The Handmaid’s Tale – 1×04 Nolite Te Bastardes Carborundorum

17 de maio de 2017 Por:

Aviso de Gatilho: A série mostra cenas de estupro e execuções.

A dessensibilização acontece quando o contato direto com algo danoso é tão intenso e constante que, com o passar do tempo, nos tornamos insensíveis aos seus estímulos. É assim que me senti ao assistir o quarto episódio de The Handmaid’s Tale. Foi um incrível episódio, mas, num primeiro momento, fiquei decepcionado, pensando que a qualidade havia caído, apenas quando parei para repensar nele que percebi como estava errado. Vem comigo recobrar os sentidos em Nolite Te Bastardes Carborundorum! Praise be! (Louvado seja!)

O cárcere privado de Offred já dura duas semanas e ela sente sua sanidade se esvaindo aos poucos. Manter uma pessoa privada de contato externo por longos períodos de tempo é uma das técnicas de tortura proibidas pelo Tratado de Viena, por ser cruel demais. Mas Serena Joy precisa ser desumana, pois é a única forma de se validar nessa nova sociedade. Sua condição de Esposa não lhe traz muitas tarefas. Além de cuidar dos filhos – que ela ainda não tem – ela é virtualmente sem função útil. Deixemos Serena Joy para mais adiante e vamos focar na inscrição que Offred encontra no armário de seu quarto.

Reprodução/HULU

Com a proibição de leitura para mulheres, realizar aquela gravação foi um ato de extrema braveza da Offred anterior, de quem ainda não temos maiores informações. Vemos como a proibição da leitura é tão forte ao notarmos que Fred se preocupa em ocultar a página de noticias que lê para que Serena Joy não possa vê-la, mas mesmo assim lhe conta, através de sua ótica, as notícias do mundo. Por um instante eu pensei que Offred seria burra o suficiente para perguntar se Rita sabia sobre a inscrição, mas, felizmente, ela soube manter o trunfo para si própria. Rita é outra personagem que me intriga, não sei se ela se sente aliviada por ser apenas uma Martha ou se realmente é adepta dos Gilead. Bom, o que importa é que seu susto garantiu uma visita ao médico para Offred.

Que homem nojento! Em nossa sociedade, ele se consideraria um “homem de bem™”, incompreendido por mulheres que não sabem apreciar suas gentilezas. Nojo! Offred foi muito inteligente em não aceitar sua oferta por vários motivos. Se fosse pega, seria condenada por fornicação. Também achei interessante notar que na sala de espera temos apenas Handmaids, mas nos retratos, são as Esposas quem posam com os bebês. É um detalhe, mas um lembrete que elas não passam de órgãos portáteis, facilmente substituíveis.

Mas eu gostei da visita ao médico por outro motivo. Finalmente alguém falou que as mulheres não estão engravidando pelos homens também estarem estéreis. É uma conclusão lógica, afinal, a biologia humana não escolheria apenas um gênero para afetar, mas, em uma sociedade patriarcal e machista, dizer que o homem não é capaz de gerar filhos é ferir com a frágil masculinidade do macho. Essa informação foi brevemente tocada aqui, mas será muito importante no decorrer da série.

Reprodução/HULU

Nas cenas de flashback sabemos como June e Moira se separam. Após a terrível lição sobre a Cerimonia de estupro, as amigas decidem que não podem mais suportar aquele terror e armam um plano de fuga. Pensei que, ao poupar a Tia de sofrimento, teríamos algum tipo de alívio futuro, ledo engado. Também achei que a fuga foi muito fácil. Mesmo com toda aquela segurança, bastou uma simples carteirada sem nenhuma verificação de foto para liberarem a saída? Meio furado isso. Parece que só se lembraram de verificar a situação delas quando June ficou sozinha, o que também me pareceu estranho, pois pensei que Moira corria mais risco por dirigir a palavra a um homem. Ótima a atitude de June, que deu permissão para a amiga seguir com a fuga enquanto era capturada em seu lugar. Porém, se os Anjos forem minimamente espertos, estarão na próxima estação, fortemente armados, apenas aguardando para receber Moira.

Gostaria de me aprofundar um pouco quando June e Moira presenciam, pela primeira fez, a real dimensão da situação atual do país. Corpos pendurados aos montes expostos ao público. Restos de material de protestos e documentos (livros?) queimados. Homens (em sua maioria, brancos) de negócios andando em meio aos mortos como se nada de diferente houvesse acontecido. É uma cena de barbárie e precisamos nos focar nesse sentimento, pois, com a exposição em excesso, parece que se torna normal e nos acostumamos, deixa de ser a exceção e passa a ser a regra.

A Cerimônia do mês não é realizada, pois Fred não consegue ereção suficiente. Tenho duas teorias aqui: ele ficou muito nervoso pelo longo período afastado de Offred e pela sensação de perigo por ter quebrado o protocolo da Cerimônia ao entrar na sala antes dos outros para se comunicar com ela; ou fez de propósito para conquistar a confiança de Offred durante a visita noturna em sua biblioteca. Em ambos cenários, quem se sentiu humilhada foi Serena Joy que, mais uma vez, se viu rejeitada pelo marido. É provável que, na República de Gilead, qualquer tipo de sexo sem fim reprodutivo é considerado pecado. Nesse caso, sexo com uma infértil jamais seria permitido. Será que é por isso que Serena Joy sente essa necessidade quase psicótica de infringir sua superioridade em Offred?

A insistência em querer que Offred o visite em sua biblioteca e que sua vida seja um pouco mais “tolerável” não me convence muito, mas me confunde, pois não compreendo quais são suas intensões. Talvez Fred apenas pratique a Cerimônia pois sabe que é seu dever como Comandante de Gilead. A tradução de frase em latim é uma dica interessante de como deve ter sido seu passado: o que deve ter levado o jovem Fred a pensar na frase “não deixe os bastardos lhe triturar“? Será que ele não é tão a favor da República quanto parece? Teremos aqui um traidor em potencial?

Será que teremos um episódio onde testemunharemos o que aconteceu com a Offred anterior? Gostaria muito de saber exatamente o que Serena Joy fez para que ela sentisse que a morte era a única saída. E talvez seja por isso que sua relação com Fred está praticamente destruída.

Reprodução/HULU

Offred nos deixa com a impressão de que está sempre perdida ou desamparada. Sim, sua situação não é muito esperançosa, mas sentia falta dessa demonstração de manipulação feminina que os governantes de Gilead tanto temem. Sua estratégia para se libertar do cativeiro foi elaborada no calor do momento, mas com exímia precisão, sem deixar espaço para recusa de Fred, que parece apenas atender ao desejo emocional de uma Handmaid, não às tramoias de uma feminista lutando pela sua liberdade. E é bom notarmos o contraste entre Offred e Serena Joy:  enquanto a Handmaid está finalmente sob o sol, a Esposa, que teoricamente tem uma posição social melhor, ainda está presa ao seu cativeiro matrimonial e residencial.

A trilha sonora dá ao término do episódio um clima ameno e esperançoso, o que imagino que tenha contribuído à impressão de que foi mais leve que os anteriores, mas é, provavelmente uma jogada para nos desarmarmos. Minha previsão é de que os próximos episódios sejam cada vez mais calmos, para que o ritmo seja vertiginoso ao final da temporada. Inclusive, notem que, durante os créditos, começa a chover, seria um prenúncio de tempestade a vista?

O EVANGELHO DE GILEAD:

  • De acordo com Fred Waterford, a República de Gilead está sofrendo embargos comerciais devido violações de direitos humanos. Sua análise é de que o Euro entrará em colapso caso o embargo se prolongue por muito tempo, o que leva a crer que as negociações com países asiáticos, africanos e latino-americanos ainda estão em andamento. Essa compreensão é corroborada pela informação de que Fred acaba de retornar de uma delegação de comércio que estava no México.
  • Uma Tia escapa de um Centro Vermelho para o Canadá e dá uma entrevista sobre o programa das Handmaids para o jornal Toronto Star. Isso mostra que nem mesmo quem ocupa posições altas é a favor do regime e participa de livre e espontânea vontade da República de Gilead.
  • Todas as placas e sinais de trânsito foram retirados das ruas para que as mulheres não tivessem acesso a material de leitura algum.

O que vocês têm achado de The Handmaid’s Tale? Deixem suas opiniões nos comentários! Praise be!

Professor de idiomas com mais referências de Gilmore Girls na cabeça do que responsabilidade financeira. Fissurado em comics (Marvel e Image), Pokémon, Spice Girls e qualquer mangá das...

Ler perfil completo

São Paulo / SP

Série Favorita: Gilmore Girls

Não assiste de jeito nenhum: Game of Thrones

Misfits e o uso de poderes em benefício estritamente próprio

2 semanas atráscomentarios

O tema dos super-heróis tem sido bastante explorado nos moldes atuais, existem por ai séries de bastante qualidade e que fazem a cabeça de um grande público onde o enfoque são os indivíduos/as que ganham poderes e os usam para salvar o mundo, só que muito antes disso tudo uma série britânica teve a audácia de retratar um cenário onde jovens deturbados e a margem da lei ganham poderes bizarros e os usam para os mais egoístas e cômicos interesses,  criando situações inimagináveis. Esta é Misfits, uma série britânia que foi ao ar entre os anos de 2009 e 2013, totalizando 5 temporadas de grande sucesso ao mesclar com eficiência, humor, comédia e ficção científica. A série narra as peripécias […]

Leia o post completo

Girlboss: guia do que NÃO fazer na vida adulta

2 semanas atráscomentarios

Teve gente que gostou de Girlboss, teve gente que achou a série fraca. Mas em uma coisa todo mundo certamente concorda: Sophia é um dos piores seres humanos que já vimos como protagonista de uma série. E com ela a gente pode aprender muito sobre o que não fazer para ser uma pessoa melhor. 5. Não roubar Em GirlBoss, uma das primeiras coisas que descobrimos sobre Sophia é que ela acha normal roubar. Não, ela não rouba porque precisa, porque quer ajudar alguém, ou se quer por uma questão de princípios contra uma sociedade capitalista. Sophia rouba porque se sente superior e simplesmente não respeita os outros, – muito menos suas propriedades. 4. Não ser egoísta com a melhor amiga […]

Leia o post completo

Desafio: você se lembra de quem foi essa declaração de amor?

2 semanas atráscomentarios

Ah, o dia dos namorados. Aquele momento do ano para espalhar aos quatro cantos nosso sentimento por aquela pessoa especial, que faz o coração acelerar e as palmas da mão suarem. Aquela pessoa por quem você faria qualquer coisa, até mesmo deixar a vergonha – ou o medo – de lado para professar seu amor. Nas séries, existem muitos personagens  que não esperam data especial nenhuma para declarar seu amor, seja num momento de desespero, num pedido de casamento ou só para reforçar aquilo que o parceiro já sabe e Tom Jobim cantava aos quatro ventos: é impossível ser feliz sozinho. Você também acredita nisso e se derrete toda vez que sabe que chegou a hora de surtar, porque vai ter […]

Leia o post completo

Siga as nossas redes sociais e fique sempre conectado:

Assine nossa newsletter