O feminismo nas séries

7 de março de 2017 Por:

Em homenagem ao dia internacional da mulher, que é amanhã, vamos falar de feminismo!

A história desse movimento tem seu principal marco na Revolução Francesa com a “Declaração dos Direitos das Mulheres” em 1771, um documento que dava direitos de voto, acesso à educação, liberdade profissional, além de vários outros direitos, porém na época foi rejeitado (óbvio). No Brasil ele tem início com a publicação do livro “Direitos das mulheres e Injustiças dos Homens” em 1832, onde a autora afirma que as mulheres são tão capazes quanto os homens. Outro acontecimento importante foi o direito ao voto, concedido 100 anos depois, durante o governo de Getúlio Vargas.

Atualmente o feminismo também se encontra representado nos filmes, seriados e novelas que tem como seus personagens principais mulheres fortes e independentes que provam ser capaz de tudo aquilo que um homem também é. Mesmo assim nem todos são aprovados no Teste de Bechdel.

A primeira série que assisti, Buffy: The Vampire Slayer, era um tanto quanto feminista, pois tinha como personagem principal e heroína uma mulher forte que carregava um legado, coisa que para a época (1997) ainda era algo incomum. O criador da série, Joss Whedon, ao colocar como protagonista uma mulher loira queria desafiar o estereótipo de que essas são as mais frágeis entre o “sexo frágil” por serem desprovidas de inteligência. A série então não tinha medo de tocar em assuntos como o dever de obediência da mulher ao homem, algo que naquele momento era visto como correto ou normal, e de desenvolver e investir nas suas personagens femininas, como Willow: a bruxa mais poderosa e nerd que uma série já criou.

Agora, não dá pra falar de feminismo no mundo das séries sem citar as garotas Gilmore não é mesmo? Numa época em que ainda era comum a mulher ser a dona do lar e apenas cuidar dos filhos e maridos eis que surge Lorelai Gilmore: mãe solteira, e que deu seu próprio nome à filha – pois se os homens podem fazê-lo por que as mulheres não poderiam? Rory foi criada com as bases do feminismo: independência, autoestima, acreditando que ela era capaz de conquistar o mundo caso quisesse. Paris, Sookie, Lane… Diversas são as mulheres em Gilmore Girls que correram atrás dos seus sonhos, conquistaram seus lugares e dominaram aquilo que faziam e os lugares onde estavam. Além disso, não podemos esquecer as diversas referências a cultura pop, muitas deles ligadas intimamente ao movimento que busca a igualdade de direitos.

Chegando pros dias de hoje não nos faltam exemplos de séries protagonizadas por mulheres, ou então que tenham fortes personagens femininas – mesmo que essas não sejam as protagonistas.

Podemos citar Supergil, que incorpora bem o feminismo ao ter uma super heroína como sua personagem principal e outras mulheres fortes contracenando diretamente com ela. No episódio “Human for a day” o girlpower é o mais verdadeiro possível pois Kara, Supergirl para os mais íntimos, salva o dia mesmo estando sem poderes. A série, porém, não se contenta em ter apenas uma mulher de destaque, mas nos mostra também uma jornalista de sucesso dona de sua própria empresa e que vive segundo suas próprias regras, Cat Grant; a irmã de criação de Kara, que não fica à sombra desta por não ter habilidades especiais, mas sim dá conta do recado, Alex Danvers; uma CEO que até então luta fortemente para não ser definida pelo nome que carrega, Lena Luthor; e muitas outras. “Você sabe o que eu amo? Garotinhos que pensam que podem fazer um trabalho melhor do que uma mulher que é uma heroína de verdade.” Como não gostar de uma série que enfatiza tão sutilmente o quanto nós mulheres somos capazes?

Agents of SHIELD é focada na equipe liderada por Phil Coulson após os acontecimentos do filme “Os Vingadores”, mas quem brilha mesmo em toda a série são as mulheres. Jemma Simmons: uma cientista extremamente inteligente e com uma resiliência de dar inveja; Melinda May: a agente que resolve qualquer problema não importa a dificuldade, superando e muito a capacidade e habilidade de muitos dos homens de dentro da agência; Daisy Jhonson: a personagem que mais se desenvolveu ao longo das temporadas, passando de uma simples hacker a uma Inumana que é também uma das melhores e principais agentes da equipe. Sem contar aquelas que já não fazem mais parte do seriado, como Bobbi Morse, ou aquelas que aparecem apenas de vez em quando como a nossa querida Yo-yo.

E não importa qual seja a realidade a ser enfrentada podem acreditar que as mulheres dão conta da situação, pois mesmo em meio ao apocalipse zumbi de The Walking Dead surgem personagens fortes das quais dependem a sobrevivência de todo um grupo, como é o caso de Carol – uma personagem que passou de vítima indefesa àquela que é peça fundamental para o sucesso de seu grupo de sobreviventes, Michonne – uma excelente guerreira e que não tem medo de enfrentar aqueles que ameaçam o bem estar do seu grupo; de Maggie – que tem se mostrado uma líder extremamente capaz; além de tantas outras que se mostram capazes de enfrentar a dura realidade que tomou conta do planeta.

Jessica Jones, Otlaunder, Legends of Tomorrow, Agent Carter… Exemplos de mulheres fortes, e séries que valorizam essas personagens dando espaço a um debate de extrema importância como o feminismo, não faltam.

O feminismo tem diversas formas de ser expresso e defendido. Algumas são mais radicais do que outras, mas o objetivo é sempre o mesmo: demonstrar que nós mulheres não somos o sexo frágil. Somos diferentes sim, mas igualmente capazes.

E pra você, quem é seu exemplo de feminismo nas séries? Conta pra gente!

21 anos e apaixonada por séries, livros, música, filmes e todo tipo de entretenimento. Tem memória de elefante pra tudo aquilo que as pessoas costumam chamar de "cultura...

Ler perfil completo

Petrópolis/RJ

Série Favorita: Gilmore Girls e One Tree Hill

Não assiste de jeito nenhum: Outlander

  • Isabel Tavares

    Coloca na lista também: Quantico, Blindspot, The 100… Todas cheias de mulheres poderosas e personagens fortes que fazem toda diferença no enredo das séries.

  • Você linkou o teste de Bechdel pro meu blog pessoal!!! <3

  • Cíntia Araújo

    Lembrei das séries de espiãs um pouco mais antigas como por exemplo: La Femme Nikita e Alias

  • Mariane Lima

    Saudades, Buffy.
    A primeira série empoderadora que eu lembro de ter visto foi Charmed. Bruxas, desafiando o patriarcado since EVER!!!! <3

  • FleapC

    Cadê Parks and Rec, como assim? Leslie Knope maior feminista que vc respeita

Maratona Parenthood – 3ª Temporada

1 semana atráscomentarios

Chegamos ao final de mais uma incrível temporada de Parenthood dando continuidade a nossa maratona do choro. Em termos gerais, foi um bom ano digerido em um par de semanas, tivemos algumas continuidades e fechamentos de plots iniciados na segunda temporada, assim como, testemunhamos o desenvolvimento de alguns personagens, enquanto outros permaneceram estagnados em suas posições. Não foi uma temporada perfeita, mas considero piamente esta a minha favorita até agora e sua análise merece ser realizada pelos núcleos familiares que compõem os Braverman, então vamos aos comentários.. Adam, Kristina, Haddie, Max e Nora Temporada de mudanças para todos os membros deste núcleo. A demissão de Adam e a dificuldade de se inserir novamente no mercado de trabalho abre a vertente para o grande plot da temporada – a […]

Leia o post completo

Guia da Trilha Sonora: Parenthood – 2ª temporada

1 semana atráscomentarios

A música perfeita pode tornar um episódio ainda melhor do que o que ele já foi não é mesmo? Em uma série de drama, principalmente, elas costumam ditar o clima dos acontecimentos. E a gente precisa admitir que em Parenthood esse elemento funciona muito bem, sendo sempre um dos principais motivos da série ser tão boa de assistir e conquistar tanto a gente. Se você ainda não conhece a história da família Braverman pode ficar por dentro de tudo na nossa maratona, e se já conhece ou apenas quer conhecer músicas novas vem comigo ver a trilha sonora completa da segunda temporada. Abertura: Forever Young – Bob Dylan Abertura Internacional: When We Were Young – Lucy Scwartz 2×01 – I […]

Leia o post completo

Glitch

2 semanas atráscomentarios

Sete mortos voltam à vida super bem de saúde e aparência. É essa a história de Glitch, uma série australiana que está disponível no Netflix, desde o ano passado. De cara, a história pode parecer mais uma de tantas sobre mortos-vivos, zumbis ou afins. Inclusive, Glitch chegou a ser comparada com as séries The Returned e Ressurection. Mas, apesar de usar um tema já conhecido do público, o enredo é totalmente novo e contado de uma forma diferente de tudo que você já viu sobre o assunto. Nada de apocalipse ou vírus mortal, Glitch conta a história de sete renascidos das cinzas de forma, aparentemente, espontânea e natural, e claro, misteriosa na cidade fictícia de Yoorana, na Austrália. O primeiro […]

Leia o post completo

Siga as nossas redes sociais e fique sempre conectado:

Assine nossa newsletter