de Fotografia e Melhor Figurino (pelo episódio: Oh! My! Gaga!), além da VH1 não perder tempo em agendar a próxima edição All Stars para Janeiro de 2018 (está quase chegando!), em breve teremos a lista oficial das queens que estarão retornando para brigar por um lugar no Hall Of Fame do programa e ter a oportunidade de reescrever parte da sua história na competição. Assim como na primeira parte desse especial, eis aqui uma outra lista de participantes que não conseguiram atingir seu potencial e chegar longe na competição. Então, shall we begin? Trixie Mattel – Temporada 7 (Top 6) Oh honey! Quem não […]

Leia o post completo

Stephen King na televisão

1 semana atráscomentarios

Stephen Edwin King sem dúvida alguma é um (se não for “o”) maior escritor de terror e suspense de todos os tempos. Nascido em Portland, no estado de Maine, cenário da maioria das suas histórias, em 21 de setembro de 1947, teve uma infância complicada, tendo seu pai abandonado a família quando ainda tinha dois anos, e testemunhou um acidente com a morte de um amigo. Já escrevia desde criança, e vendia suas histórias aos amigos. Estudou inglês na Universidade do Maine, casou-se com Tabitha Spruce, em 1971, e lecionou sua formação em Hampden, enquanto isso escrevia para revistas masculinas. Teve problemas com álcool, e em 1999 sofreu um acidente sério, em que foi atropelado enquanto caminhava aos arredores de […]

Leia o post completo

Siga as nossas redes sociais e fique sempre conectado:

Assine nossa newsletter