Aquele em que dizemos adeus

Pra quem não sabe, o Apaixonados por Séries existe há quase dez anos. Eu e Camila…

O que esperar de 2018

Antes de mais nada, um feliz ano novo para você. Que 2018 tenha um roteiro muito…

Masterchef Brasil – 3×20 Top 7

Por: em 20 de julho de 2016

Masterchef Brasil – 3×20 Top 7

Por: em

Ei, você. O grande vilão da sua vida é o tempo? Então se junte ao pessoal do Masterchef Brasil pra trocar figurinhas.

Masterchef-Brasil-3x20-Ana-Paula-Padrão

O que você faria com sal, pimenta e azeite? Esse era o começo do desafio para o top 7, só que a parte fácil. Porque a dificuldade começava quando, para cada ingrediente que pegassem no mercado, teriam cinco minutos a menos de prova. Ali, veríamos que Masterchef de verdade não precisa de uma infinidade de produtos para fazer um bom prato. A criatividade contaria mais que nunca. Os competidores que pegaram cinco ingredientes ficaram com uma hora e cinco minutos de prova, enquanto os que pegaram sete, com 55 minutos. Basicamente, era a prova perfeita para os universitários, que muitas vezes abrem a geladeira e mal têm três ingredientes para preparar uma refeição.

Os dois melhores pratos foram com peixe, uma proteína que favorece bastante e evidencia o sabor do azeite. Com o uso inteligente do que tinham, Fábio e Luriana conquistaram o direito de assistir de camarote ao desespero dos amiguinhos. O peixe brilhante de Fábio estava tão bonito e saboroso que garantiu a ele o primeiro lugar no mezanino. Paula aproveitou o “sucesso” de sua massa na prova de equipe anterior e resolveu repetir a dose. Só que dessa vez com muitos erros. Leo e Raquel estavam confiantes, mas acabaram se perdendo também. A Raquel jurava que estava fazendo um prato digno de Masterchef, refinado e que impressionaria os chefs – mas já foi o tempo de impressionar com camarão, né amiga?

Paola mostrou que é mesmo a rainha desse programa e falou em rede nacional tudo o que a internet pensa sobre Lee. Ele se perde nos discursos e acaba fazendo coisas absurdas – como jogar a “parte nobre” do brócolis fora para usar apenas os talos. Ana Paula aproveitou a deixa para fazer sua participação mais útil da edição e completar o samba: “Lee está com dificuldade de adequar o discurso à prática“. Em sua releitura do prato de palmitos de Fernando, ele fez algo ainda pior e escolheu uma proteína que em nada combinava com o azeite. Enquanto isso, Bruna recebeu o famoso “parabéns… tá horrível”. Sem o queijo para equilibrar a acidez do prato, sua massa não deu muito certo e ela teve a pior das ideias para correr atrás do prejuízo. Um bolinho que parecia tudo, menos comestível. Um erro que só não foi fatal porque não era prova de eliminação. Resultado? Os dois receberam de presente uma bela desvantagem na segunda parte do programa.

Masterchef-Brasil-3x20-Bruna-Fábio-Raquel-Luriana

“Não está sendo fácil”. Poderia ser aquele grande sucesso da Kátia, mas foi apenas o resumo da segunda parte do programa. Uma bateria de provas relâmpago, muita tremedeira e adrenalina. Três ingredientes nobres, um mercado de possibilidades, mas um vilão que poderia colocar tudo a perder: o tempo. Aliás, pela segunda vez no dia. Os competidores cozinharam praticamente no escuro. Pelo menos agora eles aprenderam a não reclamar de uma hora e meia de prova, esperamos.

A panela de pressão da primeira prova começou mais light, com vinte minutos. Exceto os piores da prova anterior, que teriam apenas quinze minutos. Quando chamaram o Fábio para fazer uso de sua estrelinha brilhante de “melhor prato”, o próximo passo já estava claro. Ele ia dar a desvantagem para Leo mais uma vez, com a desculpa de que seria o candidato mais forte (Raquel só não chorou escondida em um cantinho escuro porque esse “elogio” seria inoportuno na ocasião). E por falar na Raquel, alguém tinha dúvidas de que ela seria a vencedora diante daquele prato maravilhoso? Sua maior oponente, para variar, era Bruna – que contou com a ajuda de Sandro Salmão, mas não foi o suficiente. Mesmo com a desvantagem, ela brilhou e também fez algo lindo com aquelas blueberries.

Naquele momento, o Brasil todo já estava preparando as bandeirinhas para o bottom Leo versus Lee, já que Paula não errou o bastante para disputar a eliminação. Mas era cedo demais para cantar qualquer vitória, literalmente. Antes da meia noite? É claro que teria outra prova, porque dormir cedo nas terças é só pra quem pode. Dessa vez, um belo pedaço de filé mignon de encher os olhos. E o tempo ia diminuindo. Leo errou de várias formas a receita do molho, mas teve o prato mais saboroso e conquistou o mezanino, para a decepção do bonde do recalque. Ufa! Acabou, vamos para o eliminado do dia… Ou será que não?

Acorda que tem mais prova, Fábio!

Acorda que tem mais prova, Fábio!

É claro que não! Dale mais uma prova, com menos tempo ainda e vieiras. De todas, foi a mais difícil de avaliar, já que os concorrentes finalmente acertaram. No fim das contas, qualquer uma das eliminações seria justa. Confesso que estava torcendo para o Lee tomar o rumo de casa – ele está cada dia mais irritante e desnecessário. Mas como todo aquele drama que ele fez nos depoimentos, dava para saber que não seria ele o eliminado (Troféu Joinha para a edição previsível do programa). Então, só restava dar tchau para a Paula. Devo ter piscado bastante nos últimos minutos, porque realmente não entendi a eliminação. O prato dela estava bem mais bonito e não teve um “isso não deveria estar aqui”. Mas é aquele ditado, né… vamos fazer o que.

Paula definiu muito bem sua participação no programa: ela tem “sua turma” nos ombros – ou melhor, eles a carregaram nos ombros. O pessoal do mezanino estava claramente torcendo para ela, ajudando tanto que chegou a ser desesperador. Talvez esse tenha sido um dos fatores que a prejudicou durante as provas. Ela quase conseguiu pedir música no Fantástico por errar na acidez dos pratos, um problema recorrente dela. Quem não se lembra do arroz com café? Ou nos pontos das proteínas? Enfim, já estava passando da hora de dar tchau. Com 20 programas e incontáveis provas, ela não conseguiu se destacar em uma pra contar história. Top 6 não admite mais uma cozinheira assim.

MASTERCHEF-BRASIL-3x20-Lee-Paula

Algumas observações:

– Fábio tão rico e fino que pode se desfazer de panelas por conta de uma refeita. Manda essas panelas pra gente!

– Festival de palavrões para definir o que Lee estava pensando na primeira prova com seus cinco ingredientes.

– Sacanagem os chefs passando para bater papo com o pouquíssimo tempo que os cozinheiros tinham para apresentar seus pratos.

– Leo não podia picar as sobrecoxas de frango, mas Lee pode picar o filé mignon? Tá certo, tá certo.

– Alguém viu a Bruna abraçando a Raquel? Isso a Band não mostra e a Ana Paula Padrão não fala! Só querem mostrar uma guerra que não tem.

– Lee mais uma vez jogando o discurso de coitado, de que os riquinhos que estão ali não o entendem. Vai lá e mostra que é melhor então, meu querido! Fala demais e faz nada.

– Disseram nos comentários da review passada que a Paula ama tanto o Aluísio que poderia muito bem sair no próximo programa e se juntar a ele. A torcida deu certo!


Gostou do episódio de Masterchef Brasil? Vem comentar com a gente sobre a eliminação e a próxima vítima!


Giovanna Hespanhol

Jornalista apaixonada pela cultura pop e por tecnologias. Forte tendência a gostar de séries ruins e comédias água com açúcar.

Bauru/SP

Série Favorita: Doctor Who

Não assiste de jeito nenhum: Game Of Thrones

×