Atores que mereciam mais oportunidades

30 de abril de 2017 Por:

Acompanhar uma série e não se apegar aos personagens é muito difícil, especialmente se o ator que interpreta esse personagem é incrível na arte de atuar, e de presente super carismático. Por isso, dá uma tristeza no coração quando ele não trabalha em muitos projetos televisivos.

Alguns migraram para o cinema e se dão muito bem por lá, como é o caso da Michelle Williams, nossa eterna Jen Lindley. Outros deram adeus à papéis importantes para focar em diferentes projetos, igual ao Patrick Dempsey. Entretanto, existe aquela parcela de atores que são maravilhosos, mas não conquistam grandes oportunidades, independente do porquê.

Vem dar uma olhada nesse post de atores que não conseguem grandes trabalhos na televisão:

Lily Rabe

Ganesha abençoe Ryan Murphy por nos apresentar Lily Rabe! Se não fosse por American Horror Storydificilmente eu reconheceria a grande atuação dela.

A atriz conseguiu papéis que fogem da zona de conforto. Na primeira temporada de AHS interpretou Nora Montgomery, a primeira moradora da Murder House. Seu maior e melhor papel foi como a irmã Mary Eunice, em Asylum. Em Coven, deu cara à bruxa Misty Day, e na quinta temporada da série, intitulada Hotel, fez o papel de Aillen Wuornos, conhecida como a primeira serial killer dos Estados Unidos. Seu último trabalho foi em Roanoke.

Em 2015, Lily teve a oportunidade de protagonizar The Whispersque foi cancelada após 13 episódios. A série não tinha grande potencial e não mostrava nem uma parte do talento da atriz, tanto que não sei o porquê da Rabe fazer parte do elenco. Sem séries do Murphy ou com roteiro fraco, quero Lily Rabe protagonizando uma personagem conflitante, no modelo de Mary Eunice.

Simon Baker

The Mentalist acabou em 2015 e até agora estou na espera de que Simon Baker apareça em algo na TV. Patrick Jane é um dos melhores personagens de séries criminais e, por mais que seja complicado sair desse personagem, o ator certamente merecia destaque em outras produções.

Ele até que tentou uma carreira no cinema, mas não sei se comédias românticas sem sucesso possam entrar no critério de “carreira sólida”.

Anna Paquin

Saindo dos papéis clichês de mocinhas em perigo, Sookie Stackhouse, pode não ter sido a melhor protagonista, mas foi muito mais forte e independente do que muitas outras. Uma das grandes razões para isso, foi a excelente interpretação de Anna Paquin como a telepata (fada) sensível e curiosa, conseguindo o prêmio Globo de Ouro.

A atriz, já conhecida e premiada no meio cinematográfico, desde o final de True Blood não participa de algo notório. No ano passado, ela fez somente uma minissérie chamada Roots. Com duas séries programadas para irem ao ar ainda esse ano (Bellevue e Alias Grace), vai ser gratificante ver novamente seus dentinhos separados e sua maravilhosa performance.

Michael Pitt

A primeira vez que vi Michael Pitt foi em Dawson’s Creek. Seu personagem se limitou em ser mais um que se apaixonava por Jen, e do mesmo jeito que apareceu, ele sumiu, sem muita explicação.

Michael se deu muito bem no cinema e em 2010 tentou a vida nas séries. Sua volta à TV foi através de Boardwalk Empireda HBO, com o personagem Jimmy Darmody. Entretanto, foi com o psicopata Mason Verner, de Hannibal, que ele ganhou meu coraçãozinho destaque. Tudo estava muito bem, até que no final da segunda temporada da série, descobrimos que Pitt não voltaria como Verner no próximo ano, por conflitos na agenda. O personagem foi interpretado por Joe Anderson, que continuou o incrível trabalho. Já Michael, voltou para o cinema, com filmes um tanto desconhecidos.

Leighton Meester

O que seria de Gossip Girl sem a melhor patricinha que respeitamos? Sério, Blair Waldorf carregou todas as temporadas na costa e ainda nos presenteou com frases maravilhosas e marcantes.

Leighton sempre irá carregar essa imagem de Queen B de uma série da CW, porém, nem por isso ela deve ser menosprezada em outros papéis. Nos últimos anos, desde o término de Gossip Girl, a atriz casou-se e teve uma linda filhinha, decidindo aproveitar seu tempo com a família. Agora, voltou à atuar em uma comédia da Fox, Making History.

Não sei o quão promissora essa comédia parece ser, mas queria que Meester estivesse em um papel mais valorizado e que mostrasse seu potencial.

John Noble

John Noble não poderia ficar de fora. Seu talento foi demonstrado em Fringecomo o cientista Walter Bishop, um dos melhores personagens de séries sci fi. Mesmo não sendo reconhecido nas premiações, Noble ganhou o coração dos fãs, por conseguir transmitir toda aquela inocência e ao mesmo tempo, culpa que Walter tanto carregava. Só que com o fim da série, ele foi escalado para participar de Sleepy Hollowque digamos não é o melhor lugar para estar.

Frances Conroy

Da série “mulheres que não conseguem mais papéis por conta da idade”, apresento a vocês, Frances Conroy.

Que atriz maravilhosa e subestimada é essa, meu povo?

Lá no começo dos anos 2000, Frances agraciou o mundo com sua atuação como Ruth Fisher, em Six Feet UnderFoi com esse personagem que ela ganhou o Globo de Ouro e o Screen Actors. Participou também de algumas temporadas de American Horror StoryEm Murder House foi Moira O’Hara, a empregada-versão-velha; em Coven interpretou uma rival de Fiona, Myrtle Snow; e em Freak Show ficou com o papel de Gloria Mott, mãe do terrível Dandy, além de participações em alguns episódios de outras temporadas.

Mas ninguém dá bola para essa mulher, e apesar de suas atuações coadjuvantes serem indicadas à prêmios, ela não sai dessa categoria. Até na nova série, The Mist, Conroy participará de somente um episódio.

Madeleine Stowe

Assim como Leighton Meester estava para Blair Waldorf, Madeleine Stowe estava para Victoria Grayson, vilã do novelão favorito de qualquer Apaixonados por Séries, Revenge. Foi com as vinganças contra Amanda/Emily, sua história triste e a capacidade de planejar planos mirabolantes que fizeram dela uma vilã perfeita. Victoria tinha todo aquele glamour de pessoa poderosa, mas com um brilho nos olhos de alguém que já sofreu muito na vida.

Madeleine, desde então, só fez uma participação em 12 Monkeystalvez como homenagem, pois ela foi uma das protagonistas do filme de 1995. Ainda espero que ela interprete um personagem tão forte quanto a matriarca da família Grayson.

Sandra Oh

Até hoje, é difícil superar a imensa falta que a Dra. Cristina Yang faz em Grey’s AnatomyAtravés dela pudemos sentir toda a paixão de um médico pela profissão e o desejo de ser melhor a cada dia. Também não foi fácil para a Yang ser a person de Meredith, já que ela teve que passar por poucas e boas com a amiga.

Porém, se Sandra decidiu sair para focar em outros projetos, só resta aceitar e torcer para que outro papel lhe apareça, um tão bom e importante quanto Cristina. Entre os poucos trabalhos depois de Grey’s, só American Crime pode ser considerado destaque.


Conta aí, quais atores vocês queriam ver mais nas séries?

Futura jornalista. Mora em uma cidade desconhecida. Apaixonada por séries. Cinéfila e bookaholic. Sonha em um dia morar em Nova Iorque. O que ama mais do que tudo...

Ler perfil completo

Votorantim / SP

Série Favorita: Friends

Não assiste de jeito nenhum: The Big Bang Theory

  • Flávio Filho

    Eu também sempre pensei o mesmo da Lily Rabe e Frances Conroy, ambas deram um show de atuação em AHS, mas nunca vi elas em nenhum papel de destaque depois. Sobre Sandra Oh, a conheci atualmente em American Crime e embora ela ser quase uma figurante, sua personagem consegue ser bem carismática.

  • Vanessa Miranda

    Allison Mack, a Chloe de Smallville, sumiu. Adora sua atuação.

    • Vanessa Miranda

      Ops…adorava.

  • Young Wolf

    Concordo com todos , principalmente no caso da Frances Conroy ,considero uma das melhores atrizes da TV americana , sou apaixonado por essa fabulosa atriz , conheci ela como a icônica Ruth Fisher no meu segundo seriado favorito , Six Feet Under (que tem o melhor final de uma série em minha modesta opinião , sei que muitos concordam). Sempre da um show de atuação não importando a dimensão de seu personagem. Você nota o potencial dela só de olhar seus personagens em AHS , cada personagem totalmente diferente do outro , ela adota diversos trejeitos e até o sotaque são totalmente diferentes , uma verdadeira camaleoa. Ryan Murphy sempre teve uma força da natureza em suas mãos e não soube dar o devido valor (exceto por Moira O’Hara e Myrtle Snow que estão entre os melhores personagens de toda a série). Ryan que é o responsável pelos últimos trabalhos dela , deveria dar papéis de maior dimensão para a atriz. Não desmerecendo as atrizes que também são ótimas mas parece que as séries do Murphy sobrevivem de Jessica Lange e Sarah Paulson , cansei de ver numa série antológica sempre os mesmos rostos com papéis de destaque , tanto que deixei as séries dele meio que de lado.

    P.S. Assistam Six Feet Under. É uma daquelas séries pra se ver antes de morrer , perfeita do começo ao fim , toca pela sensibilidade e profundidade do roteiro , show de atuação , personagens humanos , acima de tudo um tributo a vida , obra prima da HBO.

  • Frances Conroy é incrível. Acho uma idiotice não chamarem ela para mais papéis, é uma atriz ótima. Na verdade, sempre prefiro mais os secundários que os protagonistas. Tem muita série em que o principal não chega nem perto da atuação de um secundário.

  • Marianne Dupont

    Sofro com a ausência de Gale Harold , o Bryan Kinney da incrível série “Queer as folk”. Talentosíssimo, fez participações em CSI , Defiance e era do elenco fixo de Secret Circle , cancelada após a primeira e única temporada.

Guia da Trilha Sonora: Parenthood – 4ª temporada

2 semanas atráscomentarios

Parenthood é o tipo de série que sempre nos emociona de alguma forma: seja com o clima familiar, com os dramas dos personagens ou com a alegria de suas conquistas. E na 4ª temporada a gente sofreu bastante com alguns personagens, e claro que a trilha sonora contribuiu bastante pra que tivéssemos o maior impacto possível de tudo que a temporada queria nos passar. Abertura: Forever Young – Bob Dylan Abertura Internacional: When We Were Young – Lucy Scwartz 4×01 – Family Portrait Just As Loud – PAUL MCDONALD Corner – ALLIE MOSS Call Me the Breeze – BETH ORTON Amen – ROCCO DELUCA A Little One – PEASANT Counting Stars – PAUL MCDONALD T-Bone Shuffle – T-BONE WALKER 4×02 […]

Leia o post completo

Maratona Parenthood – 6ª temporada

2 semanas atráscomentarios

Pegar a última temporada de Parenthood para fazer o post de maratona foi um imenso desafio. A expectativa era grande, junto com o medo de não conseguir terminar o texto. Mas é isso que uma série faz conosco, não é? Nos encher de emoções e deixar aquele gelinho na barriga no final. Família é uma coisa difícil. Você não vive sem ela e não consegue, muitas vezes, ficar perto dela. Talvez porque família não tenha o dever de ser um amigo e dizer que certas atitudes estão corretas. Ela tem o dever de apoiar, apesar dessas atitudes e estar ao lado nas horas mais importantes, sejam elas felizes ou tristes. E isso define bem o que os Braverman são. O sexto ano da […]

Leia o post completo

The Good Fight

2 semanas atráscomentarios

The Good Wife é uma das séries jurídicas mais queridas dos fãs do gênero. Mesclando casos jurídicas repletos de reviravoltas com escândalos políticos num roteiro afiado com protagonistas cativantes e coadjuvantes de luxo, os contornos da vida pessoal e profissional de Alicia Florrick e cia conquistaram nossa atenção. Mas como tudo que é bom tem um fim, a série acabou caindo na qualidade e foi cancelada após sete temporadas. Era o fim da criatividade? Graças a Deus (e aos King), não. Menos de um ano após o final de The Good Wife foi lançada The Good Fight, um spin off dos mesmos produtores e que não deixou a desejar comparando com a série mãe. TGF deu sinais de que seria interessante logo […]

Leia o post completo

Siga as nossas redes sociais e fique sempre conectado:

Assine nossa newsletter