Vale Cada Minuto – Pitch

23 de fevereiro de 2017 Por:

No ano passado, Pitch estreou discretamente na Fox e muitas pessoas provavelmente não deram uma chance à série por se tratar de uma história que gira em torno de um esporte com o qual nós, brasileiros, não estamos familiarizados: O baseball. Contudo, Pitch é muito mais que uma série esportiva, é uma série questionadora, instigante, que nos faz refletir sobre o papel da mulher nos esportes e na sociedade.

O Baseball é um esporte misto, ou seja, homens e mulheres jogam juntos. Entretanto, as mulheres não chegam até o topo da carreira como jogadoras. Na trama, a jovem Ginny Baker, interpretada por Kylie Bunbury, se torna a primeira lançadora a jogar na Major League, jogando pelo “San Diego Padres”, o que chama muita atenção da imprensa e da sociedade de forma geral.

Ginny é filha de um ex-jogador aposentado, que percebeu o talento da filha para o esporte e a ajudou a driblar as dificuldades impostas pelo gênero, ajudando-a a criar um lançamento capaz de levá-la até a Major League. Sendo mulher e negra, Ginny precisa enfrentar uma série de desafios em sua carreira. Ginny praticamente abriu mão de ter uma infância e uma adolescência completas para se dedicar ao esporte, não namorava colegas de time para evitar fofocas e acusações, sacrificou o relacionamento com a mãe em nome do baseball. Enfim, ela é o perfeito exemplo de que, quando uma mulher quer entrar num ambiente masculino, ela precisa ser perfeita, ela não pode ter falhas. O problema é que apesar de se esforçar ao máximo, Ginny está longe de ser perfeita e sob o escrutínio da mídia as suas falhas, por menores que sejam, são mais cobradas do que as de outros jogadores.

Isto fica muito claro ainda no primeiro episódio da série, quando ela vai estrear na Major League. De um lado, havia os céticos, as pessoas que não acreditavam que ela iria ser bem sucedida e de outro, havia uma multidão de garotinhas e mulheres mais velhas, que viam nela uma fonte de inspiração para as próximas gerações. O que os dois lados têm em comum? Os dois lados colocaram Ginny em uma posição na qual a falha dela significava a falha coletiva de todas as mulheres. E é assim também na vida real, se um homem faz alguma besteira no trânsito, a culpa é daquele homem em particular, mas se uma mulher fizer a mesma coisa, então o motivo é porque “mulher não sabe dirigir”. Jogar um esporte misto provavelmente expôs Ginny a esse tipo de crítica durante a vida toda.

Ginny precisa provar para um público dividido, uma imprensa que observa seus movimentos de uma forma injusta e até mesmo para os seus colegas (alguns deles se sentiram ofendidos com a presença dela no time) que ela é capaz. E, é claro, nós também acompanhamos os desdobramentos da vida pessoal dela e de seus colegas de time, e como isso se reflete no campo.

Pitch é uma série importante porque, em primeiro lugar, é protagonizado por uma mulher negra em uma posição de excelência na sua área de atuação, sendo amada, aplaudida mas também questionada por muitos. Basta olhar para a história da tenista Serena Williams, ou da nossa jogadora de futebol cinco vezes eleita a melhor do mundo, a Martha, para saber que os desafios que Ginny enfrenta são reais. Mas Pitch não é uma série dramática difícil de assistir. Para quem não se importa tanto com o lado político e social da história, as partidas são divertidas de ver. É muito bom assistir ao companheirismo que vai se formando em torno de Ginny e além do desenvolvimento de uma história romântica. Pitch com certeza tem todos os elementos para agradar mesmo aqueles que não se interessam por baseball.

Arquiteta, feminista, prefere uma noite de maratona de séries do que sair para a balada.

Brasília/DF

Série Favorita: The Walking Dead

Não assiste de jeito nenhum: Gilmore Girls, The O.C., One Tree Hill, Girls, Love

  • milatelcontar

    Me interessei pela série. Na época que estreiou o trailer não me atraiu muito, mas lendo seu texto me deu vontade de ver.
    Quem sabe até não começo a entender um pouco esse esporte louco.

    • Gizelli Sousa

      eu acabei lendo sobre baseball para compreender melhor, mas dá para pegar um pouco do esporte, sim 🙂

  • Olívia Carvalho

    Eu gostei da série, mas fico boiando muuito nas partidas, nunca sei quem está ganhando..hahah

    • Gizelli Sousa

      Eu acabei lendo um pouco sobre baseball para não ficar perdida, mas dá para acompanhar mesmo não sabendo exatamente o que acontece no campo, não é?

  • Alice Reis

    Curti! Não conhecia a série. Muito bom seu texto, Giza.

    • Gizelli Sousa

      Vale a pena conhecer, Alice. E obrigada 🙂

  • Helaine Marina

    Eu acompanho a série e gosto muito. Representatividade total, espero que seja renovada!

    • Gizelli Sousa

      Eu vou ficar muito chateada se não for renovada.

  • Karina Lucas

    Eu sou uma das pessoas q faz a legenda da série e não esperávamos q seria tão boa assim. Realmente é mto mais q o jogo, é uma mulher lutando e sobrevivendo num mundo masculino. Estou torcendo mto pra q seja renovada pq esses assuntos merecem continuar sendo discutidos.

    • Gizelli Sousa

      Oi, Karina. Primeiro, muito obrigada pelas legendas. Pitch é um achado! Também estou na torcida para que seja renovada!

  • Cah Martell

    Essa série é bem feel good, adoro as tematicas abordadas de sexismo e racismo a expectativas familiares e autodescoberta. A trilha sonora e ritmo tbm sao bons e os coadjuvantes legais. Por favor Fox, mantenha a serue viva!
    Vocês vao fazer bolão do Oscar? Amei o do ano passado

  • Marina Medeiros

    Assisti a primeira temporada, mas não sei se renovaram para a segunda. Você sabe me dizer?

    • Gizelli Sousa

      Ainda não foi renovada, mas também não foi cancelada. Existe uma boa chance de renovação.

  • Renata Vianna

    Finalmente alguém falando dessa série, ótima review! Pitch é sensacional, desde a música de abertura(que ficou semanas na minha cabeça) até cada um dos dramas vividos por Ginny. Esperando ansiosamente a renovação depois daquele series finale!

    • Gizelli Sousa

      Estou na torcida pela renovação também! E sim, a música de abertura fica martelando na cabeça da gente.

  • João Cunha

    Essa série é incrível. Vou morrer se não for renovada!

    • Gizelli Sousa

      Existe uma boa chance de renovação. Vamos torcer 🙂

  • Pitch ❤
    Essa série foi um achado, quando vi o trailer não esperava nada demais e quando vi o piloto tive uma boa surpresa. Uma das coisas que mais me atrai na série é que a Ginny não é aquela jogadora “fodona e perfeita”, ela é humana e tanto erra como aprende no decorrer da série.
    Quero muito que renovem!

Desafio: você se lembra de quem foi essa declaração de amor?

1 semana atráscomentarios

Ah, o dia dos namorados. Aquele momento do ano para espalhar aos quatro cantos nosso sentimento por aquela pessoa especial, que faz o coração acelerar e as palmas da mão suarem. Aquela pessoa por quem você faria qualquer coisa, até mesmo deixar a vergonha – ou o medo – de lado para professar seu amor. Nas séries, existem muitos personagens  que não esperam data especial nenhuma para declarar seu amor, seja num momento de desespero, num pedido de casamento ou só para reforçar aquilo que o parceiro já sabe e Tom Jobim cantava aos quatro ventos: é impossível ser feliz sozinho. Você também acredita nisso e se derrete toda vez que sabe que chegou a hora de surtar, porque vai ter […]

Leia o post completo

Guia da Trilha Sonora: Scream – Season 1

2 semanas atráscomentarios

Entre os poucos pontos positivos que posso destacar em Scream, a trilha sonora fica em primeiríssimo lugar (talvez porque seja da MTV). Misturando canções atuais, dançantes e tristes, que fazem parte da vida dos jovens de Lakewood, a série soube utilizá-las para compor a história e os personagens. Assim, nada melhor do que ouvir as músicas da primeira temporada, agora disponível em uma playlist na nossa conta do Spotify!

Leia o post completo

House of Cards e a Política Brasileira

2 semanas atráscomentarios

Primeiramente, #foratemer. E se você ainda não conferiu a última temporada de House of Cards, não se preocupe, esse texto não contém spoilers, – apenas reflexões. Pra gostar de House of Cards você precisa torcer pelos Underwood. Claro, a gente sabe o quanto eles são escrotos, mas é ficção, certo? Não tem problema torcer pelos vilões. Ou pelo menos era o que pensávamos em 2013, quando a série estreou. Mas de lá pra cá a política mundial virou de ponta à cabeça. Os Estados Unidos elegeram Trump e nós tivemos Temer enfiado goela abaixo. Isso sem contar os acontecimentos dignos da ficção, como a morte de Teori Zavascki, a delação do Joesley e os testes nucleares da Coréia do Norte. […]

Leia o post completo

Siga as nossas redes sociais e fique sempre conectado:

Assine nossa newsletter