Os indicados ao Globo de Ouro 2018

As nomeações à 75ª edição do Globo de Ouro foram anunciadas nesta segunda-feira pela manhã por…

Primeiras Impressões: Dark

Dark é uma produção alemã de suspense e terror, criada por Baran do Odar e Jantje…

The Goldbergs

Por: em 30 de agosto de 2016

The Goldbergs

Por: em

O Vale Cada Minuto nos leva à residência dos Goldbergs, na Pensilvânia da década de 1980, quando Adam F. Goldberg era criança e sonhava em ser um John Hughes. O garoto vivia com uma câmera na mão para gravar o cotidiano da família: o irmão trapalhão, a mãe superprotetora, e o pai ranzinza, que só andava de cueca pela casa. Naquela época, o pequeno Adam não poderia imaginar que, ali, já se embrionava sua futura carreira na TV – nos abraços esmagados da mãe ou nos gritos de “seu idiota!” do pai. Mas foi isso mesmo que aconteceu: hoje, aos 40 anos, o caçula da excêntrica família Goldberg tem o privilégio de remontar sua infância na telinha da ABC – com a quarta temporada marcada para 21 de setembro de 2016, junto com os queridinhos Modern Family e Black-ish.

Os Goldbergs da TV e da vida real – o casal Beverly e Murray, com seus filhos Adam, Barry e Erica. A personagem Erica representa Eric, o irmão mais velho de Adam: “Os roteiros fluíam melhor com uma menina entre os irmãos.”

As tramas não são lá muito originais, exatamente porque contam a história de uma família comum (ou “comum”, entre aspas, já que os Goldbergs da vida real são ainda mais escrachados do que aparentam na TV, revela Adam). Mas, como em qualquer family show de qualidade, nos garantem boas risadas: um grupo de amigos nerds que detestam Educação Física; a adolescente que tem uma reputação a zelar na escola; o rapaz que completa maioridade e quer um carro de presente; aquela espinha que aparece logo no dia do baile; primeiros amores e corações partidos. E tudo isso sem Pokémon Go nem Tinder.

Na TV, Adam e Barry com um Apple II Plus idêntico ao que os Goldbergs tinham.

O que você faria se tivesse a oportunidade de reviver sua infância? Cinéfilo de carteirinha, Adam aproveitou para dar uma apimentada na decoração de seu quarto: todos os pôsteres pendurados nas paredes realmente existiam, exceto Os Bandidos do Tempo e Star Wars VI. “Sempre quis esses dois, mas nunca encontrei. Me processem, mas agora realizei meu desejo,” brinca em entrevista. Ele participou pessoalmente da montagem do cenário e escolheu, um a um, todos os brinquedos e produtos que ficam à mostra. Alguns já pertenciam ao jovem Goldberg (que precisou vender parte dos bonecos antigos para pagar sua festa de casamento – romântico, vai?), outros foram comprados pelo eBay ou encomendados através de cartas que o produtor enviou às empresas (como as embalagens de alimentos que já não existem mais). Vale tudo por uma reconstrução de época impecável, que leva o público aos anos 1980 num piscar de olhos.

Adam F. Goldberg no set de filmagem, onde ficam os brinquedos.

Além dos créditos de criador, roteirista e produtor executivo, Adam F. Goldberg também é protagonista e narrador da série – alguém tinha dúvidas? O ator Sean Giambrone interpreta sua versão mirim, enquanto Patton Oswalt faz sua voz adulta, hoje, pontuando as pérolas daquela época – parecido com Ted Mosby, de How I Met Your Mother, conversando com os filhos no sofá. Os episódios de The Goldbergs sempre começam com o bordão “lá nos anos 1980 e pouco…” e jamais definem o quarto dígito dessa data.

E você achando que um episódio de Réveillon poderia escapolir a data. Sabe de nada, inocente!

“Em geral, as pessoas não se lembram do ano específico em que as histórias aconteceram e falam assim naturalmente,” defende Adam. A frase virou uma estratégia inteligentíssima para os roteiristas poderem inserir inúmeras referências culturais e lembranças reais da família, diretamente do túnel do tempo, sem se preocupar com a cronologia.

 

Lá nos anos 1980 e pouco…

Os Goonies: filme favorito de Adam foi homenageado na série.

Do ídolo John Hughes, Curtindo A Vida Adoidado não poderia ficar de fora.

Dirty Dancing: o baile daquele ano foi inesquecível para Erica.

Boy George: Barry se veste como o cantor para impressionar a namorada.

New Kids On The Block: fã de verdade tem uma colcha igual à da Erica.

São 74 episódios no ar até o momento deste post – pode acreditar que a lista é longa! E a nova temporada vai estrear com um episódio em homenagem a Clube dos Cinco.

 

Curiosidades

Adam da TV (à esquerda) e o verdadeiro Adam (à direita).

  • A série homônima de 1949 não tem relação com a família de Adam F. Goldberg.
  • E este Adam também não tem nada a ver com o outro Adam Goldberg, ator.
  • Adam realmente se fantasiou como um cubo de Kubrick para a festa de Halloween. “E em dois anos consecutivos,” lembra.

  • A casa da TV é bem diferente da realidade. No cenário, o cômodo mais semelhante à antiga casa é a cozinha.
  • Murray Goldberg, pai de Adam, morreu em 2008, antes de a série chegar à TV.
  • Talvez você não tenha percebido (confesso que eu devo ter piscado neste momento!), mas rolou um crossover entre a série e The Middle: Barry Goldberg estava na mesma festa em que Axl e Sue Heck. Parece furo dos roteiristas, já que Barry deveria estar nos anos 80, e os Heck, em 2015, mas foi tudo parte de uma brincadeira de 1º de abril.

Barry, de The Goldbergs, não envelheceu nada desde os anos 80.

  • Se, até agora, eu ainda não te convenci a ver The Goldbergs, segura essa: Adam F. Goldberg declarou interesse em produzir um crossover com a próxima temporada de Stranger Things, a série do Netflix que está bombando e também se passa nos anos 1980.

 

 


Estou curiosa para saber o que você achou de The Goldbergs! Deixe seu comentário.


Alice Reis

Jornalista que não bebe café, mas vai ao Central Perk com frequência. Gostaria de viver em todas as séries filmadas em Nova York.

Rio de Janeiro / RJ

Série Favorita: Friends

Não assiste de jeito nenhum: Game of Thrones

  • Ana Rebeca Tamandaré

    The Goldbergs é maravilhosa, acompanhei certinho até a metade da segunda temporada e depois não sei o que houve ao certo, mas parei de ver. Não acredito que o nível tenha caído e pretendo voltar. Ahh, e super recomendo, cada episódio é uma chuva de referências. Um grande destaque do seriado é a mãe de Adam que rouba a cena toda vez que aparece.

    ótimo texto Alice!

    • Alice Reis

      Ana, estamos em sintonia com nossos Vale Cada Minuto!! Beverly é a melhor personagem!

  • wicttor

    Nossa, eu não conhecia, mas super me deu vontade de ver inteira.
    Vou agora mesmo na locadora…

    • Alice Reis

      Tomara que você goste, Wicttor! E não esquece de rebobinar depois 😉

  • Luciene de Lucena

    Única coisa que me irrita é que a Érica tá se preparando pra ir pra faculdade desde a primeira temporada e nunca sai do último na verdade o único que muda de série é o Adam hauahauha

    • Alice Reis

      Kkkkkk! Pode crer, Luciene. Essa coisa de não haver ano definido é um desafio para os roteiristas. Os personagens ficam meio estagnados.

  • Paulo Rogerio Da Silva

    Parabéns pelo texto , adoro essa série, comecei assistir por causa de anos incríveis, q e bem parecida , e modern family tbm , comecei a 4º agora

×